a importância da água durante o inverno

Há coincidências interessantes. Dois ou três dias depois de tirar as fotos que vão ver para preparar esta publicação vejo um apicultor da lista do Bee-L escrever por lá o seguinte: “Na palestra de novembro para os apicultores da Associação Empire State, Tom Seeley focou-se nas abelhas coletoras de água. Ele mencionou que a dança mais “entusiástica” que ele já observou (em termos da intensidade e persistência da dança) foi numa forrageadora num inverno numa colmeia de observação. Ela dançava para anunciar a disponibilidade de água doce no primeiro dia quente da temporada. Qualquer pessoa informada da pesquisa de Tom
tem uma noção de quantas danças ele observou de perto no último meio século ou mais, fazendo desta observação uma informação ainda mais relevante para as nossas considerações sobre a necessidade de água de uma colónia.
” Vi rapidamente a pertinência em começar esta publicação com esta citação pela relação que tem com o tema que hoje me motiva a escrever.

Apiário a 900 m de altitude, no passado dia 12, um dia ensolarado.

E por que carga de água precisam as abelhas da água nesta altura do ano? Para liquefazerem o mel, para melhor o consumirem e assimilarem.

Mel, transferido para este quadro mais central depois de lhe ter sido adicionada alguma água pelas abelhas. Os três ou quatro alvéolos destruídos no centro resultam da prova que uma vez mais fiz deste mel diluído: da prova não me ficou dúvida de se tratar de um “monofloral” de castanheiro da colheita de verão de 2021.

Qualquer um de nós pode fazer esta observação. Reparem nos quadros com mel operculado nos quadros mais afastados do centro ou do aglomerado de abelhas. Reparem nos alvéolos vazios com os opérculos perfurados. Daí saiu o mel, depois de previamente aquecido e diluído em água por um enxame com abelhas suficientes para procederem a estas tarefas.

Alvéolos vazios com os opérculos perfurados. Só um enxame com um número suficiente de abelhas consegue aquecer os opérculos, para depois os perfurar, aquecer a água para depois a misturar ao mel e, assim, tornar o mel até aí frio numa mistura tépida para ser ingerido e assimilado, sem o perigo de induzir as pequenas abelhas num coma por ingerirem alimentos frios. Como nós não consumimos alimentos vindos do congelador, sem previamente os aquecermos nos dias frios de inverno, as abelhas também não o fazem.

Quando as abelhas não são suficientes morrem de fome com o mel operculado a milímetros de distância. A pergunta a fazer é por que razão as abelhas não são suficientes. Muito provavelmente por efeito diferido no tempo de varroose e viroses associadas.

Foto que me foi enviada pelo meu amigo Pedro Miguel. Abelhas com mel operculado a milímetros de distância e que morreram de fome e frio há dias atrás, numa colónia com abelhas insuficientes, por efeito diferido de varroose e viroses associadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.