introdução de rainhas fecundadas: as causas da sua substituição precoce

A minha experiência com a introdução em gaiola de rainhas fecundadas é relativamente pequena. Nestes mais de dez anos de actividade apícola terei introduzido perto de 40 rainhas fecundadas. A taxa de aceitação inicial rondou os 100%, dos dados que registei na memória — como fiquei satisfeito com o facto dos procedimentos que me ensinaram e apliquei com o melhor rigor que me foi possível terem dado tão bons resultados! Contudo, mais adiante, cerca de 30% destas rainhas vieram a ser substituídas. Sei muito bem que a minha experiência é pouco representativa, a amostra é muito pequena, mas foi expressiva o suficiente para me elucidar que por vezes as abelhas também mudam de ideias, e aquela relação que começa bem evolui e termina mal.

Introdução de rainhas em gaiola.

Na altura não me empenhei em perceber melhor as causas do sucedido, o trabalho era muito e tinha de seguir em frente. Intimamente achei que tal se deveria a uma deficiência qualquer presente nestas rainhas, difícil ou até impossível de corrigir, fruto de uma certa aleatoriedade natural inultrapassável. E fui andando com a minha vida sem investir muito tempo neste assunto. Afinal introduzir rainhas fecundadas não é a minha praia; há mais de 5 anos que não o faço, já passaram mais de dois anos desde que introduzi massivamente rainhas virgens, tirando duas excepções que resultaram da oferta generosa de dois amigos de umas poucas rainhas virgens. Este não era, e continua a não ser, um assunto do meu interesse imediato. Apesar disso tal não me impede de reconhecer a sua importância para o sector apícola nacional, dado que vários companheiros recorrem à introdução de rainhas fecundadas pelos mais diversos motivos. Estava eu a preparar esta publicação e, nem de propósito, um companheiro contactou-me a solicitar uma opinião para o ajudar a entender, entre outras coisas, a razão da elevada taxa de substituição precoce das rainhas fecundadas que tem introduzido. Mal irei, e este blog comigo, quando me auto-centrar exclusivamente nas minhas práticas. Ficarei mais pobre e limitado nos conhecimentos, o blog menos abrangente e diversificado, enfim correria o risco de o tornar um diário, desinteressante e auto-proclamatório.

Será então adequada e actual a hipótese de que a substituição precoce de rainhas, 2 a 4 meses após a sua introdução e aceitação inicial, é uma situação inultrapassável própria de uma situação natural, da qual conhecemos, dominamos e controlamos pouco as diversas variáveis envolvidas? Não, nem a hipótese é actual nem é adequada. Hoje sabemos mais que isso. Hoje estão identificadas as variáveis que condicionam a taxa de sucesso deste processo.

Neste pequeno vídeo Bob Binnie identifica as principais causas da não aceitação ou substituição precoce de rainhas fecundadas introduzidas em gaiola e afirma que os criadores de rainhas podem melhorar o processo a montante. Recorre às reflexões e observações do Irmão Adam (o enorme apicultor alemão da Abadia de Buckfast) e aos estudos controlados levados a cabo por Doug Summerville (o autor da obra fundamental Fat Bees, Skinnie Bees).

Hoje, tudo leva a crer que os factores de sucesso/insucesso se encontram a montante, e uma vez mais os timings são muito relevantes. Bob Binnie afirma e identifica as principais condicionantes e factores de insucesso do processo: “a maioria dos problemas com rainhas e com pacotes, como fraca aceitação e substituição precoce deve ser atribuída a:

  • rainhas colhidas demasiado novas;
  • rainhas criadas demasiado cedo;
  • rainhas armazenadas em banco por demasiado tempo.

Bob Binnie, apicultor norte-americano com cerca de 2000 colónias na Geórgia, e criador de rainhas.

Também nesta publicação da prestigiada revista apícola Bee Culture — https://www.beeculture.com/requeening/— referem os mesmos motivos subjacentes à elevada taxa de substituição precoce de rainhas fecundadas.

serra abaixo: a primeira transumância do ano

Hoje realizei a primeira transumância de colónias deste ano. A distância percorrida foi pouca, cerca de 15 km a descer, as colónias passaram dos 900m de altitude para os 600m e para uma zona edafo-climática cerca de 5ºC mais quente — hoje por ex. cá em cima esteve uma máxima de 12ºC e lá em baixo a máxima chegou aos 17ºC.

