quantidade da dieta influencia a determinação de castas em abelhas (Apis mellifera)

Abelha rainha ou abelha mãe.

“Nas espécies que cuidam da sua prole/descendentes, o aprovisionamento de alimento disponível para o seu desenvolvimento tem efeitos profundos nas características da prole. O aprovisionamento é importante nas abelhas porque os aspectos nutricionais determinam se uma fêmea se torna uma rainha reprodutora ou operária estéril. Pensa-se que uma diferença qualitativa entre as dietas larvais de rainhas e operárias conduza a essa divergência (1); no entanto, nenhum composto isolado parece ser responsável pela diferenciação (2). A quantidade da dieta pode ter um papel durante a determinação das castas de abelhas, mas nunca foi formalmente estudada. Nosso objetivo era determinar as contribuições relativas da quantidade e qualidade da dieta para o desenvolvimento da rainha. As larvas foram criadas in vitro com nove dietas variando a proporção de geleia real e açúcares [aspecto qualitativo da dieta], e foram alimentados com oito quantidades diferentes [o que perfaz 72 regimes alimentares distintos] (3) . Para a dieta situada a meio da escala [na escala de proporção de proteína e açucares/carboidratos da dieta] (4), foi incluído um tratamento com quantidade ad libitum [à vontade]. Após a emergência, as características de rainha foram determinadas usando uma análise de componentes principais (CP) através de sete medidas morfológicas (5). Descobrimos que as larvas alimentadas com uma quantidade ad libitum de dieta eram indistinguíveis das rainhas criadas comercialmente, e que as características de rainha eram independentes da proporção de proteína e açucares na dieta (6). Nem o teor de proteínas nem os carboidratos tiveram influência significativa no primeiro componente principal (CP1), aquele que explicou 64,4% da diferença entre rainhas e operárias (7). Por outro lado, a quantidade total de alimento explicou uma quantidade significativa da variação no CP1 (8). Grandes quantidades de dieta no instar final [o que ocorre no 6º dia de desenvolvimento larvar] foram capazes de induzir os traços da rainha, contrariamente à sabedoria recebida de que a determinação da rainha só pode ocorrer até ao terceiro instar [o que ocorre no 3º dia de desenvolvimento larvar] (9). Estes resultados indicam que a quantidade total de dieta/alimento fornecida às larvas pode regular [condicionar] a diferença entre castas de rainhas e operárias nas abelhas. (10)”

O conhecimento convencional refere que a diferenciação entre as castas de abelhas fêmeas ocorre, o mais tardar, até ao 3º instar larvar. De acordo com os dados obtidos pelos autores deste estudo esta diferenciação pode ocorrer até ao último instar larvar, isto é, até ao 6º dia de desenvolvimento larvar, e se as larvas forem alimentadas com grandes quantidades de dieta apropriada.

(1) Desde a década de 1890, acredita-se que a qualidade da dieta determina casta nas abelhas através de uma ‘substância ativa biológica’ encontrada apenas na geleia real que ativa uma chave [epigenética] de desenvolvimento das rainhas.

(2) Embora os estudos tenham mostrado inicialmente que as proteínas eram reguladoras-chave da casta, os estudos de acompanhamento/aprofundamento falharam em reforçar estes dados iniciais.

(3) A menor quantidade de dieta (160 µl) foi adoptada a partir de métodos in vitro anteriores, porque essa quantidade produz abelhas operárias. A quantidade foi aumentada em incrementos de 30 µl de 160 µl até 370 µl para produzir os outros tratamentos. Houve um tratamento ad libitum adicional no qual as larvas eram alimentadas com um excesso acima do que podiam consumir. Todas as larvas foram alimentadas com a mesma quantidade durante os primeiros 5 dias de desenvolvimento: dia 1: 10 µl, dia 2: 10 µl, dia 3: 20 µl, dia 4: 30 µl e dia 5: 40 µl, totalizando 110 µl de dieta durante os 5 dias. Durante o sexto dia de desenvolvimento, as larvas foram alimentadas com quantidades diferentes, dependendo do tratamento da quantidade da dieta, de modo que a quantidade total da dieta variou de 160 µl a 370 µl. No tratamento ad libitum, as larvas foram alimentadas com 200 µl por dia até à purga intestinal. Os tratamentos com grande quantidade de alimento produziram uma alta proporção de rainhas. Por exemplo, o tratamento ad libitum produziu 100% (20 de 20) rainhas e o tratamento de 370 µl produziu 58% de rainhas (19 de 33). Nos tratamentos de menor quantidade de alimento (220, 190, 160 µl), apenas três rainhas foram produzidas.

