luta contra a varroa: aluen CAP alternativa ao Apilife Var?

No relatório das actividades desenvolvidas no biénio 2015/2016 pelo ITSAP (Institut technique et scientifique de l’apiculture et de la pollinisation) podemos aceder aos dados de um estudo comparativo da eficácia de três tratamentos orgânicos contra a varroa: Hive Clean*, Apilife Var e Aluen CAP** (pgs. 19-22).

 

Os resultados globais ali apresentados são os seguintes:

  • Hive Clean: eficácia média de 40%;
  • Apilife Var: eficácia média de 70%;
  • Aluen CAP: eficácia média de 75,2%.

(fonte: http://blog-itsap.fr/wp-content/uploads/2017/05/compte-rendu-activite-itsap-2015-2016-3.pdf)

Apesar do Aluen CAP neste estudo apresentar uma eficácia inferior à relatada por outros (ver mais aqui), segundo os especialistas franceses pode constituir uma alternativa muito interessante ao Apilife Var e outros acaricidas no mercado.

Como consequência é referido neste relatório que estão a ser feitos esforços para a homologação do Aluen CAP em território europeu.

Dos três acaricidas aqui referidos actualemente apenas o Apilife Var está homologado quer em Portugal quer em França (país onde se realizou este estudo) como acaricida para utilização em colónias de abelhas.

* O Hive Clean é um produto da empresa austríaca Bee Vital, disponibilizado como solução líquida composta por ácido oxálico, ácido fórmico, ácido cítrico (vulgo sumo de limão), óleos essenciais e própolis. Aplica-se por gotejamento.

** Tanto quanto conheço este é o único estudo controlado realizado em território europeu em que a eficácia do Aluen CAP é avaliada. Alguma discepância entre os valores europeus e sul-americanos poderá ser explicada pela virulência mais baixa da estirpe de varroa existente no continente sul-americano (ver mais aqui).

tratamento contra a varroa: ácido oxálico e vaselina

Neste artigo Joshua Ivars apresenta a receita para “cozinhar” dois tipos de tratamentos com ácido oxálico e vaselina:

  • toalhas com ácido oxálico e vaselina (desenvolvido por Randy Oliver);
  • tiras de cartão com ácido oxálico e vaselina (desenvolvido por apicultores sul-americanos).

Acerca destes tratamentos devo fazer algumas notas:

  1. estes dois tipos de tratamentos não estão homologados no nosso país;
  2. o ácido oxálico é um produto muito perigoso e deve ser manipulado com todo o cuidado;
  3. não incentivo a preparação e utilização destes tratamentos, deixando a cada um a responsabilidade de agir como bem entender;
  4. as autoridades portuguesas e espanholas deveriam estimular o  fabricante do Aluen CAP (ver aqui ) a submeter um processo de homologação, para preencher o vazio que existe actualmente na lista de tratamentos homologados nos nossos países.

varroas resistentes ao amitraz ou a excepção à regra

Neste artigo, publicado recentemente em maio de 2017 no prestigiado The New Zealand Beekeeper, o cientista Pablo German descreve o estado-da-arte em torno do funcionamento de vários tratamentos contra a varroa e a probabilidade destes ácaros se tornarem resistentes a cada um deles.

Como tenho tratado com frequência com Apivar as minhas colónias de abelhas, fazendo um ciclo de 3 tratamentos consecutivos ao longo de um ano meio com esta marca, fazendo depois um tratamento com um princípio activo de uma família química diferente, importa-me entender melhor a forma como actua o amitraz e sobretudo qual a probabilidade de surgirem varroas resistentes a este químico, por ex. no âmbito de um programa que como o meu o utiliza três vezes consecutivas antes de fazer a rotação com  um tratamento diferente.

Lendo o que escreve Pablo German acerca do Apivar, confirma a minha convicção construída sobre a minha experiência desde 2009: as probabilidades de surgirem varroas resistentes ao amitraz num programa de tratamentos como o meu são muito baixas. Caso venham a surgir a solução é simples: aumentar marginalmente a dose do acaricida e/ou fazer rotações dos ingredientes activos mais frequentemente.

Traduzo estes dois excertos do artigo que me parecem os mais relevantes para a análise desta questão:

  • O amitraz parece agir ligando-se ao(s) receptor(es) de octopamina, o que leva a uma resposta de stresse agudo com diferentes efeitos em insetos e ácaros. A maioria dos apicultores já percebeu que o amitraz é mais lento na matança de ácaros que a flumetrina, por exemplo. A razão para isso parece ser que, causando essa resposta  stresse, o ácaro não morre imediatamente, mas seu comportamento é completamente alterado, o que leva à sua morte mais tarde. Diz-se que amitraz age por efeitos sub-letais e não por efeitos letais. Os seres humanos, e de fato todos os vertebrados, não possuem receptores de octopamina, razão pela qual o amitraz é relativamente seguro para os seres humanos.

