controlo da enxameação ou a lição com 100 anos: solução tipo 2

Recentemente descrevi o maneio que utilizo mais frequentemente para fazer o controlo da enxameação. A técnica descrita é muito adequada para quem quer impedir a enxameação, quando ela já é praticamente irreversível se nada for feito e, ao mesmo tempo, deseja aumentar o número do seu efectivo apícola.

A publicação de hoje visa ilustrar um outro tipo de solução para fazer o controlo da enxameação. Utilizo-a menos frequentemente, apesar de eficaz, e é muito adequada para os apicultores que desejam evitar a enxameação mas não desejam aumentar o número de colónias de abelhas.

Em baixo deixo o foto-filme dos sinais que considerei para o diagnóstico de preparação de enxameação, procedimentos principais para o seu controlo e sua sequência.

Encosta prenhe de erica australis. O período da enxameação reprodutiva está associado ao arranque das boas condições edafoclimáticas.
Ontem nesta colónia, com ninho e sobreninho separados por uma excluidora de rainhas desde o passado dia 15 de março, encontrei alguns sinais que me levaram a crer que nos próximos 10 dias iria enxamear.

O primeiro sinal: verificar que dos dois quadros com cera laminada que coloquei na semana passada no ninho apenas um deles foi aproveitado pela rainha para fazer oviposição.

Quadro que a rainha aproveitou para encher com ovos.
Quadro que tudo indica iria ser aproveitado para armazenar néctar.

O segundo sinal: após a emergência das novas abelhas os alvéolos são utilizados para armazenar nectar e/ou pão-de-abelha (backfilling).

Área central de um quadro onde se vê claramente o backfilling.

O terceiro sinal, o mais inequívoco dos três: a presença de ovos em alguns cálices reais.

Quando vejo cálices reais com cera nova/clara nas suas paredes em geral faço a sua inspecção. Encontrando ovos parto do princípio que aquela colónia vai enxamear. Sabendo que os sinais inequívocos de enxameação são os mestreiros, isto é alvéolos reais com larvas assentes em quantidades generosas de geleia real, prefiro agir logo que presencie ovos em cálices reais.

Estes sinais concomitantes não me deixaram dúvidas que esta colónia iria enxamear em breve. Assim sendo, decidi utilizar uma das medidas de controlo da enxameação que faz parte do meu catálogo. Em baixo ilustro e descrevo as principais etapas do procedimento.

1º passo: encontrar a rainha. Como nesta colmeia a rainha estava confinada ao ninho por uma grelha excluidora encontrá-la foi… um passeio no parque!

Uma vez que não tinha levado a mola para a apanhar, o quadro foi colocado no chão. 99% das vezes as rainhas não saem dos quadros onde estão.

2º passo: retirar os restantes quadros do ninho juntamente com as abelhas aderentes, com excepção de um quadro com reservas. Feito isso coloquei o quadro onde andava a rainha ao lado do quadro com reservas.

3º passo: preencher os espaços restantes do ninho com quadros com cera laminada.

4º passo: colocar grelha excluidora de rainhas entre o ninho e o sobreninho.

5º passo: colocar os quadros com criação e abelhas aderentes no sobreninho.

Foto representativa dos quadros colocados no sobreninho.
Em resumo: a rainha está confinada ao ninho com poucas abelhas; já o sobreninho está cheio de abelhas e quadros com criação em todos os estádios de desenvolvimento e… sem rainha.

Ontem, 12-04, para controlo da enxameação não inventei nada, procurei apenas dar curso às lições com mais de 100 anos do ilustre apicultor Demaree. E assim, aos ombros de gigantes, vou fazendo o meu maneio o melhor que posso e sei!

o controlo da enxameação e os ganhos marginais: solução tipo 1

Na manhã do passado dia 3 de abril, num dos apiários que tenho a 900 m de altitude e onde se iniciou de forma frouxa o fluxo das erica australis, tinha planeado passar para caixa-colmeia uma boa parte dos núcleos que lá estão estacionados. Assim acabei por fazê-lo em 4 dos 6 núcleos que lá fui encontrar a rebentar pelas costuras — a gestão da palmerização nestas colónias é feita no fio da navalha. A retirada semanal de um quadro com criação, e sua substituição por um quadro puxado vazio ou um quadro com cera laminada dá-lhes espaço para se desenvolverem, e fazem-no rapidamente dada a forte agregação e densidade da colónia naquele espaço mais reduzido. Contudo corrro riscos, dado que apenas uma semana passada parte destas colónias vão estar mais congestionadas que muitas das ruas centrais de Tóquio em hora de ponta.

Quando a sua função como colónias doadoras de quadros, quer a colónias mais fortes quer para desdobramentos pelo método Doolittle — foi o caso —, deixa de ser necessária, ou quando a qualidade da rainha é tal que é um tiro no pé manter esta colónia nestas funções faço a transferência para uma caixa-colmeia de 10 quadros.

