probióticos: ensaio de campo por Randy Oliver

Nos EUA, começa a tornar-se moda alimentar as colónias de abelhas com probióticos. Será que esta prática é custo-efectiva? As colónias ficarão mais fortes e produzirão mais? Como não sou apicultor-investigador de campo, leio boas fontes para saber onde vale de facto a pena gastar o dinheiro que tanto custa a amealhar. E Randy Oliver é uma fonte inesgotável de informação pertinente, informada e devidamente controlada para as minhas questões mais práticas. Assim, deixo em baixo a tradução de excertos de uma sua publicação muito recente acerca dos efeitos dos probióticos na força e desempenho nas colónias que testou.

Nos últimos anos, aprendemos que o intestino da abelha hospeda um microbioma que consiste em vários grupos principais de bactérias (Figura em baixo), que, se modificado/perturbardo, pode ter efeitos prejudiciais sobre a saúde das abelhas. Muitos apicultores, na esperança de melhorar a saúde da colónia, especialmente quando são alimentadas com dietas artificiais ou após a aplicação de antibióticos, perguntaram-me se há algum benefício em dar um suplemento de probióticos. Então, fiz dois testes de campo para descobrir.

Principais bactérias intestinais da abelha melífera.

Perguntas práticas: Já que as abelhas operárias obtêm facilmente as suas principais bactérias intestinais dos favos, precisarão ser alimentadas com um produto probiótico? Isso faz alguma diferença?

Este teste de campo foi projetado para determinar se a alimentação mensal de qualquer uma das duas formulações probióticas comerciais especificamente comercializadas para abelhas melíferas proporcionaria um benefício para a força da colónia (medida pelo tamanho do cacho de abelhas) ou desempenho (medida pelo ganho de peso).

Gosto de usar estas duas métricas por dois motivos:

  • Ambos refletem o cálculo final de cada aspecto da saúde da colónia e da sobrevivência adulta, e
  • São as duas únicas métricas que colocam dinheiro no bolso do apicultor.

Fiz dois testes simples, combinando medições de campo com biologia molecular de alta tecnologia (sequenciamento de “próxima geração”), para primeiro ver se o probiótico afetava a força da colónia ou o ganho de peso, e (a ser publicado mais tarde) para saber se o a alimentação dos probióticos resultou em quaisquer outros benefícios biológicos.

Duas formulações probióticas comerciais utilizadas no ensaio.

Discussão
Os dados coletados, infelizmente, não apoiam a alegação de que a alimentação mensal de qualquer um dos probióticos testados resultou num benefício mensurável na força da colónia ou no ganho de peso, em comparação com a aplicação mensal do controle de açúcar em pó.

Aplicação prática: Os dados deste ensaio, infelizmente, não suportam a alegação de que a alimentação de qualquer um dos probióticos resultou em colónias mais fortes.

fonte: https://scientificbeekeeping.com/a-field-trial-of-probiotics/

Nota: sobre os probióticos ver mais aqui.

avaliação de alimentos comerciais utilizados em apicultura (em Portugal)

Este estudo, levado a cabo por uma equipa de investigadores portugueses liderada pelo Prof. Paulo Russo de Almeida (UTAD, Vila Real), já é do conhecimento de alguns entre nós. Ainda assim, e nesta altura em que me encontro a suplementar frequentemente as minhas colónias com pasta de açúcar (fondant), achei muito oportuno voltar a relê-lo e publicá-lo. O estudo definiu como critério de avaliação da qualidade dos alimentos os seus efeitos na longevidade das abelhas. Nós no campo não conseguimos utilizar este critério, por razões óbvias. Substituímos um critério pertinente por este outro de pertinência muito duvidosa: “é um alimento muito bom porque o comem muito depressa”. Como nós, as abelhas também podem ser enganadas pela boa palatibilidade de um determinado alimento, consumirem-no rapidamente, ainda que do ponto de vista nutricional o alimento seja medíocre e eventualmente tóxico.

Pão-de-abelha de diversas origens botânicas, o melhor alimento proteico que as abelhas conhecem até à data. Muito abundante no território onde tenho as minhas colónias, em especial a partir de meados de fevereiro, aspecto que me dispensa a utilização de suplementos proteicos.

