o programa apícola francês ou je suis français

Como em Portugal, o setor apícola francês beneficia de apoio financeiro no âmbito de um programa europeu, regido pelo regulamento (UE) 1308/2013 (OCM única), regulamentos (UE) 2015/1366 e 2015/1368 e pela decisão do Diretor-Geral da FranceAgriMer INTV SANAEI 2019-17.

Como o programa apícola português, definido para um triénio, o programa apícola francês prevê ajudas de carácter colectivo, que têm como objectivo a implementação de ações que visem a melhoria da produção e comercialização dos produtos apícolas:

  • assistência técnica e formação;
  • a luta contra agressores e doenças da colmeia;
  • pesquisa aplicada;
  • análises de mel;
  • melhoria da qualidade do produto.

Contudo, ao contrário de programa apícola português, o programa francês prevê ajudas directas aos apicultores nestas duas rubricas:

  • racionalização da transumância;
  • ajuda para manter e reforçar o efectivo apícola.

Por exemplo, os apoios à transumância têm como objetivo financiar equipamentos para modernizar os apiários e reduzir a árdua tarefa inerente às operações de transumância, sendo investimentos elegíveis para apoio os abaixo descriminados:

  • Grua;
  • Empilhadores todo terreno de 4 rodas ou esteira;
  • Reboque;
  • Plataforma elevatória;
  • Layout da plataforma do veículo;
  • Paletes;
  • Moto-roçadora ou roçadora com rodas;
  • Preparação de locais de transumância;
  • Balanças eletrónicas controláveis ​​remotamente.

As taxas de ajuda podem atingir 40% no máximo do montante, excluindo impostos sobre o investimento elegível efetivamente realizado. O tecto de investimento está definido a três anos:

  • Até 150 colmeias declaradas: € 5.000 sem impostos;
  • Mais de 151 colmeias declaradas: € 23.000 sem impostos.

Por cá, o estado paternalista, com pelo menos 95 anos — 48 antes do 25 de abril e 47 anos depois do 25 de abril—, continua a achar que os cidadãos não sabem onde, como e quando investir e aplicar o dinheiro dos apoios. E vai fazendo cada vez mais o papel de um pai esclorosado e demente!

por detrás deste blog estás tu, meu filho.

Por detrás deste blog estás tu, meu filho. Foste tu que, com a tua mestria e dedicação, me permitiste materializar esta vontade de escrever umas linhas sobre apicultura. És tu que, fora do palco, me ajudas a ultrapassar prontamente alguns problemas técnicos que vão surgindo a espaços. Sem ti, este blog seria uma frequente dor de cabeça, um aborrecimento, um peso…

Sobre ti posso dizer-te duas ou três coisas que considero essenciais neste momento em que as escrevo. 

A minha vida e o meu sentir mudaram no momento em que nasceste. Logo ali, naquele momento único e irrepetível, senti uma mudança interior. Foi logo ali que senti que o jogo da minha vida tinha passado para outro patamar, que a responsabilidade agora tinha entrado noutro campeonato. Agora a missão era criar-te. Missão mais exigente e arriscada, mas mais nobre e cheia de significado. A minha vida ganhou outra tração. 

Sobre ti, posso ainda dizer que consegues fazer praticamente tudo em que te empenhas verdadeiramente. Pouco ou nada te atemoriza, pouco ou nada te tolhe. Tens a inteligência e as ganas para seguir o TEU caminho. Tens a coragem e o instinto para cumprir o teu destino, traçando-o e construindo-o, não te submetendo a ele. Na tua área de trabalho, muito específica e inovadora, estás entre os melhores do mundo. Vivendo em Portugal, és genuinamente um cidadão do mundo. 

Dizer apenas mais isto… o teu coração é equilibrado pela tua razão, e tua razão não é sem teu coração. O que fazes faze-lo de forma apaixonada, planeada, devidamente ponderada, quase até à tua exaustão, e faze-lo porque o QUERES fazer assim. O teu combustível é a paixão que te obrigas a colocar em quase tudo o que fazes! Vives o teu dia-a-dia numa dimensão volitiva, de desejo intenso, de vontade focada, puxado pelos teus motivadores intrínsecos e fluindo, como o voo de uma abelha num campo florido, entre os teus motivadores extrínsecos. 