Neste núcleo fui encontrar postura compacta de um travessão ao outro, num quadro Langstroth colocado vazio cerca de duas semanas antes. Este quadro irá dar, só nesta face, cerca de 3500 abelhas novas. Sabendo que um núcleo Langstroth alberga em média cerca de 10 mil abelhas, e que desde o primeiro dia de operculação do alvéolo das larvas de obreiras até à emergência da novas abelhas decorrem 12 dias, facilmente se entende porque uma cidade até ali descongestionada se torna rapidamente numa urbe onde todos andam literalmente uns em cima dos outros.
Ali vai, a dobrar a esquina, a actriz principal desta peça, uma das rainhas produzidas por mim o ano passado.
E está feita a transferência, limpa e cristalina.

Mas nem todas as transferências foram assim, do tipo chegar, ver e vencer! Duas delas foram muito diferentes e exigiram-me olho atento.

Pois… estavam nestes preparos!
Como os núcleos estavam cheios de abelhas e como vi muitos ovos decidi meter-me ao trabalho e procurar as rainhas nestes dois núcleos. Num deles foi rápido. O quadro com a rainha foi para um núcleo depois de destruídos todos os mestreiros e juntei-lhe um quadro com reservas. Os restantes 3 quadros foram para outro núcleo depois de destruídos os mestreiros, para introduzir uma rainha em gaiola (coisa que fiz ontem dia 5).
Neste tive de afinar mesmo muito o olhar. Não tanto por a malta ser muita e andar toda em cima uma da outra (e neste estado de pré-enxameação as abelhas parece que tomaram uma valente dose de Xanax, não arredam dos quadros de maneira nenhuma e deslocam-se a 5 à hora!). A grande dificuldade foi a rainha estar no último quadro e estar do tamanho de uma princesa. A largura de cintura estava já no ponto ideal para levantar voo dali a umas horas. Mas não vai não senhor… por enquanto vai continuar a fazer postura numa das minhas caixa. Com receio que levantasse voo nem me arrisquei a fotografá-la… está naquele segundo quadro na caixa nova em baixo.
E de um fiz três… o da esquerda tem os mestreiros e ficou no local original, o do meio foi levado para outro apiário para lhe introduzir uma rainha virgem em gaiola, o do lado direito tem a rainha mãe, que ficou no apiário mas noutro local… correndo tudo como habitualmente este núcleo com a rainha mãe irá começar a doar quadros cheios de criação às restantes colmeias do apiário dentro de um mês a mês e meio.

Com propensão, gosto e tempo para este tipo de maneio sinto-me amiúde um gestor de ganhos marginais, especialmente nesta altura do ano, a época da enxameação, em que faço o que me é possível fazer para que todas as rainhas fiquem nas minhas caixas, mesmo aquelas que já estavam de malas aviadas.

Nota: numa publicação próxima vou descrever a solução tipo 2 que também utilizo para controlar a enxameação. O termo controlo de enxameação é aqui utilizado para designar o maneio que realizo quando uma colónia já tem mestreiros presentes. Antes destes surgirem o maneio que faço, para evitar que os mestreiros surjam e o processo de enxameação atinja esta etapa, designo, juntamente com outros, prevenção da enxameação.

a abóbada de mel: manipulação de quadros com vista a prevenir a enxameação

Demaree, Snelgrove e Walt Wright serão as principais referências do meu maneio nos próximos dois a três meses, o período da pré-enxameação e da enxameação neste território.

Walt Wright, com quem cheguei a dialogar algumas vezes no BeeSource, terá sido o apicultor que, nas últimas décadas, mais se atreveu a pensar “fora da caixa”, de forma muito corajosa, o fenómeno da enxameação em abelhas melíferas. Entre outros aspectos do seu pensamento, dou particular atenção às reflexões e descrições que fez relativamente ao conjunto de sinais da preparação da enxameação, onde se destaca o backfilling, assim como a importância que atribui à abóbada de mel enquanto determinante da pressão e timing da enxameação. A este propósito ele escreveu: “Suspeitamos que a expansão da criação até à abóbada com reservas de mel operculado desencadeia a preparação da enxameação…” Walt Wright, Nectar Management, Principles and Practices (pg. 37, manual não publicado, disponibilizado pela família após sua morte).

Foto tirada ontem, 01-03, de um quadro do modelo Lusitana, com uma abóbada de mel operculado no topo.

Aceitando que as abelhas tomam como indicador de que encheram e completaram o ninho quando a mancha de criação atinge as abóbadas de mel operculado, e aceitando também que uma das formas mais eficaz e expedita de atrasar, diminuir ou mesmo eliminar o impulso de enxameação passa por fazer crer ao enxame, que o ninho não está completamente utilizado, concluído, nem constringido, de que modo estas ideias influenciam o meu maneio? Sempre que me é possível — considerando com cuidado as reservas de mel presentes — descontinuo de forma gradual esta abóbada por substituição destes quadros por quadros o mais possível vazios — como o da foto em baixo. Os quadros com abóbadas de mel transfiro-os para as colmeias armazém ou utilizo-os para fazer equalização de colónias menos desenvolvidas.

