varroose: a importância crítica de um tratamento proactivo

A noção de tratamento proactivo que Randy Oliver segue e que acompanho é em linhas simples esta: tratar logo que as lavagem de amostras de 300 abelhas adultas fazem soltar uma varroa, o equivalente a uma taxa de infestação pouco superior a 0,3%. Fazer este tratamento proactivo, que não tem um cariz urgente, está muito longe das práticas de 99% dos apicultores. No entanto o facto de não ser urgente não lhe retira importância, pelo contrário reforça-a.

Fazer um tratamento proactivo durante o ano traz dois ganhos evidentes para o apicultor e para as colónias de abelhas: (i) para o apicultor, permite-lhe dilatar no tempo o tratamento seguinte, por exemplo torna possível não tratar durante o fluxo primaveril, o que pode ser muito útil para os mais legalistas uma vez que foi recentemente retirado do mercado o único medicamento que estava homologado para utilizar durante o período de produção de mel para consumo humano, o MAQS; (ii) para as abelhas, mantendo tudo o resto igual, este tratamento proactivo será muito provavelmente a diferença entre a sobrevivência e o colapso da colónia.

Apresento em baixo duas simulações exactamente iguais, excepto o facto que na primeira não foi utilizado um tratamento proactivo na segunda quinzena de janeiro quando caía somente uma varroa, e na segunda simulação foi feito esse tratamento proactivo nessa data.

Nestas duas simulações é claro que este tratamento proactivo não sendo urgente foi de importância decisiva na evolução posterior do crescimento da população de varroas: sem o tratamento proactivo a população de varroas no mês de julho ronda as 10 mil, e a colónia colapsa poucos dias depois; com tratamento proactivo e no mesmo mês a população de varroas ronda as 600. No primeiro caso, sem o tratamento proactivo, adiar o tratamento para evitar fazê-lo durante os fluxos primaveris de néctar foi uma opção mal sucedida. No segundo caso essa mesma opção foi realista, segura e bem sucedida e a justificação está no tratamento proactivo feito em janeiro.

Simulação sem tratamento proactivo. Entrada no ano com uma baixa população de varroas. Na segunda quinzena de março introduzi uma quebra de 50% na população dos ácaros por efeito do corte-de-zangão ou desdobramento. Na segunda quinzena de julho simulo um tratamento com 80% de eficácia, que é demasiado tardio como resulta do simulador, com a colónia a colapsar nos 15 dias seguintes.
Simulação com tratamento proactivo na segunda quinzena de janeiro. Mantendo tudo o resto igual, a importância deste tratamento proactivo é clara quando se pretende dilatar datas entre tratamentos, entre outras razões para evitar fazer tratamentos durante os fluxos primaveris de néctar.

varroose: estudo de um caso

Nos últimos 6 meses tenho acompanhado com uma certa regularidade o maneio levado a cabo por um jovem e amigo apicultor de Coimbra. Entre outros aspectos como a defesa das suas colónias frente à vespa velutina, é o seu maneio para o controlo da varoose que suscita as linhas desta publicação.

Do que sei, em 18 de Julho tratou as suas colónias com Amicel quando a taxa de infestação atingia os 8% em amostras de 300 abelhas adultas. Até esta data tinha efectuado dois tratamentos, um em fevereiro e outro maio. Em finais de agosto uma nova avaliação da taxa de infestação em abelhas adultas indicava uma infestação a rondar 1%. Para se verificar esta evolução de 8% para 1%, e utilizando o simulador do Randy Oliver, a eficácia deste tratamento com Amicel rondou os 95%.

8% de infestação no terreno é equivalente a 24 varroas numa amostra de 300 abelhas. Para se assistir à redução de 24 varroas para cerca de 3 varroas em amostras de 300 abelhas, o simulador indica ser necessário que o tratamento de Amicel utilizado atinja uma eficácia próxima de 95%.

Nada mais fazendo, estas colónias iriam terminar o ano com taxas de infestação a rondar 13% (40 varroas em amostras de 300 abelhas adultas), a colapsarem ou próximo disso.

