resistência ao amitraz e ao tau-fluvalinato em regiões de França

Na sequência do seu trabalho de doutoramento, Gabrielle Almecija tem vindo a publicar diversos artigos com os resultados que obteve na sua pesquisa de avaliação da resistência ao amitraz (princípio activo dos medicamentos comercializados com o nome Apivar e Apitraz, por exemplo) e ao tau-fluvalinato (princípio activo do medicamento comercializados com o nome Apistan), em algumas regiões de França nos anos de 2018 e 2019.

Apresento em baixo alguns dos dados obtidos.

Localização das populações de varroa testadas e suas sensibilidades (suscetível (S), moderadamente resistente (MR), fortemente resistente (FR)) ao tau-fluvalinato (A) e ao amitraz (B).
Proporção das populações de varroa de acordo com sua sensibilidade ao tau-fluvalinato na França em 2018 e 2019, (n = 22).
Proporção de populações varroa de acordo com sua sensibilidade ao amitraz na França em 2018 e 2019, (n = 35).

Do primeiro quadro podemos ver que o fenómeno de resistência moderada e resistência forte para o amitraz e para o tau-fluvalinato é heterogéneo entre regiões e, inclusivamente, na mesma região. Há apiários com uma predominância de populações de varroas sensíveis ao amitraz ou ao tau-fluvalinato e outros apiários onde predominam populações de varroas moderadamente ou fortemente resistentes ao amitraz ou ao tau-fluvalinato. Ainda que as minhas observações sejam a olho, sem qualquer carácter científico (avaliar a susceptibilidade vs. resistência das varroas a este ou aquele princípio activo segue um protocolo muito complexo, que não está ao meu alcance), também encontro esta heterogeneidade nos resultados finais, isto é, o Apivar colocado da mesma maneira, na mesma altura, resulta melhor nuns apiários que noutros, resulta melhor numas colónias que noutras do mesmo apiário. Das minhas observações resulta melhor, em regra, em colónias que foram desdobradas, em enxames novos, em enxames mais pequenos, por exemplo em núcleos de 5 quadros.

Da comparação dos dois gráficos em baixo destaco a maior percentagem de populações de varroas sensíveis ao tau-fluvalinato, 50%, por comparação com as populações de varroas sensíveis ao amitraz, 29%. Uma explicação possível, com base científica, pode ter a haver com o fenómeno de “reversão para a sensibilidade”. O tempo necessário para se passar de uma população resistente a susceptível é denominado “período de reversão”. Para os ácaros varroa, poucas informações sobre a duração do período de reversão são conhecidas hoje. Levará entre 4 e 6 anos para uma população de ácaros altamente resistentes ao tau-fluvalinato recuperar sua sensibilidade (Norberto Milani e Vedova 2002). Até ao momento, nenhuma informação é conhecida sobre o período de reversão do amitraz. No meu caso, e como o último ano em que tratei com tau-fluvalianto (Apistan) foi em 2011, este medicamento está novamente em cima da minha mesa de opções para ser utilizado em 2022.

fonte: https://www.apinov.com/wp-content/uploads/2021/08/Lutte-contre-le-varroa-Gabrielle-Almecija.pdf

Nota: agradeço ao meu amigo João Gomes por me ter posto na pista do trabalho e publicações de Gabrielle Almecija. Tenciono fazer mais publicações sustentado na tese de doutoramento desta jovem doutora, pois quero partilhar muito do sumo do seu trabalho com os meus leitores.

esterilização das varroas pelo ácido fórmico: que evidências?

De quando em quando ouço e leio que ocorre um processo de esterilização das varroas com a utilização do ácido fórmico. Um fabricante de medicamentos acaricidas baseados no ácido fórmico faz mesmo esta afirmação “In our research and testing, we found out that mites surviving the treatment are in 80% infertile and will not reproduce.” (Na nossa pesquisa e testes, descobrimos que os ácaros que sobrevivem ao tratamento 80% são inférteis e não se reproduzem. fonte: http://www.mitegone.com/media.asp#reproduction) Por razões que desconheço, esta pesquisa e os testes estão omissos da bibliografia de suporte da página de marketing do produto, e a bibliografia de suporte que é apresentada, salvo melhor leitura, não confirma esta afirmação.