Tendo identificado e pré-preparado ontem as 12 colónias a transumar, hoje às 8h15 lá estava para acabar de as fechar — foi só empurrar o resto de esponja. As abelhas como previ estavam todas ainda ao quente, e por companhia só tive as vaquinhas que por ali pastavam.

Partilhando o território.
Ontem, ao final da tarde pré-preparei as colónias e hoje, foi só empurrar o resto da esponja. As abelhas nem sequer assomam ao alvado quando assim faço.
Carreguei as colmeias debaixo de olhares muito interessados e curiosos… bem nem todos… ali atrás, no centro da fotografia, está o boi que pouco me ligou, pois embezerrou com uma jovem vaca. A Natureza sendo Natureza.
Pronto a arrancar, serra abaixo!
Acabado de chegar ao local de destino.
Cerca de 1h30 depois do início da jorna as colónias estavam nos novos assentos. Como gosto deste hábito adquirido de transumar cedo pela manhã!

meias-alças com cera puxada: vendo

Estou vendedor de 100 meias-alças com quadros com cera puxada do modelo Langstroth.

Vendo em lotes mínimos de 20 meias-alças.

O valor unitário de cada meia-alça é de 13 €.

Este valor é fixo, não é negociável.

As meias-alças são pintadas e na sua maioria são de 8 quadros (ver fotos em baixo representativas).

Os interessados deverão entrar em contacto comigo através da caixa de comentários. Os contactos não serão tornados públicos, para manter a privacidade dos interessados.

o meu apiário mais pequeno: um balanço no primeiro dia do mês de março

Antes de ontem, no primeiro dia do mês de março, fui trabalhar as colónias do meu apiário mais pequeno. Neste apiário, onde já estiveram assentes 80 colmeia nos idos 2014-2019, e anos houve em que nos terrenos em redor estiveram cerca de 60 núcleos de fecundação, hoje estão 5 colmeias do modelo Lusitana e 3 núcleos. Das 5 colmeias duas delas passaram o outono e inverno na configuração ninho e sobreninho. No final da ronda, quando saí do apiário, tinha deixado mais duas colmeias nessa configuração. Contas feitas, 4 das 5 colónias Lusitanas do apiário estão muito fortes. A menos forte apresentava 5 quadros com criação e mantém-se por enquanto só no ninho.

As duas colónias que passaram o outono-inverno com ninho e sobreninho.
As duas colónias que passaram para a configuração ninho mais sobreninho. Uma delas apresentava 7 quadros com criação e a outra 8.

Das duas colónias que passaram o outono-inverno na configuração ninho mais sobreninho, uma apresentava 10 quadros com criação — 6 no ninho e 4 no sobreninho — e a outra 12 quadros com criação — 6 no ninho e 6 no sobreninho.

Colónia que apresentava 6 quadros com criação no ninho e 6 quadros com criação no sobreninho.
A mesma colónia “desmontada”.
Um dos 6 quadros com criação presentes no ninho.
Quadro de meia-alça para criação concentrada de zângãos (com uma marca de tinta amarela no topo superior). Um favo com alvéolos largos foi construído por debaixo do travessão inferior no ano passado. Por mero acaso acabou por ficar este outono-inverno no sobreninho. Nesta inspecção fui encontrá-lo repleto de nova criação de zângão.

Dos 3 núcleos — dois do modelo Lusitana e o terceiro do modelo Langstroth — os dois do modelo português, albergam duas colónias que consegui salvar do PMS que sofreram em agosto/setembro do ano passado. Conto passá-los para colmeias de 10 quadros na próxima semana.

Um dos três quadros com criação deste núcleo.
Foto do quadro na posição 5, no lado quente do núcleo.

Em regra, neste apiário as colónias estão muitos fortes para a época. Por que razão? Pela alimentação líquida estimulante não é; não que lhes forneci nem sequer meio quartilho. Pela suplementação proteica também não é porque não que lhes forneci nenhuma. Pela qualidade das rainhas produzidas de forma orgânica por mim? Em parte sim, mas não é suficiente. Por as abelhas estarem saudáveis? Sim, muito isso. Pelo pólen presente no campo? Sim, muito isso também. Pela sintonia do trinómio rainhas pujantes, abelhas locais e saudáveis e campo abundante de pólen? Ah sim, de certeza esta combinação.

