a apicultura enquanto arte

Talvez por estar no ramo, encontro na apicultura uma dimensão artística que me passa despercebida noutros ramos da agro-pecuária. Que me perdoem alguns se estiver a ser injusto e precipitado, mas fazer a apicultura é diferente de semear batatas. Uma alma poética poderá vir a ser apicultor, dificilmente será um produtor de batatas. Ninguém é melhor que ninguém, apenas são diferentes as suas naturezas.

A apicultura enquanto expressão de beleza.

Enquanto homem que vive a sua vida em várias dimensões, os leitores mais atentos já terão dado conta da minha especial preferência por uma forma de arte: a música. Sempre me acompanhou, desde que me lembro.

Era ainda um jovem e fundei uma empresa promotora de concertos. Juntamente com a minha mulher e o meu amigo Gonçalo Barros fundámos a NAO — Novas Audições Objectivas — que trouxe a Portugal (Coimbra, Lisboa, Porto, Almada e Montemor-o-Velho) bandas estrangeiras acompanhadas frequentemente de bandas nacionais na primeira parte. Talvez entre os leitores deste blog se encontre alguém que tenha visto algum concerto promovido pela NAO — o mundo é pequeno, não é?

Sejam poetas sendo apicultores!

uma breve conversa: o que aprendo e ouço aos melhores apicultores norte-americanos

Paul Hosticka

Eu não dou a mínima para o que faz alguém que perde mais de 30% de suas colónias.Paul Hosticka

Nesta era de sensacionalismo, concordo plenamente! Especialmente ignoro aqueles que parecem nunca aprender a melhorar.
Aqui na Califórnia, existem apicultores que cumprem os seus contratos de polinização de amendoeiras de forma confiável ano após ano. Se cometerem um erro e perderem colónias, eles entendem o porquê, e deitam as culpas apenas a si mesmos.
Copie o sucesso — há muitos apicultores bem-sucedidos por aí,
silenciosamente mantendo colmeias saudáveis e ganhando dinheiro.
Randy Oliver, Grass Valley, CA
530 277 4450
ScientificBeekeeping.com

in Bee-L (01-05-2021)

Nota: uma força muito grande ao Randy, neste momento difícil da sua vida. Que supere rápida e totalmente o grande desafio de saúde que tem pela frente.

apreciações e sugestões dos leitores

Solicitei na publicação anterior, a 500, e a propósito deste número redondo, comentários aos leitores com sugestões e apreciações ao conteúdo do abelhas à beira. Esta publicação apresenta todos os comentários recebidos. A minha gratidão a todos que reservaram um pouco do seu tempo para os escrever. As sugestões serão abordadas/aprofundadas em futuras publicações.

Foto do maneio “a solo” de uma colónia, ontem 15-03. Parte da energia com que trabalho devo-a aos leitores do blog, que me acompanham… sempre!

Viva Sr. Eduardo,
Desde já endereço-lhe os meus parabéns pelo blog, e pelos conteúdos que regularmente são colocados por si, ajuda qualquer apicultor que tenha paixão e dedicação pela Apicultura, principalmente aos novos apicultores, que é o meu caso. Muito Obrigado!
A sugestão que eu deixo, é no caso de ser possível, continuar com a riqueza de conteúdos ao longo da época apícola, à medida que esta avança, e auxiliando-nos com os seus conhecimentos e práticas referentes a cada momento, e ser uma base e uma moleta que nos ajuda a perceber a diversidade da arte.
Um bem haja Sr. Eduardo!
Pedro Miguel Marques Centeio

Leitor assíduo do blogue. Dá muita partilha de conhecimentos apícolas de forma sucinta e muito pragmática.
Dá a conhecer o maneio apícola e estudos internacionais sempre importantes.
Venho aqui colher sabedoria e muita prática que tenho aplicado no maneio apícola com inúmeros sucessos.
Isto posto, que sugestão?
Agradecer ao autor do blogue pelo tempo que perde em prol da partilha de forma altruísta.
Parabéns Eduardo.
Abraço,
Octávio