Como te AMO e como me sinto orgulhoso em ser teu pai! Um beijo, daqueles que os pais dão, meu filho!

Gostas de música e és muito eclético nas tuas escolhas, o que me revela bem a tua complexidade interior. Partilho algumas das que gostas: 

com borges e calvino

Referi na primeira publicação que este blog surge, entre outras, pela razão do meu prazer pela escrita. E este prazer está associado a um enamoramento, o enamoramento pela literatura.

E ao escrever, mesmo num blog de apicultura eminentemente técnico, aqui e ali não podemos deixar de expressar, desejando até expressar, procurando até expressar, um certo traço de escrita presente nos autores que tanto amamos ler.

Borges e Calvino

Os dois excertos em baixo, cuja escolha não é despropositada, como se fosse possível fazer escolhas despropositadas, são de Jorge Luís Borges, um velho companheiro desde os meus 16 anos, e de Italo Calvino, um escritor que conhecendo como se conhecem os vizinhos numa cidade, só muito recentemente lhe abri a soleira da minha porta, bebi um copo com ele, e desde essa altura se tornou um companheiro para a/da vida.

Que os mundos maravilhosos das abelhas e da literatura nos continuem a encantar.

OS DOIS REIS E OS DOIS LABIRINTOS (1), de Jorge Luís Borges

Contam os homens dignos de fé (porém Alá sabe mais) que nos primeiros dias houve um rei das ilhas da Babilônia que reuniu arquitetos e magos e ordenou-lhes a construção de labirinto tão surpreendente e sutil que os varões mais prudentes não se aventuravam a entrar, e os que entravam se perdiam. Essa obra era um escândalo, pois a confusão e a maravilha são operações próprias de Deus e não dos homens. Com o correr do tempo, veio a sua corte um rei dos árabes, e o rei da Babilônia (para zombar da simplicidade de seu hóspede) fez com que ele penetrasse no labirinto, onde vagueou humilhado e confuso até o fim da tarde. Implorou então o socorro divino e deu com a porta. Seus lábios não proferiram queixa nenhuma, mas disse ao rei da Babilônia que ele tinha na Arábia outro labirinto e, se Deus quisesse, lho daria a conhecer algum dia. Depois regressou à Arábia, juntou seus capitães e alcaides e arrasou os reinos da Babilônia com tão venturosa sorte que derrubou seus castelos, dizimou sua gente e fez prisioneiro o próprio rei. Amarrou-o sobre um camelo veloz e levou-o para o deserto. Cavalgaram três dias, e lhe disse: “Oh, rei do tempo e substância e símbolo do século, na Babilônia, quiseste que me perdesse num labirinto de bronze com muitas escadas, portas e muros; agora o Poderoso achou por bem que eu te mostre o meu, onde não há escadas a subir, nem portas a forçar, nem cansativas galerias a percorrer, nem muros que te vedem os passos”.

Em seguida, desatou-lhes as amarras e o abandonou no meio do deserto, onde morreu de fome e de sede. A glória esteja com Aquele que não morre.

(1) Esta é a história que o reitor comentou do púlpito. Ver em Abenjacan, o Bokari, morto no seu labirinto.

AS CIDADES E O DESEJO, de Italo Calvino

A três dias de distância, caminhando em direção ao sul, encontra-se Anastácia, cidade banhada por canais concêntricos e sobrevoada por pipas. Eu deveria enumerar as mercadorias que aqui se compram a preços vantajosos: ágata ônix crisópraso e outras variedades de calcedônia; deveria louvar a carne do faisão dourado que aqui se cozinha na lenha seca da cerejeira e se salpica com muito orégano; falar das mulheres que vi tomar banho no tanque de um jardim e que às vezes convidam — diz- -se — o viajante a despir-se com elas e persegui-las dentro da água. Mas com essas notícias não falaria da verdadeira essência da cidade: porque, enquanto a descrição de Anastácia desperta uma série de desejos que deverão ser reprimidos, quem se encontra uma manhã no centro de Anastácia será circundado por desejos que se despertam simultaneamente. A cidade aparece como um todo no qual nenhum desejo é desperdiçado e do qual você faz parte, e, uma vez que aqui se goza tudo o que não se goza em outros lugares, não resta nada além de residir nesse desejo e se satisfazer. Anastácia, cidade enganosa, tem um poder, que às vezes se diz maligno e outras vezes benigno: se você trabalha oito horas por dia como minerador de ágatas ônix crisóprasos, a fadiga que dá forma aos seus desejos toma dos desejos a sua forma, e você acha que está se divertindo em Anastácia quando não passa de seu escravo.