Quadro vazio armazenado em casa, com pequenas áreas com bolor no canto superior esquerdo e no canto inferior direito.
Este quadro (modelo lusitana), porque sem abóbada de mel operculado, permaneceu no ninho.
Este quadro (de um núcleo do modelo Lusitana), com uma abóbada de mel descontinua, deixar-me-ía na dúvida se tivesse que decidir deixá-lo ou tirá-lo de um ninho de uma colónia com 10 quadros e prematuramente forte.

Um detalhe: o quadro em baixo é o quadro adjacente ao quadro em cima. Reparar na similitude entre a forma geométrica formada pela mancha de criação operculada — foto em cima — e a formada pela mancha de pão-de-abelha.

Se tivesse que resumir a mensagem-chave desta publicação — assim como a da publicação precedente — diria que estas senhoras (abelhas) não saem de casa (enxameiam) antes de a ter devidamente organizada, arrumada e com a despensa cheia. Eu irei gradualmente, pouco a pouco, ao longo dos próximos três meses introduzindo alguma desarrumação, esperando ter o tempo e o talento para não pecar por excesso nem pecar por defeito.

enxameação: sensores bio-orgânicos da predisposição para enxamear

Quem deseja indicadores, estratégias e procedimentos que resultam 99% das vezes não deve vir para a apicultura. Aceitando desde já que esta é a única verdade com um grau de confiança de 99% que conheço em apicultura, vou procurando aprender,… ouvindo outros companheiros, lendo, através da minha experiência, as três combinadas… o abelhês que as minhas abelhas falam.

Desejando que num futuro próximo surjam dispositivos/sensores artificiais/electrónicos que nos permitam compreender e antecipar o comportamento das abelhas, neste caso em particular o da enxameação, vou que ter que viver com o que sei e com o que posso fazer, como todos nós.

Neste caso da enxameação vou arriscar a apresentar uma hipótese, com base em algumas observações que tenho vindo a fazer nos últimos anos, e que ontem re-confirmei e aproveitei para documentar em fotografias.

Como já referi, para cumprir a regra que me auto-impus “não mais de seis” tiro um ou dois quadros com criação no período de pré-enxameação e de enxameação reprodutiva sempre que a colónia atinge 7 a 8 quadros com criação compacta e extensa. Este período vai sensivelmente de meados de março a meados de maio na minha zona, e obriga-me a fazer esta intervenção 3 a 4 vezes. No lugar destes quadros coloco um ou dois quadros com cera laminada ou semi-puxada na posição 2 e/ou 9.

Ninho que ficou na última revisão (há 10 dias atrás) com 6 quadros com criação de obreira mais um com criação de zângão (o que tem a mancha verde) e um quadro com cera laminada na posição 2 (o mais claro a contar da esquerda).
Foto de ontem (14.o4) de outro ninho onde fiz exactamente a mesma intervenção na visita anterior e em cima descrita.
Foto de ontem desta colónia e do quadro colocado na posição 2, há 10 dias.
Foto aproximada do mesmo quadro. Pode observar-se que a rainha iniciou há poucos dias a utilização deste quadro para fazer postura.

Nas 34 colónias deste apiário que tinham sido todas elas trabalhadas da mesma forma na visita de há 10 ou 18 dias atrás (conformação à regra e colocação de cera laminada ou semi-puxada na posição 2 e/ou 9) 28 tinham criação neste quadro. Nas restantes 6 não vi nem um ovo colocado neste quadro.

Quadro de uma das 6 colónias na qual a rainha não colocou um só ovo. Aproveitei para o colocar dentro da câmara de criação/no seio de quadros com postura.

E que tem isto a ver com os sensores bio-orgânicos para avaliar a predisposição da colónia para enxamear ou não num futuro próximo, de 10 a 15 dias?

Das 34 colmeias que vi neste apiário, todas elas com boa profundidada e atenção para despistar indícios de enxameação, nas 28 colmeias em que as rainhas tinham feito postura no quadro 2 e/ou 9 não vi sinais de pré-enxameação, isto é, não vi cúpulas reais com ovos e/ou backfilling, e mestreiros com larvas. Nas restantes 6 colmeias, em duas delas também não vi sinais de pré-enxameação e/ou enxameação, mas nas restantes 4 vi esses sinais. Em três delas vi cúpulas com ovos e numa vi mestreiros com larvas no interior.

Conclusão, a merecer mais confirmação e melhor quantificada:

no período de enxameação desconfiar que todas as colmeias podem enxamear, em especial aquelas em que as rainhas aparentemente abrandam o ritmo de postura, em particular aquelas que não aproveitam os quadros novos com cera laminada, que as abelhas puxam, para aí fazer postura de um travessão ao outro.

