notas avulsas de um apiário

Ontem arrisquei carregar 10 meias alças que tinha crestado uns dia antes e rumar ao apiário onde convivem castanheiros e azinheiras. A esperança de ainda as encherem com a melada dos azinhos é pequena, mas suficiente para me ter motivado. Feita a inspecção às 16 colónias Langstroth em produção lá estacionadas, acabei por decidir colocar meias-alças em 5 colónias.

Contando as colónias onde coloquei as meias-alças.

É neste apiário que se encontra a colónia que passou pelo processo Demaree para controlar a enxameação — ver aqui e aqui. Ontem o seu sobreninho apresentava estes quadros:

Aproveitei a deslocação para iniciar o terceiro e último tratamento do ano nos núcleos presentes.

Procedi à recolha de abelhas adultas para efectuar o cálculo da taxa de infestação por varroa neste apiário.

Em casa e de acordo com os procedimentos descritos na publicação anterior encontrei 3 varroas numa amostra de cerca de 550 abelhas.

0,5 % de taxa de infestação de acordo com a amostra de abelhas recolhidas. Noto que as abelhas foram retiradas de duas colónias estabelecidas com mais de uma ano e de duas outras colónias novas onde foram introduzidas rainhas virgens em abril. Deste aspecto decorre um período de cerca de 12 dias sem postura, período durante o qual se interrompe a fase reprodutiva na população de varroas.

estratégia de tratamentos: números e decisões

Aqui e ali, nas redes sociais, recebo umas “bocas” a chamarem a minha atenção para o facto de na apicultura “2+2 não serem 4” e “a apicultura não ser uma ciência exacta”. Este tipo de comentários revela pelo menos duas coisas aos meus olhos: 1) não me conhecem nem conhecem o que escrevo, ainda que julguem que sim; 2) mais grave, desconhecem que todos os fenómenos naturais têm uma tradução matemática.

A utilidade dos números na apicultura.

Vem isto a propósito de umas contas que vou passar a apresentar. Na publicação anterior identifiquei a taxa de infestação pelo ácaro varroa em abelhas adultas nas colónias de um apiário. Fui interpelado por um amigo se tinha ideia da taxa de eficácia das tiras de ácido oxálico que coloquei em finais de junho. Respondi que sim, isto apesar de não ter feito um teste de campo. Esta resposta assenta nos cálculos que realizei. De acordo com estes cálculos, a taxa de eficácia rondará os 65%. Como cheguei e este valor?

  1. Terminado o primeiro tratamento do ano, a taxa de eficácia ter-se-á situado nos 98% (três tiras de Apivar por ninho — ver nesta publicação: “A avaliação pós-tratamento nos mesmos apiários revelou uma infestação entre os 0,2% e os 0,4%. A monitorização foi feita com a recolha de abelhas adultas e posterior lavagem das mesmas em água com detergente para as varroas se soltarem das abelhas, filtradas através de um coador de mel com duas malhas (técnica com boa fiabilidade)”. De acordo com esta percentagem de eficácia terão sobrevivido 2% de varroas tendo em consideração a sua população total;
  2. Assim sendo, no final de julho — 3 meses passados o primeiro tratamento — a taxa de infestação em abelhas adultas rondaria os 3,2 %, considerando uma duplicação do seu número por cada 30 dias passados (0,4×2=0,8×2=1,6×2=3,2);
  3. Atendendo que no teste de campo ontem realizado encontrei uma taxa de infestação de 1,1%, a diferença entre este valor e o valor previsível (3,2%), caso não tivesse efectuado o tratamento intermédio com as tiras de oxálico, é de 2,1.
  4. Para o cálculo de eficácia destas tiras considerei que 100% de eficácia seria eliminar os 3,2% previsíveis. Como “apenas” se eliminou 2,1% (3,2-1,1=2,1) quanto representa percentualmente um abaixamento de 2,1? Fazendo uma regra de “três simples”, a calculadora diz-me que a percentagem de eficácia das tiras de oxalico é de 65,6% ( 2,1×100/3,2= 65,6%).

Em conclusão, o tratamento com as tiras de oxálico está perfeitamente justificado na minha estratégia de tratamentos da varroose:

  • faz baixar o suficiente a taxa de infestação durante o período de fluxo de néctar;
  • a sua taxa de eficácia é suficiente para o considerar um bom tratamento intermédio;
  • esta taxa de eficácia é baixa para pôr a hipótese de não efectuar um terceiro tratamento.