(4) A dieta de referência (dieta com proteínas e carboidratos em níveis médios) foi baseada num estudo anterior que estabeleceu o desenvolvimento de operárias induzidas pela dieta. A geleia real continha 12,35% de proteína, 27% de carboidratos e 56% de água. Esses valores foram utilizados para calcular a percentagem de macronutrientes em cada dieta.

(5) A morfometria de adultos pode separar e classificar castas. As mandíbulas, o basitarso e a cabeça dos adultos foram dissecados e fotografados. As medidas morfométricas incluíram peso húmido corporal total, largura e comprimento do basitarso, largura e comprimento da mandíbula e largura e comprimento da cabeça.

(6) Os resultados indicam que esses componentes qualitativos parecem não determinar a casta quando a quantidade de alimentos é controlada. Dietas ricas em carboidratos produzem mais rainhas quando a quantidade da dieta não é controlada. Royalactin (MRJP-1) e Major Royal Jelly Protein-3 (MRJP-3) são considerados os principais componentes da geleia real que influenciam o desenvolvimento da rainha, mas nenhum estudo controlou a quantidade da dieta. Nossos resultados indicam que esses componentes qualitativos parecem não determinar a casta quando a quantidade de alimentos é controlada e esses fatores qualitativos devem ser reavaliados para determinar se desempenham ou não um papel importante no desenvolvimento da casta.

(7) Quando o conteúdo de proteínas e carboidratos é alterado em quantidades controladas na dieta, o desenvolvimento e a sobrevivência são afetados, particularmente em dietas com pouca proteína. Observamos um resultado semelhante de alta mortalidade em dietas com pouca proteína. No entanto, a proporção de proteínas e carboidratos não parece determinar a casta nas abelhas.

(8) Nosso estudo corrobora outros estudos que indicaram que o teor relativo de proteínas não controla a diferenciação da rainha. Nossos resultados indicam que a quantidade da dieta tem um papel maior no desenvolvimento da rainha do que a qualidade, e estudos futuros devem controlar a quantidade da dieta ao testar sistematicamente macronutrientes no desenvolvimento de castas.

(9) O terceiro dia foi considerado a janela crítica para a determinação da rainha, mas nossos resultados sugerem que o status reprodutivo pode ser mantido até ao sexto dia se houver comida suficiente.

(10) Os miRNAs e o ácido p-cumárico encontrados no pólen inibem o desenvolvimento dos ovários e estão presentes apenas na dieta de larvas destinadas às operárias. No nosso estudo, baixas quantidades de alimentos inibiram o desenvolvimento da rainha. Nos tratamentos com menor quantidade de alimento (220, 190, 160 µl), apenas três rainhas foram produzidas.

fonte: https://royalsocietypublishing.org/doi/10.1098/rspb.2020.0614

Nota: este estudo, com um desenho experimental elegante e complexo, aprofunda uma linha de investigação, que visa identificar as variáveis independentes que melhor explicam a diferenciação de castas nas abelhas fêmeas. Do que entendi e procurando simplificar e resumir, a quantidade de alimento influencia de forma importante a diferenciação até ao 5º instar larvar, isto é, quantidades elevadas de dieta apropriada, mesmo que fornecidas no 6º dia do estádio larvar, contribuíram para que 58% dessas larvas tenham evoluído para abelhas-rainha. Este estudo reforça a ideia que tal como noutros insectos sociais (vespas e vespões, por ex.), também nas abelhas melíferas a quantidade de alimento, não apenas a sua qualidade, tem um papel decisivo na diferenciação entre fêmeas reprodutivas e fêmeas estéreis. Verificou-se também que dietas ricas mas em quantidades baixas não foram suficientes para fazer evoluir as larvas no sentido da formação de abelhas-rainha num número significativo de casos. Este estudo, e outros nesta linha, visam fornecer a indústria de criadores de rainhas (em especial a norte-americana) de conhecimentos que lhe permita melhorar a qualidade das rainhas que coloca no mercado e que tem sido alvo de críticas num passado recente.

buckfast bees: a experiência de André Silva

Um grande agradecimento ao André Silva por ter aceite o meu desafio para escrever umas linhas a testemunhar a sua experiência com abelhas de linhas exóticas, neste caso em particular, com abelhas da linha buckfast. Para quem não conheça o André, posso dizer que para além de uma excelente pessoa, do seu dinamismo empreendedor, da sua coragem comercial, da sua abertura à experimentação, é um apicultor muito experimentado, que se tem dedicado à criação e comercialização de abelhas rainha entre outros produtos da colmeia. Tem a sede da sua operação apícola na bela Madeira. Deixo-vos o testemunho do André:

“Como Apicultor e apaixonado por abelhas, tenho um apiário que fica mais isolado no qual vou fazendo as minhas experiências com algumas raças de abelhas e cruzamentos, dai vejo o que funciona ou não e tiro as minhas conclusões.