Os sensores electrónicos ou biológicos tem duas vantagens principais: (i) alertarem-nos para sinais que nos permitem prever e antecipar o “estado de ânimo” das abelhas e agir de acordo; (ii) poupar tempo e esforço no maneio, neste caso aceitar que se virmos postura recente neste quadros, não necessitamos de despender mais tempo a ver atentamente cada um dos 10 quadros do ninho para concluir que a colónia não se prepara para enxamear nos próximos 10 a 15 dias.

Quadro de uma outra colónia, que me levou a aceitar o princípio que não está com ânimo de enxamear nos próximos 10 a 15 dias, dispensando-me de mais esforço e tempo na sua inspecção. Com mais de 100 colónias em três apiários diferentes para alimentar e inspeccionar ontem, estes sensores biológicos valem bem o dinheiro que gastei neles.

método de Pagdens de controlo da enxameação

Controle da enxameação e prevenção da enxameação são coisas diferentes

Controle e prevenção de enxameação são duas coisas diferentes. A última descreve os passos dados para impedir uma colónia de “pensar” em enxamear, por ex. rainhas jovens e colmeias espaçosas e desbloqueadas (ver mais aqui). Em contraste, o controle da enxameação é o que é necessário fazer, desde que surgem os sinais de que a enxameação está iminente. O sinal mais comum e inequívoco é encontrar vários mestreiros durante uma inspeção (atenção que nem sempre os mestreiros são de enxameação). A prevenção da enxameação visa evitar, ou pelo menos atrasar, a necessidade de controlar a enxameação. Sendo necessário o controle da enxameação, a enxameação artificial de Pagdens é uma excelente opção para quem não tem mais que um apiário ou não deseja transferir a colónia desdobrada para outro apiário. O método Demaree de controlo de enxameação é muito utilizado pelos apicultores que não desejam comprometer a produção da colónia e/ou não desejam aumentar o número de colónias.

O princípio do método

Como habitualmente o princípio é separar a rainha e as abelhas forrageadoras da criação e das abelhas amas. Isso é conseguido com algumas manipulações simples aproveitando a tendência das abelhas voarem de volta ao local da colmeia em que foram criadas, ou mais precisamente, ao local da colmeia da qual eles fizeram seus voos de orientação.

Neste pequeno vídeo vemos a esquematização e sequência das operações do método.

O método em detalhe

  • Mova a colmeia que está para enxamear (colmeia antiga) alguns metros do local original.
  • Coloque uma colmeia nova no local original, com a entrada voltada no mesmo sentido.
  • Remova dois quadros do centro da nova caixa.
  • Delicadamente inspecione com cuidado a colmeia que está para enxamear com objectivo de encontrar a rainha, e coloque o quadro com a rainha no centro da nova caixa. Não deve haver mestreiros neste quadro. Empurre os quadros adjacentes e adicione um dos quadros retirados para que a colmeia fique cheia.
  • Se houver meias-alças a colocar, coloque-os na nova colmeia. Se não houve um fluxo intenso, alimentar esta colónia com um xarope 1:1 para incentivar as abelhas a puxar cera.
  • Coloque a prancheta e o tecto na nova colmeia.
  • Junte os quadros na colmeia original, adicione um quadros na zona lateral coloque a prancheta e o tecto deixe o as abelhas a fazerem a “sua coisa”.

Qual o objectivo desta primeira manipulação?

No final desta primeira manipulação, separamos artificialmente a rainha de quase toda a criação e abelhas amas. A rainha está no local original na nova colmeia. Todas as abelhas campeiras retornam ao local original — porque é para onde elas se orientaram — nas horas e dia seguinte. Esta nova colmeia é viável, pois contém a rainha original, abelhas para apoiá-la e muito espaço vazio para ela fazer postura.

A antiga colmeia também é viável, mas somente se as abelhas criarem uma nova rainha. Como existem mestreiros abertos, eles devem ser operculados para permitir a pupação e a metamorfose, que leva 7 dias.

Dia 7

Mova a colmeia antiga para o lado oposto da nova colmeia a alguns metros de distância. As abelhas forragearas que amadureceram na colmeia antiga durante a semana anterior não encontrarão a sua colmeia quando retornarem do campo. Nesta condição entrarão na colmeia mais próxima da colmeia de onde sairam, que é aquela com a rainha original, ou seja, a nova colmeia. Isto aumenta a força da colónia com a rainha original. Mais importante, drena a antiga colmeia de abelhas, tornando menos provável que venham a formar enxames secundários se mais de uma rainha virgem emergir.

É importante que a colmeia antiga não seja aberta nestes primeiros sete dias. Haverá uma nova rainha virgem presente que sairá em breve para fazer o seu vôo de fecundação. Deixe esta colmeia pelo menos mais duas semanas sem lhe mexer. A criação irá emergindo, gerando uma população de muitas abelhas jovens que irão cuidar da rainha recém-fecundada e amplo espaço para ela fazer postura nos dias seguintes.

Dia 21+

A antiga colmeia deve agora conter uma rainha recém-fecundadas e em postura. As inspeções nesta colónia podem começar de novo. A nova colónia, com a rainha original, deve estar em pleno desenvolvimento e o impulso de enxameação muito provavelmente ultrapassado.