Da pouca bibliografia que alguns companheiros me sugeriram ler para esclarecer se de facto existem evidências sobre este efeito do ácido fórmico na fertilidade das varroas destaco estes dois artigos:

  • The Effect of Formic Acid in the Sealed Brood Cells (http://www.moraybeedinosaurs.co.uk/varroa/Effect_Formic_Acid.htm?fbclid=IwAR2zHBO_nEHWziZqF0npBmoBOnO2hN3SWzOqJPqSpI9W6pyLwGZRM9T-Yqc)
  • Results of 50% formic acid fumigation of honey bee hives [Apis mellifera ligustica (Hymenoptera : Apidae)] to control varroa mites (Acari : Varroidae) in brood combs in Florida, USA (Autores: Jim Amrine e outros. Amrine é/foi um dos grandes divulgadores dos benefícios dos tratamentos “flash” com ácido fórmico).

Depois de passar umas horas a analisar esta e outra bibliografia, acerca da hipótese da esterilização das varroas sobreviventes não encontrei evidência nenhuma. Encontrei sim dados sobre a mortalidade que o ácido fórmico provoca nas varroas que estão “protegidas” pelos opérculos. Esta informação já a possuo há mais de seis anos, contudo é sempre agradável reavivar os nossos conhecimentos, e não dei o meu tempo por completamente perdido! Evidências nestes estudos, e outros que consultei, acerca da possibilidade de esterilização das varroas, decorrente da utilização do ácido fórmico, não as encontrei.

O ciclo de vida da abelha operária começa quando a rainha coloca o ovo no alvéolo. O ovo (Figura 1) eclode após 72 horas, e cada um dos primeiros quatro ínstares larvais ocorre com 24 horas de intervalo (por exemplo, imagem # 2). O quinto ínstar larval (Figura 3) é operculado enquanto ainda está se alimentando, e a operculação é feita pelas abelhas adultas 8-8,5 dias após a postura do ovo. A pupação não ocorre até cerca de 3 dias após a operculação. O último instar larval alimenta-se durante o primeiro dia pós-operculação, mas torna-se imóvel (um estágio que chamamos de pré-pupa, Figura 4) à medida que se prepara para a pupagem. Os ácaros Varroa
invadem os alvéolos com larvas de último ínstar (Figura 3) poucas horas antes da operculação.

A propósito deste assunto, e para terminar, recentemente (2020), Häußermann et al. revelou a possibilidade de um ácaro virgem iniciar a fase forética/fase de dispersão. Posteriormente esta varroa virgem entra num opérculos com uma larva no 5º ínstar larval, põe um ovo não fertilizado e acasala com seu filho macho. Isto confirma que as fêmeas Varroa não precisam acasalar para fazer postura e que podem ser fecundadas por seus filhos, dias depois. (fonte: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs13592-019-00713-9).

Nota: aceito que sou um bocado obcecado pelos detalhes. Mas nos detalhes é que está o diabo. Como irão perceber quando publicar o meu plano de tratamentos para a varroose do próximo ano, a alegada esterilização das varroas pela utilização do ácido fórmico teria a sua importância se ela se confirmasse. Este plano, muito simples como poderão depois ver, será primeiramente apresentado no próximo Encontro de Apicultores da Guarda (ver aqui).

apivar provavelmente o pior acaricida

Em 2016, escrevi no título de uma publicação “apivar provavelmente o melhor acaricida” (ver aqui a publicação). Hoje, sustentado nos dados do ano passado e nos dados recolhidos até ao dia de hoje, atinjo novamente uma taxa de ineficácia do tratamento do verão, com Apivar, entre os 20-25% das colónias. Chego a esta taxa de ineficácia contabilizando o número de colónias onde vejo uma ou mais abelhas com asas deformadas, isto após 2 ou 3 meses o início do tratamento.

Abelha com asas deformadas, sintoma provocada por um vírus que tem como veículo preferencial o ácaro varroa.

Até agora ainda não levei para casa nenhuma colmeia morta neste outono. As colónias estão a ser retratadas, inclusive, aquelas onde não encontro sintomas de varroose. Como as que apresento em baixo, que aparentam boa saúde.

O trabalho de retirada das tiras de apivar das colónias está a ser mais demorada que o habitual. De pé atrás com a experiência menos boa do ano passado com o Apivar e porque as temperaturas altas o permitem, estou a mergulhar em profundidade nos ninhos uma vez mais. Vejo, pelo menos, 5 a 6 quadros por colónia. Tenho vindo a utilizar este método para monitorizar a eficácia dos medicamentos acaricidas, nestes últimos anos. E tenho-me dado muito bem com este sistema de avaliação da eficácia dos acaricidas. Acho-o menos falível que os outros sistemas de monitorização.