Olá Amigo,
Parabéns pelo numero atingido das suas publicações e pela qualidade dos seus conteúdos.
Sugestões?… Continue com o elevado nível de partilha de conhecimento.
Como seguidor atento das suas mensagens, aproveito para agradecer porque elas têm servido para apurar os meus conhecimentos sobre o mundo apícola.
Bem haja.
José A. Marques

Sou um simples apicultor amador mas aproveito para enaltecer e agradecer as publicações que faz pois realmente são bem feitas, bem escritas, demostrando que sabe o que escreve. Posso dizer que quando “tropeço” nas suas publicações são raras as vezes que não leio.
Obrigado e cumprimentos de Viana do Castelo
Duarte

Sou um apicultor amador. Adoro o seu blog e acho que louvar a forma como expõe informação, de forma simples e sempre baseada na ciência, coisa que hoje em dia é muito raro.
Por favor continue.
Cumprimentos
Rui Rocha

Boa Tarde Eduardo.
Antes de mais um grande obrigado pela preciosa partilha de conhecimentos.
Muitos Parabéns pelo Blog é uma enciclopédia de apicultura.
É de louvar a sua atitude altruísta.
Aprendi e aprendo muito com os seus artigos e é fascinante na prática verificar que os seus ensinamentos são exactamente assim.
Gostaria que publicasse sobre desdobramentos e a formação dessas magníficas colmeias armazém que tanto me fascinam.
Obrigado e Deus o ajude a continuar a partilhar a sua magnífica sabedoria.
Grande Abraço
Tó Zé

Parabéns! É sempre com expectativa que aguardo o próximo! Ainda nao percebi é como posso navegar pelos anteriores, estarei a ficar iletrado nestas novas ferramentas sociais?Manuel Rodas

Amigo Eduardo, sou um assíduo leitor dos seus artigos.
Não tenho nada a propor para alteração, a não ser que continue a ser como é, para bem da nossa apicultura.
Um abraço e bem haja pela sua disponibilidade.
António dos Santos Almeida

Parabéns Eduardo Gomes, excelente blog que criaste nestes últimos 5 anos. Fundamentado, bastante informativo e de um conhecimento indiscutível. Obrigado pela sabedoria e experiência que continuas a partilhar, fazes com que a apicultura seja um pouco mais simples. Marcelo Murta

Parabéns pelo número redondo. Que venham muitas mais publicações. Faltam-me sugestões a dar porque é deste blog apanho as novidades, dicas, alertas e respostas a muitas dúvidas. É dar-lhe continuação. E, já agora, obrigado!Ricardo

Caro Eduardo, sou um fiel seguidor do seu blog. Admiro-o como para além de apicultor ainda consegue pesquisar informação atualizada com base em publicações científicas. É neste blog que venho “beber” da sua apicultura e aplicar muitos dos conceitos e técnicas adaptadas à minha realidade de apicultor (se for digno desse adjetivo).
Gosto muito de melhoramento genético animal – tema que em apis parece estar longe de se conseguirem os objetivos desejados. No meu apiário centro-me na produção de mel e todos os anos tenho o registo produtivo de cada colônia. Quando tenho baixas desdobro e coloco larvas do dia das colónias que se classificaram acima do desvio-padrão (tendo por base a descrição estatística da produção anual). Por vezes introduzo rainhas de outros criadores, mas sinceramente ainda nenhuma se revelou interessante. Será aqui a adaptação ao meio o fator mais importante? Será que com as minhas abelhas eu sigo um método de seleção (simples) que até resulta?
Este tema é o meu principal interesse em apicultura.
Obrigado pelas suas partilhas – estou-lhe grato.
Abraço apícola.
Pedro Sarmento

Caro Eduardo,
Tenho seguido as suas publicações com muita satisfação, artigos muito bons.
A minha sugestão vai para o tema do “espaçamento ideal entre quadros”.
Muito obrigado pela sua partilha.
Cump.
Rogerio Melo

os resíduos da actividade apícola

Tenho ideia que a apicultura é um dos sectores da pecuária que menos resíduos produz. Contudo alguns produz. E ontem à tarde passei cerca de 2h30m no processamento/encaminhamento de alguns destes resíduos.

