uma cura radical do impulso de enxameação de abelhas?

Nunca satisfeito com o pouco que sei, vou lendo… vou lendo literatura recente mas também alguma literatura apícola com um século ou mais. Em toda ela aprendo. Desta vez trago um excerto de um pequeno livro, publicado em 1909, com uma técnica que o autor, Henry Jones, advoga funcionar sempre e em qualquer lugar para fazer a prevenção e o controlo da enxameação. Nunca a experimentei, mas parece-me uma técnica credível e merecedora de um ensaio-piloto em algumas colónias. Correndo tudo normalmente, conto utilizá-la ainda este ano e fazer a avaliação dos resultados atingidos. Para já deixo a tradução em baixo.

O que os apicultores de todo o mundo estão à espera é de um plano melhor, um método simples, seguro e confiável que evitará a enxameação em todos os momentos e em todas as circunstâncias. Existe, ou pode existir, alguma gestão, algum processo ou tratamento, que venha a preencher esses requisitos? A resposta esperada seria “Não”. Os bons e velhos métodos ortodoxos atraem fortemente a grande maioria dos apicultores, e parece difícil para eles se desvencilhar dos velhos métodos que têm a sanção da antiguidade. Os mitos, fábulas e superstições sobre as abelhas – herança de nossos ancestrais – ainda nos prendem com uma estranha persistência, e quase todos os avanços na apicultura tiveram que defrontar os caprichos, preconceitos e conservadorismo das massas. Nestes dias de progresso e descoberta é seguro negar alguma coisa? Muitos dos enigmas não resolvidos do passado estão sendo resolvidos hoje, e por que o enigma da enxameação deveria permanecer sem solução. Agora, irmãos apicultores, isso pode causar alguma surpresa e pode despertar em vocês algum cepticismo quando eu fizer a afirmação ampla e ousada de que posso esboçar um método de tratamento que irá curar a enxameação toda vez e todo o tempo. Ele funcionará onde as abelhas existirem, pois é baseado em um instinto da abelha que é infalível. O tratamento curará o “impulso de enxameação” se já adquirido, ou, se dado antes que as abelhas pensem em enxamear, impedirá a preparação do enxame. Ou é uma medida preventiva ou uma medida curativa, dependendo do momento do tratamento. Impedirá e impede absolutamente todos os enxames em todos os momentos e em todas as circunstâncias, apesar da velha lenda de que “as abelhas não fazem nada invariavelmente”.
Não querendo sobrecarregar sua credulidade até o ponto de ruptura, nem desejando que você pense que essas linhas foram escritas com espírito de egoísmo, desistirei de quaisquer outras declarações preliminares e delinearei o plano que tenho seguido nos últimos quatro anos.

Capa do pequeno livro do qual obtive uma cópia on-line.

Use todos os métodos bem conhecidos no início da primavera para fortalecer as colónias de abelhas antes que o fluxo de mel comece. Então, quando as colmeias estiverem cheias de abelhas e você tiver toda a força que quiser – todas as abelhas necessárias para fazer a colheita – vá a essas colónias poderosas, abra as colmeias e com a faca desoperculadora ou algum outro instrumento afiado desopercule toda a cria selada que você encontrar, exceto dois quadros da cria selada em cada colmeia que você vai deixar intacta. Os dois quadros de cria eclodindo manterão a força da colónia durante o fluxo de néctar. A qualquer momento após quinze dias faça um segundo tratamento, o mesmo que o primeiro, se você encontrar alguma colónia fazendo preparativos para enxamear. Este tratamento evitará toda enxameação e permitirá ao apicultor manter toda a sua força de operários reunida durante a colheita do mel. As abelhas imediatamente começam a retirar a cria decepada e a espalhá-la por toda parte, e em doze a vinte e quatro horas todo vestígio de cria sem cabeça será removido da colmeia. As abelhas irão polir os alvéolos das quais removeram a criação morta e a rainha começará a colocar ovos neles imediatamente, em vez de as abelhas os encherem com néctar, como seria de esperar. As abelhas começam a trabalhar imediatamente com todo o vigor e energia de um enxame primário, sem mais nenhuma tentativa de enxamear. É simplesmente maravilhoso como rapidamente uma colmeia cheia de abelhas prestes a fugir pode ser transformada numa equipa trabalhadora e enérgica.

fonte: https://victoriancollections.net.au/media/collectors/51d110e42162ef12e06aa06b/items/533cabaf2162ef16dc9301bc/item-media/533cac132162ef16dc9302cb/original.pdf

Nota: esta técnica apresenta simultaneamente potencial para contribuir para um melhor controlo da taxa de infestação pelo ácaro Varroa.

5 comentários em “uma cura radical do impulso de enxameação de abelhas?”

  1. Bom dia.
    Muito obrigado por este ensinamentos preciosos. Somente você é capaz de procurar e divulgar entre a audiência, estas metodologias antigas.

    Obrigado.

  2. Boas!
    Penso que a resposta é obvia mas deixo a pergunta: Se encontrarmos mestreiros temos sempre que os remover, certo?

    Obrigado

    1. Bom dia, Rui! A destruição dos mestreiros de enxameação é uma abordagem, geralmente pouco eficaz a médio termo porque, nada mais sendo feito, a colónia passados uns dias vai criar novos mestreiros de enxameação e enxameará. Há outras abordagens mais efectivas, algumas das quais descritas neste blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.