minimizando riscos do trabalho apícola

Assim como outros apicultores procuro o mais possível evitar os riscos habituais desta profissão ou, não sendo possível, tento minimizá-los. Entre outros cuidados, raramente sou picado e muito raramente me cai carga nos caminhos de acesso aos apiários.

Nesta publicação vou focar-me noutras medidas que visam minimizar os riscos nesta altura da época apícola. Uma destas medidas é planear o dia por forma a trabalhar no apiário com temperaturas inferiores a 25ºC. Hoje por exemplo, entre as 8h00 e as 10h30, estive ocupado a inspeccionar cerca de 80 colónias com o objectivo de identificar quais as que estavam a pedir mais uma meia-alça. Acabei por colocar mais 37. Por volta das 10h30 a temperatura estava a chegar aos 25ºC, isto a 900 m de altitude, e foi a hora em que iniciei o regresso a casa com o trabalho concluído.

Imagem parcial do apiário a 900 m.
Meia-alça praticamente cheia e…
… colocação de mais uma meia-alça.

Antes, no dia de hoje e por volta das 6h00, entrei no apiário das Lusitanas a 600 m de altitude para efectuar a cresta dos sobreninhos ali presentes. E a este respeito, aproveito para referir o segundo cuidado para minimizar riscos. Na cresta destes sobreninhos divido os quadros por várias caixas. A intenção é não ter de levantar mais de 15 kgs. Com 12 anos de apicultura a tempo inteiro, até agora não tenho problemas cervicais ou lombares. Assim espero continuar, tendo este e outros cuidados!

Na altura da cresta destes sobreninhos a máxima é dividir para vencer. Afinal é de apicultura mobilista que se trata.

bob binnie: o maneio de final de inverno e a divisão de colónias

Bob Binnie tem as sua operação apícola na Geórgia, EUA. Já a minha pequena operação tem a sua base na Guarda, Portugal. Vários milhares de kms separam estes dois territórios. Decorrente desta variável inegável, seria de esperar que o que observo e o que faço fosse diferente daquilo que o Bob observa e faz, em especial se considerarmos os timings das operações e o facto de ele trabalhar com híbridos de cárnicas x caucásicas.

Muito pelo contrário… acho notável a semelhança nos timings e no fluxo de procedimentos de final do inverno/início da primavera que ambos utilizamos para abordar, entre outros aspectos, a multiplicação de colónias com recurso à técnica Doolittle, a equalização, a regra não mais de seis, a utilização do tabuleiro divisor, a forte preocupação com a prevenção da enxameação, o conhecimento do ritmo de crescimento das colónias e o planeamento do maneio à luz do ritmo de crescimento das colónias.

Ficam em baixo dois dos mais recentes vídeos que o Bob Binnie publicou e que, como habitualmente, prestam um enorme serviço à comunidade apícola por esse mundo fora.

o maneio de colónias prematuramente fortes

Ainda que todos os anos sejam diferentes, a evolução anual dos meus enxames segue um conjunto de etapas bastante constante e previsível. No final de janeiro/início de fevereiro as colónias iniciam, por norma, um crescimento sólido da sua população. Entre elas algumas, pelas minhas observações cerca de 20-25%, chegam ao final do inverno particularmente fortes, com 6 a 9 quadros com grandes áreas de criação. Estas colónias nada fazendo apresentam uma forte probabilidade de enxamearem na última semana de março/primeira semana de abril, às portas da primeira grande floração.

Como já o referi anteriormente, no mapa conceptual que tenho da apicultura não há linhas ou colónias enxameadoras, há sim linhas ou colónias precoces. Desde há cerca de 7 anos quando fiz este insight mental, o maneio destas colónias evoluiu e optimizou-se. Este maneio foi baptizado com a designação “colmeia armazém” e integra-se de forma muito harmoniosa com mais dois maneios que utilizo e que, em conjunto, fazem o tripé da minha estratégia global de gestão das colónias à saída do inverno e em boa parte da primavera: a “regra não mais de 6“* e a “multiplicação de enxames pela técnica Doolittle“.