Nota: Se deseja aumentar o número de colónias, este método é bastante eficiente. Se não for esse o objectivo, as duas colónias podem ser unidas utilizando jornais. Remova a rainha antiga primeiro, seja para a eliminar (!) ou oferecendo-a a outro apicultor.

Fonte: The Apiarist

o método Demaree de controlo da enxameação

George Demaree (1832–1915) ficou na história da apicultura com o artigo que publicou em 1892 no American Bee Journal, onde descreveu o seu método de controlo da enxameação.

O princípio do método é muito simples.

Quando encontramos mestreiros durante uma inspeção, fazemos uma divisão vertical, separando a rainha mãe e as abelhas forrageadoras das abelhas amas e da criação operculada. Colocamos por cima de uma grelha excluidora de rainhas a criação operculada e abelhas amas.

Alguns dias depois ( 7 dias é o período desejável), retornamos à colónia e destruímos quaisquer novos mestreiros na caixa superior, impedindo assim a maturação e emergência de novas rainhas. Finalmente, deixamos toda a criação emergir na caixa superior.

A aplicação prática do método

O processo é exemplificado pelo diagrama em baixo. O único equipamento adicional necessário é uma caixa de ninho com 10 quadros de cera puxada ou cera laminada e duas grelhas excluidoras de rainhas.

Legenda da esquerda para a direita: colmeia com ninho e duas meias-alças com rainha mãe (Q) e mestreiros de enxameação (qc); ao centro colocação das grelha excluidoras (pontos vermelhos por debaixo e por cima das meias-alças) ; passados 7 dias destruímos os eventuais mestreiros que possam ter surgido na caixa do topo da colmeia.

O método descrito mais detalhadamente:

  • Se encontrar mestreiros durante uma inspeção, remova cuidadosamente o ninho e coloque-o sobre um telhado virado ao contrário.
  • Coloque uma nova caixa de ninho sobre o estrado original. Insira 9 quadros com cera puxada ou laminada, deixando um espaço no meio da caixa.
  • Vá à caixa original e encontre a rainha.
  • Coloque o quadro com a rainha no meio da nova caixa de criação. Esse quadro não deve conter mestreiros.
  • Na caixa onde ficaram os restantes quadros de criação junte os quadros e adicione o décimo quadro na lateral.
  • Adicione uma grelha excluidora de rainha.
  • Coloque as meia-alças por cima da 1ª excluidora de rainhas. Se não houver meias-alças na configuração original, vale a pena adicioná-las agora. Proporcionará uma melhor separação da caixa de criação nova e antiga e incentivará as abelhas a armazenar néctar nas meias-alças, e não na caixa de criação superior (caso o fluxo seja intenso).
  • Adicione uma segunda grelha excluidora de rainhas por cima das meias-alças.
  • Coloque a caixa com a criação original em cima desta 2ª excluidora de rainhas.
  • Inspeccione atentamente esta nova caixa de criação no topo da colónia e remova todos os mestreiros. Sacuda as abelhas dos quadros para fazer isso. Coloque estes quadros juntos e adicione um quadro adicional. Coloque a prancheta a e o tecto.

Deixe a colónia tranquila por uma semana. Na próxima inspeção, só precisará ver a caixa de criação do topo (ou seja, a original).

  • Inspeccione cuidadosamente todos os quadros e remova todos os mestreiros. Novamente, deve sacudir as abelhas dos quadros para fazer isso. Se deixar escapar algum mestreiro, há uma boa chance de a colónia enxamear.
  • Feche a colmeia e deixe a criação na caixa superior a emergir nas próximas duas semanas.
  • Cerca de 21-25 dias após a realização da primeira inspeção (onde encontrou os mestreiros), você pode remover a caixa de criação superior da qual todas a criação terá já emergido.

Fonte principal: The Apiarist

Nota: no meu caso utilizei este método um número de vezes baixo, que se pode contar pelos dedos de uma mão. Sempre que o utilizei consegui controlar a enxameação, sem ter de proceder à divisão da colónia. Apesar de trabalhoso, este método parece-me muito eficaz e adequado para quem deseja controlar a enxameação e não deseja aumentar o número de colónias.

os enxames secundários: os mistérios da enxameação segundo Doolittle

“Todos os enxames que possuem uma rainha jovem ou virgem podem ser adequadamente classificados como enxames secundários. Quando um enxame principal/primário sai, geralmente deixa realeiras maduras na velha colmeia mãe, das quais emergirão jovem rainhas que liderarão todos os enxames posteriores.

Como regra, cerca de seis a oito dias após o enxame principal ter saído a primeira jovem rainha emerge do casulo real, e se uma nova enxameação é aceite pelas abelhas como a melhor solução para a colónia, as outras jovens rainhas são mantidas nas suas células reais por um pequeno grupo de abelhas que se aglomeram sobre elas constantemente, de modo que a tampa/extremidade da célula não possa ser removida para deixar a jovem rainha sair. Se uma enxameação adicional não for considerada uma boa solução pelas abelhas, então todas as restantes realeiras serão destruídas depois da eliminação das jovens rainhas, de modo que a primeira rainha que emergiu será a única da colmeia.

