expansão da Vespa velutina no noroeste da Espanha: influência da altitude, fatores meteorológicos e efeito da armadilha de isca em organismos vivos alvo e não alvo

Fica a tradução do resumo de um estudo, realizado na vizinha Galícia, acerca dos factores abióticos que parecem condicionar a expansão da V. velutina naquela região e do efeito das armadilhas de isca não selectivas na espécie-alvo e nas espécies não-alvo de acordo com as características dos locais de captura.

Resumo

A vespa de patas amarelas, Vespa velutina, é uma espécie invasora recente na Galiza (noroeste da Espanha). Sua invasão tem um importante impacto socioeconómico porque ataca abelhas (Apis mellifera) e outros insetos polinizadores cruciais. A dispersão desta espécie deve ser monitorada para minimizar os danos que causa e tomar as ações de controle necessárias. Os objetivos deste estudo foram determinar organismos vivos alvo e não alvos capturados por armadilhas de isca e comparar os padrões de distribuição de V. velutina e da autóctone V. crabro. A altitude e as condições climáticas desempenharam papéis importantes no comportamento das vespas. As armadilhas colocadas em áreas costeiras de baixa altitude continham uma maioria de vespas de patas amarelas. Em contraste, as vespas autóctones surgiram em números relativamente maiores nas armadilhas colocadas em áreas de grande altitude. Altas temperaturas mínimas, orvalho, humidade relativa alta e baixas temperaturas máximas favorecem a ocorrência e disseminação de V. velutina. Essas condições são comuns nas áreas costeiras deste território e promoveram a rápida dispersão desta praga. As armadilhas de isca usadas não eram seletivas, então muitos outros organismos artrópodes foram capturados juntamente com o vespão. Portanto, o uso de iscas seletivas para a espécie é necessário para o controlo ecologicamente correto desta praga de inseto.

fonte: https://link.springer.com/article/10.1007/s10340-018-1042-5

Imagens de um estudo sul-coreano acerca da competição interespecífica entre a V. velutina (invasora) e 5 outros vespões nativos daquela região, entre elas a V. crabro.

padrões de invasão da Vespa velutina em Portugal utilizando dados crowdsourced

Em baixo deixo a tradução do resumo de um estudo português publicado recentemente (04.2020) acerca da colonização do território continental pela Vespa velutina.

Vista dorsal (em cima) e ventral (em baixo) de uma Vespa velutina nigrithorax

Resumo
A vespa invasora de patas-amarela (Vespa velutina) foi detectada pela primeira vez em Portugal continental em setembro de 2011. A falta de informação sobre os processos de propagação da espécie tem dificultado o desenvolvimento de medidas adequadas para mitigar o potencial impacto deste predador invasor.

Dados coletados, ou seja, informações oportunamente relatadas pelos cidadãos, podem facilitar a coleta de registros de ocorrência de espécies em grandes escalas espaciais, o que pode ser valioso para compreender a expansão de espécies invasoras. Aqui, utilizando dados crowdsourced validados sobre a localização precisa de 49 013 ninhos, nós: (i) atualizamos a informação sobre a distribuição de V. velutina em Portugal; (ii) estimamos a taxa de expansão da espécie; e (iii) analisamos os padrões de distribuição de ninhos a uma escala nacional e local.


A espécie encontra-se actualmente distribuída por uma área de cerca de 57 000 km2, o que corresponde a 62% do território continental. Estimamos uma taxa média de 37,4 ± 13,2 km / ano para a expansão de V. velutina. A distribuição e densidade dos ninhos de Vespa velutina a uma escala local urbana foi estimada em 5,4 ± 3,3 ninhos / km2. A diminuição observada na distância entre ninhos vizinhos ao longo dos anos sugere que a densidade dos ninhos não atingiu seu limite.