Nesta publicação apresento o foto filme do maneio destas colónias armazém. Desta vez ao ao contrário, do fim para o início dos procedimentos.

No dia 6 de março criei esta colmeia armazém. Modelo Langstroth na configuração ninho+sobreninho.
No sobreninho nas posições 2 e 9 coloquei dois quadros com cera laminada. Todos os restantes são quadros com cera puxada.
Colocação do sobreninho. Nas posições 4, 5 e 6 coloco os quadros com a maior quantidade possível de alvéolos vazios. Calculo que nos próximos 8-10 dias a rainha subirá ao sobreninho para encher de ovos dois ou três destes quadros.
No ninho estão à data 7 quadros com criação de topo a baixo e a atingir as molduras laterais.
Colónia com população a ocupar todo o ninho e com mais de 6 quadros com criação. São os sinais que quero ver para saber que estou na presença de uma colónia de uma linhagem precoce. Uma das quatro que tenho neste momento neste apiário.

Dois detalhes:

Sinal que estas abelhas estão no ponto para começarem a puxar a cera de quadros laminados.
Criação calva/desoperculada no estágio de olhos violeta. Este fenómeno tem, em geral, uma destas três causas: presença de larva da traça da cera; comportamento REC típico de abelhas resistentes ao Varroa; nível elevado de infestação pelo Varroa numa população de abelhas não resistentes.
O causador desta criação calva na ponta do levanta quadros.

* Para além de Bob Binnie que utiliza a “regra não mais que seis”, fiquei a saber que o meu amigo Ian Steppler, apicultor canadiano, utiliza de forma sistemática a “regra não mais que quatro” no período pré-enxameatório como técnica de prevenção da enxameação. Por cá apicultores inovadores e experimentados assim como notáveis formadores aplicam-na e/ou referem-na: Paulo Russo, Francisco Rogão, João Gomes, Harald Hafner, Pedro Miguel, José Pires Veiga, Rui Martins, Marcelo Murta, Miguel Pais, Fred, … (dos que me lembro de repente).

multiplicar enxames e produzir mel

Para alguns é impossível obter de uma colónia abelhas e quadros com criação para fazer novos enxames e, nessa mesma época, tirar produção assinalável da mesma. Felizmente, com o maneio que utilizo habitualmente, não consigo confirmar essa crença.

Com a técnica de multiplicação de enxames que utilizo há vários anos e que no ano passado fiquei a saber que tinha a designação técnica de Doolittle (ver aqui), tenho conseguido de forma sistemática e consistente atingir este duplo objectivo: utilizar uma colónia como produtora de mel e como fonte de multiplicação de enxames —prefiro este termo ao termo desdobramento, termo este que geralmente está associado à divisão simétrica, cinco quadros para uma caixa e outros cinco para outra, quando prefiro de longe divisões não simétricas de enxames, dois ou três quadros para uma caixa nova, permanecendo os restantes na colmeia-mãe, com rainha, por forma a manter o mais possível a integridade dos enxames doadores, uma condição essencial para que produzam na época.

Multiplicação de enxames pela técnica Doolittle

A partir do início de maio, fim do período de enxameação, estas colónias vão gradualmente passando do modo fornecedoras de abelhas e quadros com criação, para o modo colónias armazenadoras de néctar e produtoras de mel. Esta passagem gradual faz-se com a colocação de 2 a 3 quadros com cera laminada por semana. O resultado final é este (fotos de 2021).

Cresta de Julho de 20121 de todas as 7 colónias que foram utilizadas de março a início de de maio para a multiplicação de enxames.
Dado o peso e com ajuda do Marcelo Murta dividimos a carga por duas caixas.
Exemplar representativo dos 70 quadros do modelo Lusitana (dimensões ninho) crestados nestas colónias.
Passadas algumas semanas crestei em muitas destas 7 colónias mais uma meia-alça/alça lusitana como a da figura.