Resumo: O estado nutricional de uma colónia é reconhecido como um fator chave para garantir uma colmeia saudável. Assim, é natural que se verifique por parte dos apicultores um incremento na procura de suplementos alimentares para colmatar os desequilíbrios nutricionais de acordo com os objetivos desejados pelos mesmos. As empresas ligadas à apicultura têm demonstrado uma enorme capacidade para responder a essa procura, verificando-se uma escalada crescente e agressiva no número de produtos comercializados, fruto também da baixa regulamentação de produtos alimentares para animais. Atualmente estão disponíveis mais de 40 produtos no mercado Português, com uma composição muito variável e por vezes mesmo indefinida, alegando um conjunto de ações ao nível de estimulo à criação, suplemento energético, suporte à criação de rainhas, melhoria da qualidade de postura redução de níveis de reprodução de varroa, melhoria da microflora intestinal das abelhas, prevenção da Nosemose, melhoria da saúde de colmeias infestadas por Loque americana, entre outras. Face a esta realidade o projeto ApisCibus, financiado pelo PAN (Programa Apícola Nacional), no qual intervêm a FNAP, como entidade preponente, o IPB como coordenador científico e a UTAD como parceira científica, pretende avaliar nutricionalmente alimentos presentes no mercado português. Neste trabalho são apresentados os resultados preliminares entretanto obtidos.

A metodologia utilizada segue as recomendações de um grupo de especialistas apícolas da comunidade científica internacional COLOSS. Os alimentos são avaliados de acordo com a longevidade das abelhas que os ingerem. As abelhas (Apis mellifera iberiensis) utilizadas neste estudo, nasceram em estufa à temperatura de 35 oC e humidade de 70%, num período de 10 horas sem acesso a alimento. Após o nascimento foram homogeneizadas e aleatoriamente distribuídas por gaiolas num total de 50 abelhas por gaiola.

Foram realizados 2 ensaios, no primeiro forneceu-se um alimento e água a cada gaiola com abelhas e envolveu 14 alimentos (9 energéticos e 5 proteicos); no segundo ensaio, a cada gaiola foi fornecido um alimento proteico e um energético, mais água, num total 20 gaiolas, tendo-se efetuado 2 réplicas.

Os resultados sugerem que com a utilização de alimentos energéticos se obtém uma longevidade superior à dos alimentos proteicos. Em geral, observou-se uma sinergia positiva quando se associou um alimento energético a um proteico, mas verificou-se uma exceção em que alimentos energéticos sozinhos apresentaram maior longevidade do que quando associados a um proteico o que sugere uma eventual toxicidade do segundo. O pólen quando combinado com um alimento energético mostrou ser o alimento proteico com maior capacidade para manter as abelhas vivas.

fonte: https://www.uc.pt/ffuc/congresso_iberico_de_apicultura/documentos/V_CIA_2018_livro_resumos.pdf

Nota: ainda que tenha deixado de utilizar alimentação líquida há uns anos, para aqueles que entre nós fazem “xarope caseiro” com água e açúcar branco refinado, refiro que não é necessário fervê-lo e invertê-lo. A fervura pode tornar a mistura tóxica, a inversão dos açucares diminui a longevidade das abelhas. Um caso mais em que as abelhas são enganadas pela palatabilidade de um alimento que o apicultor tornou medíocre e/ou tóxico.

randy oliver: uma conversa sobre a alimentação com substitutos de pólen

Bidão transformado em alimentador externo colectivo de substitutos de pólen.

Nos últimos anos a opção de alimentar as colónias nas épocas de escassez com substitutos de pólen fornecidos em alimentadores externos colectivos tem vindo a recolher adeptos entre os apicultores. As abelhas aparentemente gostam desta alternativa alimentar, carregando afanosamente grandes quantidades do substituto para a colmeia. Mas como vimos aqui este comportamento, por si só, não é um indicador fiável da qualidade do alimento. Mais, alguns apicultores profissionais relatam que têm assistido ao colapso de colónias no inverno e associam este facto a esta estratégia de alimentação. Ora é sobre esta questão em particular que Randy Oliver se debruça no início desta conversa publicada no YT anteontem.

Randy Oliver, conversando anteontem, 14, sobre abelhas.

Randy Oliver, apicultor desde a sua juventude, biólogo e entomólogo, é provavelmente a voz mais influente no meio daqueles que procuram um conhecimento objectivo sobre estes insectos polinizadores.

É precisamente sobre a necessidade de uma maior objectividade nas afirmações que se fazem a respeito das abelhas que Randy inicia a conversa. Para ele muitas vezes a internet e a comunicação social abordam a apicultura de uma forma “nonsense”/absurda e não de uma forma objectiva, baseada na evidência científica e na experiência controlada.

Refere que neste momento está a conduzir dois ensaios controlados, um sobre o desenvolvimento de abelhas resistentes — programa que já mereceu duas publicações neste blog, aqui e aqui — e um outro sobre os efeitos da alimentação com substitutos de pólen, que iniciou há sete meses e está agora a terminar.