Defendemos que o desenvolvimento de um método barato e rápido para detecção de ninhos e o estudo numa escala fina dos mecanismos que que levam à dispersão de V. velutina são etapas importantes para identificar as vias de colonização e planear abordagens de controlo com o objetivo de interromper a disseminação de espécies e o impacto em apiários.

fonte: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/icad.12418

Nota: sabendo que cada ninho produz em média 500 a mil novas fundadoras e cerca de 13 mil indivíduos por cada ciclo anual (Rome et al., 2015) o controlo da população e expansão da Vespa velutina passa obrigatoriamente pelo desenvolvimento de uma capacidade melhorada de detecção e destruição dos ninhos.

vespa velutina: a solução está em falar com elas?

A equipa do IRBI (Institut de Recherche sur la Biologie de l’Insecte ), liderada por Eric Darrouzet, há vários anos que analisa os constituintes moleculares das feromonas produzidas e libertadas pelas vespas velutinas com o objectivo de vir a descodificar as mensagens que elas encerram. Esta e outras linhas de investigação, como a localização de ninhos através de radares marítimos e/ou telemetria, a produção de cavalos de troia com fungos “amigos do ambiente”, a interferência genética ao nível do ácido ribonucleico (ARN), e que estão a ser projectadas e/ou levadas a cabo em alguns países europeus (sobretudo França, Inglaterra e Itália), visam fornecer a comunidade de um conjunto de ferramentas, efectivas e respeitadoras da restante entomofauna, para o controlo das populações e expansão no território deste insecto exótico. Neste momento são cada vez mais os sectores que clamam por armas deste tipo, como o vitivinícola, o pomarista, o apícola.

Em baixo deixo a tradução de uma peça jornalística da france3-regions, publicada em 15.03.2020, acerca da pesquisa e avanços alcançados pelo IRBI em torno dos mecanismos de comunicação entre indivíduos Vespa velutina e sua aplicação, com vista à diminuição dos impactos sociais, económicos e na biodiversidade provocados por estes predadores.

O departamento da Mancha (França) financiou um programa de pesquisa, cujos primeiros resultados são considerados “muito promissores”. Em 2016, o Conselho Departamental decidiu avançar com 95.000 €, sabendo que a erradicação deste inseto invasor é ilusória, mas que será possível lutar contra a sua proliferação.

O vespão asiático foi observado pela primeira vez na França em 2005. Desde então, proliferou em toda a França e em vários países europeus.

O trabalho foi confiado ao IRBI. Este Instituto de Pesquisas em Biologia de Insetos, ligado à Universidade de Tours, tem vindo a descodificar a linguagem deste invasor. “Os humanos comunicam por via oral. Os insetos comunicam entre si quimicamente, emitindo moléculas”, explica Eric Darrouzet, professor e pesquisador do IRBI. Por exemplo, uma vespa operária stressada emitirá moléculas de alarme, para pedir ajuda ou, ao contrário, para espantar as suas semelhantes para as alertar do perigo“. Em laboratório, a equipa de pesquisa procurou identificar os componentes químicos que permitem estabelecer este tipo de diálogo. “A única maneira de ser eficaz com o vespão asiático é falar com ele. Você tem que falar com ele na sua própria língua, dizer-lhe para ir embora, ou para vir e atraí-lo para uma armadilha.

O IRBI identificou três moléculas que têm a capacidade de repelir o vespão asiático. “A ideia é usá-los para proteger os apiários, estabelecendo uma espécie de barreira química. Já foram feitos testes perto das colmeias em Indre-et-Loire. Uma destas feromonas parece repeli-las. Vamos testar agora aqui no Canal “, continua Eric Darrouzet.

O IRBI também encontrou uma molécula potencialmente atraente, que permitirá atrair as vespas para as armadilhas. “Todas estas moléculas são produzidas naturalmente pela vespa. Agora será necessário sintetizá-las para que possam ser fabricadas a uma escala industrial”, alerta Eric Darrouzet. Será o culminar de dez anos de pesquisa. O IRBI acredita que pode apresentar uma fórmula em 2021, o que, num mundo ideal, permitirá a uma empresa colocar estes produtos no mercado já em 2022. “Mas, ainda há muitos se …

Até hoje, não há uma solução convincente para atrair as vespas asiáticas. As armadilhas caseiras às vezes parecem eficazes. Mas elas têm a desvantagem de atrair muitas outras criaturas. Uma publicação científica mostra que para um vespão asiático capturado, quase mil outros insetos caem na armadilha. “E um isco alimentar pode não ser eficaz”, insiste o pesquisador. “Se alguém lhes propuser açúcar, a armadilha está em competição com as outras fontes de açúcar disponíveis na natureza. Sem falar que uma operária em busca de proteína não será atraída por uma armadilha com um isco doce. E de que adianta matar algumas vespas quando ainda há milhares na colónia?