Vemos aqui o André trabalhando num dos seus apiários da ilha da Madeira.

 A experiência que hoje vou partilhar é sobre as abelhas buckfast. A famosa abelha selecionada pelo Irmão Adam e durante algum tempo considerada por muitos a melhor abelha do mundo. 

Comprei e ofereceram-me algumas F0 a partir das quais fiz algumas F1. Uma abelha muito bonita e fácil de trabalhar pela sua mansidão, mas que me tem desiludido noutros aspectos, em particular na produção e capacidade de fazer reservas no inverno. 
Por tudo o que já li sobre esta abelha estava com expectativas muito altas. Realmente é uma abelha calma que fascina qualquer amante de abelhas quando levanta uma prancheta de uma colmeia buck, contudo apresenta pouca capacidade de produção em F0. Esta abelha tem um periodo de invernagem longo sendo quase impossível fazer recolha das florações de inicio do ano, como é o caso da floração do eucalipto. Enquanto as negras fazem algumas alças de mel de eucalipto esta abelha continua a «dormir» despertando só na primavera. Quando «acorda» tem um desenvolvimento rápido e exponencial, e se estiver numa zona de floração longa até armazena algum mel. Noto também que desde que o clima e temperaturas sejam favoráveis não fazem o abrandamento de postura de acordo com os fluxos e florações, obrigando o apicultor a estar atento e preparado para, no inverno, alimentar as colónias frequente e massivamente para as ajudar fazer face à escassez de reservas para tanta abelha criada em assincronia com o meio envolvente. 
Talvez seja uma boa abelha para países com grandes florações e com períodos meteorológicos bem definidos, que obrigue a rainha a parar a postura cedo para entrar ajustadamente no período de invernagem. 


Muitos dos testemunhos que se ouvem acerca da produção de abelhas buckfast em Portugal penso que se referem já a rainhas F1, ou seja um híbrido de bucksfast. 
Os melhores resultados que tive desta abelha foi mesmo com híbridas F1, cruzadas com machos caucasianos, onde constatei que aumentavam as suas reservas e mantinham a sua mansidão. 

É uma abelha que cada vez mais vou descobrindo e tem sido uma desilusão. Penso que não foi esta abelha que o Irmão Adam deixou. A buckfast neste momento caminha a passos largos para uma abelha de «carne», não para uma abelha de produção. Não sei o que os criadores desta raça têm feito para a conservação das características originais das abelhas herdadas do Irmão Adam, mas arrisco-me a dizer que o foco tem sido em mantê-las apenas calmas para ser uma abelha de reprodução no estado híbrido. 

Neste momento sinto-me cada vez mais confiante na selecção e trabalho com a abelha negra. Vou-me agarrar à linha que reproduzi em 2018 que chamava de M3. 

Quanto às pessoas que gostam de trabalhar com híbridos é preciso ter consciência que para funcionarem,  e ter bons resultados no que diz respeito à produção, tem de ter um criador de rainhas que lhes forneça rainhas fecundadas em F1 … e que tudo o que passar dai é «lixo», não vai funcionar, com a agravante de que até essas linhas voltarem a estabilizar é preciso muito tempo. 
Boas apis a todos.”  André Silva

Altura de cresta num dos apiários do André.

Em boa parte julgo que a decepção que o André teve com as actuais buckfast (que alguns ingleses já apelidam jocosamente de “fastbuck”, isto é, “dinheiro rápido”) está ou na falta de competência dos actuais criadores, ou na sua falta de seriedade, ou na falta de condições, ou tudo isto junto. Acerca das condições dos apiários de acasalamento o Irmão Adam é mutíssimo claro acerca da sua importância quando escreveu: “Tudo isso [referindo-se ao programa de melhoramento da abelha buckfast que liderou ao longo de muitas décadas, num apiário isolado em Dartmoor] seria impossível sem um apiário devidamente isolado. Os apicultores suíços deram ao mundo um exemplo valioso na sua criação científica de abelhas pela introdução de estações de acasalamento. A inseminação artificial é de grande valor científico, mas o uso de apiários de acasalamento ainda é o único meio pelo qual podemos produzir rainhas confiáveis de super qualidade.”