Uma tirada engraçada, mas muito séria como o são as coisas engraçadas, é Randy afirmar que se algum apicultor não disser de quando em quando que não sabe, o melhor a fazer é ouvir essa pessoa com “um grão de sal”/com algum cepticismo, porque há muita coisa que objectivamente desconhecemos.

Sobre os ensaios com suplementação proteica no outono as conclusões preliminares que tirou foram:

  • quando o substituto de pólen seco é fornecido em alimentadores externos colectivos as abelhas recolhem-no em grande quantidade e armazenam-no, fermentam-no e fazem pão-de-abelha a partir dele;
  • quando o substituto pólen é fornecida na forma de bifes as abelhas não armazenam nem uma grama;
  • a colecta e armazenamento do substituo de pólen seco fornecido em alimentadores externos varia muito de colónia para colónia;
  • em situação de escassez de pólen natural no outono e quando alimentadas com substitutos de pólen o melhor teste para avaliar o impacto da suplementação passa por verificar se as abelhas produzem mais geleia real para alimentar as larvas; segundo ele, as abelhas param a produção geleia real se a proteína de substituição fornecida não tiver os ingredientes que lhes permitam produzir geleia real com qualidade;
  • verificaram-se efeitos adversos nas abelhas alimentadas em laboratório (em Tucson) com pão-de-abelha feito a partir dos substitutos de pólen; estes dados necessitam de ser replicados com novos ensaios, na sua opinião;
  • estes efeitos adversos nas abelhas alimentadas com pão-de-abelha feito a partir dos substitutos de pólen confirmam a experiência negativa observada por vários apicultores profissionais que testemunharam colónias a colapsar no inverno depois de alimentadas com grandes quantidades de substituo de pólen seco fornecido em alimentadores externos colectivos.

Foi o que retirei nos primeiros dez minutos desta conversa de Randy Oliver. Espero que a tradução tenha sido fiel, mas caso encontrem alguma falha/erro importante agradeço desde já que me alertem.

suplementação com proteína, não obrigado

Foi no passado dia 19 de Dezembro que tirei estas três fotos em baixo:

Horta com nabiças floridas situada nas proximidades de um dos meus apiários.
Depois de uma intervenção mais profunda e demorada neste núcleo, fica visível que as abelhitas têm pólen disponível, o recolhem, o transportam e armazenam, à porta do solstício de inverno.
No mês de dezembro, pão-de-abelha recém ensilado.

Neste território, em que as fontes de pólen estão presentes no campo durante esta época, a minha opção tem sido não fornecer pólen ou seus substitutos às colónias. E apesar desta malfeitoria, ano após ano cerca de 75% a 80% das colónias chega a meados de abril, altura do primeiro fluxo sério de néctar, com um número de abelhas suficientes para garantir médias de 16 a 24 kgs de mel por colónia (valores médios, mínimo e máximo, de produção desde 2010).

Em baixo ficam duas fotos ilustrativas do estado de algumas colónias em setembro 2020, num apiário localizado a cerca de 900 m de altitude no Parque Natural da Serra da Estrela.

Pão-de-abelha de diversas origens botânicas, o melhor alimento proteico que as abelhas conhecem até à data.
Havendo proteína de qualidade a entrar ou devidamente armazenada vou encontrando quadros com áreas apreciáveis de onde emergirão as futuras abelhas de inverno, logo após a escassez do mês de agosto.

Recuando mais alguns meses no ano, em finais de março ou durante a primeira quinzena de abril encontro uma boa parte das colónia mais ou menos assim…

É verdade que as minhas colónias não têm 80 mil abelhas nem produzem médias de 60 kgs, mas esse é o campeonato de outros não o meu… eu jogo na liga da realidade!

Como a Rusty Burlew, acho que neste território o melhor é mesmo deixar as abelhas “fazerem a sua coisa”, e deixar os suplementos com proteína para os companheiros de outras latitudes e/ou longitudes.

As abelhas estão, na verdade, bem equipadas para dispensar qualquer suplemento. As chamadas abelhas de inverno (abelhas diutinus) armazenam reservas de alimentos no seu corpo gordo. O corpo gordo também produz uma substância chamada vitelogenina, que permite a secreção de geleia real mesmo na ausência de pólen fresco. Durante muitos anos, não alimentei com nenhum substituto do pólen e não tive problemas. Acho que o maior erro está em fornecê-lo muito cedo no ano. Há vários anos atrás, experimentei dar suplementos mais cedo, a partir de outubro, e meti-me em muitos problemas. Nos primeiros dias de janeiro, tinha colónias enormes que precisavam de ser alimentadas quase que diariamente. Eu estava realmente cansado de abelhas em abril, então quando todas aquelas colónias superlotadas começaram a enxamear, eu pensei, “Boa viagem!” Nunca fiquei tão feliz em ver o traseiro de uma abelha na minha vida. Em resumo, a alimentação com suplemento de pólen é como qualquer outro aspecto da apicultura. A necessidade de um suplemento varia de acordo com sua localização, estação, ano e colónia. Para saber se suas abelhas precisam, examine suas colmeias, observe suas abelhas e aprenda com a experiência.