Voltando ao início, não comprovo a impossibilidade de uma mesma colónia ser utilizada para a multiplicação de enxames e, na mesma época, obtermos dela uma produção significativa de mel. Mais, não comprovo que as grelhas excluidoras de rainhas fomentem a enxameação e reduzam a produção de mel. Utilizadas correctamente, como julgo fazê-lo, são um instrumento indispensável para o maneio das minhas colónias Langstroh e Lusitanas. Felizmente libertei-me há uns anos destes preconceitos e atavismos, infelizmente ainda propalados por alguns pequenos mestres neste pequeno país.

Nota: estou vendedor de enxames com 5 e 10 quadros nos dois modelos acima referidos. Os interessados podem contactar-me através da caixa de comentários com todo o sigilo, pois não serão tornados públicos.

o crescimento acelerado da população de Varroa destructor em colónias de abelhas: uma nova explicação e uma barreira antiga

Nos últimos dois verões/outonos, tenho tido dificuldades em manter a taxa de infestação por varroose abaixo dos níveis que pretendo em cerca de 20-25% das minhas colónias. Já escrevi várias vezes sobre este fenómeno e sobre os factores que lhe estão provavelmente associados. Um dos factores, o ingresso de um número substancial de varroas transportadas pelas minhas abelhas, em consequência da pilhagem de colónias a colapsar por varroose em apiários vizinhos, é um deles.

Esta dificuldade no controle da infestação por varroa, eventualmente por um crescimento acelerado das populações de varroa nesta época do ano, é observável de forma transversal e está bem documentada em várias zonas do mundo: “Na realidade, a maioria dos apicultores precisa usar vários tratamentos contra a Varroa por ano para manter os níveis abaixo dos limites prejudiciais. Além disso, a monitorização longitudinal das cargas de Varroa em vários apiários nos EUA descobriu que mesmo após os tratamentos, as taxas de crescimento populacional de Varroa frequentemente excedem em muito os níveis previstos com base apenas nas taxas de reprodução de Varroa. Isso sugere que os ácaros estão imigrando para as colónias de uma fonte externa, provavelmente colónias próximas.

As duas hipóteses mais referidas para este crescimento acelerado das populações de varroa no final do verão/início do outono são: 1) a hipótese da “bomba de ácaros”; 2) a hipótese da “pilhagem” (ver aqui com mais profundidade).

Um estudo recente, com uma metodologia inovadora, vem fazer luz sobre os mecanismos mais específicos de transferência de ácaros inter-colónias, o impacto deste fenómeno no crescimento acelerado de populações de varroa em colónias receptoras devidamente tratadas, e uma reposta possível para gerir e mitigar os danos provocados por este influxo de varroas transferidas de colónias vizinhas.

Mapa com a localização dos apiários utilizados neste estudo: o círculo amarelo representa a localização do apiário com colónias não tratadas — as colónias “doadoras” de ácaros; os círculos a branco representam a localização dos apiários tratados com MAQS (ácido fórmico) e com taxas baixas de varroa — as colónias receptoras de ácaros.

Vejamos o enquadramento do estudo segundo os seus autores: “As abelhas vagueiam frequentemente entre as colónias, representando uma rota potencial para a transmissão de Varroa. A aglomeração de colónias nos apiários e em toda a paisagem envolvente resulta em infestações mais intensas de Varroa, pois as abelhas estão mais propensas a derivarem entre as colónias. As colónias também podem adquirir ácaros quando suas abelhas roubam outras colónias infestadas de ácaros e/ou quando abelhas não-natais derivam de outras colônias. A propensão das abelhas de entrar em colónias não natais aumenta quando as abelhas foram parasitadas por ácaros. As abelhas “ladras” também podem entrar em colónias não natais, e muitas vezes fracamente protegidas, a fim de roubar o mel durante os períodos de escassez de alimentos. O comportamento de roubo é especialmente prevalente no outono, quando as colónias com infestações de Varroa não controladas começam a entrar em colapso. Essas colónias enfraquecidas com cargas elevadas de Varroa são roubadas por colónias saudáveis ​​próximas, cujas abelhas ladras podem pegar ácaros e trazê-los de volta para sua própria colónia. O final do outono é um período crítico para os apicultores enquanto preparam suas abelhas para o inverno, garantindo que as reservas de alimentos sejam adequados, as cargas de ácaros sejam baixas e as colónias saudáveis35. A reinfestação de Varroa durante este período pode desfazer os efeitos de um manejo bem-sucedido. Compreender o mecanismo pelo qual ocorre essa transmissão inter-apiarios no final do outono é fundamental para o desenvolvimento de melhores práticas de maneio para ajudar a mitigar os danos à saúde da colónia.