Se as células são protegidas como acima se descreve, a primeira rainha emergida parece entrar em fúria, e profere notas estridentes em intervalos, soando algo como tee-tee, tee-te, t, t, t, soaria proferido neste maneira, e designou-se “encanamento/piping da rainha”, que é mantido por cerca de dois dias, durante a formação do segundo enxame, ou o primeiro dos enxames secundários. Este “piping” da rainha é sempre ouvido no caso de existir uma pluralidade de rainhas numa colónia que pretenda enviar mais enxames secundários. As rainhas retidas nas suas realeiras pelas abelhas estão crescendo em idade e força e, durante a pressa e a agitação da segunda enxameação, uma ou duas dessas rainhas terminam apressadamente roendo a tampa da realeira e saem com este novo enxame, dando-se o caso de duas ou mais rainhas serem encontrado neste primeiro enxame. secundário.

Se um terceiro enxame for lançado, as abelhas agrupam-se sobre as células reais remanescentes tendo rainhas nelas, e acontece o mesmo que anteriormente e o terceiro enxame sai. Como há menos abelhas em número nesta altura do que aquando da saída do segundo enxame e rainhas mais maduras mantidas como prisioneiras, as realeiras são geralmente menos vigiadas pelas abelhas-guarda. Nesta altura as rainhas, abelhas correm para fora, e nesses casos eu tenho contado muitas vezes de 8 a 15 rainhas com um desses enxames, embora de um a cinco seja o número usual.

Ocasionalmente, uma colónia enviará um quarto e, às vezes, um quinto enxame, embora este seja de ocorrência muito rara; e às vezes todas as jovens rainhas deixam suas realeiras e saem com o último enxame, neste caso a colónia mãe fica irremediavelmente sem rainha, e morre pela sua incapacidade de produzir uma rainha. Assim que as abelhas se vão, as larvas da traça da cera destroem os quadros, e o dono/apicultor declara que as traças foram quem destruiu as suas colmeias.

Acima, tentei dar uma pequena visão dos mistérios da enxameação de abelhas, muitos dos quais parecem não ser totalmente compreendidos, mesmo por aqueles que mantiveram as abelhas por vários anos”

“Duas rainhas num enxame – mistérios da enxameação”, G. M. DOOLITTLE, ABJ, agosto de 1902.

controlo da enxameação: uma abordagem

O controlo da enxameação, por definição, são todas as medidas empreendidas pelo apicultor para evitar a mesma a partir do momento em que encontra mestreiros de enxameação nas suas colónias. Mestreiros são todas as células reais onde já se encontra em desenvolvimento uma larva ou pupa. A prevenção da enxameação, por definição, são todas as medidas empreendidas pelo apicultor para evitar o surgimento dos ditos mestreiros, isto é, evitar que a colónia entre em modo de enxameação.

Ainda que o comportamento de enxameação tenha uma componente hereditária, há anos em que ele é mais elevado que noutros. Parece, portanto que o factor hereditário/genético não explica tudo e que factores ambientais, ou de contexto, devem ser considerados. Mais, o melhoramento perseguido pela selecção de linhas menos enxameadoras tem sido lento e com resultados menos consistentes. O comportamento de enxameação parece ser um traço com baixa heritabilidade. Para alguns especialistas anda na ordem dos 0,20-0,30, numa escala entre 0 e 1.

Uma das abordagens que utilizo com regularidade passa por assinalar, sempre que o observo, sinais da possível preparação da colónia para enxamear: backfilling, taças/cálices reais em grande número, cálices reais com ovos e presença de mestreiros. Este trabalho inspectivo decorre normalmente e integrado no trabalho mais abrangente de “abertura” dos ninhos, equalização, palmerização, avaliação da qualidade da postura da rainha, selecção de colónias para fornecer a clientes, avaliação da eficácia da luta contra a varroose, avaliação do estado de saúde da criação, e outros que realizo no período pré-enxameatório.

Encontrada uma colónia com sinais inequívocos de pretensão de enxamear, entre outras abordagens, a que utilizo mais frequentemente é a divisão da mesma.

No local, sempre que possível, fica uma divisão orfanada.

A rainha, depois de encontrada (tarefa que não deve ultrapassar os 4 a 6 min.) é colocada numa outra divisão com menos abelhas e levada para outro apiário.

O número de divisões/desdobramentos depende da força/população do enxame inicial e da população que desejamos fornecer a cada um dos desdobramentos.

backfilling — o que é?

Já há uns anos que conheço as ideias do falecido apicultor Walt Wright acerca do fenómeno que ele designou backfilling. Deixo aqui alguns excertos traduzidos acerca deste fenómeno, por mim verificado váriadíssimas vezes nas minhas colmeias e que, segundo ele, são um sinal de preparação da colónia para a enxameação reprodutiva. Tendo a concordar, sustentado nas minhas observações.