Os dois reis e os dois labirintos, in O Aleph; As cidades e o desejo, in As cidades invisíveis

a apicultura enquanto arte

Talvez por estar no ramo, encontro na apicultura uma dimensão artística que me passa despercebida noutros ramos da agro-pecuária. Que me perdoem alguns se estiver a ser injusto e precipitado, mas fazer a apicultura é diferente de semear batatas. Uma alma poética poderá vir a ser apicultor, dificilmente será um produtor de batatas. Ninguém é melhor que ninguém, apenas são diferentes as suas naturezas.

A apicultura enquanto expressão de beleza.

Enquanto homem que vive a sua vida em várias dimensões, os leitores mais atentos já terão dado conta da minha especial preferência por uma forma de arte: a música. Sempre me acompanhou, desde que me lembro.

Era ainda um jovem e fundei uma empresa promotora de concertos. Juntamente com a minha mulher e o meu amigo Gonçalo Barros fundámos a NAO — Novas Audições Objectivas — que trouxe a Portugal (Coimbra, Lisboa, Porto, Almada e Montemor-o-Velho) bandas estrangeiras acompanhadas frequentemente de bandas nacionais na primeira parte. Talvez entre os leitores deste blog se encontre alguém que tenha visto algum concerto promovido pela NAO — o mundo é pequeno, não é?

Sejam poetas sendo apicultores!

uma breve conversa: o que aprendo e ouço aos melhores apicultores norte-americanos

Paul Hosticka

Eu não dou a mínima para o que faz alguém que perde mais de 30% de suas colónias.Paul Hosticka

Nesta era de sensacionalismo, concordo plenamente! Especialmente ignoro aqueles que parecem nunca aprender a melhorar.
Aqui na Califórnia, existem apicultores que cumprem os seus contratos de polinização de amendoeiras de forma confiável ano após ano. Se cometerem um erro e perderem colónias, eles entendem o porquê, e deitam as culpas apenas a si mesmos.
Copie o sucesso — há muitos apicultores bem-sucedidos por aí,
silenciosamente mantendo colmeias saudáveis e ganhando dinheiro.
Randy Oliver, Grass Valley, CA
530 277 4450
ScientificBeekeeping.com

in Bee-L (01-05-2021)

Nota: uma força muito grande ao Randy, neste momento difícil da sua vida. Que supere rápida e totalmente o grande desafio de saúde que tem pela frente.

apreciações e sugestões dos leitores

Solicitei na publicação anterior, a 500, e a propósito deste número redondo, comentários aos leitores com sugestões e apreciações ao conteúdo do abelhas à beira. Esta publicação apresenta todos os comentários recebidos. A minha gratidão a todos que reservaram um pouco do seu tempo para os escrever. As sugestões serão abordadas/aprofundadas em futuras publicações.

Foto do maneio “a solo” de uma colónia, ontem 15-03. Parte da energia com que trabalho devo-a aos leitores do blog, que me acompanham… sempre!

Viva Sr. Eduardo,
Desde já endereço-lhe os meus parabéns pelo blog, e pelos conteúdos que regularmente são colocados por si, ajuda qualquer apicultor que tenha paixão e dedicação pela Apicultura, principalmente aos novos apicultores, que é o meu caso. Muito Obrigado!
A sugestão que eu deixo, é no caso de ser possível, continuar com a riqueza de conteúdos ao longo da época apícola, à medida que esta avança, e auxiliando-nos com os seus conhecimentos e práticas referentes a cada momento, e ser uma base e uma moleta que nos ajuda a perceber a diversidade da arte.
Um bem haja Sr. Eduardo!
Pedro Miguel Marques Centeio