Nota: em Portugal há uns quantos criadores de abelhas de linhas exóticas. Não estão a infringir nenhuma lei do país que eu conheça. Esta publicação não é para eles, por isso dispenso os seus comentários, porque nem eu os convencerei a mudar de linha de acção nem eles me convencerão que estou errado, ou que o André não observou o que observou. Acredito que estamos bem conscientes das vantagens, limitações e desvantagens das linhas exóticas. Este publicação é para os apicultores mais “verdes”, que podem estar a ponderar introduzir linhas exóticas nos seus apiários para experimentar. Como refere o André, a poluição genética depois de introduzida demora a limpar. Se mesmo assim desejarem avançar com a compra não deixem de perguntar ao fornecedor/criador dessas linhas se tem uma estação de acasalamento devidamente isolada que garanta uma fecundação livre na ausência de zângãos ibéricos, condição necessária à boa qualidade das rainhas que pretendem adquirir.

alguns pormenores do maneio numa época de fluxo intenso de néctar

Depois de 3 dias passados a trabalhar as colmeias que possuo nos dois apiários a cotas de 600m, voltei, hoje, ao que está a 900m de altitude. Comecei um pouco antes das 9.00h e terminei pouco depois das 12.00h.

Um dos três apiários que estão instalados neste terreno. Neste momento tem 21 colónias para uma capacidade de 40 colónias.

Uma vez que neste apiário o período de enxameação reprodutiva vai, habitualmente, da segunda/terceira semana de abril até à primeira/segunda semana de junho e porque estou a fazer uma pequena experiência com as grelhas excluidoras de rainhas, resolvi voltar a “mergulhar” nos ninhos das 21 colmeias. Acabei também a colocar mais algumas meias-alças em cima de algumas. Nas 21 colónias encontrei uma enxameada, que já estava “sinalizada a vermelho” da última inspecção no passado dia 25.

Anotações de aspectos críticos no tecto da colmeia.

Como tinha “arrefecido” esta colónia há 4 dias atrás, o enxame primário não parece ter levado os 50-75% das abelhas habituais nestes eventos.

Ninho da colónia enxameada com uma quantidade muito apreciável de abelhas.

Dado que estava bem povoada optei por dividi-la. Para tal fiz um desdobramento vertical com recurso ao tabuleiro divisor.

Tabuleiro divisor utilizado.
Ninho original depois de dividido. Orientei o alvado/entrada no sentido contrário.
A entrada do tabuleiro divisor ficou virada para o lado da entrada original e as abelhas campeiras começaram de imediato a utilizar esta nova entrada e a povoar o ninho/divisão superior.

Nas colónias com grelha excluidora de rainhas não me apercebi do mais pequeno indício de preparação de enxameação.

Colónia do modelo Lusitana com grelha excluidora de rainhas.
Os ninhos estão repletos de quadros desbloqueados que permitem a expressão da qualidade das rainhas de minha produção. “Minha” é uma força de expressão, porque procuro o mais possível deixá-las fazer o que tão bem fazem há milhões de anos: as suas abelhas-mãe.

Entre os diversos argumentos negativos relativos à utilização de grelhas excluidoras sobressaem estes dois: promove a enxameação e funcionam como excluidoras do armazenamento do néctar nas caixas que lhes estão sobrepostas. Acerca do primeiro argumento o que posso dizer é que tenho dúvidas que assim tenha que ser e estou a fazer um teste particular. Conto apresentar os resultados quando tiver mais dados, dentro de uma semana ou duas. Relativamente ao segundo argumento posso afirmar que nas minhas colónias e com as minhas abelhas as excluidoras não funcionam como uma barreira ao armazenamento de néctar nas caixas que lhes estão sobrepostas.

Visão de pormenor de um quadro, retirado de uma caixa colocada sobre uma grelha excluidora, com o néctar recente a brilhar nos alvéolos do quadro.

E, finalmente, imagens da colocação de mais algumas meias-alças com cera puxada, que permitirá acomodar o néctar deste fluxo abundante das marcavalas.

Colocação da segunda meia-alça.
Correndo normalmente e bem estas três colónias poderão produzir entre 160-180 kgs de mel para o apicultor. Ao dia de hoje a primeira meia-alça está praticamente cheia, a marcavala existente no campo deverá dar para encher a segunda meia alça. Lá para a terceira semana de junho começará o fluxo do castanheiro que deverá permitir encher mais duas meias-alças (15 kgs x 4 = 60 kgs). Trabalho não falta, para elas e para mim.

hora de dar espaço de armazenamento: a 900 m de altitude

Ontem, 25 de maio, percorridos os 150 km que me separam de Coimbra dos apiários na Beira Alta, cheguei ao local onde decidi iniciar o maneio esta semana. Dirigi-me ao único apiário que tenho, neste momento, a 900 m de altitude. Cheguei por volta da 14.30h e por lá andei até às 19.00h. Depois da última visita, a 18 de maio (ver aqui), data em que coloquei as primeiras meia-alças sobre as colmeias direccionadas para a produção de mel (este ano direccionei a maior parte das colónias para a produção de enxames), verifiquei que uma boa parte delas estava já a “pedir” outra meia-alça. Com a marcavala no auge, com boas temperaturas (entre os 23-28ºC), com a varroa controlada de forma muito decente, com boas populações de abelhas e com rainhas em “andamentos altos”, tudo se conjuga para uma armazenagem rápida e muito satisfatória. Para este resultado contribui também o facto de estar a fornecer meias-alças com ceras puxadas às colmeias.