Mas será o Apivar provavelmente o pior acaricida? Um amigo, com quem conversei hoje, tratou com fórmico a 60% e contou-me que já levou 25% das colónias para casa. No meu caso, como referi em cima, ainda não levei nenhuma. Talvez porque estava mal habituado, com elevadas eficácias do Apivar até há dois anos atrás, agora acho mais prudente entender o Apivar como provavelmente o pior acaricida, mesmo não tendo a certeza que haja algum melhor dentro do menu dos homologados. Assim para o próximo ano vai para o banco, não será titular!

Nota 1: hesitei no título desta publicação. Pensei intitular esta publicação com a expressão do latim medieval “mutatis mutandis” que significa “mudando o que tem de ser mudado”. De facto não acho o apivar o pior acaricida, apenas já não o acho o melhor, acho-o tão falível como os outros. A lentidão com que liberta o amitraz, julgo que é o seu principal defeito, aliás este defeito foi referido na publicação de 2016.

Nota 2: Tenho várias hipótese explicativas para a maior ineficácia do Apivar nos meus apiários, entre elas: acréscimo de resistência dos ácaros (a dose necessária para matar pelo menos 50% dos ácaros, o LD50, terá provavelmente aumentado um pouco); acréscimo da virulência do vírus das asas deformadas (conhecem-se duas estripes de VAD, uma mais virulenta que a outra, e a importação de rainhas do estrangeiro é o veículo da entrada em território nacional de todos os patógenos não endémicos); melhor prevenção e controlo da enxameação (se os meus enxames enxameiam menos uma parte das varroas não vai para as árvores em cima das abelhas enxameadas, ficam todas em casa); quebra mais abrupta da postura no início do verão devido às temperaturas elevadas e/ou à velutina (as larvas multi-infestadas pelo ácaros aumentam nos períodos de contracção de postura e larvas multi-infestadas ficam mais susceptíveis à virulência dos vírus); mais apiários na vizinhança dos meus apiários (a pilhagem de colónias a colapsar por varroa traz um fluxo indesejado destes ácaros para o interior das minhas colmeias).

ineficácia dos tratamentos para a varroose: para lá da resistência

Todos os tratamentos contra a varroose num momento ou outro são ineficazes. Nenhum deles foi eficaz de todas as vezes que foi aplicado. Esta ineficácia, que surge mais frequentemente em certos anos ou em certos apiários, é por si só a demonstração de resistência da varroa aos princípios activos utilizados? Se a resposta fosse um simples sim, então teríamos de concluir que existem varroas resistentes, por exemplo, ao ácido fórmico ou ao ácido oxálico sempre que ele não é eficaz — pelos relatórios que tenho traduzido, os apicultores da região da Alsácia que utilizam o fórmico, o oxálico ou o timol identificam ano após ano uma percentagem de mortalidade de colónias a rondar os 30%.

Até à data, ninguém informado aceita que seja a resistência ao fórmico ou ao oxálico a explicação para a ineficácia destes nos casos em que a sua aplicação não resultou efectiva. Os factores de ineficácia apontados são variados mas podem resumir-se na frase “too little, too late” (pouco e tarde).

Contudo, se facilmente se aceita que as razões da elevada ineficácia destes tratamentos orgânicos não está na resistência das varroas aos mesmos, já no caso do amitraz, presente em três medicamentos homologados em Portugal, o Apivar, o Apitraz e o Amicel, é a resistência a explicação mais ouvida e utilizada para explicar os casos de ineficácia. Este pré-juízo em relação ao amitraz pode ser muito prejudicial à apicultura nacional:

  • Primeira razão: pode deixar a ilusão numa boa parte dos apicultores que existem tratamentos alternativos, como o fórmico ou o oxálico que, sem casos documentados de varroas resistentes, são sempre eficazes. Pensar assim é um erro crasso — os apicultores que estão em Bio que abram o livro e tornem público as dificuldades que passam e a mortalidade de colónias que infelizmente constatam nos seus apiários, isto apesar de utilizarem tratamentos para os quais as varroas não têm resistência. Os tratamentos orgânicos são sempre eficazes, até ao momento em que o não são.
  • Segunda razão: não descartando a possibilidade de as varroas terem aumentado um pouco a resistência ao amitraz, isto é serem menos susceptíveis às quantidades que as matavam no passado, a explicação da ineficácia dos tratamentos homologados com amitraz a partir exclusivamente da ideia de resistência contribui para não se explorar devidamente a hipótese que a ineficácia se deveu sobretudo ao facto de ter sido “too little, too late” a que eu acrescento “too slow” (lento).

