entrevista a um ácaro varroa

Em baixo deixo a tradução da entrevista que a investigadora francesa Gabrielle Almecija fez a um ácaro varroa.

Entrevista a um ácaro varroa
O ácaro varroa (Varroa destructor) é uma das maiores ameaças às abelhas e tem causado perdas de colónias em quase todo o mundo. Pequeno e secreto, esconde-se nas abelhas e em alvéolos, na maioria das vezes fora da vista do apicultor. Para controlar o ácaro, têm sido usados acaricidas desde os primeiros dias de sua descoberta, mas o ácaro sobrevive. Perguntei a um ácaro varroa como fazem isso.

Desde a sua chegada às colónias de Apis mellifera, os apicultores tentaram muitos métodos para mantê-lo afastado. Como você combate essas ações?
É difícil! Os métodos dos apicultores têm eficácia variável e temos de nos adaptar constantemente para sobreviver. Esperamos que, como muitos de nossos primos, possamos desenvolver formas de resistir e tornar os tratamentos ineficazes. Podemos resistir de várias maneiras: mudando nossa fisiologia (engrossando nossa cutícula para criar uma barreira física), através do metabolismo (excretando o acaricida) e por mutação (modificando o alvo acaricida para que o tratamento seja menos eficaz). Algumas formas de resistir têm um alto custo fisiológico para nós, por isso só desenvolvemos resistência se for necessário.

O que você desenvolveu contra o acaricida tau-fluvalinato que é o ingrediente ativo em produtos como o Apistan?
Bem, usamos estratégias diferentes dependendo de onde estávamos localizados. Na Europa e nos EUA, por exemplo, desenvolveram resistência de maneiras diferentes. Para entender como desenvolvemos resistência, necessitamos saber como o tau-fluvalinato nos mata. O taufluvalinato é um inseticida da família dos piretróides II. Este grupo de inseticidas é neurotóxico. Quando o tau-fluvalinato entra em nós, ele tem como alvo o canal de sódio. Quando encontra seu alvo, ele se liga a ele e faz com que nosso sistema nervoso funcione mal. Algumas horas depois, ficamos paralisados ​​e morremos.
Para evitar isso, desenvolvemos dois tipos de resistência. A primeira é metabólica. Aumentamos nossas enzimas desintoxicantes (oxigenase, Cytrochompe P450).
A segunda é uma mutação do alvo do acaricida (modificamos ou aumentamos o alvo). As mutações muitas vezes tornam o alvo muito difícil de reconhecer, de modo que o acaricida torna-se ineficaz. Na Europa, parece que desenvolvemos a mutação L925V. No entanto, alguns ácaros nos EUA desenvolveram outras mutações. Ambos os métodos de resistência têm um custo para nós e, após alguns anos sem exposição ao tau-fluvalinato, baixamos a guarda e voltamos a ficar suscetíveis.

Os apicultores usam amitraz há muitos anos. Você encontrou uma maneira de resistir a isso?
Vivemos com amitraz há mais de 40 anos, mas é difícil desenvolver-lhe resistência. No entanto, alguns dos meus primos ácaros (Rhipicephalus spp. e Tetranychus spp.) desenvolveram resistência ao amitraz. Mutações do alvo e resistência metabólica foram descritas por pesquisadores. Esses primos precisam sobreviver vários tratamentos de amitraz a cada ano. Na apicultura é diferente. Devemos sobreviver apenas a um único tratamento com Amitraz por ano, mas é um tratamento longo. Hoje, alguns de nós podem sobreviver a isso. No momento, ninguém entende completamente como fazemos isso. Sobrevivemos melhor agora do que há alguns anos, quando os apicultores usavam o mesmo acaricida ano após ano. Desde então, reduzimos lentamente nossa vulnerabilidade ao tratamento, mas muitos apicultores ainda não perceberam isso.

Os apicultores podem usar uma estratégia para forçá-lo a permanecer sensível a um acaricida?
Não temos interesse em desenvolver ou permanecer resistentes a um acaricida se não estivermos expostos a ele. Em alguns casos, alguns de nós que desenvolveram resistência a um acaricida têm menos descendentes do que aqueles que não desenvolveram. Hoje, vários acaricidas com diferentes ingredientes ativos estão disponíveis. Se os apicultores usaram um acaricida diferente de um ano para o outro, somos forçados a desenvolver resistência ao acaricida mais recente usado. Achamos muito difícil manter diferentes tipos de resistência, então precisamos perder um tipo de resistência para poder desenvolver outro. A alternância de acaricidas reduz nossa resistência. Mas se os apicultores não usarem essa estratégia, nossa resistência ao amitraz provavelmente aumentará, assim como aconteceu com o tau-fluvalinato.

Avaliação da resistência do ácaro ao tau-fluvalinato e amitraz
Em França, APINOV, um centro científico de apicultura e treinamento, está trabalhando com a Vita Bee Health neste projeto. A suscetibilidade aos ácaros é avaliada com um bioensaio. Os ácaros são contaminados com diferentes concentrações de amitraz e tau-fluvalinato. Ao aplicar diferentes concentrações, a suscetibilidade ao amitraz e ao tau-fluvalinato pode ser categorizada em três classes:
• suscetível: mortalidade superior a 75%
• moderadamente resistente: mortalidade entre 40% e 75% • altamente resistente: mortalidade inferior a 40%.

O ensaio foi conduzido de 2018 a 2020. Um total de 41 populações de ácaros foi testada para resistência ao amitraz e 33 ao taufluvalinato. A suscetibilidade ao ácaro foi mapeada para tau-fluvalinato e amitraz.
Na França, as populações de ácaros mostram um alto nível de suscetibilidade
a amitraz e tau-fluvalinato (conforme confirmado em ensaios de campo).
As variações resultam das diferentes práticas de apicultores individuais. Por exemplo, os apicultores orgânicos têm ácaros que são principalmente suscetíveis a amitraz e tau-fluvalinato. Apicultores que usam amitraz há muitos anos têm ácaros suscetíveis ao tau-fluvalinato. Essas diferenças resultam do custo para o ácaro desenvolver resistência – se o acaricida não for aplicado, não há necessidade de desenvolver resistência.
No entanto, o desaparecimento do traço de resistência pode levar muitos anos (quatro anos para o tau-fluvalinato; desconhecido para o amitraz). O alto nível de suscetibilidade ao amitraz e ao tau-fluvalinato observado na França é uma boa notícia no combate ao ácaro: ácaros suscetíveis ainda estão presentes na população em geral e podem reduzir a velocidade de desenvolvimento de resistência em outras populações.
O objetivo deste trabalho é determinar maneiras de reduzir a resistência da varroa ao acaricida por:
• estratégias de tratamento que podem ser usadas para reduzir a resistência ao acaricida
• alterando os parâmetros do tratamento (por exemplo, duração e tempo dos tratamentos).

fonte: https://www.vita-europe.com/beehealth/wp-content/uploads/BC-FEBRUARY-2021-Gabrielle-Almecija.pdf

Um comentário em “entrevista a um ácaro varroa”

  1. Muito interessante. O antropomorfismo presente nas respostas desta varroa faz-me lembrar a metáfora do mito de Sísifo. O apicultor é o Sísifo que carrega eternamente a sua pedra! Perdão, a sua (delas) varroose…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.