A marcavala (Echium lusitanicum), uma “vaca leiteira” nas palavras do meu grande Mestre, o meu pai, com quem comecei a visitar as abelhas, teria eu 7-8 anos.
Algumas das meias-alças que coloquei ontem.
Colónia no ninho e na qual coloquei a primeira meia-alça.
Colónia com a primeira meia-alça, colocada na visita anterior a 18.05.
Uma das meia-alças colocada a 18.05 e já com uma quantidade bastante apreciável de néctar. Verifiquei também a total ausência de criação nas primeiras meias-alças.
Esta foto serve para ilustrar como a combinação de quadros desbloqueados no ninh0 (modelos Langstroth e Lusitana) e fluxos intensos, que rapidamente ocupam as meias-alças, tendem a manter as rainhas, mesmo as mais prolíficas, no local desejado, o ninho.
A segunda meia-alça, para além de aumentar a capacidade de armazenagem da colónia, contribuindo para ninhos pouco bloqueados, facilita também o trabalho das abelhas na desidratação do néctar.
Inclusive colónias orientadas para a produção de enxames, com ninho e sobreninho, são utilizadas em simultâneo para a produção de mel em casos que o justificam.

dia mundial das abelhas, ao lado das abelhas

Hoje, no dia mundial das abelhas, levantei-me cedo e fui, pelo fresco, fazer o que mais e melhor me apetece fazer: estar como profissional (porque é a actividade que me põe o pão na mesa) a trabalhar as minhas colónias com uma atitude descomprimida e sem pressões económicas. Este contexto permite-me fazer algumas coisas de forma diferente do passado, ensaiar e testar algumas ideias e avaliar, com o melhor rigor que me é possível, os resultados alcançados.

Uma das tarefas no apiário que me preencheu estas horas mais frescas, na manhã de um dia que se prevê atingir 28ºC (e mesmo sem t-shirt por baixo do fato este calor faz-se sentir com alguma violência), foi dar seguimento ao que tinha iniciado há cerca de 4 semanas atrás (aqui descrito) e “palmerizar” um conjunto de núcleos. Basicamente, o maneio passou por transferir um ou dois quadros com criação dos núcleos onde coloquei as rainhas das colónias anteriormente orfanadas, para as colónias actualmente orfanadas. A intenção deste maneio visa alcançar 4 objectivos em simultâneo:

  • atrasar/arrefecer o crescimento das colónias nos núcleos, forma de prevenir a enxameação não reprodutiva, cuja causa principal e determinante é o excessivo confinamento da colónia. Este tipo de enxameação sucede o período da enxameação reprodutiva. Do ponto de vista do maneio, a enxameação não reprodutiva ocorre sobretudo por falta/atraso de maneio adequado por parte do apicultor. Já a enxameação reprodutiva pode suceder mesmo no caso de um maneio adequado do apicultor;
  • equilibrar os grupos etários/cohortes das abelhas nas colónias previamente orfanadas. Este equilíbrio visa fornecer às jovens rainhas já nascidas, e a iniciar postura, abelhas com a idade certa para “amamentar” as novas larvas que surgirão da sua postura;
  • fornecer quadros que ficarão desbloqueados imediatamente depois desta criação, hoje oferecida, emergir, e propiciar uma boa quantidade de alvéolos disponíveis para um novo ciclo de postura das jovens rainhas;
  • fortalecer estas novas colónias com mais abelhas, com o objectivo de estarem capazes de trabalhar as meladas do castanheiro e azinheira, que surgirão previsivelmente dentro de um mês e meio a dois meses.

Em baixo deixo o foto-filme do que me encantou fazer hoje com as minhas abelhas, no dia mundial das abelhas.

Núcleo onde coloquei, há cerca de 3 semanas atrás, a rainha da colónia orfanada, em baixo.
Foto de hoje da colónia orfanada há cerca de 3 a 4 semanas atrás.
Abertura de um espaço para colocar dois quadros com criação na colónia orfanada.
Quadros com criação retirados de um dos núcleos hoje trabalhados.
Foto de detalhe de um dos quadros com criação introduzidos numa das colónias orfanadas.
Quadro com cera laminada rígida, muito apreciada pelas abelhas, e mais resistente às elevadas temperaturas dos próximos dias.
Recolocação do núcleo em cima da colónia. Será levado para outro apiário assim que se confirme a presença de uma rainha nova em boa postura na colónia em baixo.