Uma das cargas com resíduos: caixas de cartão e os sacos de alimento vazios.
No interior das caixas estão os sacos de plástico do alimento depois de consumido. Estes sacos vazios são colocados nas caixas de cartão ainda no apiário, para evitar que o vento os espalhe pelo terreno do apiário e/ou terrenos vizinhos.
No final o papelão e o plasticão ficaram a abarrotar.

Um outro resíduo são as tiras plásticas dos medicamentos contra a varroose. Neste caso as tiras não devem ser colocadas nos contentores do lixo ou no plasticão. Os apicultores têm a obrigação de entregar estes resíduos na sua associação para posterior recolha e processamento pela Valormed.

Tiras plásticas de medicamentos depois de utilizadas. Sempre que as retiro no apiário guardo-as numa caixa para depois as entregar na minha associação.
Detesto visceralmente ver um saco de plástico ou uma tira de plástico de um medicamento nos meus apiários.

Nota: esta é a publicação número 500. Foi alcançado cerca de 5 anos após ocomeço deste blog. Gostaria muito que os leitores, aqueles que o desejem, enviem através da caixa de comentários sugestões de temas e melhorias/ajustes a fazer ao blog, ou outros assuntos. Pretendo fazer a publicação nº 501 com os comentários recebidos. Se desejarem preservar o vosso anonimato por favor indiquem explicitamente que desejam que o vosso comentário seja publicado mas de forma anónima. Muito obrigado pela vossa participação!

colocação das primeiras excluidoras de rainhas: alguns procedimentos

Na passada sexta feira (06-03), a seguir ao almoço, voltei ao meu apiário mais pequeno. A temperatura rondava os 17ºC e o vento mal se sentia. Quando sai de casa tinha dois objectivos: transferir dois núcleos para colmeias de 10 quadros e colocar duas excluidoras de rainha em duas colónias muito fortes. Acerca dos procedimentos para alcançar o primeiro objectivo fiz esta publicação. Vou agora identificar alguns procedimentos que procuro seguir aquando da colocação de grelhas excluidoras de rainha.

A carga depressa se arrumou!
Uma das duas colónias — modelo Lusitana— onde vim a colocar a excluidora. Tinha 13 quadros com criação e 20 quadros preenchidos por abelhas.
O meu dilema inicial era se devia procurar a rainha para a deixar no ninho como pretendia, ou se devia colocar a excluidora, sem a procurar, e numa visita seguinte, passados 4 dias, confirmar em que caixa andava pela presença de ovos. Decidi procurá-la.
Talvez nem tivessem passado 5 minutos até a encontrar. Andava na caixa de cima — na outra colónia, onde coloquei a segunda excluidora, também encontrei a rainha na caixa superior. Estava no quadro que coloquei na posição 3. Era também essa a posição que o quadro ocupava na caixa superior.
O quadro com a marca amarela também foi transferido para a caixa inferior por conter muita criação de zângão. Assim não ficarão presos por cima excluidora quando emergirem.
E pronto, depois de tudo organizado no ninho foi altura de colocar a excluidora de rainha.
Um bom exemplo de uma foto indevidamente centrada. Pretendia mostrar as datas também! Então fica legenda: no dia 01-03 a colónia tinha 12 quadros com criação distribuídos pelo ninho e sobreninho. No dia 06-03 coloquei a excluidora com a rainha em baixo, no ninho.