No primeiro dia do mês de março, uma pequena moita de rosmaninho ali perto, cuja floração dá origem ao primeiro fluxo importante do território. A minha amiga Filipa Almeida aposta que irão começar a florir lá para dia 15 de abril.

a abóbada de mel: manipulação de quadros com vista a prevenir a enxameação

Demaree, Snelgrove e Walt Wright serão as principais referências do meu maneio nos próximos dois a três meses, o período da pré-enxameação e da enxameação neste território.

Walt Wright, com quem cheguei a dialogar algumas vezes no BeeSource, terá sido o apicultor que, nas últimas décadas, mais se atreveu a pensar “fora da caixa”, de forma muito corajosa, o fenómeno da enxameação em abelhas melíferas. Entre outros aspectos do seu pensamento, dou particular atenção às reflexões e descrições que fez relativamente ao conjunto de sinais da preparação da enxameação, onde se destaca o backfilling, assim como a importância que atribui à abóbada de mel enquanto determinante da pressão e timing da enxameação. A este propósito ele escreveu: “Suspeitamos que a expansão da criação até à abóbada com reservas de mel operculado desencadeia a preparação da enxameação…” Walt Wright, Nectar Management, Principles and Practices (pg. 37, manual não publicado, disponibilizado pela família após sua morte).

Foto tirada ontem, 01-03, de um quadro do modelo Lusitana, com uma abóbada de mel operculado no topo.

Aceitando que as abelhas tomam como indicador de que encheram e completaram o ninho quando a mancha de criação atinge as abóbadas de mel operculado, e aceitando também que uma das formas mais eficaz e expedita de atrasar, diminuir ou mesmo eliminar o impulso de enxameação passa por fazer crer ao enxame, que o ninho não está completamente utilizado, concluído, nem constringido, de que modo estas ideias influenciam o meu maneio? Sempre que me é possível — considerando com cuidado as reservas de mel presentes — descontinuo de forma gradual esta abóbada por substituição destes quadros por quadros o mais possível vazios — como o da foto em baixo. Os quadros com abóbadas de mel transfiro-os para as colmeias armazém ou utilizo-os para fazer equalização de colónias menos desenvolvidas.

Quadro vazio armazenado em casa, com pequenas áreas com bolor no canto superior esquerdo e no canto inferior direito.
Este quadro (modelo lusitana), porque sem abóbada de mel operculado, permaneceu no ninho.
Este quadro (de um núcleo do modelo Lusitana), com uma abóbada de mel descontinua, deixar-me-ía na dúvida se tivesse que decidir deixá-lo ou tirá-lo de um ninho de uma colónia com 10 quadros e prematuramente forte.

Um detalhe: o quadro em baixo é o quadro adjacente ao quadro em cima. Reparar na similitude entre a forma geométrica formada pela mancha de criação operculada — foto em cima — e a formada pela mancha de pão-de-abelha.

Se tivesse que resumir a mensagem-chave desta publicação — assim como a da publicação precedente — diria que estas senhoras (abelhas) não saem de casa (enxameiam) antes de a ter devidamente organizada, arrumada e com a despensa cheia. Eu irei gradualmente, pouco a pouco, ao longo dos próximos três meses introduzindo alguma desarrumação, esperando ter o tempo e o talento para não pecar por excesso nem pecar por defeito.

quadros com cera puxada: um “must have” nesta época

Tendo estado cerca de 15 dias sem visitar as minhas colónias, por motivos que vão desde as fracas condições climatéricas, uma ida à clinica dentária e alguns compromissos familiares, estou a planear mentalmente o maneio que irei fazer, nesta semana que vai entrar, em parte das minhas colmeias.

Sabendo que as colónias começam a planear o comportamento enxameatório cerca de um mês antes da enxameação efectivamente se dar, as medidas de prevenção da enxameação devem ser iniciadas, mais semana menos semana, nesta época, isto no território onde tenho os apiários e com mais ênfase nos que se situam a 600 m de altitude.

Uma das formas mais eficaz e expedita de atrasar, diminuir ou mesmo eliminar o impulso de enxameação passa por fazer acreditar ao superorganismo, o enxame, que o ninho não está completamente utilizado, concluído, nem constringido. O apicultor pode através do maneio criar artificialmente um ninho “por acabar” e assim confundir o enxame, levando este a acreditar que ainda não estão reunidas as condições óptimas para levar a cabo a sua reprodução natural por enxameação.