Mas este jovem e competente apicultor a partir dessa data fez mais dois tratamentos: um no final de agosto com ácido oxálico gotejado e outro no final de outubro com tiras de libertação lenta de ácido oxálico misturado em glicerina. Medida a taxa de infestação pelo procedimento habitual, em 22 de dezembro era inferior a 0,3%, isto é menos de 1 varroa em 300 abelhas.

Partindo de 3 varroas por amostra em finais de agosto para alcançar zero varroas por cada amostra de 300 abelhas adultas em 22 de dezembro a eficácia de cada um dos dois tratamentos de ácido oxálico aproximou-se dos 95%.

No final do ano este apicultor amigo e competente realizou 5 tratamentos e seguiu de perto a filosofia de Randy Oliver nestes meses finais do ano, assim como a de Russell Heitkman. Este último, apicultor californiano, com a família há 40 anos no sector, produz cerca de 90 mil rainhas/ano e trabalha +3000 colónias, tem como princípio não esperar que a taxa de infestação chegue aos 3%, para ele um limiar já demasiado alto e com riscos de os tratamentos falharem; prefere tratar para ter os níveis de infestação abaixo ou igual a 1%: trata não para fazer descer os níveis de infestação mas para evitar que eles subam; não confia cegamente em nenhum medicamento, acredita neles todos, na sua utilização frequente e diversificada**.

Como já escrevi “Assim como para a prevenção da enxameação é necessário andar um mês à frente das colónias, também o controlo da varroose nos obriga a estar, não um, mas dois meses à sua frente.

*https://scientificbeekeeping.com/oxalic-acid-treatment-table/

**https://honeybeehealthcoalition.org/wp-content/uploads/2021/06/Commercial_Beekeeping_060621.pdf

tiras de libertação lenta de oxálico vão ser colocadas no mercado dos homologados?

A empresa Vita Bee Health, maior empresa mundial de produtos sanitários para abelhas melíferas, está a lançar no mercado um novo acaricida de libertação lenta de ácido oxálico veiculado através de tiras de fibra, com a marca VarroxSan.

VarroxSan, by Vita Bee Health

Segundo a empresa: “VarroxSan utiliza uma tira de fibra resistente, evitando ou retardando a remoção pelas abelhas, permitindo que o produto funcione bem em todas as condições e garantindo uma elevada eficácia com uma dose relativamente baixa de ingrediente ativo. Nosso sistema de impregnação exclusivo garante que cada tira contenha uma quantidade idêntica de ingrediente ativo, proporcionando sempre uma dose confiável e consistente.

Através de uma série de estudos realizados por laboratórios independentes e institutos de investigação, em diversas condições geográficas e climáticas, o VarroxSan alcançou uma eficácia média de 96,80%.

O ácido oxálico di-hidratado é um acaricida de contato letal para os ácaros varroa em contato físico com ele. O modo de ação ainda não é compreendido totalmente, mas sabe-se que o baixo pH desempenha um papel fundamental.” (fonte: https://www.vita-europe.com/beehealth/products/varroxsan-varroa-control/)

Respondendo à questão do título, vindo de quem vem, Vita Bee Health, será muito provável que este novo acaricida venha a ser homologado na Europa. Vamos ver a que preços!

varroose: como trataria as minhas colmeias no litoral centro em 2024

Se… tivesse colmeias no litoral centro como as trataria em 2024? Vou utilizar alguns dados do terreno obtidos no acompanhamento que fiz conjuntamente com o Marcelo às suas colmeias e apresentar algumas simulações feitas no simulador do Randy Oliver parametrizado por mim para o ciclo de desenvolvimento de colónias no litoral centro.

Simulador parametrizado para o litoral centro: aumento da postura de meados de setembro a meados de março e declínio da postura de início de abril até início de setembro.
Nesta simulação introduzi os dados que recolhi no apiário do Marcelo, de acordo com o que foi feito e avaliado a partir de julho, para simular o número de varroas que teria no final de 2023: não fazendo mais nada as colónias não colapsarão e a população de varroas será de 2109 indivíduos no final do ano.

Se por hipótese começar o ano de 2024 nas minhas colmeias com uma população de 2109 varroas, o seu controlo ao longo do ano será muito difícil e arriscado. Mesmo com 4 tratamentos eficazes (80%-90%) e muito eficazes (95% ou acima) as minhas colmeias ultrapassariam os limiares de dano económico — mais de 15 varroas por 300 abelhas, como se pode ver na simulação em baixo.