Por isso financiámos este trabalho“, insiste Valérie Nouvel, vice-presidente do Conselho Departamental responsável pela transição energética e pelo meio ambiente. “Precisamos encontrar soluções que possibilitem proteger a biodiversidade. Estas novas armadilhas também terão de ser baratas para serem usadas.“.

fonte: https://france3-regions.francetvinfo.fr/normandie/manche/saint-lo/solution-contre-frelon-asiatique-chercheurs-ont-enfin-trouve-comment-lui-parler-1794951.html

Proposta de acção: O que me ocorre de imediato é fazer a seguinte experiência (eu não posso porque este ano ainda não vi nenhuma velutina junto das minhas colmeias): apanhar algumas velutinas e esmagá-las muito lentamente contra a parede frontal das colmeias, no intuito de elas libertarem a feromona de afastamento/repulsa. Julgo que terá de ser feito lentamente, não por crueldade, mas para lhes dar tempo suficiente para se sentirem ameaçadas de morte e libertarem esta feromona que terá o eventual efeito repulsivo que desejamos. Fica a ideia.

vespa mandarinia: primeiros dados da invasão na américa do norte

Título: Os primeiros relatos de Vespa mandarinia (Hymenoptera: Vespidae) na América do Norte dizem respeito a duas linhagens maternas distintas no estado de Washington, Estados Unidos, e na Colúmbia Britânica, Canadá

Sumário: “Em setembro de 2019, a destruição de um ninho de Vespa mandarinia Smith 1852 foi relatada pela primeira vez na América do Norte em Nanaimo, British Columbia, Canadá. Em dezembro de 2019, o Departamento de Agricultura do Estado de Washington também confirmou a primeira detecção de um espécime adulto de V. mandarinia nos Estados Unidos, no condado de Whatcom, Washington. A Vespa mandarinia é a maior da espécie das vespas e é um predador conhecido de vários insetos, incluindo a abelha melífera europeia (Apis mellifera, Hymenoptera, Apidae, Linnaeus, 1758). O estabelecimento de V. mandarinia na América do Norte representa uma séria ameaça à apicultura, e esta espécie foi considerada uma praga e accionou protocolos de quarentena. Aqui, descrevemos detalhes da primeira detecção desta espécie nos Estados Unidos e usamos dados da sequência genética obtidos de cinco espécimes em todo o mundo para estimar a origem das detecções canadianas e norte-americanas. […] Uma árvore de probabilidade […] sugere que as amostras do Canadá e dos EUA são de duas linhagens maternas separadas. Uma pesquisa em grande escala está em andamento para avaliar o nível de estabelecimento de vespas gigantes asiáticas em ambos os países e determinar a direção futura dos esforços de erradicação.”

fonte: Annals of the Entomological Society of America, XX(X), 2020, 1–5 doi: 10.1093/aesa/saaa024

Vespa mandarinia

Perspectivas de futuro: A acontecer a erradicação deste insecto invasor seria um feito nunca visto. A história diz-nos que nenhuma vespa social invasora foi alguma vez erradicada dos novos territórios colonizados (Beggs et al., 2011). À luz deste histórico deprimente o futuro não se afigura brilhante para os companheiros apicultores da américa do norte, que muito provavelmente irão ter de se conformar a viver com este insecto invasor e dar-lhe luta, como nós apicultores europeus o temos vindo a fazer com a Vespa velutina.

vespa velutina: o estado da arte do que sabemos

Como em muitas outras áreas, o estudo e o conhecimento da vespa velutina nigrithorax (VV) tem vindo a evoluir lentamente. Como já disse alguém não é fácil estudar um insecto que se esconde e que apresenta algumas armas defensivas bem conhecidas. Mas o estudo vai-se fazendo e serve esta publicação para sumariar o que se sabe hoje de mais sólido acerca deste insecto.

