como Chris Hiatt, apicultor com 20 mil colónias de abelhas, controla a varroose

Em baixo deixo a tradução de uma parte de um guia com a descrição da estratégia seguida por Chris Hiatt, apicultor “comercial” (profissional) norte-americano com 20 mil colónias, para controlar a varroose nas suas colónias. Recomendo a leitura de todo o documento, que apresenta testemunhos de mais apicultores com operações apícolas de grande dimensão e assim como uma abordagem sumária onde se identifica as vantagens e limitações de uma variedade de medicamentos e protocolos utilizados por estes apicultores para o controlo da varroose.

“Nos últimos anos, Chris usou uma combinação de métodos para controlar o Varroa:
• monitorização;
• interrupção da criação;
• uma variedade de tratamentos químicos.

Essa combinação geralmente contribui para a sua operação atingir sua meta de não mais de 35% de perdas de colónias, o que é melhor que a média nacional. Chris observou que uma perda anual de 15% era a norma há 15 anos, e era de 10% antes disso.

Monitorização
A empresa monitoriza os ácaros na primavera e no outono, e a amostragem é feita em apiários escolhidos e em 10 a 15 colmeias por apiário. Chris refere que espera ter altas cargas de ácaros depois de extrair o mel, e a monitorização é o foco depois da extracção. “Você tem que acompanhar e monitorizar, especialmente no outono e na primavera quando faz tratamentos contra os ácaros. É preciso voltar e verificar se funcionou e reduziu os ácaros abaixo do limiar”, disse ele. “Se você deixar os números de ácaros ficarem muito altos, os vírus já estão lá e são bombas-relógio.”

Rotação dos medicamentos com a utilização do timol
A operação de Chris usa o produto com timol Apiguard® na sua rotação de tratamentos químicos. A empresa aplica Apiguard® na primavera, entre as florações da amendoeiras e macieiras, e novamente em maio antes
de as colónias irem para o Dakota do Norte. Em julho, a empresa usa ácido oxálico entre a primeira e a segunda extração de mel. No final de agosto e início de setembro, Chris usa amitraz na forma de tiras Apivar®. Assim que as colónias voltam à Califórnia, a empresa aplica o Apiguard® novamente em outubro e novembro. “Depois de termos feito um tratamento com Apivar®, tratando com Apiguard®, isso realmente as limpa”, disse ele. As colmeias que invernam indoor em Idaho também recebem um tratamento com oxálico. No total, soma cinco ou seis tratamentos por ano.

Evitar a resistência nos ácaros tornou-se uma prioridade depois da empresa familiar ter sofrido grandes perdas no final dos anos 90 e início dos anos 2000, quando a resistência dos ácaros aumentou para o tau-fluvalinato e depois ao cumafos. Chris refere que os benefícios de usar esta rotação de medicamentos superam os custos. “Apiguard® é muito caro, mas nós o vemos apenas como uma rotação necessária ao amitraz”, disse ele. “O Apivar® também é caro, mas você precisa manter suas colmeias vivas, então nós apenas vemos isso como um mal necessário.” Ele disse que o oxálico é mais barato, mas o trabalho necessário para aplicá-lo torna-o caro.

Divisão e introdução de novas rainhas
Chris referiu que a operação também divide todas as suas colónias depois das amendoeiras e novamente depois das macieiras, e as contagens de ácaros ficam mais baixas por causa desta interrupção da cria. “Esta é uma forma de controle de ácaros”, disse ele. A empresa também introduz novas rainhas em 75% a 80% das suas colónias todos os anos. A sua operação começou ainda a usar várias centenas de rainhas do projeto de criação em Hilo, Havai, com o traço Varroa Sensitive Hygiene (VSH). Chris também usa linhas de rainhas Purdue Mite-Biter na renovação de rainhas de verão e outono. “Estamos tentando tudo”, disse Chris. A empresa usava apenas um tratamento por ano até cerca de 2010. “Fazíamos um no outono e dividimos tudo na primavera, e isso era o suficiente … mas esta nova realidade bateu-nos à porta como a todo mundo.

Ele vai precisar de adicionar outro tratamento à rotação num futuro próximo e está a considerar invernar mais colónias em ambientes fechados (indoor).
Como conselhos gerais, Chris recomenda ir a convenções e networking e disse que ele e sua família aprenderam muito com as conversas com outros apicultores e com o envolvimento no setor.”

fonte: https://honeybeehealthcoalition.org/wp-content/uploads/2021/06/Commercial_Beekeeping_060621.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.