Neste dia, envio um abraço a todos os que gostam de passar umas horas junto das abelhas e/ou lhes reconhecem o importante serviço ecossistémico que prestam a todos nós.

olá vera prima: a 900 m de altitude

Finalmente a primavera parece ter chegado aqui, ao lado norte da Serra da Estrela! No apiário que tenho a 900 m de altitude vejo, pela primeira vez neste ano atípico, que ao sacudir abelhas dos quadros para além das abelhas também cai néctar recente. Até aqui tem sido necessário suplementar com pasta. Estou certo que, caso o não tivesse feito regularmente, teria uma mortalidade por fome entre 90-95% das colónias. Consegui “aguentar o barco” e a mortalidade foi um redondo zero.

A primeira floração significativa, que dá néctar às abelhas e ao apicultor, neste apiário, o meu pai ensinou-me a chamar-lhe marcavala: uma “vaca leiteira” para as abelhas, nas suas palavras.

A marcavala hoje: excelente planta nectarífera, que dá um néctar muito claro, e que exsuda geralmente durante cerca de 3 a 4 semanas, entre o início e final de maio. Este ano começou a exsudar mais de 15 dias mais tarde.
Abelha libando na flor da marcavala (hoje).

Entre outras tarefas do dia de hoje, coloquei as primeiras meias-alças sobre uma série de colónias que estou a dedicar de corpo inteiro à produção de mel. Como de há vários anos para cá, prefiro que as primeiras meias-alças sejam com quadros com cera puxada. Verifico que as abelhas reconhecem mais rapidamente esse espaço como seu, e tendem a assenhorar-se dele logo nas horas seguintes.

Quadros de meia-alça com cera puxada, meio caminho andado para uma boa produção.
Com mais de 5 mil abelhas para nascer nos próximos dias em cada quadro como o da figura, estou optimista. Mas… só depois do mel estar nos potes/bidões se fazem contas certas.
Algumas das colmeias que receberam hoje a primeira meia-alça.

A terminar uma imagem do meu companheiro habitual dos últimos 5 anos. Há coisas que valem bem o “dinheirão” que se dá por elas, e este fato é um exemplo disso.

tudo tem o seu tempo: colocação de grelhas excluidoras de rainhas

Entre os vários equipamentos de apicultura as grelhas excluidoras de rainhas é dos que suscita os debates mais acesos entre apicultores, com os seus defensores acérrimos e os seus detractores empedernidos. Mais uma vez, como noutros casos, a utilização que faço deste equipamento é pontual, não é sistemática, é casual, não é universal, é temporária, não é permanente. Utilizo este equipamento mais regularmente nas colónias com sobreninho, muito raramente em colónias com ninho e meias-alças; em colónias que serão divididas, ou que doarão abelhas, ou quadros com criação ou quadros com reservas; são colocadas preferencialmente após o período de enxameação reprodutiva e são tiradas no final do verão, senão antes. Em baixo deixo um foto-filme deste maneio realizado em várias colónias no dia de hoje.

Colónia do modelo Langstroth com ninho e sobreninho.
Separação do ninho e sobreninho.
Transferência da rainha (espero que sim) e dos quadros com criação aberta e operculada e maiores áreas de criação do sobreninho para o ninho. Este é um processo de inversão quadro-a-quadro.
Acomodados os 8 quadros com criação e mais dois quadros com reservas nas posições 1 e 10, chega a altura de colocar a grelha excluidora no topo do ninho (não procurei a rainha mas confio que tenha “viajado” nos quadros com criação mais recente para o ninho, onde pretendo que ela permaneça).
Colocação do sobreninho onde serão colocados os 10 quadros restantes.
Nas laterais coloco os quadros com reservas (pólen e néctar) e no centro coloco quadros com criação fechada que não tiveram lugar no ninho.
Configuração final da colmeia da base para o topo: ninho, grelha excluidora de rainhas, sobreninho (que poderá tornar-se numa alça meleira) e no topo meia-alça. Correndo tudo bem esta colónia nesta zona poderá produzir, sem qualquer favor, 50 a 60 kgs de mel .

epidemia pelo vírus da paralisia crónica das abelhas no Reino Unido

Publiquei no passado dia 27.04 um post sobre o síndrome provocado pelo vírus da paralisia crónica das abelhas. O blog The Apiarist, do qual sou subscritor, publicou ontem, dia 08.05, um post sobre este mesmo síndrome, a propósito da crescente mortalidade de colónias verificada na Grã-Bretanha nos últimos anos por esta causa.