Nada como ouvir a JoJo a discorrer sobre o conceito “too little, too late”, para o interiorizarmos devidamente :-).

Nota 1: deixo o apelo dos responsáveis pelo inquérito em Portugal: por favor respondam ao mesmo. O link: https://bgoodwp4.ugent.be/home/portuguese-version/

Nota 2: Sugiro a leitura desta publicação em complemento.

timing do tratamento de verão da varroose: testemunho de um amigo e cliente

Deixo em baixo o testemunho de um amigo e cliente de enxames, a quem tenho dado consultoria gratuita no último ano e meio — os meus clientes de enxames contam com essa ajuda, sempre que a requerem. Este amigo pediu-me para não o identificar, por essa razão o seu nome não aparece na publicação. O timing da publicação, 15 de Agosto de 2021, parece-me muito ajustado ao conteúdo.

2019 não foi uma época apícola brilhante, pelo menos para mim. A produção de mel ficou aquém, mas o pior estava para vir. Com tratamentos atrasados e falta de monitorização perco cerca 70 das 80 colónias no inverno. Depois da frustração foi tempo de refletir o que tinha feito de errado. Concluí que o tratamento da varroose foi feito tardiamente e já pouco havia a fazer.

Foto de uma colónia à saída do inverno de 2020-2021.

2020 e 2021 foi ano de começar basicamente do zero. Em 2020 com cerca de 50 colónias tinha de evitar o que se tinha passado na época anterior. Foi nessa altura que conheci o Eduardo, que me fala de manter sempre a varroa o mais controlada possível e não perder 10 para ganhar 5. O que quero dizer com isto é não sujeitar as colmeias a recolherem mais 2/3 kg de mel e com isso atrasar o tratamento. O maneio estava claro para mim, seria “ acabar “ a época de mel mais cedo, isto na zona de Trás-os-Montes. Em 2020 acabei a época em meados de Agosto; retirei todas as meias alças e procedi ao tratamento com Apivar. Com o tratamento já nas colónias foi tempo de proceder a várias inspeções. A cada 2 semanas abri rigorosamente todas as colónias e ajustei as tiras na câmara de criação: se a câmara de criação se contrai para o centro as tiras ajustam-se também. As tiras andam neste tempo em conformidade com a criação: onde está a criação estão também as tiras.

Era tempo também de não fechar os olhos às colmeias mais fracas que por algum motivo não estavam tão fortes quanto a maioria. A decisão foi fazer a junção dessas colónias que achava que não tinham grandes condições de passar o inverno. Com isto feito foquei-me nas inspeções de outono, que servem para efectuar uma inspeção visual quer dos níveis de varroa quer da criação, quer da população de abelhas, e proceder ao ajuste das tiras. Depois deste trabalho feito, e sem nunca faltar alimento às colónias, esperava que o inverno passasse para ter uma noção clara de quantas colónias tinha para a nova época. O resultado foi este: 52 colónias invernadas; 1 colónia morta; 3 colónias fracas. Em relação à época anterior a passagem do inverno para a primavera tinha sido 200% melhor. Encarei a época apícola de 2021 com bons olhos.

Para mim tudo isto se deve ao facto de o tratamento ter entrado nas colónias mais cedo. Defendo que as inspeções de outono são importantíssimas pois permite-me ver a olho nu sinais de varroa, como foi o caso de uma colónia onde vi várias abelhas com as asas deformadas. Actuei de imediato e, segundo sugestão do Eduardo, coloquei mais 2 tiras de apivar ficando com 4 tiras. Esta colónia mostrou melhorias e passou o inverno com sucesso.

Foto de uma colónia à saída do inverno de 2020-2021.

Na apicultura não sendo tudo sempre igual — o que é este ano para o próximo pode não ser —, são estes os pilares que quero manter neste próximo outono/inverno:

  • Tratamento cedo;
  • Ajustamento de tiras aos quadros com criação;
  • Inspeções de Outono.

Sem dúvida que para mim a passagem do inverno 2020-2021, foi um sucesso. Espero no inverno de 2021-2022, com os pilares que referi, obter os mesmos resultados.

estratégia de tratamentos: números e decisões

Aqui e ali, nas redes sociais, recebo umas “bocas” a chamarem a minha atenção para o facto de na apicultura “2+2 não serem 4” e “a apicultura não ser uma ciência exacta”. Este tipo de comentários revela pelo menos duas coisas aos meus olhos: 1) não me conhecem nem conhecem o que escrevo, ainda que julguem que sim; 2) mais grave, desconhecem que todos os fenómenos naturais têm uma tradução matemática.