O que deverá fazer o apicultor? Basicamente, remover a restrição das abóbadas/arcos de mel em redor das áreas de criação/postura. Uma das formas de alcançar este objectivo é colocar gradual e regularmente quadros vazios com cera puxada, ou quadros com cera laminada, no ninho/sobreninho ou meias-alças, durante a época de pré-enxameação — no meu território esta época inicia-se no final de fevereiro/início de março, com a criação de zângãos —e durante a época de enxameação.

Nesta altura do ano, em que as condições para puxar cera não estão todas reunidas, a minha opção passa por utilizar quadros com cera puxada para criar nas abelhas esta sensação de ninho inacabado. Estes quadros, um por semana, serão colocados ao lado do último quadro com criação, preferencialmente do lado quente da colmeia, ou logo a seguir ao quadro com pólen nos casos de enxames um pouco menos fortes. O meu pai há 11 anos atrás, quando comecei, ensinou-me a fazer este maneio, e chamava-lhe expandir o ninho ou abrir o ninho.

Colocar, nesta altura e no território que as minhas abelhas pisam, cera laminada é, na minha opinião, um erro (não me perguntem como o sei!). As abelhas não a vão puxar, servirá mais de muro para a rainha e abelhas, criando provavelmente uma sensação de maior constrangimento no enxame, precisamente aquilo que pretendo evitar. O mesmo se passa com a adição de meias-alças com cera laminada. Não tendo condições para puxar a cera, as abelhas não irão reconhecer aquele espaço como um espaço para expansão da criação e/ou um espaço para transferir parte do mel e néctar de forma a preservar o ninho de um bloqueamento. O espaço está lá aos olhos do apicultor, contudo aos olhos das abelhas não está.

Como não tenho a certeza absoluta da data em que as minhas abelhas vão começar a puxar cera opto por colocar a primeira meia-alça com cera puxada e o mesmo para os quadros no ninho/sobreninho. Mais adiante, quando as abelhas estiverem inequivocamente a puxar cera, iniciarei a colocação de quadros com cera laminada no ninho e/ou sobreninho e nas meias-alças. Até que essa época chegue, os quadros com cera puxada é um objecto que desejo muito possuir porque as minhas abelhas assim me o têm dito, como já diziam também as abelhas do meu velho Mestre.

Algumas meias-alças do modelo Langstroth, com quadros com cera puxada, armazenadas e disponíveis para serem colocadas sobre as colmeias tão cedo quanto o necessário.

must have: designa um objeto que muitas pessoas desejam possuir.

tudo bons rapazes…

No território onde tenho os apiários começam a emergir os primeiros zângãos. Parece-me oportuno traduzir um excerto do artigo de revisão Factors affecting the reproductive health of honey bee (Apis mellifera) drones—a review (2019) acerca destes bons rapazes.

Emergência de um zângão

Clima, nutrição e outros fatores ambientais afectam o tempo de maturação sexual dos zângãos. As estimativas da idade em que os zângãos atingem a maturidade sexual variam de 6 a 12 dias pós-emergência. Nos primeiros dias depois da emergência, os jovens zângãos interagem com as operárias perto da área de criação para serem alimentados. Os voos de orientação, que ajudam os zângãos a conhecer os marcos locais e a localização precisa do ninho/colmeia, começam aproximadamente 5 a 8 dias após a emergência. Identificados os principais marcos e localização da colmeia, o seu ciclo de vida culmina quando se junta a outros numa área de congregação de zângãos (“ACZ”) com um diâmetro de 30 a 200 m, onde se juntam até 11.000 zângãos no ar entre 10 e 40 m acima do solo. Os zângãos emitem feromonas odoríferas produzidos pela glândula que modulam as interações sociais entre eles e provavelmente ajudam à formação de ACZs. Quando as rainhas virgens entram numa área de congregação, elas atraem os zângãos com feromonas e fornecem pistas visuais de curto alcance, que ajuda os zângãos a encontrá-las e acasalar. As rainhas virgens normalmente visitam ACZs num ou vários voos de acasalamento que podem acontecer num ou vários dias. Os ACZs são compostos por zângãos de até 240 colónias localizadas de até 5 km de distância entre si. Embora esta seja a distância máxima de vôo registrada até agora, a maioria dos zângãos tendem a reunir-se em ACZs localizados a apenas algumas centenas de metros de sua colmeia de origem, numa estratégia que se presume maximizar a quantidade de tempo que eles podem passar na ACZ para aumentar sua oportunidade de acasalar. Outra explicação: os zângãos também se podem reunir perto de suas colónias de origem para evitar o acasalamento com rainhas aparentadas, visto que a maioria das rainhas virgens voa a vários quilómetros de distância de suas colónias de origem em busca de parceiros (ver esta publicação a este respeito), numa estratégia que supostamente ajuda a evitar o cruzamento genético endogâmico.