Como se vê no gráfico o número de apiários que registam casos de paralisia crónica das abelhas tem aumentado, em especial a partir de 2013 (2017 é o último ano registado).
O Sun Reporter publicou, no passado dia 02.05, um artigo sobre este vírus. E os comentários incluíram estas referências à atual pandemia do Covid-19 e à tecnologia 5G:
“Acho que é beevid – 19. Eu não acho surpreendente”
“É a radiação de 5g..google it”
“O mel local supostamente carrega anticorpos de vírus e constipações locais – ajuda os seres humanos se comer este produto, ou é o que dizem. Portanto, pode ser que as abelhas estejam realmente infectadas por covid. Não é brincadeira.”

Radiação 5 G, oh my god!!? Este síndrome foi documentada há mais 2300 anos por Aristóteles e não consta que há época, na Grécia, existissem antenas e radiações 5G. Enfim, a “realidade” é o que quisermos!!

Deixando estes “cientistas” conspirativos e alucinados, que se multiplicam exponencialmente nas redes sociais, atentemos sobre o que nos dizem os cientistas (os autênticos) que trabalham no campo, que observam de forma controlada e medem com o melhor rigor possível para depois, com humildade científica, retirarem conclusões circunstanciadas, verificáveis e refutáveis.

Fatores de risco da síndrome ao nível do apiário

“Os metadados associados aos registros do Beebase são relativamente esparsos. Detalhes de métodos específicos de gerenciamento de colónias não são registrados. Fatores ambientais locais – OSR, borragem, gap de junho etc. – também estão ausentes. Inevitavelmente, alguns dos fatores que podem estar associados ao aumento do risco não são registrados.

Uma doença relativamente rara que está agrupada espacialmente, mas não temporalmente, é um problema complicado para definir fatores de risco. Steve Rushton, o autor sénior do artigo, fez um excelente trabalho ao analisar os dados disponíveis.

Os dois fatores mais importantes ao nível apiário que contribuíram para o risco da doença foram:

  • Apicultura comercial/profissional – os apiários geridos por apicultores comerciais/profissionais tinham um risco 1,5 vezes maior de registrar a síndrome.
  • Importação de abelhas – os apiários que tinham importado abelhas nos dois anos anteriores tinham um risco 1,8 vezes maior de registrar a doença.” (ver o artigo aqui: https://www.nature.com/articles/s41467-020-15919-0)
Artigo do The Times com o título ” Rainhas exóticas provocam uma epidemia às abelhas”.

Importação de abelhas não significa importação de doenças

Há bons registros de abelhas importadas pelos canais oficiais. Isso inclui rainhas, pacotes e colónias em núcleos. Entre 2007 e 2017, houve mais de 130.000 importações, 90% das quais foram rainhas.

Um risco aumentado deste síndrome em apiários com abelhas importadas não significa que as abelhas importadas foram a fonte da doença.

Com os dados disponíveis, não é possível distinguir entre as duas hipóteses a seguir:

  • as abelhas importadas são portadoras do vírus da paralisia crónica ou a fonte de uma nova (s) estirpe (s) mais virulenta (s) do vírus, ou
  • as abelhas importadas são suscetíveis à (s) estirpe (s) de vírus da paralisia crónica endémica no Reino Unido às quais não foram expostas em seu país de origem.

Existem maneiras de separar essas duas possibilidades … o que obviamente é algo que queremos concluir.” fonte: https://theapiarist.org/aristotles-hairless-black-thieves/

concluindo o primeiro tratamento contra a varroose em 2020

Tendo iniciado o tratamento de final de inverno/início da primavera com as tiras de Apivar na passagem da 2ª para a 3ª semana de fevereiro, de acordo com o calendário que fui afinando e com resultados muito positivos nos últimos 4 a 5 anos, esta semana estou a proceder à sua retirada, ao fim de cerca de 10 semanas. Terei sido, tanto quanto sei, dos primeiros apicultores em Portugal a referir e estender o tratamento para além das habituais 6 a 8 semanas. Actualmente o fabricante (Veto Pharma) também recomenda 10 semanas para a duração do tratamento em colónias com muita criação. É o meu caso nesta altura do ano, assim como o caso de larga maioria dos apicultores nas zonas temperadas do hemisfério norte.

É um excelente sinal esta coloração amarelo-acastanhado nas tiras, sinal inequívoco que foram tocadas e calcorreadas pelas abelhas inúmeras vezes..