fonte: https://www.honeybeesuite.com/when-to-feed-pollen-substitute/

Notas: 1) esta publicação, em especial o quadro regressivo no final, complementa bem o conteúdo da presente; 2) sobre as melhores receitas proteicas e sobre os seus efeitos a diversa literatura científica que consultei não é consensual; contudo é bastante consensual sobre o impacto nulo da suplementação com proteína quando as colónias têm pólen disponível no exterior, este é de origem botânica diversa e as abelhas têm condições meteorológicas para o colher, transportar e ensilar na proximidade da criação larvar — consenso bem sumariado nas palavras de Laidlaw (o pai das abelhas VSH) “pollen supplement, or pollen substitute is not beneficial after the pollen flow begins” [suplemento de pólen ou substituto de pólen não é benéfico após o início do fluxo de pólen].

alimentar abelhas com açúcar granulado seco: aspectos gerais e aspectos de pormenor

Em 2014, num apiário próximo de Coimbra, decidi experimentar colocar açúcar branco granulado seco, o vulgar açúcar de mesa, por cima das pranchetas de várias colmeias do modelo Langstroth e Lusitana. Foi uma experiência relativamente informada e induzida pelas leituras que referiam a sua utilização por vários apicultores norte-americanos. Em língua inglesa há diversas menções a este método com o nome Mountain Camp (ver aqui uma publicação de Rusty Burlew acerca: https://www.honeybeesuite.com/mountain-camp-feeding/). Os apicultores que aderiram a esta forma de alimentar as suas colónias no período invernal destacam estas vantagens: a rapidez de utilização, a barateza e a absorção da humidade gerada nas colónias nos dias frios de inverno. No caso por mim experimentado encontrei que uma porção significativa deste açúcar estava derramado no fundo da colmeia, sobre o estrado, e algum espalhado no exterior da colmeia, à frente da mesma. Na altura entendi, mal ou bem, que naquele apiário e naquelas colónias faltou humidade ambiente e humidade interna, esta originada pela respiração das abelhas, para humedecer os cristais de açúcar e facilitar a ingestão dos mesmos pelas abelhas. Neste caso as abelhas trataram os grãos de açúcar como habitualmente tratam outros objectos estranhos de que não gostam colocando-os no exterior da colmeia. Foi esta a conclusão que tirei tentando pensar na minha cabeça o que se terá passado na cabeça das abelhas — tenho cada vez mais a noção que este exercício antropomórfico para tentar compreender as abelhas pode ser extremamente enganador em diversas situações.

Em consequência dos resultados desta experiência, avaliados como negativos por mim, resolvi passar a comprar pasta de açúcar (fondant) para alimentar as minhas colónias no período outono-inverno. Aqui, podem ver o relato mais detalhado e circunstanciado desta prática, num dos anos em que andei próximo de me tornar um “big boy” : ).

Chegado aqui, vou fazer a pergunta de um milhão, que também estará na cabeça daqueles que agora me lêem e dão alguma importância ao que por aqui vou escrevendo: será que alimentar com açúcar de mesa devidamente humedecido (o factor que julgo que foi o limitante na minha experiência) comparado com a alimentação com o fondant é uma melhor opção? Em rigor não sei e tenho dúvidas que alguma vez o venha a saber. Surgem-me desde logo duas grandes dúvidas: 1) será que todo o fondant que se comercializa em Portugal tem o mesmo impacto benéfico na longevidade das abelhas? O IPB e a UTAD fizeram estudos controlados e concluíram que não. Seria importante conhecer a(s) marca(s) que não provocaram uma redução do tempo de vida das mesmas; só estas me interessam; 2) sendo muito consensual que o açúcar branco refinado é um excelente alimento para as abelhas, será que a sua administração em seco, ou mesmo humedecido, em cristais grandes, não terá efeitos não desejados num insecto que tem uma clara preferência por alimentos líquidos?

Em baixo deixo a tradução do sumário de um estudo publicado já este ano, que li pela primeira vez há poucos dias, e que avalia alguns efeitos da alimentação com cristais secos de açúcar. Um debate num dos grupos do FB acerca da alimentação com açúcar de mesa estimulou-me a fazer alguma pesquisa, porque não acho o tema estéril nem bizarro e, sobretudo, continuo curioso acerca do mesmo.