fonte: https://link.springer.com/article/10.1007/s13592-019-00684-x

introdução de rainhas: a vantagem de colocar um quadro com criação aberta

No artigo Influence of brood pheromone on honey bee colony establishment and queen replacement (2021), R. Tarpy — um dos mais prolíficos investigadores na área das abelhas rainha — conclui que a aceitação de rainhas em pacotes de abelhas aumenta significativamente com a colocação de um quadro com criação aberta. No grupo de controle (grupo de colónias onde não se colocou um quadro com criação aberta), verificou-se a aceitação da rainha em 33,3% dos casos, considerando a sua rejeição nas primeiras 5 semanas, ou a sua substituição entre a 5ª e a 12ª semana após a introdução. No grupo experimental (grupo de colónias onde foi colocado um quadro com criação aberta) a aceitação das rainhas foi de 86,7%.

fonte: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/00218839.2020.1867336

Larvas por opercular ou criação aberta.

Ainda que a experiência tenha sido realizada com pacotes de abelhas, acho que no processo de introdução de rainhas engaioladas em núcleos de abelhas, geralmente formados com dois quadros com reservas e dois ou três com criação, não perdemos nada, à luz destes dados, em acautelar que um destes quadros contenha um bom número de larvas por opercular.

Sobre outras orientações que visam aumentar a aceitação de rainhas introduzidas em gaiola, ver aqui.

o ciclo de vida do ácaro Varroa: uma actualização

Se, por uma razão qualquer, estivesse limitado a aprender o conhecimento produzido de apenas duas doenças das abelhas escolheria a criação pútrida americana — mais conhecida por Loque americana — e a varroose. A primeira pela sua contagiosidade a colónias vizinhas; a segunda pela sua prevalência e ubiquidade; ambas pela sua letalidade. Como apicultor auto-didacta que não gosta de ver sofrer as suas abelhas procuro, com as minhas limitações, acompanhar de perto os progressos no conhecimento em torno destas duas doenças. Tenho escrito com alguma frequência sobre a varroose, e esta tarefa obriga-me a ler e a aprender. Os ganhos que retiro deste labor, entre outros, é ser capaz de, com algum rigor, prognosticar a evolução da infestação e aplicar esta aprendizagem à minha realidade enquanto apicultor — ver um exemplo nesta publicação de 2016.

Excrementos (guanina) de varroas visíveis nas paredes dos alvéolos, um sinal que aponta para a morte da colónia por varroose e viroses associadas.

A publicação de hoje visa actualizar alguns conhecimentos sobre o ciclo de vida da varroa, e tem como fonte o artigo de revisão da literatura mais relevante que li nos últimos anos.

O ciclo de vida é dividido em duas fases distintas:

  • A fase reprodutiva que ocorre dentro dos alvéolos de criação das abelhas, onde um ácaro fundador fêmea cria a sua prole;
  • A fase de dispersão – frequentemente denominada incorretamente de fase forética — na qual os ácaros fêmeas maduros viajam e se alimentam nas abelhas adultas.

Fase Reprodutiva
Na A. mellifera, a varroa normalmente produz 0,7-1,45 filhas fêmeas maduras em alvéolos de larvas de operárias e 1,6-2,5 filhas em alvéolos de larvas de zângãos (Figura A). Os ácaros Varroa usam cairomonas*, uma forma de ‘espionagem química’ para invadir alvéolos onde se desenvolvem larvas com a idade adequada, exibindo uma preferência oito vezes superior por cria de zângãos, onde têm um potencial reprodutivo aumentado. A quantidade de criação de operárias e zângãos disponíveis muda ao longo da época, com impacto na proporção de varroa na criação versus nas abelhas adultas (Figura B). Ao invadir o alvéolo com larva, a varroa fundadora esconde-se, imóvel, na papa larval depositada na base do alvéolo, respirando através do seu peritreme que se estende acima do alimento líquido como um canudo. Esta imobilidade pode ser uma adaptação para minimizar a sua remoção pelas abelhas operárias, uma vez que, antes e durante o selamento do alvéolo, as abelhas-nutrizes inspecionam frequentemente o alvéolo. Após o selamento do alvéolo, a larva da abelha finaliza a sua alimentação, estende-se ao longo do comprimento do mesmo e forma um casulo. Durante esta fase, o ácaro fundador deixa a papa larval, sobe para a pré-pupa da abelha e perfura, com um orifício relativamente grande (100 μm), a cutícula da abelha que se está a criar, um local de alimentação para ela e sua futura prole. Este local de alimentação permanece aberto devido aos anticoagulantes presentes na saliva do ácaro e supressão da cicatrização de feridas do hospedeiro.