  • Introdução acidental: aconteceu em França, muito provavelmente em 2004, de apenas uma rainha, fecundada pelo menos por 4 machos;
  • a expansão: tem sido rápida na Europa, facilitada pelo transporte de mercadorias e pelas muitas fontes de alimento disponíveis (outros insectos e também o lixo, em especial nas zonas urbanas e peri-urbanas);
  • o ciclo de vida: cada ninho gera um grande número de operárias; assiste-se à criação de algumas centenas de novas rainhas por ninho; encontram-se machos diploides (estéreis) em fases precoces do ciclo de vida do ninho (consequência da consanguinidade?);
  • o comportamento de caça: caracteriza-se pelo vôo estacionário em frente às colmeias; as VV apresentam elevado grau de fidelidade ao sítio de caça; não se confirma a marcação química/feromonal das colmeias a atacar; há trofaláxis no vespeiro;
  • comportamento defensivo das abelhas: formação de um tapete/barba de abelhas no alvado da colmeia; tentativas tímidas e ineficientes de “shimmering” (comportamento defensivo presente e muito eficiente nas Apis dorsata e cerana); comportamento de pelotamento da VV mas muito ineficiente na Apis melífera europeia;
  • impacto na entomofauna europeia: a presa favoritas das VV são as abelhas melíferas, especialmente em zonas mais urbanizadas; as VV são atraídas pelos odores exalados pelas colónias de abelhas e pelo avistamento das colmeias; em zonas rurais ou florestais a sua dieta é mais diversificada, verificando-se um aumento relativo de insectos díptera e Hymenoptera vespidae consumidos;
  • o contexto global: numa miríade de perigos e factores danosos para a saúde das abelhas melíferas a vespa velutina vem somar-se-lhes e estima-se que em França ela é responsável, no universo de perda de colónias, por 30% dessas perdas;
  • como lutar contra a velutina: das medidas até agora utilizadas, várias delas com efeitos negligenciáveis, a chave está na destruição/perturbação da actividade dos ninhos; mas a grande dificuldade e problema está em encontrá-los cedo o suficiente;
  • raio de acção da VV: caçam sobretudo num raio de 800m do ninho, e até um raio de 5 km; 95% dos voos acontecem entre as 8h00 e as 19h00 e 95% dos voos demoram menos de uma hora;
  • desenvolvimento de novas tecnologias: estão a ser estudados e melhorados um conjunto de equipamentos para encontrar os ninhos, entre eles o radar harmónico que permite acompanhar de forma precisa a trajetória dos insetos, mas apenas em áreas abertas e é um sistema muito complicado e caro; com um tag/transponder leve (sistema passivo) o alcance é de 450m; a radiotelemetria permite a localização do inseto qualquer que seja o tipo de paisagem (árvores, arbustos, morros, edifícios), é portátil e relativamente barato; contudo o tag/transponder é pesado (sistema ativo) e tem um alcance de 800m;
  • o biocontrolo: os predadores naturais presente na Europa não são eficientes para mitigar o suficiente a predação e controlar a expansão das VV (pássaros e parasitas), e experimenta-se a utilização de de fungos patogénicos (Metarhisium robertsii e Beauveria bassiana, Poidatz et al. 2018, 2019), introduzidos no ninho através de uma estratégia “cavalo-de-troia”.

