solucionar os casos de colónias que enxamearam ou estão zanganeiras: uma proposta

A partir dos 40m30s deste webinar, Jamie Ellis, Professor de Entomologia no Departamento de Entomologia e Nematologia da Universidade da Flórida, apresenta-nos uma proposta para solucionar os casos de colónias zanganeiras, que enxamearam ou com rainha com mau padrão de postura — colónias disfuncionais. Nas centenas de vezes em que utilizou esta técnica Ellis afirma que resultou em todos os casos. Posso afirmar que já utilizei o mesmo procedimento 3 ou 4 vezes, há cerca de meia-dúzia de anos atrás, para salvar colónias zanganeiras e que, comigo, também resultou sempre.

Pré-requisitos: ter enxames funcionais em núcleos de 5 quadros. Ellis recomenda ter um enxame funcional em núcleo por cada 5 a 10 colónias com 10 quadros.

Procedimentos:

Fase A — 1 e 2) colocar o núcleo funcional junto da colónia disfuncional de 10 quadros; 3) retirar 5 quadros da colónia disfuncional. Um destes quadros, pelo menos, deverá ter mestreiros se pretendermos que o núcleo para onde serão transferidos crie autonomamente uma nova rainha. Os outros quadros deverão ter pólen (1 ou 2 quadros) e criação (2 ou 3 quadros) . O objectivo é utilizar estes quadros retirados da colónia disfuncional para reiniciar uma nova colónia no núcleo com 5 quadros. Devemos retirar/destruir os restantes mestreiros, caso estejam presentes nos restantes 5 quadros que mantemos na colónia de 10 quadros.
Fase B — 1) Puxar os 5 quadros da colónia disfuncional para um dos lados do corpo da colmeia. 2) Introduzir os 5 quadros do núcleo, com abelhas e rainha, no espaço vazio do corpo da colmeia. 3) Colocar os 5 quadros tirados da colónia disfuncional no núcleo. 4) Transferir o núcleo para um outro local (3 a 5 km de distância) e deixá-lo criar a sua rainha [ou introduzir uma]. *Alguns apicultores colocam a rainha transferida do núcleo numa gaiola preocupados com a sua aceitação. [Ellis não utiliza este procedimento e não tem encontrado problemas de não-aceitação da rainha do núcleo por parte das abelhas residentes da colónia disfuncional.]

Notas: 1) No casos de desejarmos resolver com estes procedimentos uma situação de uma colónia zanganeira, com uma população já relativamente pequena, proponho que deixemos o núcleo resultante, aquele que irá criar uma nova rainha, no local de origem do núcleo. Neste local receberá as abelhas de campo que retornarão ao local original nas horas seguintes e/ou nos dois a três dias seguintes. Estas abelhas irão reforçar a população deste núcleo e, por esta via, aumentar a sua viabilidade.

2) Nunca utilizei este procedimento para dar um “boost” em colónias enxameadas, para evitar a sua “paragem” enquanto é criada e fecundada a sua nova rainha. Esta forma de colocar colónias enxameadas rapidamente nos carris na véspera ou durante um fluxo de néctar intenso tem muitos méritos aos meus olhos e prevejo utilizá-lo na próxima temporada em alguns casos, que me servirão de estudo-piloto. Para que resulte é absolutamente indispensável que sejam eliminados previamente todos os mestreiros existentes. No caso de já terem nascido rainhas virgens não utilizarei o procedimento porque é praticamente impossível garantir que se tenham eliminado todas as rainhas virgens presentes. Sem esta garantia, a aceitação da nova rainha transferida do núcleo é improvável e corre um risco muito grande de se tornar uma vítima das abelhas que não são suas filhas. A experiência assim me o diz, a Kin selection theory assim o prediz.

3 comentários em “solucionar os casos de colónias que enxamearam ou estão zanganeiras: uma proposta”

  1. Sr. Eduardo desde já lhe dou os parabéns pelos seu trabalho que por algumas vezes é criticado, mas não se pode agradar a todos. Em muitas situações tenho seguido os seus conselhos e tenho-me dado muito bem. Nesta situação já utilizo este método dos núcleos há 3 anos e tem dado sempre certo. Mas eu não troco os 5 quadros, troco 1 quadro bem cheio com abelhas aderentes e com a rainha e coloco ao centro da colmeia órfã. Os núcleos voltam a fazer nova rainha. Se for preciso mais tarde para ajudar o núcleo coloca-se um quadro com criação a nascer até que a nova rainha comece a fazer postura. Obrigado e boas festas com muita saúde.

  2. Olá Eduardo!
    Obrigado por nos trazeres mais esta “formação”!
    A abelha ibérica tem fama de ser um pouco agressiva…
    Da experiência que já tens achas que a abelha ibérica reage bem à junção destes dois enxames de forma tão direta?
    Como método de substituição de rainhas antes de estar a enxamear, e considerando a nossa abelha, não haverá problemas de junção de enxames?
    Certamente vais partilhar connosco os teus ensaios, estarei atento!!
    Obrigado, Boas Festas!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.