Para a semana conto colocar mais cerca de cinco excluidoras num outro apiário, desta feita em colmeias muito fortes do modelo Langstroth. Numa publicação a surgir num futuro próximo pretendo explicitar a estratégia que persigo com a colocação destas excluidoras nas colónia mais fortes e tão cedo na época. Em 2018 e para atingir o fim que pretendo atingir este ano também assim fiz e correu muito bem. Se não tiver desaprendido, com trabalho e uma pitada de sorte, acho que irei alcançar os objectivos que pretendo, e uma parte dever-se-á a esta estratégia. Este pequeno passo hoje dado vai revelar-se fundamental.

sumo de limão no xarope: um benefício ou um prejuízo? (parte 2)

Nesta publicação, de novembro do ano passado, escrevi: “Muitos apicultores misturam o sumo de limão nos xaropes de açúcar que fornecem às abelhas para evitar a sua fermentação e/ou promover a inversão dos açucares. O sumo de limão, para além de ser um acaricida ineficiente, pode ser prejudicial quando adicionado aos xaropes açucarados, de acordo com o estudo em baixo, publicado já este ano.” Na altura, a publicação foi feita apenas com base na leitura do resumo do estudo — em consequência de estar atrás de uma “paywall”.  Hoje, após uma leitura integral e atenta do conteúdo do artigo, posso confirmar o essencial do que escrevi na altura: o sumo de limão nos xaropes de açúcar que fornecemos às abelhas para evitar a sua fermentação e/ou promover a inversão dos açucares […] pode ser prejudicial quando adicionado aos xaropes açucarados.

Na discussão dos resultados os autores escrevem:

A adição de limão é normalmente feita para facilitar a inversão dos açúcares dissacarídeos para obter os monossacarídeos, glicose e frutose supostamente mais digeríveis. Na verdade, acredita-se comumente que a sacarose hidrolisada é nutricionalmente melhor para as abelhas (Bailey 1966). O efeito negativo da adição de limão aqui obtido sugere testar se a adição de limão é realmente necessária; descobrimos que a sacarose pode ser tão eficaz quanto a glicose e a frutose para sustentar uma sobrevivência normal em condições de laboratório. Isto sugere que a adição de limão pode não ser necessária como normalmente se pensa, possivelmente porque as abelhas são capazes de inverter dissacarídeos, graças à α-invertase (White 1975). No entanto, não podemos excluir que outros resultados possam ser obtidos em condições de campo, onde as necessidades nutricionais das abelhas podem ser diferentes. No entanto, nossos resultados permitiram uma avaliação cuidadosa deste aspecto e, por precaução, sugere-se aos apicultores que não adicionem o sumo de limão na preparação da calda de açúcar.

Fica a tradução de alguns excertos do artigo:

De acordo com sua sobrevivência, as abelhas que receberam os diversos tratamentos puderam ser agrupadas da seguinte forma. A maior sobrevivência foi observada em abelhas alimentadas com xarope de açúcar ao qual nenhum sumo de limão foi adicionado

Como se identificou um efeito negativo da acidez do xarope de açúcar na sobrevivência das abelhas, testamos esse efeito usando limão e cloreto de hidrogénio. Abelhas alimentadas com uma solução de açúcar acidificada ao mesmo pH (2,80) com limão ou cloreto de hidrogénio mostraram uma sobrevivência significativamente reduzida em comparação com as abelhas alimentadas com a mesma solução de açúcar sem adição de ácido

A análise de qRT-PCR destacou uma expressão significativamente mais baixa de apidaecina* nas abelhas alimentadas com xaropes acidificados em comparação com abelhas do grupo de controle alimentadas com xarope não-acidificado

Uma vez que a acidificação dos xaropes de açúcar parece ser crítica para a sobrevivência das abelhas e o objetivo da acidificação é obter a inversão dos açúcares dissacarídeos em monossacarídeos, testámos se alimentar as abelhas com uma solução de sacarose em vez de glicose e frutose influencia a sua sobrevivência. Descobrimos que as abelhas alimentadas com xarope de sacarose tiveram uma sobrevivência mais longa do que as abelhas alimentadas com uma solução 1: 1: 1 de água, glicose e frutose