Como todos os sumários este foi curto para tanto conteúdo, e deixou de fora alguns aspectos muito interessantes já conhecidos ou que se começam a conhecer melhor. Esta publicação pretende também desmistificar alguns assuntos em torno deste insecto exótico e predador da entomofauna nativa, especialmente da abelha melífera europeia. Seremos tão mais efectivos na ajuda às nossas abelhas, restante entomofauna nativa, e também na protecção de uma diversidade de produções agrárias, também predadas pelas vespas de patas amarelas, quanto maior e melhor for o nosso conhecimento.

um método favorável à biodiversidade para mitigar o impacto das vespas asiáticas invasoras nas abelhas europeias

Este estudo, recentemente publicado (2019), avaliou o efeito das redes de protecção de entradas de colmeias sobre dois comportamentos das abelhas melíferas quando pressionadas pela presença intensa de vespões asiáticos: o retorno das abelhas forrageiras à colmeia e a intensidade do comportamento de forrageamento. Tenho uma ideia que estas redes são ainda pouco utilizada pelos apicultores portugueses, contudo também esta como outras ferramentas não deve ser desprezada, mais ainda quando os resultados de um estudo controlado são positivos.

“O vespão asiático é um predador de abelhas na Europa Ocidental. O risco associado ao vespão asiático na mortalidade de colónias de abelhas motivou o desenvolvimento de métodos de controle biológico e físico nos últimos anos. Embora a relação custo-benefício tenha sido estabelecida para a maioria desses métodos de controle, ainda não está claro se esses métodos podem reduzir os efeitos prejudiciais do vespão asiático nas abelhas europeias. Neste estudo, investigámos os benefícios potenciais de um método de controle favorável à biodiversidade, a “protecção da entrada da colmeia” (beehive muzzle) . Observámos a atividade de voo das abelhas e o comportamento de predação das vespas asiáticas à entrada da colmeia em 22 pares de colónias de abelhas, cada uma com uma colónia equipada com “protecção da entrada da colmeia” e uma colónia controle sem “protecção da entrada da colmeia”, em França. Medimos a FR (falha no retorno das abelhas devido à predação de vespas por abelhas) e PF (paralisia de forrageamento: paragem da atividade de voo em colmeias devido às vespas pairando em frente da entrada) e estimámos a probabilidade de mortalidade das colónias usando uma abordagem de modelagem mecanicista. A “protecção da entrada da colmeia” não reduziu a FR associada à vespa, mas reduziu drasticamente a PF. Além disso, a “protecção da entrada da colmeia” aumentou a probabilidade de sobrevivência de colónias stressadas por vespas até 51% em contexto de alta abundância de vespas asiáticas com base em simulações teóricas. Esses resultados sugerem que a instalação de “protecção da entrada da colmeia” pode atenuar o efeito prejudicial do vespão asiático nas abelhas europeias. Esta técnica de baixo custo não leva a nenhum impacto ambiental e, portanto, pode ser recomendada aos apicultores como um método eficaz de controle da vespa asiática, favorável à biodiversidade.”

Locais onde se realizaram as medições/comparações e tipo de “protecção da entrada da colmeia” utilizado no estudo (a malha da rede utilizada é de 6×6 mm).

fonte: https://www.researchgate.net/publication/335490838_A_biodiversity-friendly_method_to_mitigate_the_invasive_Asian_hornet’s_impact_on_European_honey_bees

vespa velutina: cavalos de troia segundo Ernesto Astiz

Neste vídeo em baixo vemos e ouvimos Ernesto Astiz, afamado especialista espanhol no estudo desta espécie invasora, identificar três pontos-chave da estratégia para controlo da vespa velutina: (i) captura de velutinas fundadoras na primeira fase do seu ciclo de vida; (ii) utilização de cavalos de troia na fase de maior predação, para eliminar ou fragilizar ninhos não identificados; (iii) autorização/indicação pelas autoridades competentes de princípios activos eficazes para utilização na “fabricação” de cavalos de troia. O produto e o princípio activo proposto por Ernesto Astiz coincide com o que já havia mencionado aqui há dois anos atrás.

vespa velutina: a dinâmica de pressão predatória

Continuando a ler, a pesquisar, a reflectir (pensar duas vezes) sobre este magnífico e terrível inimigo da biodiversidade dos insectos em geral e das abelhas melíferas em particular, proponho a leitura deste trabalho de Karine Monceau e colegas, publicado em 2013, que apresenta alguns aspectos que devemos considerar para mais e melhor compreendermos esta praga.