Uma nota à parte: uma vez mais ler ciência deixa-me maravilhado, pela oportunidade que me dá de aprender, entre outras coisas, o significado de palavras novas e identificar novas ramificações da ciência e, sobretudo, a convicção que a melhor ciência se está a fazer nas fronteiras de diversas ciências, com a partilha de intuições esclarecidas/informadas de vários ramos e origens. Saibamos nós, apicultores, replicar esta atitude.

O probóscide (língua) de uma abelha melífera.

Os hábitos alimentares dos insetos podem ser influenciados pela abundância de alimentos, nutrição, forças físicas e muitas outras variáveis, por isso este assunto é multidisciplinar e perenemente fascinante. Embora as abelhas se alimentem principalmente de néctar líquido, elas também se podem alimentar de açúcar seco; no entanto, o mecanismo de alimentação para se alimentar de substâncias secas por um inseto que se alimenta principalmente de fluidos permanece inexplorado. Observamos que, quando as abelhas podem aceder tanto ao açúcar seco quanto ao néctar líquido, elas preferem alimentar-se deste último. Para elucidar a preferência alimentar, realizamos um estudo comparativo entre a alimentação com açúcar seco e a extração de néctar líquido, a partir da cinemática e configuração dinâmica da língua*, força de atrito, durabilidade glossal** e eficiência alimentar. Usando uma câmera de alta velocidade, descobrimos que a língua com pêlos da abelha melífera faz movimentos de vaivém para criar sulcos nos pedaços de açúcar seco, e simultaneamente com a saliva vai dissolvendo o açúcar. Verificamos que a frequência de lapidação da língua no açúcar seco se reduz de 4,5 Hz para 1,6 Hz*** quando comparada à alimentação com dieta líquida; isto é uma diminuição de 64% na velocidade média da língua. Por meio de testes tribológicos****, revelamos que as forças de atrito ao alimentar-se de açúcar seco é aproximadamente 5 vezes maior do que a da imersão no néctar, e os pêlos glossais se desgastam 4 vezes mais rápido quando se alimentam de açúcar seco em comparação com a solução de sacarose. Construímos um modelo matemático para preencher a lacuna entre a taxa de ingestão de energia e a dinâmica da língua desses dois modos de alimentação. A taxa teórica de ingestão de energia líquida na alimentação com açúcar seco é 50% menor do que na alimentação com soluções de sacarose. As descobertas experimentais e teóricas revelaram que, embora as abelhas se possam alimentar de substâncias secas, a seleção natural moldou as estruturas da língua principalmente para uma dieta líquida. Este estudo combinou testes comportamentais e mecânicos com modelagem matemática, o que destaca as vantagens do uso de abordagens multidisciplinares para descobrir a fisiologia alimentar de insetos.

fonte: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32446764/

A glossa do aparelho bucal de uma abelha melífera.

*A Cinemática (do grego κινημα, movimento) é o ramo da física que se ocupa da descrição dos movimentos de pontos, corpos ou sistemas de corpos (grupos de objetos), sem se preocupar com a análise de suas causas.

** Glossa pode referir-se a várias coisas: ▪ glossa, uma palavra grega que significa “língua” ou “linguagem”.

*** O hertz (símbolo Hz) é a unidade de medida derivada do SI para frequência, a qual expressa, em termos de ciclos por segundo, a frequência de um evento periódico, oscilações (vibrações) ou rotações por segundo (s−1 ou 1/s). 

**** Tribologia (do grego τρίβω ‘tribo’ significando ‘esfregar, atritar, friccionar’, e λόγος ‘logos’ significando ‘estudo’) foi definida em 1966 como “a ciência e tecnologia da interação de superfícies em movimento relativo e assuntos e práticas relacionados” (“the science and technology of interacting surfaces in relative motion and of related subjects and practices”).

da sacarose ao HMF nos xaropes

Representação da molécula da sacarose (C12H22O11)

Na sequência da publicação anterior pretendo aqui descrever, de uma forma simples, que espero não simplista demais, como o processo de produção de xaropes com o vulgar açúcar granulado e a adição de ácidos conduz inevitavelmente à produção de quantidades maiores ou menores de hidroximetilfurfural (HMF).

A sacarose (vulgar açúcar) pode ser sujeita a um processo de inversão e decompor-se em dois açucares mais simples, a frutose e a glicose. Os catalisadores/aceleradores da inversão podem ser variados. Por exemplo, as abelhas colectam o néctar das plantas, que é composto predominantemente por sacarose/sucrose, e decompôem-no em glicose e frutose por via da adição da enzima natural invertase, convertendo o néctar em mel.