(A) Reprodução individual de varroa através da invasão de um alvéolo. Embora a varroa transmita vírus para pupas de abelhas e adultos (setas vermelhas), existem muitas outras rotas de transmissão do vírus, como transmissão sexual e vertical via óvulos e esperma (setas azuis), ou transmissão oral e fecal horizontal via alimentação, limpeza dos alvéolos, canibalismo (setas verdes), transmissão de contato entre adultos (setas pretas) e interações ecológicas com o meio ambiente e outros insetos (setas laranja). (B) Crescimento teórico de uma colónia saudável sem tratamentos para o ácaro Varroa com um inverno de 3 meses. As colónias no inverno normalmente consistem em abelhas adultas de inverno (azul escuro) com muito pouca criação de operárias (castanho claro) e baixas populações de varroa. Conforme surgem novas abelhas, a colónia expande-se rapidamente com abelhas adultas (amarelo) e criação. No início da primavera, a colónia começa a criar larvas de zângãos (castanho escuro), que são preferencialmente invadidas por varroa (pontos vermelhos). Após a temporada de enxameação, as abelhas param de criar zângãos, forçando a varroa a reproduzir-se na criação de operárias. À medida que os níveis de ácaros aumentam, um único alvéolo é co-infestada por várias fundadoras, circunstância onde a taxa de reprodução de cada uma é reduzida, mas a taxa de produção de crias femininas de varroas fertilizadas aumenta. No final do verão, tanto a população de abelhas quanto a área de criação contraem-se, e as infestações de varroa aumentam acima dos limites de eficácia dos medicamentos na população de abelhas adultas. As colónias criam simultaneamente criação de inverno (azul claro) que se tornam as abelhas de inverno de vida longa (azul) com uma camada extra de corpo gordo, no qual varroa se alimenta. Como a colónia pára de criar larvas, a varroa não tem lugar para se reproduzir e sua população diminui.

Alimentar-se com a gordura do corpo larval é um pré-requisito para a reprodução da varroa. Os sinais da larva da abelha desencadeiam a reprodução do ácaro e influenciam o sexo do ovo do ácaro. A determinação do sexo na varroa é por via da partenogénese arrenótoca**: os machos são haploides com sete cromossomas, enquanto as fêmeas são diplóides com 14 cromossomas. No entanto, o mecanismo genético exato (por exemplo, a existência e identidade de um locus de determinação de sexo genético distinto) permanece desconhecido.

Iniciando a oviposição
Iniciar a oviposição é uma tarefa que exige muita energia, e as varroas fundadoras obtêm essa energia metabolizando o tecido consumido das abelhas. A fundadora também requer algumas proteínas larvais e hormonas (por exemplo, a ecdisona***) para iniciar a postura de ovos. Julgamos que as fundadoras sequestram as moléculas do hospedeiro nos seus ovos, e o pico da abundância enzimática antes e depois da oviposição abastece as necessidades energéticas para a produção de ovos. Estas observações formam um quadro complexo de transporte e sequestro de nutrientes do tecido da abelha, do ácaro fundador até aos ovos.

Da direita para a esquerda: ovo; protoninfa; deutoninfa masculina (em baixo); deutoninfa feminina (em cima); macho adulto (em baixo); fêmea adulta (em cima).