A regra de ouro da medicina “primum non nocere” (primeiro não causar dano), atribuída a Hipócrates, sublinha a necessidade de se considerar cuidadosamente os possíveis efeitos colaterais negativos… da nutrição complementar, uma vez que esta se tornou uma prática comum devido ao aumento da fragilidade das abelhas destacado acima. Esperamos sinceramente que seja encontrado um equilíbrio entre a necessidade de manter as colónias de abelhas e o risco de perturbar seu funcionamento normal.

fonte: DOI: 10.1007/s13592-020-00745-6

* apidaecina é um peptídeo antimicrobiano presente no intestino das abelhas com um papel importante na imunocompetência das abelhas.

modo de produção biológico: excertos do relatório 2011-2013

Apresento alguns excertos de um relatório disponibilizado pela FNAP, a que tive acesso muito recentemente. Numa primeira leitura deste relatório chamaram-me a atenção vários aspectos, dos quais destaco os que apresento em baixo.

“… as explorações com mais de 600 colónias detêm um volume de mão-de-obra total equivalente a uma atividade a tempo inteiro, correspondendo a um volume de trabalho aproximado equivalente a 3 indivíduos.

A análise do volume de mão-de-obra apícola por colónia (UTA/número de colónias), permite verificar que os apicultores não profissionais dedicam um maior tempo à atividade (em média despendem 0,006 UTA por colónia) que os apicultores profissionais (em média, 0,003 UTA por colónia), sendo a diferença estatisticamente significativa (valor de p = 0,015), sem que tal se reflita numa maior produtividade de mel por colónia, como se verá no capitulo seguinte.

Sendo a visita ao apiário uma componente fundamental do maneio apícola, os apicultores foram inquiridos relativamente a esta prática. Por norma, na Primavera/Verão, 49% dos apicultores visitam o apiário semanalmente, 15% visitam-no diariamente, 12% fazem-no 3 vezes por semana e 11% quinzenalmente. No Outono/Inverno, 41% dos apicultores visitam o apiário mensalmente, 33% visitam-no quinzenalmente e 15% semanalmente.” p. 26

“A análise […] permite observar que à medida que a percentagem de perdas diminui com o aumento da dimensão da exploração, verificando-se diferenças estatisticamente significativas, entre apicultores profissionais e não profissionais (valor de p = 0,013).

Analisando a percentagem de perdas geograficamente, verificou-se que a região Centro apresenta, em média, maior taxa de perdas por exploração (38 %), seguindo-se a região Sul (28%); na região Norte as perdas são de 26%. Contudo estas diferenças não são estatisticamente significativas.

Quando analisada a relação entre as percentagens de perdas e o associativismo, verifica-se que os apicultores não associados têm percentagens de perdas na ordem dos 50%, enquanto que para os apicultores associados, essas perdas são, em média, apenas de 27%. Porém esta diferença não é estatisticamente significativa, atendendo à variabilidade encontrada nos dois grupos.

Foram analisadas outras variáveis, como o tipo de maneio (número de visitas ao apiário, realização de análises às abelhas, realização de tratamentos contra a varroa e a alimentação artificial), a formação em apicultura, a idade e o nível de instrução do apicultor, não se tendo verificado que estas influenciassem, de forma estatisticamente significativa, a percentagem de perdas do efetivo.” p.30

“A maioria do mel em MPB comercializado a granel é efetuada através de intermediários (79% do mel) ou da cooperativa/agrupamento com cerca de 20%. Quanto ao mel em MPB embalado, os canais de venda assumem posições mais equitativas: as lojas especializadas (37% do mel), a venda direta a particulares (23%), o comércio tradicional (19%), os intermediários (14%), e por fim, as grandes superfícies e o canal HORECA, com peso de 3%. Os preços praticados são também bastante diferenciados. No caso do mel a granel, a cooperativa/agrupamento destaca-se pela negativa, com valores de 0,34€/kg abaixo dos praticados pelos intermediários. Quanto ao mel embalado, o canal Horeca e comércio tradicional praticam os preços mais favoráveis, sendo a venda a grandes superfícies a menos lucrativa com um diferencial máximo, em média, de 0,35€/kg.