Leitor assíduo do blogue. Dá muita partilha de conhecimentos apícolas de forma sucinta e muito pragmática.
Dá a conhecer o maneio apícola e estudos internacionais sempre importantes.
Venho aqui colher sabedoria e muita prática que tenho aplicado no maneio apícola com inúmeros sucessos.
Isto posto, que sugestão?
Agradecer ao autor do blogue pelo tempo que perde em prol da partilha de forma altruísta.
Parabéns Eduardo.
Abraço,
Octávio

Olá Amigo,
Parabéns pelo numero atingido das suas publicações e pela qualidade dos seus conteúdos.
Sugestões?… Continue com o elevado nível de partilha de conhecimento.
Como seguidor atento das suas mensagens, aproveito para agradecer porque elas têm servido para apurar os meus conhecimentos sobre o mundo apícola.
Bem haja.
José A. Marques

Sou um simples apicultor amador mas aproveito para enaltecer e agradecer as publicações que faz pois realmente são bem feitas, bem escritas, demostrando que sabe o que escreve. Posso dizer que quando “tropeço” nas suas publicações são raras as vezes que não leio.
Obrigado e cumprimentos de Viana do Castelo
Duarte

Sou um apicultor amador. Adoro o seu blog e acho que louvar a forma como expõe informação, de forma simples e sempre baseada na ciência, coisa que hoje em dia é muito raro.
Por favor continue.
Cumprimentos
Rui Rocha

Boa Tarde Eduardo.
Antes de mais um grande obrigado pela preciosa partilha de conhecimentos.
Muitos Parabéns pelo Blog é uma enciclopédia de apicultura.
É de louvar a sua atitude altruísta.
Aprendi e aprendo muito com os seus artigos e é fascinante na prática verificar que os seus ensinamentos são exactamente assim.
Gostaria que publicasse sobre desdobramentos e a formação dessas magníficas colmeias armazém que tanto me fascinam.
Obrigado e Deus o ajude a continuar a partilhar a sua magnífica sabedoria.
Grande Abraço
Tó Zé

Parabéns! É sempre com expectativa que aguardo o próximo! Ainda nao percebi é como posso navegar pelos anteriores, estarei a ficar iletrado nestas novas ferramentas sociais?Manuel Rodas

Amigo Eduardo, sou um assíduo leitor dos seus artigos.
Não tenho nada a propor para alteração, a não ser que continue a ser como é, para bem da nossa apicultura.
Um abraço e bem haja pela sua disponibilidade.
António dos Santos Almeida

Parabéns Eduardo Gomes, excelente blog que criaste nestes últimos 5 anos. Fundamentado, bastante informativo e de um conhecimento indiscutível. Obrigado pela sabedoria e experiência que continuas a partilhar, fazes com que a apicultura seja um pouco mais simples. Marcelo Murta

Parabéns pelo número redondo. Que venham muitas mais publicações. Faltam-me sugestões a dar porque é deste blog apanho as novidades, dicas, alertas e respostas a muitas dúvidas. É dar-lhe continuação. E, já agora, obrigado!Ricardo

Caro Eduardo, sou um fiel seguidor do seu blog. Admiro-o como para além de apicultor ainda consegue pesquisar informação atualizada com base em publicações científicas. É neste blog que venho “beber” da sua apicultura e aplicar muitos dos conceitos e técnicas adaptadas à minha realidade de apicultor (se for digno desse adjetivo).
Gosto muito de melhoramento genético animal – tema que em apis parece estar longe de se conseguirem os objetivos desejados. No meu apiário centro-me na produção de mel e todos os anos tenho o registo produtivo de cada colônia. Quando tenho baixas desdobro e coloco larvas do dia das colónias que se classificaram acima do desvio-padrão (tendo por base a descrição estatística da produção anual). Por vezes introduzo rainhas de outros criadores, mas sinceramente ainda nenhuma se revelou interessante. Será aqui a adaptação ao meio o fator mais importante? Será que com as minhas abelhas eu sigo um método de seleção (simples) que até resulta?
Este tema é o meu principal interesse em apicultura.
Obrigado pelas suas partilhas – estou-lhe grato.
Abraço apícola.
Pedro Sarmento

Caro Eduardo,
Tenho seguido as suas publicações com muita satisfação, artigos muito bons.
A minha sugestão vai para o tema do “espaçamento ideal entre quadros”.
Muito obrigado pela sua partilha.
Cump.
Rogerio Melo

os resíduos da actividade apícola

Tenho ideia que a apicultura é um dos sectores da pecuária que menos resíduos produz. Contudo alguns produz. E ontem à tarde passei cerca de 2h30m no processamento/encaminhamento de alguns destes resíduos.