Backfilling (preenchimento) é uma palavra. que, usada apropriadamente, substitui uma frase inteira e descreve um processo-chave no desenvolvimento da colónia com vista à enxameação reprodutiva: para reduzir a área de criação os alvéolos no ninho, antes ocupados por cria fechada, são preenchidos com néctar ou pólen, à medida que esta vai emergindo (nascendo). […]

O preenchimento deste espaço é semelhante ao ajuste do tamanho dos ninhos de cria nas colónia de abelhas na fase de contracção do enxame. Durante o final do inverno/princípio da primavera a colónia expande o ninho. Ela (colónia) precisa destas abelhas extra para ter um número de indivíduos que lhe permita fazer um enxame reprodutivo. Quando a expansão produz abelhas suficientes para a divisão por enxameação, este alvéolos extra cumpriram seu propósito. Então a colónia precisa reduzir a área de cria para um nível que possa ser mantido pela população mais pequena que irá permanecer após a partida do enxame. A colónia faz isso preenchendo as áreas de cria com néctar ou pólen. O néctar é preferido — é mais fácil e rápido —, mas se o néctar for escasso e o pólen estiver disponível, ela (a colónia de abelhas) usará o pólen. À medida que a ninhada emerge, a forragem disponível é colocada nesses alvéolos para reduzir o volume da ninhada. Esse é o processo que chamamos de backfilling (preenchimento).

Esquema 1: O backfilling inicia-se quando as abelhas começam a armazenar néctar abaixo da linha curva e a ocupar a zona designada “capped brood”

O backfilling não se restringe à redução do ninho no momento da enxameação reprodutiva. Toda vez que o volume da criação é reduzido, o backfilling é aplicado. Isso acontece durante toda a primavera/verão no fluxo principal de néctar. Também é aplicado no outono/inverno, em certos locais, com fluxos de forragem intensos (zona de eucaliptal, por ex.). […]

Dica do mês

Quando os mestreiros/realeiras de enxameação são iniciadas, a colónia já está comprometida com a enxameação. A “febre” está instalada, as medidas de prevenção da enxameação chegaram tarde ou foram insuficientes. Resta ao apicultor controlar a enxameação. Teremos de ser capazes de olhar e identificar sinais anteriores para anteciparmos e intensificarmos as medidas que dispomos para a prevenção da enxameação. A monitorização do backfilling é para onde o nosso olhar e atenção se devem dirigir.

Se tiver um número de colónias que exceda os limites de sua memória visual, coloque um alfinete ou uma pequena sinalização no quadro no topo da zona de expansão da cria. Se o néctar aparecer abaixo da marca, terá cerca de duas semanas para iniciar uma ação corretiva antes de a colónia entrar em “modo de enxameação.”

Fig.1.: Quadro exemplo de backfilling

Fonte: https://beesource.com/point-of-view/walt-wright/backfilling-whats-that/

Nota: quando as abelhas, por falha da rainha ou por falta de alças meleiras, enchem os quadros do ninho com mel e/ou pólen numa altura do ano em que o volume de cria deve estar em notória expansão não estamos perante o backfilling tal e qual aqui descrito.

eliminação de rainhas/linhagens que enxamearam: uma boa prática?

Achei que estas linhas de pensamento do apicultor norte-americano Mike da empresa apícola Bjornapiaries merecem uma tradução e publicação no meu blogue.

Ao longo dos anos, ouvi comentários de que um apicultor deve matar e substituir rapidamente uma rainha que tenha saído com um enxame. O raciocínio sempre foi que, ao manter tal rainha, estamos a criar e perpetuar um “traço de enxameação”. Esta avaliação é equivocada e errada acerca do que realmente acontece dentro da colmeia.

A enxameção é a substituição da rainha enquanto se perpetua a espécie através da sua propagação. Embora a substituição da rainha nem sempre envolva a enxameação, a enxameação envolve sempre a substituição. A rainha é substituída por uma rainha mais jovem.

Ouviremos os apicultores comentando que a enxameação é uma característica que pode ser eliminada nas abelhas, ou pelo menos diminuída, e ao mesmo tempo sugere-se que devemos comprar rainhas que foram seleccionadas para apresentarem enxameação baixa. E, no entanto, não é possível encontrar um criador que comercialize, promova ou anuncie suas rainhas que dê garantias reais na redução das taxas de enxameação. O fato é que quase todos os insetos estão programados ao longo das eras para reproduzir, multiplicar e propagar as suas espécies quase todos os anos. As abelhas não são exceção.

Mesmo tentar criar essa característica nas abelhas poderia ter impactos negativos. Estudos mostraram que as rainhas do primeiro ano produzem mais que rainhas mais velhas. Eles produzem mais cria, mais mel e falham numa taxa mais baixa. Na natureza, as colónias de abelhas selvagens enxameiam quase todos os anos. A natureza coloca suas melhores chances de sobrevivência nas mãos de uma jovem rainha virgem, enquanto expulsa a bem-sucedida rainha mais velha via enxameação, onde, se tal não acontecesse, elas morreriam a um ritmo extremamente alto. Muito poucas enxames que saem para as árvores acumulam o suficiente para sobreviver no primeiro inverno. Se não fossem os apicultores que os apanham e cuidam, os alimentam e os ajudam, estes novos enxames morreriam a uma taxa de cerca de 90%.