Estando estes dois monossacarídeos presentes, glicose e/ou frutose, a produção de HMF é inevitável em condições normais. É esta razão para o aumento gradual da quantidade de HMF no mel em condições normais de armazenamento. A transformação em moléculas de HMF ocorre por um processo de desidratação das moléculas de frutose e glicose.

Esquema de produção de uma molécula de HMF por desidratação de uma molécula de frutose por perda de 3 moléculas de água.

Este mecanismo de desidratação da frutose e glicose e produção de HMF é acelerado pelo aquecimento num ambiente de baixo pH ou após a adição de ácidos orgânicos ou inorgânicos durante o processamento.

Existe um consenso na comunidade científica que o HMF é tóxico para as abelhas. Contudo os efeitos do HMF nas abelhas e na colónia depende das quantidades presentes e do tempo de exposição ao mesmo. Por outro lado, a toxicidade do HMF traduz-se geralmente em efeitos sub-letais como a redução de tempo de vida das abelhas adultas, alguma mortalidade larval, feridas no intestino das abelhas,… . Como estes impactos negativos são dificilmente observáveis no âmbito de um trabalho normal de inspecção das colónias passam na maioria das vezes desapercebidos ao apicultor.

sumo de limão no xarope: um benefício ou um prejuízo?

Muitos apicultores misturam o sumo de limão nos xaropes de açúcar que fornecem às abelhas para evitar a sua fermentação e/ou promover a inversão dos açucares. O sumo de limão, para além de ser um acaricida ineficiente, pode ser prejudicial quando adicionado aos xaropes açucarados, de acordo com o estudo em baixo, publicado já este ano. Fica a tradução do resumo.

“A escassez de alimentos, juntamente com os stressores bióticos, contribui para as perdas de colónias de abelhas melíferas no inverno. No outono, para apoiar as colónias de abelhas e prepará-las para o inverno, os apicultores podem fornecer xaropes caseiros que podem conter compostos com possíveis efeitos colaterais negativos. Neste estudo, investigamos a toxicidade de um desses compostos (por exemplo, hidroximetilfurfural, HMF) em doses consistentes com dados da literatura tanto para abelhas saudáveis ​​quanto para abelhas debilitadas pelo seu parasita mais importante (ou seja, Varroa destructor). Para reforçar os dados disponíveis sobre a concentração de HMF em xaropes de açúcar, também investigámos a formação de HMF em xarope de açúcar invertido 2: 1 caseiro, considerando, em particular, a influência da temperatura ou do tempo de ebulição em diferentes xaropes de açúcar caseiros de acordo com sua acidez. Finalmente, estudamos os efeitos da acidez dos xaropes de açúcar na sobrevivência das abelhas e testamos se a inversão da sacarose por meio da acidificação é realmente necessária. Concluímos que doses de HMF semelhantes àquelas relatadas como subletais na literatura parecem não ser tóxicas mesmo para abelhas infestadas com ácaros. No entanto, a quantidade de HMF que pode ser encontrada em xaropes caseiros, que aumenta com a temperatura e a acidez, pode ser muito maior e pode causar mortalidade significativa de abelhas. Além disso, destacamos o efeito prejudicial da acidez dos xaropes na sobrevivência das abelhas, sugerindo que a adição de limão ou qualquer outra substância acidificante para inverter a sacarose pode ser prejudicial e desnecessária. Nossos resultados sugerem uma abordagem responsável para a nutrição caseira da colónia.”

fonte: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs13592-020-00745-6

Nota: Quando fazia os meus xaropes caseiros utilizava o vinagre (solução aquosa de ácido acético) para evitar a fermentação. Quero deixar claro que não conheço dados experimentais acerca dos efeitos da adição de vinagre ao xarope.

diz-me o que comes e VAD retro

Mantenho-me de olho na recuperação de colónias com abelhas afectadas pelo vírus das asas deformadas (VAD). O surgimento dos sintomas provocados pelos VAD estão geralmente associados a um nível elevado da infestação pelo ácaro varroa. E que nível será este? Estou convencido que este nível deverá situar-se entre os 6% e os 9% nas minhas abelhas. Na literatura são mencionadas situações episódicas de abelhas excepcionalmente tolerantes ao ácaro varroa, que com 10% a 12% de infestação não manifestam sintomas de VAD, ou no pólo oposto de VAD extremamente virulento que provoca sintomas em colónias com taxas de infestação pelo ácaro abaixo dos 3%. Não tenho capacidade de fazer medições directas (quem tem?) da virulência dos VAD presentes nas minhas colónias, mas pelos timings dos tratamentos e pelos hiatos de tempo entre tratamentos não estou convencido que tenha abelhas excepcionalmente tolerantes assim como não estou convencido que as populações de VAD presentes sejam extremamente virulentas.