 

  • O percurso lento e baixo da resistência do ácaro varroa ao amitraz – quando comparado à resistência à flumetrina por exemplo – parece indicar que o amitraz atua em mais alvos do que apenas um tipo de receptor de octopamina. De fato, a resistência ao amitraz foi relatada em menos casos do que a relativa aos dois acaricidas anteriores (fluvalinato e flumetrina), e estudos mostraram que o nível de resistência também é menor (a dose de amitraz necessária para matar os ácaros resistentes ao amitraz não é muito maior). De fato, o amitraz ainda é o acaricida mais eficaz usado nos EUA, apesar de resistências terem sido relatadas há duas décadas. Isso parece apontar para o fato de que uma única mutação em um gene não é suficiente para proporcionar resistência.

 

Esq.: Molécula de amitraz

Na Alsácia francesa continua a ser o acaricida mais eficaz e isto ao longo dos sete anos avaliados (ver mais aqui).

eficácia do tratamento de final de verão contra a varroa: discrepâncias

Hoje, cerca de 2 meses após a colocação das tiras de Apivar nas minhas colmeias, tenho todas as colmeias vivas e, sobretudo, sem qualquer indício de varroa. Em cerca de 600 colmeias não vi abdómens atrofiados, asas deformadas, criação com sinais de parasitação, varroas em cima das abelhas,… uma limpeza, um contentamento!

Fig. 1: Quando virem algo parecido nas vossas colmeias após 30 dias o início do tratamento fiquem muito preocupados e empreendam acções remediativas.

Quando leio referências a 40%-50% de mortalidade de enxames por varroose neste período de fim de verão início de outono, tento encontrar as razões que expliquem esta discrepância tão grande com a minha realidade: 0% de mortalidade por varroose até agora.

Num post que publicarei em breve irei referir de forma detalhada o que fiz este ano de diferente e que acredito está por detrás do sucesso na luta que travei/travo contra a varroa.

Antes desse post falta-me saber se os 40%-50% de mortalidade por ineficácia dos tratamentos são a regra ou são a excepção? Falta-me saber se os 0% que obtive até agora são a a regra  ou são a excepção? Quais são os vossos números? Como trataram?  Se desejarem responder podem fazê-lo na área dos comentários.  Se desejarem preservar o vosso anonimato eu apenas apresentarei os dados sem identificar quem deseja permanecer anónimo. Espero que me ajudem a ajudar-nos. Estes dados podem trazer alguma luz e contribuir e muito para a nossa aprendizagem.

Nota: se esta iniciativa tiver uma resposta positiva da vossa parte conto voltar a fazer algo do género acerca do que está a dar algum resultado no combate à velutina. Vejamos se somos capazes de assumir os nossos próprios riscos, se somos capazes de em conjunto procurar soluções ou se, pelo contrário, vamos continuar a olhar para o estado, que estou certo não vai fazer nem mais nem melhor do que tem feito até agora.

apiário zero tratamentos… condições e resultado

Foi em Espanha e experimentou-se em 2o colmeias (ver aqui).

Condições experimentais básicas:

  •  enquadramento desta experiência pelas autoridades competentes;
  • as colónias deixaram de ser tratadas com acaricidas contra o ácaro da varroa a partir de 2012;
  • as colmeias tinham estrados sanitários;
  • alvéolos mais pequenos;
  • apiário situado numa zona com baixa densidade de colmeias.

Resultados em 2015 (ver aqui):

  • passados três anos desde o início da experiência nenhuma colónia estava viva.

 

Vem este post a propósito de uma conversa que tive com um cliente que me comprou alguns enxames este ano. Em determinado ponto da nossa conversa referiu que uma recém apicultora, situada nas suas proximidades, tencionava não tratar a varroose. A receita para o presumível sucesso desta experiência na opinião desta apicultora passa por não alimentar artificialmente os seus enxames. A sua crença é que o seus enxames irão resistir à varoose uma vez que as abelhas alimentadas só com o seu próprio mel serão suficientemente resistentes ao varroa.