Ainda que a minha apicultura assente em dados numéricos, muito úteis para avaliar o caminho que estou a fazer, é óbvio —para quem me conhece e lê com olhos de ler as minhas publicações — que esta apicultura não se resume a números. Trabalho, observações, leituras, reflexões, hipóteses, cálculos, avaliações e tomada de decisões serão um resumo mais justo e completo.

cálculo da taxa de infestação de abelhas adultas pelo ácaro varroa: os meus procedimentos

Hoje, com minha esposa, realizei os procedimentos necessários e adequados — assim o espero — para obter uma ideia precisa da taxa de infestação das abelhas adultas num dos apiários onde pretendo iniciar nos próximos dias o tratamento de verão da varroose, com recurso às tiras de Apivar.

Tendo efectuado neste ano, e até à data, dois tratamentos, o primeiro com recurso a tiras de Apivar, colocadas na última semana de janeiro, o segundo com recurso a tiras com ácido oxálico colocadas em finais de junho, pretendo iniciar este terceiro e último tratamento com uma taxa de infestação das abelhas adultas abaixo dos 3%. Sei por intermédio de leituras e observações pessoais que todos os medicamentos, ou quase, são muito menos eficazes quando a taxa de infestação ultrapassa esta percentagem. Sei também que o medicamento deve ser colocado em agosto para garantir que as abelhas de inverno, que vão começar a ser criadas nas duas a três semanas seguintes, devem ser nutridas num ambiente saudável, com poucas varroas e poucos vírus.

Assim sendo, munidos dos conhecimentos e equipamentos para fazer este teste à infestação por varroa, a minha esposa e eu passámos à acção.

Em baixo fica o foto-filme das etapas, procedimentos e equipamentos utilizados para este propósito.

Preparação do líquido e recipiente que vai ser utilizado para proceder à lavagem de abelhas.

No apiário, identifiquei 6 colónias que ao longo da época estiveram fortes, com muita criação ao longo dos últimos 4 meses. Nessas 6 colónias sacudi abelhas dos quadros com criação, isto depois de ter posto de lado o quadro onde andava a rainha.

Localização do quadro onde andava rainha.
Abelhas a serem sacudidas.
Um pequeno número destas abelhas foram sacrificadas para o bem maior de cerca de um milhão de abelhas que habitam as colónias deste apiário.
Uma etapa emocionalmente difícil!

De regresso a casa, procedi à lavagem e coagem de abelhas e ácaros.

Abelhas recolhidas do ninho de 6 colónias diferentes num apiário com 27 colónias.
Abelhas num coador de mel com duas malhas e lavagem com água da torneira.
5 varroas recolhidas na malha fina do coador
5 varroas recolhidas em quantas abelhas?
Contagem das abelhas em montes de 10.
45 grupos de 10 abelhas + 2 abelhas
Taxa média de infestação nas 6 colónias: 1,1%

Análise retrospectiva e análise prospectiva: Com uma taxa de 1,1% de infestação pelo ácaro varroa olho para trás e confirmo a validade e adequação da estratégia de tratamentos que estou a seguir este ano. Por outro lado, e olhando agora para a frente, esta taxa permite-me estar muito confiante, pois antevejo que o tratamento de verão tem tudo para correr bem, uma vez que a taxa de infestação está bem abaixo dos 2 a 3%. Este é o limiar máximo que os mais conhecedores e mais cuidadosos apicultores que conheço recomendam para iniciar o tratamento. Isto se os apicultores meus vizinhos também estiverem a fazer o que devem fazer e na altura em que o devem fazer. Quando os ouriços se começam a formar nos castanheiros, pode ser a mnemónica?

Foto de Júlia Gomes (31-07).

vendo mel claro da colheita de 2021 enfrascado

Dou inicio à comercialização do mel de minha produção de 2021 na modalidade enfrascado. A origem: flores silvestres na fronteira do Parque Natural da Serra da Estrela. Destino: consumidor que valoriza a qualidade do mel que coloca à sua mesa.  Os frascos ao dispôr são de 1Kg, 0,5Kg e 0,25 Kg.