A opção de fazer o primeiro tratamento de 2024 apenas em março prende-se com estes dois aspectos: 1) a impossibilidade legal de utilizar sintéticos num período de colecta de néctares no litoral centro, o período de janeiro a março; 2) temperaturas habituais abaixo das desejáveis nos meses de janeiro e fevereiro para a aplicação dos orgânicos de acordo com o recomendado pelos fabricantes.

Como vemos da simulação em cima os quatro tratamentos, nas condições simuladas, são suficientes para evitar o colapso das colónias, mas não são suficientes para evitar o prejuízo económico na sequência de se terem atingido taxas de infestação demasiado altas — acima das 15 varroas por 300 abelhas. Chegado aqui, entre a espada e a parede, decidi simular adicionando um quinto tratamento. Vejamos em baixo o resultado:

Com a adição deste quinto tratamento com eficácia elevada, no outono, permite-me chegar ao final do ano com uma população de varroa baixa: 211 indivíduos.

Começar o ano de 2024 com 211 varroas em lugar das mais de duas mil é um aspecto crítico para ter a população abaixo dos limiares de dano económico, com as colónias em pleno estado de saúde e com o máximo potencial produtivo ao longo de todo o ano como me mostra a simulação seguinte:

Com 211 varroas no início do ano, com os mesmo 5 tratamentos com uma taxa de eficácia de 90%, tratar as colónias um mês antes do estritamente necessário, isto é com taxas de infestação de 1% em lugar das taxas recomendadas de 3%, seria o caminho que seguiria em 2024.

Como vemos a introdução do quinto tratamento nas condições simuladas muda o jogo a nosso favor: permite entrar num circulo virtuoso e atingir o final do ano com um número de varroas inferior a 200 que me permitirá olhar para o ano seguinte com mais tranquilidade no que respeita ao controlo da varroose.

E se… decidisse voltar aos dois tratamentos anuais, tratando quando a varroa atinge os 3% de taxa de infestação?

Entrando com 191 varroas no início do ano e mudando para uma estratégia de dois tratamentos com 95% de eficácia colocados em colónias no momento que atingissem cerca de 3% de infestação terminaria o ano com 6562 varroas.
No ano seguinte, e mantendo a mesma estratégia, em setembro teria as colónias a colapsar.

Pois, qualquer semelhança com a realidade…

Notas: 1) não vou esquecer que são apenas simulações, não é a realidade. Mas é uma ferramenta mais que me ajudará a reflectir e até a planear de forma mais informada.

2) Será altura de se mudar o paradigma do PAN atribuir uma comparticipação para apenas dois medicamentos, que em muitos casos serão insuficientes para um efectivo controlo da varroose ao longo do ano. Só os meus dois cêntimos para a conversa!

varroose: 4 tratamentos ano serão suficientes?

Nesta publicação descrevo o caso dos tratamentos e monitorização de infestação que o meu amigo Marcelo Murta levou a cabo nas suas colmeias.

Da monitorização feita a 19 de julho obteve taxas de infestação a rondar os 8%, isto é 24 varroas por cada 300 abelhas. Utilizando o simulador do Randy Oliver para obter 24 varroas nessa data foi necessário partir do pressuposto de que as colónias entraram no ano com uma população de 180 varroas (simulei este valor porque não possuo dados reais da taxa de infestação anteriores a esta data; ver quadrícula “mite population”, no fundo à esquerda ).

Para obter um valor próximo das 24 varroas em meados de julho (26 é valor, a azul claro na quadrícula sobreposta à linha azul claro, obtido por lavagem em alcool de “1/2 cup of bees”, isto é, cerca de 300 abelhas). Podemos ver que caso nada tivesse sido feito as colónias colapsariam à entrada de setembro, de acordo com o simulador.

Como descrito na publicação, o Marcelo fez um tratamento em finais de Julho para fazer baixar a taxa de infestação. No último dia de agosto fez uma segunda monitorização da taxa de infestação e os valores encontrados andavam em torno de 1% (3 varroas em 300 abelhas).

Para baixar das 24 varroas em meados de julho para 3 varroas no final de agosto é necessário introduzir no simulador um tratamento com cerca de 95% de eficácia, isto é, que mata 95 varroas em cada 100 (ver triângulo negro na quadrícula referente à primeira quinzena de agosto com um tratamento com 95% de eficácia).