Neste momento quero acreditar que as boas condições edafo-climáticas, com pólen a entrar generosamente e a ser prontamente convertido em pão-de-abelhas fresco pronto a ser consumido, estão a dar um importante contributo à superação deste estado doentio.

Arbustos de tágueda a 100 m do apiário.
Colónia com sintomas de VAD e com pão-de-abelha recém ensilado.

Este pólen natural, depois de transformado em pão-de-abelha e digerido, aumenta as defesas das abelhas fortalecendo o seu sistema imunitário ao nível individual e ao nível colectivo.Este é um dos aspectos que não devo deixar de valorizar e associar à melhoria dos padrões de compacticidade de criação em boa parte destas colónias.

Sobre os fundamentos científicos do conteúdo, apresentado informalmente nesta publicação, podem ver mais neste artigo com o título “Elucidando os mecanismos subjacentes aos efeitos benéficos do pólen na dieta de abelhas (Apis mellifera) infestadas por ectoparasitas ácaro Varroa” (fonte: https://www.nature.com/articles/s41598-017-06488-2).

quadros com mel cristalizado: uma proposta de maneio

Não sendo uma circunstância que verifique nas minhas colónias, em alguns países (Suíça (1), França, por ex.), ou eventualmente em certas regiões do nosso país, acontece com alguma frequência as colónias invernarem com mel que cristalizou nos quadros do ninho. A cristalização do mel está frequentemente associada a elevados teores de melezitose no mel, superior a 10% dos açucares totais. Este mel apresenta uma taxa elevada de sais minerais, o que lhe confere uma condutividade eléctrica típica dos meis de melada, acima dos 0,8 mS/cm.

Mel cristalizado no favo, com elevado teor
de melezitose

Sendo o mel de melada muito procurado por alguns dos maiores apreciadores de mel e valorizado pelos mercados internacionais e pelos grossistas para a produção de lotes mistos, há muito apicultores em certas regiões europeias que entendem que este é um mel “perigososo” enquanto reserva alimentar para as abelhas durante a invernagem. Segundo a sua experiência o consumo deste mel pelas abelhas durante a invernagem está frequentemente associada a desinteria, que pode culminar num excesso de mortalidade de abelhas neste período (2). Na Suíça é recomendado aos apicultores a extracção destes quadros dos ninhos e/ou a sua guarda e re-utilização na primavera seguinte (ver https://www.abeilles.ch/actualites/detail/News/detail/attention-miel-de-melezitose-1005.html).

Para a re-utilização destes quadros com mel cristalizado, um dos maneios aconselhados consiste na colocação na primavera seguinte destes quadros previamente desoperculados numa alça por baixo da caixa do ninho e, simultaneamente, a colocação de uma alça por cima do ninho com quadros puxados vazios. As abelhas irão liquidificar o mel cristalizado e transferi-lo, em maior ou menor percentagem, para os quadros da alça que foi colocada por cima do ninho (ver https://www.apiservices.biz/media/kunena/attachments/9028/zementhonig_f.pdf).

Notas: (1) uma palavra de reconhecimento e gratidão à equipa de pesquisa do Centre Suisse de Recherches Apicoles, Liebefeld, Suiça, pelo que me tem ensinado e pelo que tem confirmado do pouco que já sabia; (2) a mortalidade normal, durante a invernagem, situa-se entre as 2 mil e as 3 mil abelhas (Imdorf, A., 2010).

suplementação artificial de proteína: alguns dados experimentais

O pólen é a única fonte de proteínas das abelhas e desempenha um papel decisivo na criação de novas abelhas, bem como no desenvolvimento das glândulas nas operárias mais jovens. As abelhas suprem as suas necessidades de aminoácidos e minerais essenciais por meio do pólen. A sua ingestão é essencial para o desenvolvimento dos órgãos internos, em particular do tecido adiposo e das glândulas hipofaríngeas das abelhas.

Quadro com reservas de carbohidratos (mel) e proteína bruta (pão-de-abelha).

Os apicultores mais informados estão cientes que a criação de novas abelhas depende radicalmente do suprimento natural de pólen. Se nenhuma reserva de pólen estiver disponível nos favos e/ou se o campo não estiver a disponibilizar pólen a colónia diminui significativamente a criação, podendo esta ser interrompida.

Tendo estes aspectos em conta, alguns apicultores veteranos procuram, através da suplementação artificial de fontes de proteína (conhecidos como bifes proteicos), manter e/ou mesmo estimular a criação de abelhas novas em épocas de escassez. Vejamos se os dados trazidos por alguns estudos controlados (realizados na Suíça), confirmam esta expectativa.