Deixo a tabela de preços* aos interessados:

1 Kg = 6,40 €;

0,5 Kg = 3,70 €;

0,25 Kg = 2,30 €.

* (ao qual acresce o IVA à taxa de 6%)

Aceitam-se encomendas para quantidades não inferiores a 36 Kg, a entregar dentro dos limites do distrito da Guarda e/ou distrito de Coimbra. Para quantidades inferiores e/ou para fora dos limites destes dois distritos os encargos com o transporte são da responsabilidade do comprador.

Estou disponível neste endereço electrónico para receber as encomendas e detalhar o que entenderem necessário: [email protected]

As fotos em baixo foram tiradas na minha UPP em 26.07.2021 e retratam etapas do processo de extracção e enfrascamento.

mel claro: continuação da cresta de 2021

Ontem continuei, com a ajuda do Frederico Passas, a cresta dos meis claros no apiário das Langstroth a 600m de altitude.

Hoje, com a ajuda de minha mulher, voltei ao apiário das Lusitanas, para continuar a cresta iniciada a 3 de julho.

Apiário que combina três tipos de colónias: colónias novas só no ninho, colónias com grelha excluidora que serviram aos desdobramentos pela técnica Doolittle e colónias dedicadas exclusivamente à produção, as mais altas.

As colónias que serviram aos desdobramentos, às quais já crestei um sobreninho, hoje crestei-lhes uma meia-alça (alça) como a da foto em baixo.

Depois de tantas malfeitorias, a pior delas obrigar a rainha a manter-se no ninho desde praticamente o início de março, estas colónias acabam a produzir cerca de 40 kgs de mel.

Saídos de casa com algum sol por detrás de nuvens altas, chegámos a casa com névoa e um borrifo. Melhor para a melada!

Nota: Fred poderá haver quem pense “bo bem mou finto”, apesar de ontem teres testemunhado o mesmo no apiário das Langstroth.

do campo para o “laboratório”: análise da presença/ausência de varroa em pupas de zângãos

Ontem, com a ajuda do Pedro Miguel, continuei a cresta das colmeias situadas no território das marcavalas e dos castanheiros. Verifiquei que coexistiam quadros em três estágios de progressão: quadros maduros, com mel operculado de travessão a travessão (os que trouxe para a extracção), quadros com mel verde por opercular e que pingavam néctar quando sacudidos e quadros com parcelas de criação operculada (os que ficaram nas colmeias para cresta futura, dentro de duas a três semanas).

Assim como os quadros nas colmeias, também os castanheiros estão em estádios diferentes de maturação da sua floração: o mais distante apresenta as candeias abertas e bem floridas, o mais próximo apresenta as candeias semi-secas.

Hoje, com a ajuda de minha mulher, terminei a primeira fase da cresta deste apiário. Como habitualmente, surgem favos adventícios entre as meias-alças, utilizados frequentemente para criação de zângãos. Nestes casos aproveito para trazer alguns para casa para fazer uma análise mais atenta da presença/ausência de varroa.

Exemplo de um favo adventício com criação de zângão.
Recolha de pupas de zângão.
Ajuda de minha mulher.
O mais indicado é efectuar a recolha de pupas de zângão no estádio olhos violeta.
Foram recolhidas 30 pupas de zângão.

Este tipo de análise é meramente indicativo, muito falível e porventura enganador acerca do nível de infestação por varroose. Contudo, o facto de em 30 pupas de zângãos não ter encontrado uma única varroa indica que alguma coisa estarei a fazer bem no que ao tratamento da varroose concerne. Convém-me, mesmo assim, manter os pés bem assentes no chão e não desrespeitar os timings de verão para o tratamento principal e o mais crítico da varroose. Na esperança que o relativo fracasso do ano passado no controlo da varroose me tenha ensinado o que de substantivo tinha que aprender para fazer melhor este ano. Até ao momento, os sinais são encorajadores, na luta contra o pior e mais previsível inimigo das abelhas — previsível porque a varroa não faz prisioneiros, ou a controlamos a tempo e horas ou ela massacra os seus hospedeiros.

o fracasso dos programas de seleção para a resistência ao ácaro varroa

Randy Oliver escreveu recentemente no Bee-L acerca dos progressos, lentos, e dos obstáculos inesperados e inexplicados com que o seu programa para seleccionar e propagar linhas de abelhas resistentes ao ácaro varroa se está a confrontar. Atentem ao elevado número de lavagens de abelhas que são realizadas, em todas ou quase todas as colónias, para monitorar o nível de resistência de cada. Este caso de progressão lenta ilustra bem o relativo fracasso de tantos e tantos programas levados a cabo nestas duas últimas décadas para seleccionar, preservar e massificar linhas de abelhas resistentes ao varroa, e isto apesar de todo o investimento feito. Realisticamente, uma solução simples e rápida, que possa ser passada de apicultor em apicultor, de apiário em apiário, de território em território está longe de ser encontrada, é um objectivo ainda longínquo, mas o sonho permanece… sempre!