Dois comentários:

  • este género de experiências é ilegal, quando não devidamente autorizadas e enquadradas pelas autoridades competentes;
  • vivo muito mais feliz e tranquilo se entre os apicultores vizinhos dos meus apiários não existir nenhum tão iluminado, vanguardista e ignorante como é o caso desta senhora.

nem todas as varroas são iguais: implicações para uma nova família de tratamentos

Como muitos de nós, estou informado que em vários países da América do Sul, entre os quais a Argentina e o Chile, os apicultores locais estão a utilizar um novo veículo para ministrar o ácido oxálico. Refiro-me às tiras de cartão com uma mistura de ácido oxálico e glicerina. Na Argentina já surgiu inclusivamente o Aluen Cap, produto actualmente homologado naquele país (ver mais aqui e aqui). Contudo, como habitualmente os apicultores fazem réplicas caseiras procurando fazer igual e mais barato. Nos EUA, Randy Oliver fez e está a fazer ensaios com uma formulação e veículo algo diferentes, as “blue shop towels”, para libertar de forma lenta o ácido oxálico, o que e está a suscitar um enorme interesse e a criar uma grande expectativa na comunidade apícola de língua inglesa (EUA, Canadá e Nova Zelândia).

Por cá, falando sobre esta nova família de tratamentos com alguns apicultores experimentados e credíveis, que já realizaram alguns ensaios com tiras caseiras de oxálico e glicerina, relataram-me que os resultados não foram muito animadores. O efeito acaricida ficou aquém do esperado, tendo em conta os níveis de eficácia relatados pelos nossos companheiros sul americanos. A razão que encontram é que o sul da américa está colonizado por uma estirpe de varroa destructor (tipo japonês/tailandês) menos destrutiva/virulenta que a presente no nosso continente e no nosso país (tipo coreano). Também em Espanha os resultados são por enquanto pouco animadores, segundo me referiram.

Fig. 1: Colmeia com tiras de cartão embebidas na mistura de ácido oxálico com glicerina

Para os que estão a testar ou pensar testar esta nova formulação e este novo veículo recomendo as seguintes precauções:

  • muito cuidado ao manipularem o ácido oxálico;
  • acompanhem de perto as colónias tratadas com esta formulação e façam avaliações da taxa de infestação antes, durante e após os tratamentos e tirem as vossas conclusões com base nos números e não nas aparências;
  • não se esqueçam que apesar do ácido oxálico estar homologado, este veículo, as tiras de cartão com uma mistura de ácido oxálico e glicerina, não está.

o timing do tratamento contra a varroa: juntando as peças

Há medida que vou lendo, ouvindo, cruzando os dados com a minha experiência, fazendo cálculos e reflectindo, procuro encaixar as peças do puzzle para definir os momentos mais ajustados (timing) para colocar os tratamentos/acaricidas, de modo a que estes não sejam colocados demasiado cedo ou tarde de mais nas colmeias. Trato de acordo com o calendário, logo a definição do momento certo é crítico para obter os melhores resultados. Neste post (que em grande medida expressa as ideias por mim apresentadas no passado sábado, no III dia da APICAVE, onde fui escutado por mais de uma centena de apicultores atentos e  interessados — renovo os meus agradecimentos a todos: apicultores, direcção da APICAVE, colegas de painel, moderadores, pelo dia muito gratificante que passei na sua companhia) importa-me reflectir e concluir qual o timing mais adequado para iniciar os tratamentos, em especial o tratamento de final de verão, em função do cálculo da taxa de infestação. Se quisermos elaborar uma fórmula simples teremos: timing= função (população de ácaros/população de abelhas).

Fig. 1: Momento da minha apresentação do tema “Controlo da varoose: estratégias para o sucesso”, no III dia da APICAVE, 18 janeiro, 2017.

A eficácia dos tratamentos à entrada do outono: a minha experiência  nos anos de 2014, 2015 e 2016

As observações nos meus apiários (dados dos anos 2014, 2015 e 2016) mostraram-me que, em alguns apiários na beira alta, em geral os situados a cotas mais baixas,  o tratamento iniciado entre a segunda semana de setembro e a última semana de setembro não é eficaz em 10% a 20% das colmeias, com algumas variações entre os apiários.

Estes valores de ineficácia são relativamente transversais. Os dados deste ensaio francês em torno das perdas invernais de 2014/2015 apontam na mesma direcção.

Nestas colmeias onde o primeiro tratamento de outono não foi suficientemente eficaz (10% a 20%), re-tratadas com outro tratamento sobreviveram cerca de um terço no inverno de 2014/2015; no inverno de 2015/2016 sobreviveram mais de dois terços re-tratadas com o mesmo tratamento. A melhoria na taxa de sobrevivência, de um ano para o outro, atribuo-a ao facto de ter dispendido um maior esforço na sua despistagem, ter apoiado mais vezes estas colónias com alimentação artificial, factores estes associados a um inverno menos rigoroso em 2015/2016. No inverno de 2016/2017, que ainda decorre, a mortalidade invernal ultrapassa até agora pouco mais de 1%. Estes dados de permitem-me desvalorizar, até agora, a hipótese dos resultados se deverem à existência de uma estirpe de ácaros resistentes aos princípios activos utilizados (tenho utilizado, predominantemente, o amitraz libertado das tiras de Apivar).