Como vemos da simulação em cima, mesmo com a elevada eficácia do tratamento de finais de julho, de outubro em diante o simulador apresenta valores superiores a 15 ácaros (ver valores azul no interior dos pequenos quadrados brancos), valor a partir do qual se observa um declínio no desempenho da colónia, em geral (Randy Oliver).

Em boa hora o Marcelo optou por fazer, nesse último dia de agosto, o quarto tratamento do ano, recorrendo ao ácido oxálico gotejado. De acordo com Randy Oliver é expectável este tratamento atingir uma eficácia entre 80%-95%, quando as colónias não apresentam criação operculada. Fiz mais uma simulação para contemplar este tratamento, como podem ver em baixo.

Introduzi no simulador este tratamento com uma estimativa de 85%, um valor intermédio no intervalo de eficácia prevista para este tratamento (ver triângulo negro na quadrícula referente à primeira quinzena de setembro com um tratamento com 85% de eficácia). Nada fazendo até ao final do ano, e de acordo com o simulador, as colónias terão 535 ácaros no final de dezembro — um valor 10x superior ao aconselhado pelos especialistas franceses, 50 ácaros à entrada do novo ano.

Sei que é intenção do Marcelo, fazer um 5º tratamento antes de finalizar o ano, até porque provavelmente terá uma taxa de infestação superior uma vez que não se verifica um ligeiro aumento de criação no outono, típico de um clima temperado do interior do país, mas um aumento de criação pronunciado, o típico no litoral norte e centro.

Finalizando com a questão do título, a resposta é que neste caso e neste ano muito provavelmente 4 tratamentos será curto para o Marcelo atingir as suas expectativas. E cada caso é uma boa fonte de reflexão, desde que não se façam generalizações apressadas. A partir deste não vamos concluir que de norte a sul e de este a oeste do nosso país sejam necessários os mesmos tratamentos e nas mesmas datas. Se for para generalizar apenas isto: 12 dias depois de cada tratamento monitorizem a sua eficácia e utilizem este ou outro bom simulador que vos ajude a tomar decisões informadas. Bom combate!

Simulador do Randy aqui: https://scientificbeekeeping.com/randys-varroa-model/

combate à varroose: times are changing

Na minha opinião estamos a atravessar, de há uns anos para cá, uma época de mudanças importantes no combate à varroa. Estas mudanças advém de dois aspectos documentados: existência de populações de varroas resistentes ao amitraz na Europa e a colonização e disseminação de uma estirpe mais virulenta de vírus no nosso continente. A juntar a estes dois factos junto um terceiro, que resulta da minha especulação e de outros apicultores informados: ao utilizarmos massivamente acaricidas que matam exclusivamente varroas na fase de dispersão (fase forética), fomos seleccionando as varroas com períodos mais curtos de dispersão, aquelas que mais adaptadas estavam para sobreviver à mecânica da maior parte dos acaricidas sintéticos e orgânicos que temos vindo a utilizar.

Nestes tempos de mudança e aumento de complexidade conheço basicamente três tipos de resposta dos apicultores para o controle da varroa:

1) os que acreditam que as mudanças biológicas e comportamentais das varroas e vírus não existem, que tudo é uma conspiração, que as varroas e os vírus continuam a ser os mesmos de sempre, apicultores cheios das certezas típicas da ignorância, e que vão falhar desastrosamente e silenciosamente, sem nunca assumirem que falharam nas suas opções e sem perceberem porque falharam;

2) os que percebendo as mudanças e que as soluções antigas estão a falhar querem mudar a sua estratégia, mas desejam alternativas milagrosas e estão apenas disponíveis para utilizar “receitas do tipo limão”, baratas e hiper-simples de utilizar. Parece-me que nunca lhes ocorreu pensar que se fosse assim tão simples já todos utilizaríamos essas “balas de prata”. Também estes, com a suas ilusões, vão falhar;

3) aqueles que estão conscientes das mudanças e que vão enriquecer as suas qualificações de combate e o seu arsenal de acaricidas. Estes assumem a necessidade de continuar a aprender e procuram conhecer o melhor possível o inimigo, as suas forças e fragilidades, e a sua evolução. Ao mesmo tempo procuram conhecer mais profundamente o potencial e as limitações dos chamados acaricidas suaves (orgânicos) e de medidas culturais (interrupção da criação, entre outras), para as introduzir numa estratégia mais inteligente e efectiva. Estes têm as melhores probabilidades de manter a varroose “at bay”.

