probióticos: ensaio de campo por Randy Oliver

Nos EUA, começa a tornar-se moda alimentar as colónias de abelhas com probióticos. Será que esta prática é custo-efectiva? As colónias ficarão mais fortes e produzirão mais? Como não sou apicultor-investigador de campo, leio boas fontes para saber onde vale de facto a pena gastar o dinheiro que tanto custa a amealhar. E Randy Oliver é uma fonte inesgotável de informação pertinente, informada e devidamente controlada para as minhas questões mais práticas. Assim, deixo em baixo a tradução de excertos de uma sua publicação muito recente acerca dos efeitos dos probióticos na força e desempenho nas colónias que testou.

Nos últimos anos, aprendemos que o intestino da abelha hospeda um microbioma que consiste em vários grupos principais de bactérias (Figura em baixo), que, se modificado/perturbardo, pode ter efeitos prejudiciais sobre a saúde das abelhas. Muitos apicultores, na esperança de melhorar a saúde da colónia, especialmente quando são alimentadas com dietas artificiais ou após a aplicação de antibióticos, perguntaram-me se há algum benefício em dar um suplemento de probióticos. Então, fiz dois testes de campo para descobrir.

Principais bactérias intestinais da abelha melífera.

Perguntas práticas: Já que as abelhas operárias obtêm facilmente as suas principais bactérias intestinais dos favos, precisarão ser alimentadas com um produto probiótico? Isso faz alguma diferença?

Este teste de campo foi projetado para determinar se a alimentação mensal de qualquer uma das duas formulações probióticas comerciais especificamente comercializadas para abelhas melíferas proporcionaria um benefício para a força da colónia (medida pelo tamanho do cacho de abelhas) ou desempenho (medida pelo ganho de peso).

Gosto de usar estas duas métricas por dois motivos:

  • Ambos refletem o cálculo final de cada aspecto da saúde da colónia e da sobrevivência adulta, e
  • São as duas únicas métricas que colocam dinheiro no bolso do apicultor.

Fiz dois testes simples, combinando medições de campo com biologia molecular de alta tecnologia (sequenciamento de “próxima geração”), para primeiro ver se o probiótico afetava a força da colónia ou o ganho de peso, e (a ser publicado mais tarde) para saber se o a alimentação dos probióticos resultou em quaisquer outros benefícios biológicos.

Duas formulações probióticas comerciais utilizadas no ensaio.

Discussão
Os dados coletados, infelizmente, não apoiam a alegação de que a alimentação mensal de qualquer um dos probióticos testados resultou num benefício mensurável na força da colónia ou no ganho de peso, em comparação com a aplicação mensal do controle de açúcar em pó.

Aplicação prática: Os dados deste ensaio, infelizmente, não suportam a alegação de que a alimentação de qualquer um dos probióticos resultou em colónias mais fortes.

fonte: https://scientificbeekeeping.com/a-field-trial-of-probiotics/

Nota: sobre os probióticos ver mais aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.