Alimentação de pólen de primavera (Imdorf A., et al., 1988) 
Como às vezes há falta de pólen na primavera [Suiça], um conjunto de estudos foram realizados em 1986/87 para descobrir se a alimentação suplementar com pólen poderia acelerar o desenvolvimento da colónia nesta época do ano. Verificou-se que esta apenas levou a um aumento temporário na criação, mas não influenciou o desenvolvimento das colónias. Além disso, as diferenças observadas não foram estatisticamente significativas .

Alguns detalhes do desenho experimental e dos dados obtidos: na primavera de 1986 e 1987, dois grupos de 5 e 8 colónias, foram suplementados durante 5 semanas, do final de março ao início de maio, recebendo semanalmente 500 g de pasta de pólen (300 g de pólen de sua própria colheita e 200g água com açúcar 1: 1). De final de março ao final de maio, a população foi medida a cada três semanas (criação e abelhas adultas). Grupos de colónias semelhantes sem nenhuma suplementação serviram como controle.
Ao longo dos dois anos da experiência, foi observado um ligeiro aumento na criação de novas abelhas no início de abril. Três semanas depois nenhuma diferença foi observada na quantidade de criação de novas abelhas entre grupos. Nenhuma diferença entre os grupos foi observada durante e após a alimentação no desenvolvimento da população de abelhas.

Colónia suplementada artificialmente com um bife proteico.


Uns anos antes o mesmo investigador tinha avaliado o impacto da suplementação de pólen e de um substituto de pólen na criação de novas abelhas e no crescimento populacional noutra época do ano.

Alimentação de pólen entre meladas (Imdorf, A., et al., 1984)
Estudos realizados na Suíça com centenas de colónias de abelhas mostraram que o pico populacional é alcançado no final de junho ou início de julho e coincide com um período de baixo suprimento de pólen. Durante e após o fluxo de néctar da floresta/bosque, assiste-se a um rápido declínio na população de abelhas.
Em 1981 e 1982, os estudos focaram-se na possibilidade de desacelerar o declínio da população das colónias entre as meladas, suplementado-as com pólen e seus substitutos. Verificou-se que a criação e a expectativa de vida das abelhas não são influenciadas pela suplementação de pólen. A criação de novas abelhas nas colónias suplementadas com pólen não aumentou em comparação com as colónias não suplementadas. Da mesma forma, nenhuma extensão de vida foi observada. Em algumas colónias, o único efeito da suplementação foi a diminuição da colecta de pólen no exterior. Entretanto um aspecto muito negativo foi observado: uma infecção de cria de giz (ascosferiose) ocorreu em colónias alimentadas com pólen. Por esta razão, na América do Norte apenas pólen irradiado é aconselhado para suplementação.


Durante o intervalo entre as meladas no verão de 1981, um teste de alimentação suplementar foi realizado com pasta de pólen (700 g por 5 semanas; alimentação uma vez por semana; n = 6) e uma pasta feita com substituto de pólen de Protivy (540 g; 160 g Protivy 50, 360 g de água com açúcar 1: 1 e 20 g de pólen; n = 9). Um grupo de colónias não suplementadas serviu como controle (n = 12). A ingestão de proteína não teve influência nos dois grupos na criação de novas abelhas e na população de abelhas e não evitou o declínio da população durante o intervalo entre os fluxos de mel em 1981.

Um suplemento proteico industrial para abelhas (creio que não é comercializado na Europa, a ver se assim não firo susceptibilidades).

Reflexão: sendo muito consensual a importância crítica da nutrição das abelhas (ainda não conhecemos abelhas que sobrevivam na ausência de alimento) esse consenso não existe acerca do impacto da nutrição artificial suplementar, seja de proteína seja de carbohidratos, na aceleração do desenvolvimento da população de colónias de abelhas. Portanto, afirmar como uma verdade absoluta e universal, escrita nas pedras, que esse impacto existe é prematuro. O caso ainda está a ser avaliado e julgado! Do que retiro das minhas observações, com as minhas abelhas, no meu território e com o meu maneio, posso confirmar apenas três coisas muito simples, e que vejo repetirem-se ano após ano:

  • já evitei a morte por fome de inúmeras das minhas colónias com alimentação suplementar na forma de pasta de açúcar;
  • as minhas colónias respondem muito bem à entrada de pólen do campo, que se inicia em meados de fevereiro nos territórios onde tenho assentes os apiários, aumentando generosamente a quantidade de criação e, em regra, arrancam bem e chegam muito bem povoadas a abril/maio;
  • até agora nunca utilizei alimentação suplementar proteica no final do verão/início do outono, e as abelhas têm invernado bem sem ela (este ano, 2019-2020, a mortalidade invernal não ultrapassou os 4%).