A utilidade dos números na apicultura.

Vem isto a propósito de umas contas que vou passar a apresentar. Na publicação anterior identifiquei a taxa de infestação pelo ácaro varroa em abelhas adultas nas colónias de um apiário. Fui interpelado por um amigo se tinha ideia da taxa de eficácia das tiras de ácido oxálico que coloquei em finais de junho. Respondi que sim, isto apesar de não ter feito um teste de campo. Esta resposta assenta nos cálculos que realizei. De acordo com estes cálculos, a taxa de eficácia rondará os 65%. Como cheguei e este valor?

  1. Terminado o primeiro tratamento do ano, a taxa de eficácia ter-se-á situado nos 98% (três tiras de Apivar por ninho — ver nesta publicação: “A avaliação pós-tratamento nos mesmos apiários revelou uma infestação entre os 0,2% e os 0,4%. A monitorização foi feita com a recolha de abelhas adultas e posterior lavagem das mesmas em água com detergente para as varroas se soltarem das abelhas, filtradas através de um coador de mel com duas malhas (técnica com boa fiabilidade)”. De acordo com esta percentagem de eficácia terão sobrevivido 2% de varroas tendo em consideração a sua população total;
  2. Assim sendo, no final de julho — 3 meses passados o primeiro tratamento — a taxa de infestação em abelhas adultas rondaria os 3,2 %, considerando uma duplicação do seu número por cada 30 dias passados (0,4×2=0,8×2=1,6×2=3,2);
  3. Atendendo que no teste de campo ontem realizado encontrei uma taxa de infestação de 1,1%, a diferença entre este valor e o valor previsível (3,2%), caso não tivesse efectuado o tratamento intermédio com as tiras de oxálico, é de 2,1.
  4. Para o cálculo de eficácia destas tiras considerei que 100% de eficácia seria eliminar os 3,2% previsíveis. Como “apenas” se eliminou 2,1% (3,2-1,1=2,1) quanto representa percentualmente um abaixamento de 2,1? Fazendo uma regra de “três simples”, a calculadora diz-me que a percentagem de eficácia das tiras de oxalico é de 65,6% ( 2,1×100/3,2= 65,6%).

Em conclusão, o tratamento com as tiras de oxálico está perfeitamente justificado na minha estratégia de tratamentos da varroose:

  • faz baixar o suficiente a taxa de infestação durante o período de fluxo de néctar;
  • a sua taxa de eficácia é suficiente para o considerar um bom tratamento intermédio;
  • esta taxa de eficácia é baixa para pôr a hipótese de não efectuar um terceiro tratamento.

Ainda que a minha apicultura assente em dados numéricos, muito úteis para avaliar o caminho que estou a fazer, é óbvio —para quem me conhece e lê com olhos de ler as minhas publicações — que esta apicultura não se resume a números. Trabalho, observações, leituras, reflexões, hipóteses, cálculos, avaliações e tomada de decisões serão um resumo mais justo e completo.

tratamento intermédio contra a varroose: resposta a quatro questões

No decurso de duas das últimas publicações, onde refiro a execução de um tratamento intermédio contra a varroose, têm surgido no meu e-mail e na caixa de comentários do blog basicamente quatro tipos de questões e comentários:

  • que medicamento estou a utilizar;
  • onde adquiri esse tratamento;
  • por que razão faço este tratamento intermédio;
  • que resíduos deixa no mel se aplicado durante o fluxo e com meias alças nas colmeias.
Colocação das tiras de cartão com ácido oxálico impregnado em glicerina.

Resposta à primeira questão: estou a utilizar tiras de cartão com ácido oxalico impregnado em glicerina. Estas tiras são fabricadas pela empresa polaca Lyson.

Resposta à segunda questão: adquiri estas tiras na Golden Bee, situada em Mira.

Resposta à terceira questão: no plano de tratamentos contra a varroose deste ano achei que devia experimentar fazer um tratamento intermédio, com vista a manter a taxa de infestação baixa até à colocação do último tratamento do ano e, em simultâneo, eliminar eventuais varroas resistentes ao amitraz, princípio activo dos dois tratamentos principais com Apivar, tratamentos que inicio no final de janeiro e na primeira semana de agosto.