Especulando, acho que nos dois primeiros grupos encontramos 80% dos apicultores europeus e 20% deles enquadro-os no terceiro grupo.

Para os apicultores do terceiro grupo sugiro lerem este bom artigo de revisão sobre a evolução da varroa, vírus e vantagens e limitações da utilização dos acaricidas suaves, publicado em 2021: Varroa destructor from the Laboratory to the Field: Control, Biocontrol and IPM Perspectives—A Review. Mais adiante conto fazer traduções de alguns excertos, para os que têm mais dificuldades com o inglês.

aplicação do ácido fórmico por escovagem: eficácia e impacto nas abelhas

Nestas publicações (aqui e aqui) apresentei uma técnica inovadora de aplicação do ácido fórmico por escovagem. O objectivo desta técnica é eliminar a varroa que se encontra na criação operculada das abelhas. Como sabemos, em colónias com criação, cerca de 70-90% das varroas estão na sua fase reprodutiva, a parasitarem as abelhas em formação (Rosenkranz, P., Aumeier, P., & Ziegelmann, B. (2010)). A protecção dada pelos opérculos é um factor limitante à eficácia de muitos dos acaricidas que utilizamos. O ácido fórmico, mais especificamente os seus vapores, é dos poucos acaricidas com elevado potencial nesta fase do ciclo de vida das varroas.

Os procedimentos básicos para a aplicação do ácido fórmico sobre a criação operculada por escovagem estão descritos nesta publicação e podem ser lidos com maior detalhe no artigo original aí e aqui referenciado.

No artigo podemos ler que eficácia desta técnica, avaliada pela mortalidade das varroas fundadoras e sua descendência 24 horas após a escovagem, se situa entre os 90 e 92%, para utilização de ácido fórmico com concentrações de 65% e 85%, respectivamente. A análise estatística revela que estas diferenças não são significativas, por esta razão concluo que não há vantagens em utilizar a concentração de 85%. Um aspecto que me parece revelante é o facto de os autores terem observado passadas 48h-72h após a aplicação da técnica que mesmo as varroas que ainda viviam após-24h, uma parte estava morta ou incapaz de se reproduzir.

Uma limitação desta técnica é o facto de não eliminar as varroas na fase de dispersão (fase forética). Os autores recomendam um novo tratamento com esta técnica passados 10 dias ou a utilização de um outro acaricida/técnica com efeito comprovado sobre os ácaros na fase de dispersão.

Acerca do impacto nas pupas e nas abelhas os autores escrevem: “In these experiments, all the honeybees that emerged from the treated brood were found active and healthy, the hive population and activity being normal during the whole period of experiments [2 anos].” Em poucas palavras, não encontraram efeitos negativos assinaláveis nas abelhas que emergiram após o tratamento. E acrescentam “Thus, in the brood protection perspective, the brushing procedure can be considered superior to the treatment in a closed space as the volatile substances will come in contact only with the capped stages of honeybee brood and the mites inside cells, while in treatment boxes all brood, including larvae and eggs are treated and open brood is clearly affected. Having an immediate result and being targeted only on the capped brood frames, the effect of any external temperature and humidity do not influence the results and procedures’ effectiveness as in the classical treatments with formic acids. More than this, by these new treatments we can avoid exposing the adult honeybees which are very sensitive to these substances, as their volatility is very high, increasing rapidly at high, external and nest temperatures.” Em resumo, esta técnica de aplicação do fórmico é mais segura para ovos, larvas e abelhas adultas, quando comparada com as técnicas tradicionais de aplicação do ácido fórmico.

fonte: https://animalsciencejournal.usamv.ro/pdf/2021/issue_1/Art55.pdf

Dito isto, num cenário hipotético, se fosse um apicultor confrontado com a elevada ineficácia de medicamentos homologados e/ou das formulações caseiras, não deixaria de experimentar esta técnica em 3 ou 4 colónias para a avaliar no meu território e com as minhas abelhas, com o objectivo de me preparar para um futuro que tudo aponta ser difícil e complexo.