A fundadora deposita o primeiro ovo haplóide aproximadamente 60-70 h após a invasão do alvéolo e dedica-se ao cuidado parental cuidadoso, colando este ovo na parede superior do alvéolo (o local mais seguro durante a pupação da abelha) para garantir que a protoninfa masculina possa circular no interior após a sua eclosão. Os ácaros machos frequentemente morrem durante a pupação do hospedeiro, devido ao movimento da pupa que bloqueia o seu acesso ao local de alimentação. A fundadora então põe um ovo diplóide a cada 30 h , depositando-os mais abaixo na parede do alvéolo. Quando a primeira fêmea amadurece, ela acasala com seu irmão na pilha fecal (guanina) comunitária. Os machos acasalam quase exclusivamente com fêmeas mais novas à medida que surgem e param de acasalar com as fêmeas mais velhas. Se o macho é desalojado ou morre, as fêmeas emergem sem acasalar. Anteriormente, acreditava-se que estas varroas não fertilizados eram incapazes de acasalar logo que saissem do alvéolo, portanto nunca produziriam descendentes viáveis, nem mesmo machos haplóides. Uma nova pesquisa demonstra que as fêmeas varroa virgens podem colocar ovos haplóides partenogénicos e depois acasalar com seu filho, produzindo filhas viáveis ​​em condições de laboratório. Os ácaros nem sempre iniciam a oviposição após a invasão do alvéolo, provavelmente devido à interrupção na comunicação química. De fato, a oviposição pode ser interrompida experimentalmente pela aplicação de (Z) -8-heptadeceno aos alvéolos de criação antes do seu selamento, e outros compostos podem interromper o comportamento de busca de hospedeiro.

Em condições de laboratório, um ácaro fêmea pode ter até sete ciclos reprodutivos durante sua vida e colocar até 30 ovos. No momento em que ela amadurece pela primeira vez, ela recebe de 30 a 40 espermatóforos**** por meio de acasalamentos múltiplos com o (s) macho (s) presentes no alvéolo, que ela armazena e usa durante sua vida. Na criação de operária de A. mellifera, uma fundadora com sete ciclos reprodutivos teoricamente produziria ~ 5-10 filhas maduras, ou ~ 10-17 filhas maduras em criação de zângão. No entanto, em condições de campo, cada ácaro tem apenas ~ 1,5 a 3 ciclos reprodutivos.

Fase de Dispersão
Quando uma abelha melífera parasitada emerge do seu alvéolo, ela carrega os ácaros fêmeas maduros (mãe e filhas). As filhas frequentemente mudam para uma abelha em idade de ama/nutriz para ativar seus ovários, permitir que os espermatóforos amadureçam e, nesta fase, vão alimentando-se nestas abelhas adultas. Por muito tempo, acreditou-se que varroa era um parasita semelhante a um carrapato, que se alimentava da hemolinfa. No entanto, o aparelho bucal e o sistema digestivo da Varroa são estruturados como os dos organismos que se alimentam de tecido semissólido por meio de digestão extraoral. Os resíduos/dejectos da Varroa consistem predominantemente de guanina com traços de hipoxantina, ácido úrico e cafeína, sugerindo uma dieta rica em proteínas com pouca água. Uma pesquisa recente derrubou a crença de décadas de que Varroa se alimenta exclusivamente de hemolinfa, demonstrando que a alimentação no corpo gordo (ver aqui publicação) é necessária para a produção de ovos de varroa e que o tecido do corpo gordo foi detectado consistentemente dentro do intestino de ácaros quando se alimentam nas abelhas adultas. A inspeção dos locais de alimentação de varroa revelou orifícios de alimentação entre as placas abdominais sobrepostas da abelha e células degradadas do corpo gordo abaixo da membrana intersegmentar, provavelmente devido à digestão extraoral pela saliva do ácaro.

Vista ao microscópio electrónico do corpo gordo de uma abelha.

fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S147149222030101X#bb0450

Notas:

* Cairomona: composto semioquímico (que comunica algo), emitido por um organismo, que funciona como mediador de interações interespecíficas de forma a beneficiar um indivíduo de outra espécie que o recebe (neste caso o ácaro varroa) e prejudica o emissor (neste caso a larva da abelha/zângão).

** Partenogénese arrenótoca: origina apenas machos, como por ex. os zângãos na espécie Apis mellifera.

*** Ecdisona: hormona esteroide, que estimula a muda e as metamorfoses, segregada por duas glândulas do tórax dos insetos.