Resposta à última questão: sobre a questão dos resíduos deixados no mel por estas tiras, deixo a tradução de um excerto de um estudo científico, referenciado por mim em 2016 nesta publicação. “

Detecção de ácido oxálico em abelhas, mel e cera de abelha.
A Tabela III resume as medições de ácido oxálico (AO) em todas as amostras tiradas antes e depois do tratamento. O teor de ácido oxálico natural variou entre 2,5 e 33,8 mg / kg. Não houve aumento no teor de ácido oxálico do mel, cera e abelhas após os tratamentos, em todos os três ensaios (P> 0,05). Todas as amostras de abelhas e cera de abelha foram negativas antes e depois do tratamento com AO.
[…] A maioria dos vegetais contém quantidades muito maiores de ácido oxálico do que o mel, então a ingestão diária total é insignificante. Assim, do ponto de vista nutricional, o ácido oxálico deve, como o ácido fórmico, também ter um status geralmente reconhecido como seguro (GRAS — generally recognized as safe). Além disso, nenhum resíduo significativo é esperado após os tratamentos com ácido oxálico, conforme demonstrado em nossa pesquisa. Na verdade, não há risco de resíduos de mel após todos os tipos de tratamentos com ácido oxálico (Radetzki 1994; Mutinelli et al. 1997; Del Nozal et al. 2000; Bernardini e Gardi 2001; Radetzki e Barmann 2001; Bogdanov et al. 2002). — fonte: https://link.springer.com/article/10.1007/s13592-015-0405-7

Desde 2016 que conheço estes dados. Desde 2014 que acedi e acedo a informação, acessível a todos nós, reveladora da tremenda falta de informação no que concerne aos resíduos deixados pelas tiras de Apivar no mel. Tenho uma grande preocupação e sensibilidade para a questão dos resíduos dos acaricidas no mel; passei horas e horas a pesquisar, ler, comparar e reflectir sobre este assunto. Por esta razão peço a melhor compreensão para uma resposta eventualmente mais impaciente a um ou outro comentário no FaceBook, quando sou interpelado por alguém que “sabe tudo” sobre resíduos dos acaricidas, sem ter lido uma linha sequer sobre este assunto, repetindo acriticamente chavões. Sobre este e outros assuntos a minha opção é clara: na dúvida informo-me em fontes fidedignas e de preferência em fontes sustentadas em dados experimentalmente controlados; em fontes não influenciadas por interesses comerciais evidentes; em fontes que resistem à persuasão de seguir um “meme” acriticamente, que resistem a papaguear o que a maioria diz, que utilizam a sua cabeça para decidir o seu caminho e inspirar outros.

Ide! tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátrias, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios.
Eu tenho a minha Loucura!
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios…
” Cântico Negro, José Régio

ozono: um tratamento eficaz da varroose?

Em 2015, no Beesource, o inventor de um equipamento de tratamento da varroose por meio do ozono, Luigi Conelli, publicou esta afirmação: “

O “ozonador ” do Sr. Luigi Conelli. Um ozonador amarelo-ferrari com um preço de Ferrari!

Concluímos nossos testes usando ozono em abelhas. Os resultados são muito interessantes. Aplicando 20 minutos de ozono nas colmeias, quando todas as abelhas estão dentro, observámos como resultado a morte de todas as varroa dentro das colónias por um longo período, mais de 21 dias. Todos os estádios de varroas caíram mortas depois de algumas horas.
Observámos colónias sem varroa, loque europeia, loque americana, Nosema sp. ect.
(Luigi Conelli, Beesource, 13-07-2015)

Fez também afirmações peremptórias que o dito tratamento ao mesmo tempo que era eficaz na eliminação das bactérias nocivas, preservava vivas as bactérias benéficas presentes na colmeia!!! Achei, como outros companheiros do Beesource, que este tipo de afirmações extraordinárias requeriam provas igualmente extraordinárias. Tanto quanto é do meu conhecimento o Sr. Conelli nunca as apresentou, e acabei por me desinteressar, esquecer e continuar a tratar a varroose como sempre o fiz, “dentro da caixa”!