Quando um enxame primário é apanhado, sim, recebemos uma rainha mais velha. No entanto, devemos lembrar-nos de algumas coisas. Ela veio de uma colónia que passou com sucesso o inverno. Esta colónia também foi saudável o suficiente para se fortalecer ao ponto de enxamear. Ela não foi substituída devido à saúde ou condição de fraqueza. Ela foi substituída pela enxameação, que permite que a espécie se perpetue, continue por mais um ano e passe adiante sua melhor genética. Pensar que alguns gostariam de sair rapidamente e comprar uma rainha comercial produzida em massa e matar essa rainha do enxame, é apenas louco!

Agora você realmente sabe o que você ganha quando apanha um enxame? Na verdade não. É por isso que você, como apicultor, deve monitorar a nova colónia, certificar-se de que a rainha é o que você quer e substituí-la se se justificar. Mas não a substitua devido a um equívoco e ideia errada que ela vai transmitir algum “traço de enxameação”. A enxameação (e qualquer referência a traços de enxameação) deve ser visto como uma colónia com boa saúde e invernagem bem sucedida.

Pensar que nós, como apicultores, deveríamos estar concentrando os nossos esforços na criação de abelhas que não enxameiam é uma ideia equivocada. È não ter uma compreensão completa dos benefícios do que a enxameação oferece. Pensar que podemos nos intrometer nas forças naturais de propagação e perpetuação das abelhas é apenas outro exemplo de ignorância e arrogância.

Anos atrás, antes dos ácaros varroa, a natureza nos dava um produto maravilhoso (rainhas) que nos permitia manter uma rainha por vários anos sem problemas graves. Com as bactérias, vírus e ácaros de hoje, e outros problemas que estão causando enormes perdas, esses dias de ter rainhas de três ou quatro anos de idade já passaram. É benéfico ter rainhas jovens dentro de cada colmeia. Mas isso não significa matar, possivelmente, a sua melhor genética que vem à sua maneira no último enxame que se apanhou. Eu coloco rainha vindas nos enxames contra as rainhas de produção de criadores no mercado. E não se deixe enganar pelo marketing do criador, sugerindo que eles seleccionam para impulsos de enxameação mais baixos. Eu duvido que seja validado, e eu questionaria qualquer criador disposto a seguir esse caminho.

O enxame controlado através de divisões/desdobramentos oportunos, utilizando realeiras de enxameação, perpetuando sua própria genética e compreendendo os benefícios da enxameação, é benéfico. Não estou sugerindo deixar suas colmeias enxamearem. Eu estou sugerindo que vantagens podem ser obtidas, ao invés de matar rainhas de enxameação e de destruir realeiras de enxameação,  e pensar que você está perpetuando traços negativos. Mantenha a rainha de enxameação, use as realeiras de enxameação e saiba que você está se beneficiando de uma colmeia e genética que foram dignas de enxamear em primeiro lugar.

fonte: http://www.bjornapiaries.com/badbeekeeping.html

5 breves notas acerca deste post:

  • interpretar o que o autor escreve como a apologia de “laissez-faire”/deixa andar acerca da prevenção e controlo da enxameação é, na minha opinião, ter passado ao lado das mensagens centrais do texto;
  • não costumo apanhar enxames nas árvores, contudo na minha experiência de quase 10 anos tenho aproveitado diversas vezes mestreiros de enxameação para dar início a novas famílias. Em geral o resultado da produção de mel nesse ano ou ano seguinte agradam-me o suficiente para continuar a utilizar este procedimento, mas sobretudo agrada-me a vitalidade com que estas colmeias passam o inverno e arrancam no final do mesmo;
  • com base nos registos que vou fazendo verifico frequentemente que existe uma propensão maior para enxamear nas colónias com rainhas no segundo ano de postura, em colónias que se desenvolvem prematuramente no final do inverno, em apiários mais abafados, em colmeias com o chamado ninho infinito, em colmeias congestionadas por abelhas, e por fim e sobretudo pelas condições climatéricas nos momentos pré-fluxo de néctar. Parece-me que a enxameação é despoletado mais do que se refere por aspectos de contexto ou situacionais e não tanto como se julga por factores de natureza hereditária;
  • em 2017 tive uma taxa de tentativa de enxameação/enxameação a rondar os 5% e em 2018 esta mesma taxa esteve entre os 20-25%. Com as mesmas abelhas e com um maneio melhorado. As condicionantes climatéricas explicam em grande medida as diferenças;
  • este ano um conceituado e experimentado apicultor, que me comprou vários enxames, e que tem colónias buckfast junto a casa confessou-me que até essas tinham enxameado.