“Aqui, propomos analisar com mais detalhes a dinâmica da pressão de predação do VPA (vespão de patas amarelas) na área invadida em França. Este estudo foi realizado em colmeias durante o período de predação nos estágios iniciais da invasão (2008) e foi projetado para identificar períodos-chave específicos durante os quais a predação em abelhas pode ser limitada. Um procedimento de captura foi usado para monitorar a dinâmica da pressão de predação. A predação em dois apiários foi comparada, um numa área urbana e a outra numa área suburbana à beira de uma floresta e de terrenos agrícolas. Nosso primeiro objetivo foi avaliar a eficiência da técnica de captura com recurso a armadilhas iscadas [ver modelo de armadilha utilizado, no artigo linkado em baixo]. Para validar esse método, o número de VPAs perseguidores em cada apiário foi anotado e comparado com o número dos capturados. Vários estudos em Vespidae documentaram a relação entre condições climáticas (temperatura, humidade, precipitação, insolação solar etc.) e atividades de forrageamento (Ishay 2004; da Rocha e Giannotti 2007; Kasper et al. 2008; de Castro et al. 2011); o impacto dos parâmetros abióticos na predação efectuada pelos VPAs foi considerado. Finalmente, a variação na massa corporal dos VPAs capturados também foi analisada para entender a relação entre pressão de predação e dinâmica populacional. […]

“Nos dois ambientes diferentes, a predação durou mais de 5 meses. No geral, a dinâmica da pressão de predação do VPA pode ser aproximadamente dividida em três fases. Na primeira fase, muito poucos VPAs foram capturados desde o início da temporada até meados de junho / início de julho. Posteriormente surge um grande aumento na predação nas colónias de abelhas do início de agosto ao início de novembro, quando a predação diminuiu drasticamente até dezembro [ver dados muito elucidativos em quadros apresentados no artigo linkado em baixo]. […] A primeira fase da dinâmica da pressão de predação do VPA corresponde ao surgimento da primeira geração/coorte de obreiras. Uma vez que eles surjam no campo, a rainha pode dedicar-se exclusivamente à postura. Portanto, o atraso entre o primeiro VPA capturado e o aumento da pressão de predação corresponderá ao estágio larval, avaliado em 48,1 dias para o VPA (Archer 2010), variando com a qualidade dos alimentos e o clima. Apesar dessa variação, os “primeiros 40 dias” (Spradbery 1973) parecem ser consistentes com nossos dados. Assim, pode ser usado para prever o momento do maior risco de predação. Durante o período de predação nas colmeias, a maioria dos VPAs capturados era composto principalmente por obreiras com poucos machos e rainhas em junho. Foi possível confirmar a dinâmica populacional através da variação da massa corporal. Os VPAs capturados em junho foram por um lado os mais pesadas (exceto os capturados no mês de novembro) e as mais variáveis, devido a uma mistura de rainhas com maior massa corporal e uma primeira coorte/geração de obreiras mais leves. Esse ponto é importante, pois indica que as rainhas apareceram nas armadilhas durante esse período e depois desapareceram progressivamente. Isso pode corresponder ao final da fase da colónia primária da rainha (Spradbery, 1973). Outra interpretação envolve uma estratégia de “jogo de apostas” (Gourbière e Menu 2009): a saída tardia da dormência no inverno é uma estratégia ideal para prolongar o período de predação e adaptar-se eficientemente a novos ambientes. Noutros Vespidae (Spradbery 1973), vôos da rainha foram observados até meados de junho/início de julho e pode assumir-se um padrão semelhante para V. velutina. Tal ponto pode ser de importância, portanto acreditamos que deve receber atenção em pesquisas futuras.