Uma das cargas com resíduos: caixas de cartão e os sacos de alimento vazios.
No interior das caixas estão os sacos de plástico do alimento depois de consumido. Estes sacos vazios são colocados nas caixas de cartão ainda no apiário, para evitar que o vento os espalhe pelo terreno do apiário e/ou terrenos vizinhos.
No final o papelão e o plasticão ficaram a abarrotar.

Um outro resíduo são as tiras plásticas dos medicamentos contra a varroose. Neste caso as tiras não devem ser colocadas nos contentores do lixo ou no plasticão. Os apicultores têm a obrigação de entregar estes resíduos na sua associação para posterior recolha e processamento pela Valormed.

Tiras plásticas de medicamentos depois de utilizadas. Sempre que as retiro no apiário guardo-as numa caixa para depois as entregar na minha associação.
Detesto visceralmente ver um saco de plástico ou uma tira de plástico de um medicamento nos meus apiários.

Nota: esta é a publicação número 500. Foi alcançado cerca de 5 anos após ocomeço deste blog. Gostaria muito que os leitores, aqueles que o desejem, enviem através da caixa de comentários sugestões de temas e melhorias/ajustes a fazer ao blog, ou outros assuntos. Pretendo fazer a publicação nº 501 com os comentários recebidos. Se desejarem preservar o vosso anonimato por favor indiquem explicitamente que desejam que o vosso comentário seja publicado mas de forma anónima. Muito obrigado pela vossa participação!

colocação das primeiras excluidoras de rainhas: alguns procedimentos

Na passada sexta feira (06-03), a seguir ao almoço, voltei ao meu apiário mais pequeno. A temperatura rondava os 17ºC e o vento mal se sentia. Quando sai de casa tinha dois objectivos: transferir dois núcleos para colmeias de 10 quadros e colocar duas excluidoras de rainha em duas colónias muito fortes. Acerca dos procedimentos para alcançar o primeiro objectivo fiz esta publicação. Vou agora identificar alguns procedimentos que procuro seguir aquando da colocação de grelhas excluidoras de rainha.

A carga depressa se arrumou!
Uma das duas colónias — modelo Lusitana— onde vim a colocar a excluidora. Tinha 13 quadros com criação e 20 quadros preenchidos por abelhas.
O meu dilema inicial era se devia procurar a rainha para a deixar no ninho como pretendia, ou se devia colocar a excluidora, sem a procurar, e numa visita seguinte, passados 4 dias, confirmar em que caixa andava pela presença de ovos. Decidi procurá-la.
Talvez nem tivessem passado 5 minutos até a encontrar. Andava na caixa de cima — na outra colónia, onde coloquei a segunda excluidora, também encontrei a rainha na caixa superior. Estava no quadro que coloquei na posição 3. Era também essa a posição que o quadro ocupava na caixa superior.
O quadro com a marca amarela também foi transferido para a caixa inferior por conter muita criação de zângão. Assim não ficarão presos por cima excluidora quando emergirem.
E pronto, depois de tudo organizado no ninho foi altura de colocar a excluidora de rainha.
Um bom exemplo de uma foto indevidamente centrada. Pretendia mostrar as datas também! Então fica legenda: no dia 01-03 a colónia tinha 12 quadros com criação distribuídos pelo ninho e sobreninho. No dia 06-03 coloquei a excluidora com a rainha em baixo, no ninho.

Para a semana conto colocar mais cerca de cinco excluidoras num outro apiário, desta feita em colmeias muito fortes do modelo Langstroth. Numa publicação a surgir num futuro próximo pretendo explicitar a estratégia que persigo com a colocação destas excluidoras nas colónia mais fortes e tão cedo na época. Em 2018 e para atingir o fim que pretendo atingir este ano também assim fiz e correu muito bem. Se não tiver desaprendido, com trabalho e uma pitada de sorte, acho que irei alcançar os objectivos que pretendo, e uma parte dever-se-á a esta estratégia. Este pequeno passo hoje dado vai revelar-se fundamental.