Notas: 1) como muitas vezes mais é menos, se eu fosse aplicar o fórmico por escovagem não iria utilizar uma trincha de 25 cm de largura, e muito menos aplicá-lo com a trincha a escorrer. A aplicação deve ser só sobre a criação operculada e com o quadro ligeiramente inclinado para que alguma gotícula a mais caia para o chão e não para o interior de um alvéolo não operculado. Nunca me esqueceria que com este ácido o limiar entre matar o ácaro sem matar o hospedeiro é muito estreito. Não me esqueceria também de utilizar os EPI’s necessários na utilização de um ácido tão corrosivo.

2) Não estou a sugerir a aplicação deste tratamento por outros pois carece de homologação no nosso país. Estou a revelar o que se vai fazendo na Europa e no mundo para combater o primeiro e mais perigoso inimigo das abelhas. Espero que este olhar pelo que nos rodeia acalente em nós a esperança de que novas armas estão a ser preparadas para substituir e/ou complementar as actualmente disponíveis, que parecem não estar a acompanhar os ganhos de resistência do inimigo.

ácido oxálico: um vídeo corajoso e honesto de Bob Binnie

Recentemente o apicultor norte-americano Bob Binnie publicou este vídeo sobre a aplicação de ácido oxálico na forma sublimada em núcleos.

Vídeo sobre o tratamento de núcleos com 2 grs. de ácido oxálico sublimado.

O que mais me interessou no vídeo foi o facto de o Bob Binnie referir que aplica 2 grs. de ácido oxálico em núcleos e referir que aplica 4 grs. de ácido oxálico em colónias estabelecidas em colmeias Langstroth com 10 quadros. E do ponto de vista da eficácia está a fazer a opção correcta. No estudo Determining the dose of oxalic acid applied via vaporization needed for the control of the honey bee (Apis mellifera) pest Varroa destructor (2021), Cameron Jack e colegas referem que é essa a dosagem mais eficaz de acordo com as observações controladas que realizaram.

O pequeno problema é que a EPA (a congénere norte-americana da DGAV) definiu que as colónias não devem ser tratadas com mais do que 1 gr. de ácido oxálico quando sublimado.

O grande problema para os apicultores norte-americanos é que este limite estabelecido pela EPA, repito 1 gr. de ácido sublimado por colónia, é pouco ou nada eficaz como demonstrado pelo estudo de Cameron Jack e colegas. Bob Binnie foi honesto e corajoso por vir publicamente dizer como faz e que o “rei vai nú”, arriscando ser perseguido e multado por tal.

ácido fórmico: procedimentos de aplicação por escovagem

Na publicação anterior apresentei um vídeo técnico acerca dos procedimentos de aplicação de uma técnica inovadora, patenteada pelo investigador romeno Adrian Siceanu em 2019 e apresentada na Apimondia que se realizou no Canadá nesse mesmo ano.

Como podemos ver a técnica consiste basicamente na passagem de ácido fórmico a 65% ou 85% com um pincel sobre a superfície dos opérculos que cobrem a criação. Sabemos que os opérculos de cera (a camada externa) assim como os casulos que envolvem as pupas das abelhas (a camada interna) são porosos de forma a permitirem a respiração das abelhas em formação. Ora são este poros que permitem que os vapores libertados pelo fórmico, espalhado por meio deste processo de escovagem, penetrem nos alvéolos e casulos e asfixiem e/ou desorganizem o metabolismo e/ou danifiquem os tecidos moles das varroas presentes na criação, matando-as ou impedindo a continuação da sua reprodução. Mas aplicando o ácido fórmico das formas habituais também se verifica o mesmo, e com uma carga de trabalho menor e com mais rapidez, estarão alguns a dizer. Não tiremos conclusões precipitadas.

Como podemos ver no vídeo, o investigador romeno, apresenta três procedimentos que convém tomar em consideração: 1) aplica o fórmico depois de ter sacudido as abelhas e rainha; 2) a escovagem com o fórmico é o mais possível centrada apenas sobre criação operculada; 3) os quadros depois de escovados com o fórmico não são devolvidos de imediato à colónia, são colocados por 10-15 minutos numa caixa ventilada e só após este período são colocados na colónia a que pertencem.