Com a nova metodologia utilizada, foi possível aos investigadores identificar de forma objectiva a proveniência das abelhas das colónias “doadoras” e, ao mesmo tempo, identificar no grupo das colónias receptoras as “mais permissivas” à entrada e visita de abelhas das colónias “doadoras”.

Os dados recolhidos pelos investigadores são ao mesmo tempo surpreendentes e promissores. Apresento em baixo os que me parecem mais relevantes:

  • a hipótese do acelerado crescimento da população de varroa estar associado ao fenómeno “bomba de ácaros” não foi confirmado uma vez mais;
  • a hipótese do acelerado crescimento da população de varroa estar associado ao fenómeno “pilhagem” não surge como a mais preditiva, isto é, há outros mecanismos que explicam melhor o acelerado aumento da população de ácaros;
  • colónia receptoras onde foram colocadas redes de entrada para impedir a pilhagem (robbing screens) apresentaram um crescimento populacional de Varroa reduzido em comparação com colónias sem estas redes de entrada ou robbing screens;
  • os resultados sugerem a necessidade de uma hipótese alternativa à “bomba de ácaros” ou à hipótese da pilhagem. Os investigadores avançam com a hipótese denominada permissividade da colónia.
Exemplo de robbing screens, um equipamento muito utilizado nos EUA para diminuir os fenómenos de pilhagem.

As colónias mais permissivas, isto é as que permitem visitas mais frequentes de abelhas de outras colónias — abelhas não-natais —, tiveram maior crescimento populacional de ácaros do que as colónias menos permissivas. Neste estudo, as robbing screens foram usadas para contornar a permissividade natural de uma colónia, tornando as colónias receptoras menos acessíveis. Em boa medida a permissividade de uma colónia, está ligada à selecção de abelhas mais dóceis, menos defensivas. Os apicultores têm intencionalmente selecionado e propagado abelhas mais mansas desde há gerações. Vários estudos, no entanto, observaram que linhagens mais defensivas de abelhas melíferas apresentam frequentemente maior tolerância a Varroa. É possível que, ao criar abelhas mais brandas/dóceis, os apicultores tenham inadvertidamente tornado as colónias mais permissivas às visitas e, portanto, mais suscetíveis à imigração de ácaros.

fonte: https://www.nature.com/articles/s41598-021-86558-8.pdf?proof=t

A minha proposta para o novo ano: colocar redes de entrada (robbing screens) para ajudar as minhas colónias mais permissivas no controle das visitas de abelhas não-natais, ou colocar focinheiras ou redutores de alvado. O objectivo é alcançar dois benefícios com um só dispositivo: 1) diminuir os casos de colónias com mais susceptibilidade ao crescimento acelerado da população no período de fim de verão e início de outono; 2) impedir a entrada de velutinas nas minhas colónias nos meses de outono.

Nota: numa das mensagens que troquei com o Randy Oliver, em que lhe mencionei que este ano o tratamento principal de final de verão não foi eficaz em cerca de 20% das minhas colónias, ele surgiu com uma explicação que me pareceu curiosa na altura: o facto de haver colónias que funcionam como ímanes para as varroas. Quando li pela primeira vez este estudo, há cerca de um mês atrás, este conceito de colónias permissivas lembrou-me as palavras do Randy acerca das colónias ímanes. No que respeita a abelhas sempre fez e cada vez mais sentido faz considerar diferenças inter-zonais, inter-apiários e inter-colónias. As diferenças entre colónias, neste caso o potencial de infestação por varroas vindas do exterior, estão lá. Assim seja capaz de as considerar no meu maneio.