Junto outros dados: em 2015 realizei uma avaliação da taxa de infestação pré e pós-tratamento no tratamento de final de inverno/início da primavera. Coloquei as tiras de acaricida na primeira semana de Fevereiro e retirei-as na primeira semana de abril.  Os números que encontrei na avaliação pré-tratamento variaram entre 1,8% e 2,6%, de acordo com os apiários monitorizados. A avaliação pós-tratamento nos mesmos apiários revelou uma infestação entre os 0,2% e os 0,4%. A monitorização foi feita com a recolha de abelhas adultas e posterior lavagem das mesmas em água com detergente para as varroas se soltarem das abelhas, filtradas através de um coador de mel com duas malhas (técnica com boa fiabilidade).

A dinâmica populacional das colónias de abelhas entre abril e setembro.

A evolução do número de abelhas da colónia está dependente da relação entre o número de abelhas que nascem e o número de abelhas que morrem num determinado período de tempo. Não nos podemos esquecer que esta relação está fortemente dependente dos fluxos de néctar e pólen que entram na colmeia. Estes por sua vez estão dependentes da flora nectarífera e/ou polinífera do local assim como das condições ambientais no período de tempo considerado. Esta relação varia de local para local e mesmo de ano para ano.

De acordo com as minhas observações, aqui apresentada com maior detalhe, as colónias dos meus apiários, em particular as situadas em cotas mais baixas (entre 600 e 700 metros de altitude), apresentam em geral o ninho cheio de abelhas e muitas delas já têm as abelhas a subirem generosamente à primeira meia-alça, no final de abril. Estou convicto que a população de abelhas adultas nesta altura do ano rondará os 23 000 indivíduos, pelo menos. Assim em baixo, fica a minha proposta para o crescimento e declínio da população de abelhas entre finais de abril e finais de setembro:

  • final de abril= 23 000 abelhas adultas;
  • final de maio= 45 000 abelhas adultas;
  • final de junho=39 000 abelhas adultas;
  • final de julho=33 000 abelhas adultas;
  • final de agosto=27 000 abelhas adultas;
  • final de setembro =21 000 abelhas adultas.

Estes números são em boa medida confirmados pelas minhas observações, em particular as realizadas no final de julho e final de setembro.

Retomo esta ideia: se quisermos elaborar uma fórmula simples para definirmos o melhor momento para efectuar os tratamentos temos: timing= função (população de ácaros/população de abelhas). Neste momento falta-nos estimar o número aproximado de ácaros presentes nas colónias no período de tempo em causa.

A dinâmica populacional dos ácaros varroa entre abril e setembro

Em 2015, a avaliação pós-tratamento revelou uma infestação entre os 0,2% e os 0,4%. Nesta altura do ano as minhas colmeias apresentavam muita criação fechada/selada, como habitualmente. Há um elevado consenso na comunidade científica que na presença de criação fechada/selada 80-90% das varroas estão protegidas pelos opérculos. O método que eu utilizei de monitorização de varroas em abelhas adultas permite-me ficar com uma boa ideia dos números da infestação de apenas 15% da população total. Fazendo os cálculos, com base numa taxa de infestação de 0,2%, obtenho 46 varroas foréticas (15% em 23 000 abelhas), logo 100% da população de varroas serão 307 varroas.

Existe um bom consenso na comunidade científica que a população de ácaros varroa duplica o seu número, em colónias com criação, por cada 30 dias passados. Aceitando como fidedigno que a população total de varroas no final de abril é de 307 varroas, temos estes números nos meses seguintes:

  • final de maio= 614 varroas população total;
  • final de junho= 1228 varroas população total;
  • final de julho= 2456 varroas população total;
  • final de agosto= 4912 varroas população total;
  • final de setembro = 9824 varroas população total.

Juntando os dados e concluindo

Estamos, nesta altura, em condições de calcular a taxa de infestação nas abelhas adultas pelo ácaro varroa nas colónias que apresentem uma dinâmica populacional aproximada da que apresentei.