Em casa junto-as, para depois as entregar na minha associação de apicultores, que por sua vez as entregará à Valormed, para que procedam à sua destruição em condições devidamente controladas

Neste período de tempo perdi uma colónia, em cerca de 200 tratadas, para o Varroa (0,5%). Não sendo um utilizador convicto e frequente de nenhuma das várias técnicas de controlo da taxa de infestação, faço o controlo por observação a olho nú das abelhas e criação com muita regularidade, durante o maneio do ninho nestas 10 semanas. Contudo hoje fiz um controlo pouco habitual na minha prática.

Por uma razão específica e pouco habitual, no maneio de hoje tive de cortar este favo com criação de zângão, que tinha sido construído por debaixo do travessão do quadro de meia-alça que habitualmente coloco no ninho.
E aproveitei para re-confirmar a elevada eficácia deste primeiro tratamento da varroose deste ano.
Zângãos limpos de varroa.

No quadro do meu maneio, tendo em conta o timing, duração e eficácia do tratamento, é um disparate estar a fazer o designado “corte de zângão”. Caso o fizesse, estaria a eliminar maioritariamente zângãos limpos com impacto pouco significativo na infestação, mas que consumiram uma quantidade apreciável de recursos da colónia até serem operculados. Neste quadro estou convicto que a colónia ganha mais deixando os “boys” nascer.

vírus da paralisia crónica

A infecção/síndrome do vírus da paralisia crónica da abelha (VPCA), que não deve ser confundido com o vírus de paralisia lenta ou vírus da paralisia aguda, afeta geralmente as abelhas adultas da Apis mellifera e causa uma paralisia crónica que se pode espalhar facilmente entre os membros da uma colónia. As abelhas infectadas com VPCA começam a apresentar sintomas após 5 dias e morrem alguns dias após. A infecção pelo vírus da paralisia crónica das abelhas é um fator que pode contribuir ou causar o colapso repentino das colónias de abelhas, e por vezes é confundida com a intoxicação por envenenamento.


Embora o VPCA infecte principalmente abelhas adultas, o vírus também pode infectar abelhas em estágios mais precoces de desenvolvimento, embora as abelhas mais novas tenham cargas virais significativamente mais baixas em comparação com suas companheiras mais velhas.


As abelhas que foram infectadas com VPCA podem abrigar milhões de partículas virais. O vírus possui atividade neurotrópica, isto, é afecta o processamento sensorial, memória, aprendizagem, o controle motor, a locomoção, a orientação corporal e excitação.

A infecção apresenta-se de duas maneiras distintas: a infecção/síndrome tipo I e a infecção/síndrome tipo II, a mais frequente na Europa.

Uma abelha infectada tipo I apresenta um abdómen inchado devido ao saco de mel estar cheio de líquido e asas fracas ou trémulas. As abelhas infectadas do tipo I tendem a gatinhar no chão ou aglomeram-se perto da entrada da colmeia, pois suas asas enfraquecidas levam à incapacidade de voar.

Uma abelha infectada tipo II apresenta uma completa perda do pêlo (alopécia), fazendo com que pareça preta e oleosa. Essas abelhas ainda conseguem voar 2-3 dias após o aparecimento dos sintomas, mas perdem a capacidade de voar pouco antes de sucumbir à doença.

As abelhas doentes são consideradas intrusas na colmeia e são atacadas pelas abelhas saudáveis da colónia. Em poucos dias, ficam incapazes de voar, apresentam tremores e acabam por morrer, alguns dias após o início da infecção. Embora estas duas síndromes sejam descritas, elas não são exclusivas porque podem estar presentes na mesma colónia.
Portanto, uma síndrome geral foi definida, agrupando os principais sintomas dos 2 tipos. A síndrome é caracterizada pela presença de abelhas trémulas, incapazes de voar, rastejando, algumas são negras e depiladas; finalmente, essas abelhas às vezes são rejeitadas da colónia e são encontradas moribundas ou mortas à entrada da colmeia.

Pequeno vídeo que mostra uma abelha com infecção tipo II a ser agredida pelas suas irmãs, com vista à sua expulsão da colmeia.

Actualmente não há tratamento conhecido para a doença. Frequentemente, as abelhas infectadas pelo vírus da paralisia crónica morrem por si próprias, mas as abelhas infectadas, se detectadas, devem ser removidas da colmeia imediatamente para diminuir as chances de o vírus se espalhar através da trofalaxia ou do atrito com abelhas saudáveis. A suplementação de uma colmeia enfraquecida, que foi severamente afetada pelo vírus, com abelhas saudáveis de outra colónia pode impedir o seu colapso.

Fotografia do vírus

fontes: https://www.semanticscholar.org/paper/Le-virus-de-la-paralysie-chronique-de-l’abeille-%3A-à-Chevin/5113959269f1929356593da1d3dd69e3d8b39c04; https://en.wikipedia.org/wiki/Chronic_bee_paralysis_virus