A massa corporal das obreiras aumentou ao longo da temporada; isso pode ser o resultado de um aumento na qualidade dos alimentos e na quantidade de alimentos fornecidos às larvas. Esse grupo de obreiras maiores, encontrado mais tardiamente nas armadilhas, provavelmente foi alimentado com abelhas caçadas […]. O tamanho larval, relacionado com a reserva de gordura, é influenciado pelo fornecimento de alimento e está relacionado ao número de abelhas caçadas (Strohm, 2000). Em várias espécies de Vespidae, a proporção larva / obreira ainda é alta após o surgimento das primeiras obreiras e diminui progressivamente até ao final do ciclo de vida do ninho (Matsuura e Yamane 1990). Assim, nas etapas mais precoces, as larvas recebem menos alimentos e/ou alimentos de menor qualidade, resultando em indivíduos menores. Quando essa coorte de obreiras surge em número suficiente, a proporção larva/obreiras diminui, resultando num aumento na qualidade e/ou quantidade dos alimentos fornecidos e um aumento correspondente na produção de obreiras com maior massa corporal. No final da temporada, em novembro, adultos mais pesados ​​foram capturados novamente, correspondendo à nova geração de fundadoras e machos.


O número total de VPAs presos durante o curso da temporada diferiu nos dois locais. Cerca de metade da quantidade de VPAs foi capturado na ART [um dos apiários] quando comparado com o número de capturas no VIL [o outro apiário] (916 e 1.894, respectivamente). A dinâmica de captura começou três semanas mais cedo no ART do que no VIL e terminou nove dias depois. Metade das capturas foram realizadas 30 dias antes no ART do que no VIL. A pressão de predação no VIL aumentou mais lentamente do que no ART durante a primeira metade do período de captura e mais rapidamente durante o segundo semestre. Essas diferenças podem ser atribuídas às colmeias mais numerosas no apiário da ART do que na VIL (14 vs. 9), bem como a um ecossistema potencialmente mais rico de presas de artrópodes no ART (paisagens de floresta), que tem o efeito de diluir pressão de predação. […]

Sabe-se que temperatura, humidade e velocidade do vento afetam as atividades de vários Vespidae (da Rocha e Giannotti 2007; Kasper et al. 2008; de Castro et al. 2011) e Apidae (Lundberg 1980; Burrill e Dietz 1981; Omoloye e Akinsola 2006; Neves et al. 2011). Nesta pesquisa, o único fator que parece modular a pressão de predação é a velocidade do vento, provavelmente porque é um fator limitante para voar e, principalmente, porque o vôo estacionário necessário para a captura de abelhas pode ser mais difícil em dias de vento. O vento também é um fator-chave para indivíduos que precisam retornar ao seu ninho de alta altitude. Descobrimos que a temperatura e a humidade não tiveram efeito per se, mas tiveram alguma influência quando ligadas à variação sazonal. Embora a atividade predadora possa ser dirigida pelo seu próprio relógio biológico (Giller e Sangpradub 1993), ela também pode estar relacionada com a atividade da presa (Kotler et al. 2002). Assim, o efeito sazonal observado no comportamento de caça do VPA pode resultar de outro efeito: o VPA associa sua atividade à atividade de forrageamento das abelhas, que depende do clima. Assim, acreditamos que essas relações devem ser estudadas diariamente, a fim de identificar as “janelas climáticas ótimas” correspondentes ao aumento ou redução do risco de predação.”

fonte: https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-01201288/document

Notas: Deste trabalho quero destacar três aspectos:

  • o surgimento de ninhos secundários desfasados no tempo (uns mais cedo que outros) aumenta a eficiência de sobrevivência da espécie; diria, usando uma imagem, que não vão todos no mesmo dia ao supermercado à imagem do que acontece connosco no “black friday”;
  • nos últimos meses do ciclo de vida do ninho (novembro, dezembro,…) pretender distinguir as futuras fundadoras das obreiras só com base em fotos, para além de errado é sinal de pouco conhecimento da dinâmica alimentar e predatória dos VPAs;
  • o comportamento de predação dos VPAs nos apiários é influenciado por factores abióticos, como a temperatura e humidade, mas não podemos nem devemos descartar da equação a importante influência do vento, que em dias menos frios e chuvosos de outono/inverno poderá ser o único factor limitante.