solucionar os casos de colónias que enxamearam ou estão zanganeiras: uma proposta

A partir dos 40m30s deste webinar, Jamie Ellis, Professor de Entomologia no Departamento de Entomologia e Nematologia da Universidade da Flórida, apresenta-nos uma proposta para solucionar os casos de colónias zanganeiras, que enxamearam ou com rainha com mau padrão de postura — colónias disfuncionais. Nas centenas de vezes em que utilizou esta técnica Ellis afirma que resultou em todos os casos. Posso afirmar que já utilizei o mesmo procedimento 3 ou 4 vezes, há cerca de meia-dúzia de anos atrás, para salvar colónias zanganeiras e que, comigo, também resultou sempre.

Pré-requisitos: ter enxames funcionais em núcleos de 5 quadros. Ellis recomenda ter um enxame funcional em núcleo por cada 5 a 10 colónias com 10 quadros.

Procedimentos:

Fase A — 1 e 2) colocar o núcleo funcional junto da colónia disfuncional de 10 quadros; 3) retirar 5 quadros da colónia disfuncional. Um destes quadros, pelo menos, deverá ter mestreiros se pretendermos que o núcleo para onde serão transferidos crie autonomamente uma nova rainha. Os outros quadros deverão ter pólen (1 ou 2 quadros) e criação (2 ou 3 quadros) . O objectivo é utilizar estes quadros retirados da colónia disfuncional para reiniciar uma nova colónia no núcleo com 5 quadros. Devemos retirar/destruir os restantes mestreiros, caso estejam presentes nos restantes 5 quadros que mantemos na colónia de 10 quadros.
Fase B — 1) Puxar os 5 quadros da colónia disfuncional para um dos lados do corpo da colmeia. 2) Introduzir os 5 quadros do núcleo, com abelhas e rainha, no espaço vazio do corpo da colmeia. 3) Colocar os 5 quadros tirados da colónia disfuncional no núcleo. 4) Transferir o núcleo para um outro local (3 a 5 km de distância) e deixá-lo criar a sua rainha [ou introduzir uma]. *Alguns apicultores colocam a rainha transferida do núcleo numa gaiola preocupados com a sua aceitação. [Ellis não utiliza este procedimento e não tem encontrado problemas de não-aceitação da rainha do núcleo por parte das abelhas residentes da colónia disfuncional.]

Notas: 1) No casos de desejarmos resolver com estes procedimentos uma situação de uma colónia zanganeira, com uma população já relativamente pequena, proponho que deixemos o núcleo resultante, aquele que irá criar uma nova rainha, no local de origem do núcleo. Neste local receberá as abelhas de campo que retornarão ao local original nas horas seguintes e/ou nos dois a três dias seguintes. Estas abelhas irão reforçar a população deste núcleo e, por esta via, aumentar a sua viabilidade.

2) Nunca utilizei este procedimento para dar um “boost” em colónias enxameadas, para evitar a sua “paragem” enquanto é criada e fecundada a sua nova rainha. Esta forma de colocar colónias enxameadas rapidamente nos carris na véspera ou durante um fluxo de néctar intenso tem muitos méritos aos meus olhos e prevejo utilizá-lo na próxima temporada em alguns casos, que me servirão de estudo-piloto. Para que resulte é absolutamente indispensável que sejam eliminados previamente todos os mestreiros existentes. No caso de já terem nascido rainhas virgens não utilizarei o procedimento porque é praticamente impossível garantir que se tenham eliminado todas as rainhas virgens presentes. Sem esta garantia, a aceitação da nova rainha transferida do núcleo é improvável e corre um risco muito grande de se tornar uma vítima das abelhas que não são suas filhas. A experiência assim me o diz, a Kin selection theory assim o prediz.

treinar o olhar para localizar rainhas: a minha proposta de solução

No seguimento desta publicação apresento a minha proposta de solução: a rainha virgem/não fecundada/mal fecundada está na extremidade da seta.