**** Espermatóforo: é uma cápsula ou massa produzida pelos machos de várias espécies de invertebrados que contém espermatozoides sendo integralmente transferida para o oviporo da fêmea durante a cópula.

tratamentos para a varroose: a experiência de Bob Binnie

Nesta recente conversa de Bob Binnie, que me foi sinalizada pelo Marcelo Murta, uma parte importante da mesma é dedicada a considerações interessantes sobre diversos tratamentos/medicamentos, a saber: toalhetes de ácido oxálico misturado em glicerina (propostos e desenvolvidos por Randy Oliver); Apivar; Apiguard; ácido oxálico sublimado.

Os toalhetes de ácido oxálico misturado em glicerina foram submetidos a um estudo de eficácia pela Universidade da Geórgia em colónias fornecidas pelo Bob Binnie. Os resultados foram muito pouco satisfatórios como revela o próprio. A elevada humidade da região é a razão provável para estes maus resultados. Randy Oliver já havia referido, há algum tempo atrás no seu blog e/ou Bee-L, resultados decepcionantes deste veículo de ácido oxálico em territórios com elevada humidade ambiental, contudo sugere outra explicação, como veremos noutra publicação a surgir num futuro próximo. O Randy está novamente a ensaiar a opção de um veículo em cartão, opção mais próxima da originalmente proposta pela cooperativa argentina que tornou conhecida esta modalidade de tratamento com o nome Aluen Cap.

Sobre o Apivar, Binnie refere que na aplicação que fez no passado mês de agosto a sua eficácia não foi tão boa como tem sido no passado. Apesar disso diz que vai voltar a utilizá-lo este próximo mês de agosto. Nas entrelinhas da conversa parece-me que está céptico em relação à tese de estar na presença de varroas resistentes ao amitraz.

Relativamente ao Apiguard, faz a habitual recomendação acerca do cuidado que deve haver quando se aplica com temperaturas elevadas, isto é temperaturas acima dos 30ºC-35ºC, e recomenda um regime de aplicação de metade da dose (25 gr.), repetida três vezes, com uma renovação da dose 7 a 10 dias após o início da aplicação anterior. Esmiuçando para ficar muito claro, significa por ex. colocar a primeira dose de 25 grs. dia 1, renovar com segunda aplicação dia 8 e, finalmente, aplicar terceira dose dia 15.

Fogger ou nebulizador/vaporizador

Quanto ao tratamento por sublimação do ácido oxalico com o “fogger”, Joe May refere a simplicidade na sua utilização, mas com resultados inconsistentes devido a um débito inconstante destes nebulizadores. Por seu lado Bob Binnie aponta a baixa eficácia de vários programas de tratamento com ácido oxálico sublimado na presença de criação (não me surpreende! Já desde 2016 que leio relatos de resultados insatisfatórios no Beesource). Os programas de tratamento com sete dias de intervalo, repetidos por três vezes, são um fracasso de acordo com a sua opinião. Mais, refere um estudo conduzido por Jennifer Berry, ainda por publicar, onde se avaliou um regime 5 a 6 de aplicações a cada cinco dias e no qual não se conseguiu baixar a taxa de infestação. Refere que o número de ácaros no final das rondas era igual ao número de ácaros presentes no início do tratamento. Refere que alguma investigação tem identificado uma fase de dispersão dos varroas (fase forética) de apenas 4 dias. Posso acrescentar a este propósito que testes em laboratório identificaram varroas com a fase de dispersão a durar menos de 24 horas — ver Rosenkranz et al., 2010, num artigo que permanece um dos melhores feitos até à data sobre o ciclo de vida e biologia deste irredutível inimigo das abelhas. Bob Binnie diz que Jennifer Berry vai prosseguir a sua investigação e reduzir os intervalos entre aplicações a 3 dias. Isto significa que para apanhar um ciclo completo de criação (21 dias para obreiras e 24 dias para os zângãos) serão necessário fazer entre 7 a 8 aplicações de um ácido muito potente sobre as abelhas e sua rainha. Para além dos custos em tempo, trabalho, deslocações e gasto de material, fico apreensivo sobre os efeitos que poderá ter sobre o elemento mais longevo da colónia, a rainha, 7 a 8 aplicações de um químico tão potente como é o ácido oxálico em tão curto espaço de tempo. Caso fosse eu a dirigir este programa quereria avaliar também eventuais efeitos sub-letais deste regime intensivo de aplicações de ácido oxálico sobre as rainhas.

Felizmente há um maneio alternativo, entre outros, muito mais amigável para as abelhas e creio também para o apicultor, para quem deseje utilizar o ácido oxálico sublimado numa fase da vida da colónia em que há muita criação operculada presente.