Os baixos preços obtidos pelos apicultores que optam por escoar o mel através da cooperativa/agrupamento talvez explique o porquê da comercialização do mel ser feita essencialmente de forma individual (75% dos apicultores opta por esta forma de comercialização), e apenas em 15% dos casos de forma coletiva (4% dos produtores fazem-no das duas2 formas). A dificuldade na criação de uma rede de comercialização é frequentemente apontada como dos principais entraves ao desenvolvimento da atividade empresarial em Portugal, designadamente no setor agrícola.” p. 43

” O modelo 1 mostra que a idade do apicultor, o montante despendido com despesas de exploração, o número de anos de atividade certificada e a utilização de colmeia lusitana têm uma influência positiva, estatisticamente significativa, na produção de mel por colónia. Especificamente, um acréscimo unitário no número de anos do apicultor traduz-se num acréscimo de 0,16kg na produção de mel por colónia, mantendo todas as outras variáveis e o erro constantes. Da mesma forma, cada ano adicional de atividade certificada implica um acréscimo de 0,80kg na produção de mel por exploração. Estas variáveis refletem os benefícios da experiência adquirida, que permite aos apicultores aprender com a prática. Por outro lado, a diferença na produção de mel por colónia entre utilização de colmeia lusitana ou outro tipo de colmeia é de 3,1 kg, mantendo-se tudo o resto constante. Pelo contrário, a variável Colmeia_reversível mostrou ter uma influência negativa, estatisticamente significativa, sobre a produção de mel por colónia; sendo a diferença na produção de mel por colónia entre utilização de colmeia reversível ou outro tipo de colmeia de -3,7 kg, mantendo todas as outras variáveis e o erro constantes. Também o número de apiários tem um impacto negativo na produção de mel por colónia, traduzido num decréscimo de 0,40kg por cada acréscimo unitário no número de apiários, indicando a existência de um decréscimo na produtividade com o aumento da área geográfica da exploração.” p. 47-48

tabuleiro divisor: fase final do maneio

Hoje, entre outras tarefas, transferi alguns dos últimos enxames produzidos este ano com recurso ao tabuleiro divisor para caixas-núcleo ou caixas-colmeia. Procuro sempre colocar estes novos enxames em caixas completamente independentes ao longo da estação e antes da invernagem. Assim, evito as dificuldades na alimentação do enxame situado na caixa inferior e a eventual entrada de humidade excessiva por entre o tabuleiro divisor.

Configuração da colmeia: a colónia 1 habita o ninho inferior com entrada no sentido oposto ao visível; tabuleiro divisor com entrada no sentido visível a separar as duas colónias; e colónia 2 no ninho superior.
Vista interior da colónia 2 que ocupa cerca de 5 quadros.
Transferência dos 5 quadros para uma caixa-núcleo; a rainha foi transferida sobre este segundo quadro.
O tabuleiro divisor.
Vista interior da colónia 1 que habita a caixa inferior.
Vista do exterior logo após a transferência dos quadros para a caixa-núcleo, caixa que irá permanecer no local original durante uns dias, antes de ser transferida para outro apiário.
Vista exterior 15-20 minutos após a transferência.

Deixo um vídeo muito interessante do apicultor profissional Bob Binnie, que conjuntamente com sua esposa Suzette, possui e opera a Blue Ridge Honey Co. em Lakemont, Geórgia, uma operação apícola com 2.000 colónias. Bob Binnie também faz uso dos tabuleiros divisores e descreve aqui as vantagens que observa da sua utilização. Binnie foi eleito o “Apicultor do ano” pela Associação de Apicultores da Geórgia em 2003 e tem uma operação apícola com quase quatro décadas.

acerca do futuro próximo da apicultura e seus apoios

Começo por remeter para esta publicação. Se o sector apícola europeu em lugar dos 40 milhões que recebe anualmente da PAC (Política Agrícola Comum), recebesse 1% das mais-valias que incorpora à fileira alimentar, os números seriam muito diferentes: passaria a receber 140 milhões (14 mil milhões/100= 140 milhões). Até por esta razão se verifica que sector apícola europeu está claramente sub-financiado!