Sobre a foto em baixo escrevi: “Intrigou-me o facto de alguma desta criação parecer criação de obreira à vista desarmada. Os opérculos estão muito pouco salientes em relação ao plano da cera. Julgo saber a razão, mas vou deixar em aberto este aspecto para os meus leitores.” A razão que descortino vai ao encontro da mencionada pelo João Paulo na caixa dos comentários. Estes zângãos estão mal-nutridos, são praticamente do tamanho de obreiras e, como tal, as abelhas não estão a fechar os alvéolos com um opérculo mais saliente em relação ao plano da cera por não ser necessário. Na minha opinião é um caso cristalino em que a “nature”/genética do indivíduo é fortemente determinada pelo “nurture”/ambiente. Apesar de terem todo o aparato genético para serem uns matulões, estes zângãos nascem pequenos por deficiências nutricionais e por o “ventre”/alvéolo onde são criados ser mais pequeno que o normal.

Para reflectir: as abelhas “ratinhas” de que o meu pai me falava, abelhas mais pequenas, será um caso de “nature” ou um caso de “nurture”?

Agradeço aos meus leitores, muito especialmente aos que participaram fazendo o seu comentário.

treinar o olhar para localizar rainhas

No meu histórico dos últimos 7 anos a maior parte das minhas perdas invernais deve-se a problemas com rainhas. Dos habituais 4 a 5% do total de perdas invernais, 2 a 3% devem-se a problemas com rainhas. Ou a colmeia fica absolutamente órfã, ou fica funcionalmente órfã, isto é, tem uma rainha não fecundada. Hoje tirei um conjunto de fotos de uma colónia nestas condições.

Na inspecção de 19 de outubro verifiquei que tinha uma rainha virgem.

Nas fotos em baixo anda uma rainha virgem. Faço esta publicação a pensar nos companheiros que se convenceram que não conseguem encontrar as rainhas. Nada mais errado e derrotista. Só é preciso um pouco de paciência e, sobretudo, acreditar que a vão localizar. As minhas dicas: tem o abdómen ligeiramente mais comprido; as asas estão fechadas e assentes sobre o abdómen; os círculos beije que dividem os segmentos do abdómen são mais finos; o tórax, muito importante, não tem pelos e é mais saliente; as patas são maiores. Conseguindo identificar e localizar uma rainha virgem, identificar e localizar uma rainha fecundada é para meninos ; -). Aproveitam para treinar o olhar nestas imagens paradas. A dificuldade vai sendo maior à medida que vão avançando nas fotografias.

Na foto em baixo, vemos a criação desta rainha não fecundada. Intrigou-me o facto de alguma desta criação parecer criação de obreira à vista desarmada. Os opérculos estão muito pouco salientes em relação ao plano da cera. Julgo saber a razão, mas vou deixar em aberto este aspecto para os meus leitores. Se desejarem dar a vossa opinião façam-no através dos comentários. Serão muito bem vindos. Que orgulho e honra me dão em me acompanharem!

monitorização da taxa de infestação por varroa: algumas reflexões

As minhas notas dizem-me que foi em 2014. Nesse ano munido da melhor ciência que conhecia, decidi iniciar o segundo tratamento para controlar a varroose tendo suporte na informação que recolhi através da monitorização de cerca de 20% das minhas colónias. A técnica que escolhi na altura para avaliar a taxa de infestação está aqui descrita. Os dados que obtive em finais de julho nesta amostra de colónias indicavam uma taxa de infestação a tocar os 1,6%. Munido deste valor e da melhor ciência que conhecia na altura, que indicava (e continua a indicar) que o número de varroa duplica por mês, e que o limiar económico da taxa de infestação para iniciar os tratamentos não deve ser superior a 3% neste período pós-cresta, iniciei o segundo tratamento em finais do mês de agosto.

Com a ajuda de minha esposa, este ano voltei novamente a utilizar a técnica de lavagem de abelhas para ter um indicador da eficácia do tratamento intermédio que utilizei.