Contudo, recentemente num grupo de apicultura português, surgiu de novo a indagação sobre esta técnica. Lembrei-me das afirmações do inventor em 2015, estranhando que de lá para cá quer a técnica quer o equipamento tenham caído no quase completo anonimato — que em Itália e noutras partes do mundo os apicultores não tenham testemunhado massivamente a sua satisfação — e procurei informação em língua inglesa sobre esta técnica para o tratamento da varroose, não fosse dar-se o caso de que entre 2015 e a actualidade tenha merecido a atenção de alguma equipa de investigação independente. Não encontrei nada no Google Scholar, o sítio onde estão acessíveis uma grande quantidade de estudos científicos — e para um equipamento tão “super-hiper” achei no mínimo isto muito bizarro! Ontem lembrei-me de pesquisar em língua italiana, uma vez que o inventor é italiano. Terá sido feito algum teste, com o devido controle, no país do inventor? E sim, esse teste foi feito em 2015, por uma equipa de investigadores do Istituto Zooprofilattico Sperimentale del Lazio e della Toscana “M. Aleandri”  e do Istituto Superiore di Sanità. Sobre a eficácia na eliminação das bactérias de loque europeia os resultados são decepcionantes. Sobre a eficácia na eliminação dos esporos da loque americana idem aspas. Contudo o que mais me interessou foi saber sobre o efeito acaricida da aplicação do ozono durante 20 minutos em colónias de abelhas. Em baixo deixo a tradução de um excerto publicado na revista Apitalia em fevereiro de 2016, com os resultados obtidos.

“Cinco colmeias sem criação foram tratadas com ozono, aplicando-o diretamente na colmeia durante 20 minutos e seguindo as instruções do fabricante do instrumento utilizado.
Algumas colmeias usadas como controle não foram tratadas. Para avaliar a eficácia acaricida do ozono, foi realizado um tratamento 14 dias após a administração do ozono, com Apibioxal e Apivar. A eficácia acaricida obtida com o tratamento com ozono foi igual a 4,9% ± 0,8%, enquanto a queda natural encontrada no grupo controle não tratado foi igual a 4,8% ± 0,7%. A diferença de eficácia entre o grupo tratado com ozono e o grupo de controle não foi estatisticamente significativa.

A força das colmeias observadas, as populações de abelhas adultas dos dois grupos experimentais e de controlo, foi avaliada no dia do tratamento e no final do período estimado para testar a eficácia do ozono (igual a 14 dias) segundo o método descrito por Delaplane et al., 2013.

No grupo tratado com ozono houve uma redução maior na quantidade de abelhas adultas do que no grupo controle, embora não significativa. A mortalidade aguda de abelhas foi avaliada pelo cálculo do número de abelhas mortas que caíram nos dias seguintes ao tratamento, colocando recipientes especiais, chamados cestos em gaiola, colocados à frente das colmeias. Não foi encontrado nenhum fenómeno agudo de mortalidade devido ao tratamento.
A mortalidade das abelhas rainha também foi avaliada no final do período de tratamento. Não se verificou a mortalidade de rainhas, tanto no grupo tratado quanto no grupo controle.
” (fonte Apitalia, 2/2016, https://www.izslt.it/apicoltura/wp-content/uploads/sites/4/2018/06/5.-Applicazione-dellozono-in-apicoltura-risultati-preliminari.pdf)

Em conclusão, ao contrário do que eu temia este tratamento, nas doses e na duração preconizada pelo inventor, não matas as abelhas, o que já é bom… tirando o facto que também não mata as varroas.

tratamentos para a varroose: a experiência de Bob Binnie

Nesta recente conversa de Bob Binnie, que me foi sinalizada pelo Marcelo Murta, uma parte importante da mesma é dedicada a considerações interessantes sobre diversos tratamentos/medicamentos, a saber: toalhetes de ácido oxálico misturado em glicerina (propostos e desenvolvidos por Randy Oliver); Apivar; Apiguard; ácido oxálico sublimado.

Os toalhetes de ácido oxálico misturado em glicerina foram submetidos a um estudo de eficácia pela Universidade da Geórgia em colónias fornecidas pelo Bob Binnie. Os resultados foram muito pouco satisfatórios como revela o próprio. A elevada humidade da região é a razão provável para estes maus resultados. Randy Oliver já havia referido, há algum tempo atrás no seu blog e/ou Bee-L, resultados decepcionantes deste veículo de ácido oxálico em territórios com elevada humidade ambiental, contudo sugere outra explicação, como veremos noutra publicação a surgir num futuro próximo. O Randy está novamente a ensaiar a opção de um veículo em cartão, opção mais próxima da originalmente proposta pela cooperativa argentina que tornou conhecida esta modalidade de tratamento com o nome Aluen Cap.