Que forças vejo a convergir para que o actual sub-financiamento da PAC ao sector apícola seja alterado e venhamos a assistir a curto-prazo, isto é já no próximo triénio-quinquénio, a um reforço significativo dos apoios concedidos? Vejo três grandes forças a convergir para o desfecho: (i) os negociadores e decisores da distribuição sectorial dos fundos da PAC irão fazer mais ainda nesse sentido, consequência da informação científica disponível acerca da importância crítica do sector apícola enquanto motor da produtividade de muitos dos outros sectores agro-pecuários; (ii) o sector apícola europeu conquistará poder e força na competição por fundos, lado-a-lado com os outros sectores agro-pecuários, resultado de uma percepção dos cidadãos europeus cada vez mais despertos e informados da importância dos polinizadores para a qualidade e preço de uma vasta gama de alimentos que fazem parte da sua dieta diária; (iii) a crise no sector ficará mais visível ainda pelo abandono da actividade apícola e/ou não regeneração da actual geração de apicultores com a entrada de apicultores jovens, pouco motivados e estimulados a fazer a opção pela apicultura no menu de outras escolhas profissionais aparentemente mais aliciantes.

Com mais apoios ao sector como os distribuir?, que grandes eixos priorizar? Deixo algumas sugestões:

Continuação do apoio ao tratamento obrigatório do varroa (esta política parece-me que tem vantagens, se observarmos a mortalidade de colónias na UE por comparação com os EUA);

Apoio a linhas de investigação bem sustentadas e integradas em programas europeus bem planeados (forma de evitar desperdiçar fundos em investigação do tipo céu azul) no desenvolvimento e melhoramento de (novas) ferramentas de controlo de (novas) pragas, como por exemplo a vespa velutina;

Apoio a campanhas para o consumo de mel e outros produtos da colmeia de produção local, enquanto alimento de elevada qualidade, e promotores de serviços ecossistémicos locais;

Apoio ao reforço do rastreamento da qualidade de meis e outros produtos da colmeia oriundos de outros espaços económicos;

Apoios directos, como sucede noutros sectores agrícolas;

Apoios ao rendimento dos apicultores, à imagem do que sucede noutros sectores agrícolas;

Apoios à instalação e desenvolvimento de redes curtas de comercialização;

Apoios a centros de investigação e formação de nível 4 e 5 em cada um dos países-membros;

evidências sobre os benefícios para a saúde da inclusão do(a) própolis na dieta

Em 2019 foi publicado na revista Nutrients esta revisão dos estudos publicados entre 1990–2018 em torno das evidências sobre os benefícios para a saúde pelo consumo e/ou utilização do própolis.

“O(A) própolis é um produto com benefícios para a saúde já relatados, como melhoria da imunidade, redução da pressão arterial, tratamento de alergias e problemas de pele. Uma revisão da literatura e uma síntese foram efectuadas para investigar as evidências sobre os benefícios para a saúde relatados e a direção futura dos produtos com própolis. Usando uma estratégia de pesquisa predefinida, pesquisámos no Medline (OvidSP), Embase e Central quer estudos quantitativos quer qualitativos (1990–2018). Citação, referência, revisões manuais e consulta a especialistas também foram efectuadas. Estudos com ensaios clínicos randomizados (aleatórios) e dados da observação em humanos foram incluídos. […]. Um total de 63 publicações foram analisadas. A maioria foram estudos efectuados em células e em animais, com alguns testes realizados em humanos. Há dados muito significativos e prometedores do própolis enquanto agente antioxidante e anti-inflamatório eficaz, particularmente promissor na saúde cardiometabólica.

fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6893770/

As abelhas utilizam 0/a própolis para a defesa da cidade/colectividade, contra animais várias vezes maiores que elas, assim como contra microorganismos infecciosos, como os fungos e bactérias.