o controlo da enxameação e os ganhos marginais: solução tipo 1

Na manhã do passado dia 3 de abril, num dos apiários que tenho a 900 m de altitude e onde se iniciou de forma frouxa o fluxo das erica australis, tinha planeado passar para caixa-colmeia uma boa parte dos núcleos que lá estão estacionados. Assim acabei por fazê-lo em 4 dos 6 núcleos que lá fui encontrar a rebentar pelas costuras — a gestão da palmerização nestas colónias é feita no fio da navalha. A retirada semanal de um quadro com criação, e sua substituição por um quadro puxado vazio ou um quadro com cera laminada dá-lhes espaço para se desenvolverem, e fazem-no rapidamente dada a forte agregação e densidade da colónia naquele espaço mais reduzido. Contudo corrro riscos, dado que apenas uma semana passada parte destas colónias vão estar mais congestionadas que muitas das ruas centrais de Tóquio em hora de ponta.

Quando a sua função como colónias doadoras de quadros, quer a colónias mais fortes quer para desdobramentos pelo método Doolittle — foi o caso —, deixa de ser necessária, ou quando a qualidade da rainha é tal que é um tiro no pé manter esta colónia nestas funções faço a transferência para uma caixa-colmeia de 10 quadros.

Neste núcleo fui encontrar postura compacta de um travessão ao outro, num quadro Langstroth colocado vazio cerca de duas semanas antes. Este quadro irá dar, só nesta face, cerca de 3500 abelhas novas. Sabendo que um núcleo Langstroth alberga em média cerca de 10 mil abelhas, e que desde o primeiro dia de operculação do alvéolo das larvas de obreiras até à emergência da novas abelhas decorrem 12 dias, facilmente se entende porque uma cidade até ali descongestionada se torna rapidamente numa urbe onde todos andam literalmente uns em cima dos outros.
Ali vai, a dobrar a esquina, a actriz principal desta peça, uma das rainhas produzidas por mim o ano passado.
E está feita a transferência, limpa e cristalina.

Mas nem todas as transferências foram assim, do tipo chegar, ver e vencer! Duas delas foram muito diferentes e exigiram-me olho atento.

Pois… estavam nestes preparos!
Como os núcleos estavam cheios de abelhas e como vi muitos ovos decidi meter-me ao trabalho e procurar as rainhas nestes dois núcleos. Num deles foi rápido. O quadro com a rainha foi para um núcleo depois de destruídos todos os mestreiros e juntei-lhe um quadro com reservas. Os restantes 3 quadros foram para outro núcleo depois de destruídos os mestreiros, para introduzir uma rainha em gaiola (coisa que fiz ontem dia 5).
Neste tive de afinar mesmo muito o olhar. Não tanto por a malta ser muita e andar toda em cima uma da outra (e neste estado de pré-enxameação as abelhas parece que tomaram uma valente dose de Xanax, não arredam dos quadros de maneira nenhuma e deslocam-se a 5 à hora!). A grande dificuldade foi a rainha estar no último quadro e estar do tamanho de uma princesa. A largura de cintura estava já no ponto ideal para levantar voo dali a umas horas. Mas não vai não senhor… por enquanto vai continuar a fazer postura numa das minhas caixa. Com receio que levantasse voo nem me arrisquei a fotografá-la… está naquele segundo quadro na caixa nova em baixo.
E de um fiz três… o da esquerda tem os mestreiros e ficou no local original, o do meio foi levado para outro apiário para lhe introduzir uma rainha virgem em gaiola, o do lado direito tem a rainha mãe, que ficou no apiário mas noutro local… correndo tudo como habitualmente este núcleo com a rainha mãe irá começar a doar quadros cheios de criação às restantes colmeias do apiário dentro de um mês a mês e meio.

Com propensão, gosto e tempo para este tipo de maneio sinto-me amiúde um gestor de ganhos marginais, especialmente nesta altura do ano, a época da enxameação, em que faço o que me é possível fazer para que todas as rainhas fiquem nas minhas caixas, mesmo aquelas que já estavam de malas aviadas.

Nota: numa publicação próxima vou descrever a solução tipo 2 que também utilizo para controlar a enxameação. O termo controlo de enxameação é aqui utilizado para designar o maneio que realizo quando uma colónia já tem mestreiros presentes. Antes destes surgirem o maneio que faço, para evitar que os mestreiros surjam e o processo de enxameação atinja esta etapa, designo, juntamente com outros, prevenção da enxameação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.