vespa velutina: entrevista a Denis Thiéry* (INRA**)

Denis Thiéry*, investigador senior do INRA** (Institut National de Recherche Agronomique) dá uma entrevista (fonte: https://www.rustica.fr/articles-jardin/lutte-scientifique-contre-frelon-asiatique-se-renforce-i,14266.html) que me parece clarificadora acerca das razões na demora do avanço científico para uma melhor compreensão da vespa velutina e no consequente avanço de contra-medidas de controlo e até erradicação da mesma. Em primeiro lugar a vespa velutina era um ilustre desconhecido, pouca ou nenhuma literatura científica específica existia sobre a mesma antes da sua chegada acidental a Bordéus; em segundo lugar a pesquisa demorou a estruturar-se a um nível europeu o que teve um impacto negativo na criação de sinergias desejáveis entre os diferentes países afectados/interessados; e finalmente, o animal em questão é difícil de observar, é agressivo e esquivo, o que não facilita em nada o seu estudo, mais ainda em condições devidamente controladas. Se cada vez mais vivemos numa época acelerada, é natural que desejemos que também a ciência acompanhe esse mesmo ritmo e dê resposta quase imediata aos nossos problemas. Contudo observar, descrever, explicar e prognosticar em boa ciência é feito a um ritmo que está em grande dessincronia com o ritmo frenético de hoje. Enquanto esperamos… segue um excerto da entrevista a Denis Thiéry em baixo:

[…] “Existe uma crescente mobilização de equipes de pesquisa?
Em 2004, quando os dois primeiros ninhos de vespas foram observados em Lot-et-Garonne, não havia uma única publicação científica, além do trabalho do cientista neozelandês Spradberry, que data de 1973 [ Vespas: um relato da biologia e história natural das vespas solitárias e sociais, com referência particular às das ilhas britânicas]. Foi o único livro que tivemos! No entanto, desde a descoberta no ano passado do primeiro ninho inglês, há uma consciencialização mais real do problema. Alguns laboratórios do outro lado do Canal começaram a trabalhar em torno desta invasão e o número de equipes de pesquisa e publicações científicas no mundo está a aumentar.
 
Esta pesquisa está estruturada?
Não. Projetos muito grandes, como pesquisas sobre SIDA, etc., sim. Essa estruturação ocorrerá quando houver projetos europeus e está começando a tomar forma. Com Karine Monceau, professora da Universidade de La Rochelle e pesquisadora do CNRS no Centro de Estudos Biológicos de Chizé, submetemos um projeto aos programas europeus “Interreg”, visando, entre outras coisas, estudar a resistência de abelhas aos ataques das vespas. Outro trabalho europeu, coordenado por Alessandro Cini, foi aceite com o objetivo de sequenciar o genoma do vespão asiático. Finalmente, outra proposta importante foi submetida ao Conselho Britânico de Pesquisa e uma rede europeia foi construída, a Força-Tarefa Coloss Velutina. Uma verdadeira dinâmica científica está, portanto, em ação.


Que dificuldades enfrentam?
Até agora, pouco se sabia sobre o comportamento desta espécie. Então tivemos que colectar dados básicos sobre sua biologia, sua ecologia, o que levou alguns anos, porque o grande problema das invasões biológicas é que, no começo, não as vemos, ou vemos pouco. E, ao contrário de uma colmeia, o ninho de vespas não é um modelo de docilidade … Sua observação é difícil: essa colónia geralmente é estabelecida nas copas das árvores, geralmente com mais de vinte metros de altura, e os vespões exibem um comportamento de defesa muito agressivo. Para contornar esses problemas, tivemos que desenvolver uma criação em laboratório. Recentemente, para analisar o comportamento deste formidável predador, trabalhámos com chips RFID e um ninho numa gaiola equipado com um pórtico. Mas levamos quase dois anos para alcançar esse resultado …”[…]

Instalação de chips RFID em vespas asiáticas adormecidas.
Foto: Alain Girard © INRA.