O pincel utilizado é de cerdas de rigidez média, cerca de 4-10 cm de largura. O ácido fórmico foi aplicado e escovado com uma leve pressão, para ajudar o opérculo a absorvê-lo. A escovagem foi feita com movimentos da esquerda para a direita, para evitar o acúmulo de gotas na borda inferior dos alvéolos destapados e o vazamento dentro deles. Para realizar o tratamento, o ácido fórmico foi colocado numa caixa plástica especial que é fortemente fixada na parede da colmeia.


Os quadros tratados não foram devolvidos imediatamente à colónia porque a quantidade de ácido evaporado pode prejudicar as abelhas ou rainhas, especialmente nos primeiros minutos. O contato direto do ácido com qualquer indivíduo (abelhas ou rainha) pode matá-los. Por esta razão, é recomendado manter os quadros tratados após a escovagem em caixas separadas por pelo menos 10 minutos, dependendo da superfície tratada, até ao excesso de ácido se ter evaporado.


Durante a utilização do ácido fórmico, é obrigatório o uso de luvas de proteção resistentes aos ácidos, óculos e máscara para evitar a inalação de vapores do ácido ou contato direto.”

fonte: https://animalsciencejournal.usamv.ro/pdf/2021/issue_1/Art55.pdf

Escovagem da criação operculada com ácido fórmico.

Enquanto as técnicas de aplicação convencional do ácido fórmico, apresentam eficácia muito variável, são aplicações mais longas e podem ser perturbadas por alterações na temperatura e humidade ambiental com consequências nefastas nas abelhas, criação e até nas rainhas, esta técnica alcança resultados melhores e mais consistentes em poucas horas/minutos na mortalidade que provoca nas varroas que parasitam a criação.

Sobre o tempo que se demora a aplicar, não me parece que seja superior ao despendido com a técnica “rasca la cria”, utilizada por apicultores de grande dimensão em Espanha e em Portugal, com a vantagem de não se destruir criação nem se disseminar vírus entre as abelhas.

Sobre a eficácia desta forma inovadora de aplicar o fórmico fica para uma publicação próxima.

ácido fórmico: técnica inovadora para reduzir a infestação por varroa em criação operculada

Vi ontem, numa publicação de um grupo de apicultura kosovar, um apicultor a passar uma trincha com um líquido sobre um quadro repleto de criação fechada. Esse vídeo lembrou-me que tinha lido, há cerca de três meses atrás, uma publicação científica sobre uma forma muito semelhante de aplicar o ácido fórmico e o ácido láctico.

fonte: https://animalsciencejournal.usamv.ro/pdf/2021/issue_1/Art55.pdf

Nessa publicação surge, na bibliografia, uma referência para um vídeo técnico demonstrativo da sua aplicação. É esse vídeo que podem ver em baixo, com a explicação de como fazer pelo autor do referido artigo científico.

Esta técnica foi apresentada na Apimondia, no Canadá, pelo seu autor A. Siceanu. Cabe-me a mim, que não estive nessa Apimondia, apresentá-la pela primeira vez em Portugal.

Antes de apresentar/traduzir excertos do referido artigo prefiro fazer o início da apresentação deste procedimento inovador assim desta forma, com este vídeo, para termos uma ideia geral dos procedimentos, antes de avançar para os detalhes, cumprindo um dos preceito pedagógicos de “avançar do geral para o particular”.

Entretanto se quiserem colocar questões ou fazerem comentários podem utilizar o espaço de comentário.

Esta publicação, assim como outras que fiz a propósito das tiras de ácido oxálico com glicerina, não pretende incentivar a sua utilização. Este é um blog informativo que está atento às inovações apícolas que vão surgindo em várias regiões do mundo e que informa os seus leitores disso mesmo. Este é um blog que apresenta modelos alternativos de medicação para doenças e/ou luta contra predadores e que o faz sustentado em investigação controlada e apenas a título informativo. Não é um receituário de mesinhas caseiras, nem um relato de casos anedóticos. Informa sobre medicamentos e procedimentos testados em ambientes controlados, nada mais. O objectivo é viver numa sociedade informada, verdade?