Sobre o Apivar, Binnie refere que na aplicação que fez no passado mês de agosto a sua eficácia não foi tão boa como tem sido no passado. Apesar disso diz que vai voltar a utilizá-lo este próximo mês de agosto. Nas entrelinhas da conversa parece-me que está céptico em relação à tese de estar na presença de varroas resistentes ao amitraz.

Relativamente ao Apiguard, faz a habitual recomendação acerca do cuidado que deve haver quando se aplica com temperaturas elevadas, isto é temperaturas acima dos 30ºC-35ºC, e recomenda um regime de aplicação de metade da dose (25 gr.), repetida três vezes, com uma renovação da dose 7 a 10 dias após o início da aplicação anterior. Esmiuçando para ficar muito claro, significa por ex. colocar a primeira dose de 25 grs. dia 1, renovar com segunda aplicação dia 8 e, finalmente, aplicar terceira dose dia 15.

Fogger ou nebulizador/vaporizador

Quanto ao tratamento por sublimação do ácido oxalico com o “fogger”, Joe May refere a simplicidade na sua utilização, mas com resultados inconsistentes devido a um débito inconstante destes nebulizadores. Por seu lado Bob Binnie aponta a baixa eficácia de vários programas de tratamento com ácido oxálico sublimado na presença de criação (não me surpreende! Já desde 2016 que leio relatos de resultados insatisfatórios no Beesource). Os programas de tratamento com sete dias de intervalo, repetidos por três vezes, são um fracasso de acordo com a sua opinião. Mais, refere um estudo conduzido por Jennifer Berry, ainda por publicar, onde se avaliou um regime 5 a 6 de aplicações a cada cinco dias e no qual não se conseguiu baixar a taxa de infestação. Refere que o número de ácaros no final das rondas era igual ao número de ácaros presentes no início do tratamento. Refere que alguma investigação tem identificado uma fase de dispersão dos varroas (fase forética) de apenas 4 dias. Posso acrescentar a este propósito que testes em laboratório identificaram varroas com a fase de dispersão a durar menos de 24 horas — ver Rosenkranz et al., 2010, num artigo que permanece um dos melhores feitos até à data sobre o ciclo de vida e biologia deste irredutível inimigo das abelhas. Bob Binnie diz que Jennifer Berry vai prosseguir a sua investigação e reduzir os intervalos entre aplicações a 3 dias. Isto significa que para apanhar um ciclo completo de criação (21 dias para obreiras e 24 dias para os zângãos) serão necessário fazer entre 7 a 8 aplicações de um ácido muito potente sobre as abelhas e sua rainha. Para além dos custos em tempo, trabalho, deslocações e gasto de material, fico apreensivo sobre os efeitos que poderá ter sobre o elemento mais longevo da colónia, a rainha, 7 a 8 aplicações de um químico tão potente como é o ácido oxálico em tão curto espaço de tempo. Caso fosse eu a dirigir este programa quereria avaliar também eventuais efeitos sub-letais deste regime intensivo de aplicações de ácido oxálico sobre as rainhas.

Felizmente há um maneio alternativo, entre outros, muito mais amigável para as abelhas e creio também para o apicultor, para quem deseje utilizar o ácido oxálico sublimado numa fase da vida da colónia em que há muita criação operculada presente.

interrupção artificial da postura da rainha para aumentar a eficácia do tratamento da varroose

Todos nós sabemos que a existência de criação operculada nas colónias diminui a eficácia dos tratamentos contra a varroose, em particular a eficácia dos tratamentos “flash” ou de curta duração. Por exemplo, os tratamentos com ácido oxálico, na forma gotejada ou sublimada, são muito eficazes quando a colónia não apresenta criação fechada, contudo essa eficácia fica seriamente comprometida quando ela está presente.

Algumas técnicas apícolas, ao alcance de todos, permitem promover a interrupção, total ou parcial, da postura. Em baixo deixo a descrição de uma destas técnicas, a partir de uma proposta de Randy Oliver:

  • Dia 1: Com recurso a quadros confinadores de rainha*, confinar a rainha a um quadro normal, que servirá de “quadro armadilha para o varroa”;
  • Dia 14: Solte a rainha;
  • Dia 21: Remover o “quadro armadilha para o varroa” e gotejar (ou sublimar) com ácido oxálico as abelhas da colónia.
* Exemplar de um quadro confinador de rainha, fabricado por Randy Oliver.

Nota: A programação em cima é para facilitar a execução no mesmo dia da semana. Se houver muita criação de zângãos, pode aumentar os intervalos para os dias 17 e 24, para uma eficácia ligeiramente superior.