Dois pequenos vídeos com Randy Oliver a exemplificar como fazer no apiário uma lavagem de abelhas com álcool para determinar o nível de infestação nas abelhas adultas.

(Randy Oliver escreve:) Este tópico está muito na minha mente, já que estamos a meio de nossa primeira rodada de lavagem de ácaros nesta temporada para identificar quais são as colónias, com novas rainhas filhas de colónias resistentes. Estamos a realizar entre 1000 e 1500 lavagens de ácaros para selecionar as criadoras com potencial, que então serão submetidas a lavagens uma vez cada mês para confirmar [a resistência].

Já fazemos isso desde 2017, substituindo todas as nossas rainhas a cada ano
apenas com rainhas filhas de mães de colónias rigorosamente comprovadas
como resistentes aos ácaros. O que aprendi é que existe uma falta frustrante
de herdabilidade. Só porque a colónia mãe era completamente à prova de ácaros, não significa que as filhas da rainha daquela colónia resistente irão liderar colónias resistentes.

Estamos progredindo e, ao longo dos anos, passámos de menos de 1%
de colónias exibindo resistência para mais de 7%, mas longe de 95%. E
isto [acontece] com um programa de seleção rigoroso de acasalamentos amplamente controlado. Neste verão, planeamos realizar acasalamentos em alguns locais de grande altitude, onde não há zângãos externos.

Estou surpreso, depois de criarmos facilmente abelhas com esta ou aquela cor, temperamento, comportamento higiénico, ou resistência do ácaro da traqueia, com o quão difícil é preservar o traço resistência à varroa.

Randy Oliver
Grass Valley, CA
530 277 4450
ScientificBeekeeping.com

Nota: sobre os avanços e perspectivas na seleção de características de resistência ao ácaro Varroa destructor em abelhas melíferas ver também aqui.

instantâneos de uma tarde com a minha mulher

É alto, ventoso, abundante o território do apiário onde me entretenho no maneio na companhia de minha mulher.

Colocando meias-alças (alças).
Palmerizando.
Confinando a rainha ao ninho.
No lado norte da Serra da Estrela, o horizonte pontuado pelo voo de uma abelha..
Partilhando o território das abelhas.
Com o trabalho concluído é altura de dizer “by by lolita girl”!

mel claro: início da cresta de 2021

Ontem, para o Marcelo Murta, que me veio ajudar, e para mim, o dia começou às 6h45m.

Por volta das 7h50 estávamos a entrar neste apiário de Lusitanas, território das flores com coração, para iniciar a cresta dos méis claros deste ano. O plano era crestarmos os sete sobreninhos lá presentes. Por volta das 9h10 estávamos de regresso a casa, com a carga que tinha sido planeado trazer. As imagens são do início desta cresta e extracção deste néctar prístino, intocado, que fluiu de forma natural e primitiva entre as abelhas.

Umas das sete colónias com sobreninho crestadas.
5 dos 10 quadros foram transferidos para o corpo vazio colocado à esquerda. Cada sobreninho pesava aproximadamente 45 kgs.
Corpo com 5 quadros depois de desabelhado por um soprador.
Crestado o sobreninho, a colónia fica com uma meia-alça (alça) e excluidora de rainha.
Chegada a casa com 14 corpos cada um com 5 quadros.
Fotografia de um quadro…
Caindo para um coador, um mel de cor clara, cujo paladar e aroma muito frutado e persistente, fazem dele um mel surpreendente e muito apreciado por todos os que o provaram..

A todos nós que iniciámos a cresta, ou a vamos iniciar, desejo uma boa cresta e colheita. Que o semeado ao longo de meses tenha agora correspondência no que colhemos.