2014 foi último ano em que a mortalidade por varroose chegou aos 18%. Apesar de ter feito tudo “by de book”, com base na melhor ciência que conhecia, comecei a questionar-me sobre os procedimentos. Esta dúvida em particular, não me deixou mais: se as taxas de infestação não são uniformes entre as colónias, como poderei convencer-me que uma amostragem de 20% das colónias vai espelhar com rigor a taxa de infestação de todas as colónias no apiário?

De lá para cá, por tudo o que tenho observado nas minhas colónias, por tudo o que tenho lido (em especial o que é escrito pelo Randy Oliver acerca dos casos de colónias outliers, que sempre encontra quando testa as suas 1600 colónias), convenci-me que decidir tratar ou não tratar, avaliar se o tratamento foi ou não eficaz, tudo isto com base em amostras que deixam de fora 80% ou mesmo 70% das colónias de um apiário não é suficientemente confiável. Para mim não é!

David Tarpy, um dos nomes mais proeminentes da apicultura norte-americana, investigador e extensionista de enorme reputação, escreve o seguinte a este respeito: “As recomendações atuais são monitorizar todas as colónias de abelhas quanto à infestação do ácaro Varroa, de preferência várias vezes ao longo de uma temporada, para determinar se e quando o tratamento é necessário. Também é recomendado que várias técnicas de amostragem sejam empregadas para garantir que uma medida precisa seja obtida para cada colmeia.”

Monitorizar sim, claro que sim, e acrescento: monitorizar devidamente… para não iludirmos a pessoa mais fácil de iludir: nós próprios.

os resultados da minha estratégia de combate à varroa este ano: o sumário que fiz ao Randy Oliver

Tomei conhecimento da boa notícia sobre a sua saúde há dois dias e aproveitei a oportunidade para o felicitar e lhe dar o feedback sobre os resultados globais da minha estratégia de combate à varroa este ano. Em baixo o e-mail que enviei hoje ao Randy Oliver.

“Good morning, Randy!

I’m very happy that you are doing well, as you wrote in Bee-L. 

I continue to translate some excerpts from SBeekeeping for my blog. I learn a lot from what you do and write. 
This year I treated my colonies three times during the year: in February and August with apivar strips and I did an intermediate treatment in June with oxalic acid cardboard strips from the Polish manufacturer Lyson. In 90% of the colonies this strategy gave good results, however in October I found bees with deformed wings in 8% and in 2% PMS. About 80% of these colonies, where the strategy was not effective, were very strong hives throughout the season. Next year I am planning to carry out two intermediate treatments with the oxalic strips in the strongest hives.

Randy I wish you and your family the best of health. 
A big hug from your friend,
Eduardo Gomes”

[Estou muito feliz que você esteja indo bem, como escreveu no Bee-L.

Continuo traduzindo alguns excertos do SBeekeeping para o meu blog. Aprendo muito com o que você faz e escreve.
Este ano tratei as minhas colónias três vezes durante o ano: em fevereiro e agosto com tiras de apivar, e fiz um tratamento intermédio em junho com tiras de cartão com ácido oxálico do fabricante polaco Lyson. Em 90% das colónias esta estratégia deu bons resultados, porém em outubro encontrei abelhas com asas deformadas em 8% e PMS em 2%. Cerca de 80% destas colónias, onde a estratégia não foi eficaz, foram colmeias muito fortes durante a temporada. No próximo ano, planeio realizar dois tratamentos intermédios com as tiras de oxálico nas colmeias mais fortes.

Randy, desejo a você e a sua família muita saúde.
Um grande abraço do seu amigo,
Eduardo Gomes “]

Foto de um ninho tirada há cerca de 2 semanas atrás. Estão bem visíveis as duas principais modificações à estratégia que efectuei este ano: passei a utilizar 3 tiras de apivar nos ninhos muito povoados e fiz um tratamento intermédio com 3 tiras de ácido oxalico (os restos destas tiras são visíveis sobre os travessões dos quadros).

Nota: Por comparação com os resultados do ano passado (cerca de 20% de colónias com níveis elevados de varroose, em setembro/outubro), a estratégia deste ano melhorou notavelmente os resultados. Espero que a do próximo ano siga esta trajectória de melhoria.