  • final de abril=307 varroas para 23 000 abelhas; infestação de 0,2%;
  • final de maio= 614 varroas para 45 000 abelhas; infestação de 0,2%;
  • final de junho= 1228 varroas para 39 000 abelhas; infestação de 0,47%
  • final de julho= 2456 varroas para 33 000 abelhas; infestação de 1,12%
  • final de agosto= 4912 varroas para 27 000 abelhas; infestação de 2,72%
  • final de setembro = 9824 varroas para 21 000 abelhas;infestação de 7%.

Neste artigo científico os autores concluem dizendo que uma taxa de infestação pelo ácaro da varroa superior a 3% aumenta em cinco vezes a probabilidade do tratamento ser ineficaz, portanto o timing com que o mesmo é efectuado é crítico/decisivo quanto à sua eficácia.

Concluo que o momento/o timing ajustado para iniciar o tratamento contra a varroa, nas minhas colónias na beira alta, especialmente as situadas a cotas mais baixa, e com um acaricida lento tem uma boa janela de oportunidade ao longo do mês de agosto. Mais tarde poderá ser tarde demais. Não só pelos ácaros mas também pelos vírus por eles veiculados. Estas abelhas que irão nascer devem ser o mais saudáveis possível para viverem os 100 a 120 dias até à primavera seguinte.

programas de tratamento do ácaro varroa

Existem 3 tipos de programas de tratamento para controle do ácaro varroa. Neste post vou caracterizá-los de forma sumária e elencar as vantagens e desvantagens de cada um deles.

 

  1. Tratamento profilático

Descrição: Todas as colónias, mesmo as que tenham sido tratadas pouco tempo antes, mesmo que não tenham varroa, ou tenham níveis baixos de varroa, são tratadas novamente de forma preventiva para reduzir os efeitos de eventuais infestações com origem noutras colónias situadas nas proximidades. O tratamento profilático é utilizado mais habitualmente quando as colmeias são transumadas para pomares para aí efectuarem a polinização. Neste contexto as colmeias são frequentemente colocadas em áreas com densidades muito altas. Neste tipo de ambiente, há um risco significativo destas colónias serem invadidas por um grande número de ácaros provenientes de colónias onde a varroa não foi devidamente controlada.

Vantagens: O tratamento profilático reduz o risco de perda de colónias por infestação de varroas provenientes de colónias vizinhas.

Desvantagens: O tratamento profilático aumenta a quantidade de acaricidas utilizados, com consequente aumento dos custos, possibilidade de resíduos e resistência aos mesmos. Muitas das colónias que são tratadas provavelmente não estão em perigo de serem infestadas, e o tratamento pode realmente ser desnecessário.

 

2. Tratamento de acordo com o calendário

Descrição: Todas as colónias infestadas por ácaros são tratadas num determinado momento e numa altura que evite que os ácaros atinjam níveis potencialmente prejudiciais para a colónia e para o seu rendimento (limiar económico). Antes de tratar as colónias, não é feita nenhuma pesquisa para determinar se os limiares económico foram alcançados. O tratamento de acordo com o calendário difere do tratamento profilático na medida em que o tratamento profiláctico de colónias é feito mesmo em colónias que não estão infestadas com varroa.

Vantagens: O método evita o custo/trabalho de monitorização das colónias. É um programa que apresenta boas probabilidades de ser bem sucedido e evitar danos graves causados ​​pela varroa, uma vez que todas as colónias são tratadas e, supostamente, na altura correcta. Se o timing estiver  adequadamente programado, este programa de tratamento é uma boa solução na proteção das colónias, em especial durante a época aguda de crescimento do número de ácaros, no final do verão, início do outono.

Desvantagens: A adequação do timing dos tratamentos pode variar de ano para ano, de local para local e de colónia para colónia.

 

3. Tratamento baseado na monitorização dos limiares económicos (IPM em inglês)

Descrição: As colónias são monitoradas para se avaliar os níveis de infestação pelo ácaro varroa e são tratadas apenas se os valores encontrados atingirem ou ultrapassarem determinados limiares. Existe um certo consenso entre os especialistas dos EUA que 4% a 5% de varroas nos teste de monitorização em abelhas adultas, são o limiar económico para as colónias naquele país.

Vantagens: Apenas as colónias que necessitam são tratadas, reduzindo a quantidade de acaricidas usados e os custos associados. A utilização mais reduzida destes produtos reduz o risco de desenvolvimento de resistências, seja aos acaricidas de natureza sintética, seja aos acaricidas de natureza orgânica.

Desvantagens: A monitorização de colónias é muito exigente do ponto de vista da mão-de-obra que requer. Exige também maior habilidade e um nível de conhecimentos mais elevados do que os outros dois programas. Os limiares económicos do ácaro varroa não estão estabelecidos para o caso português. Os métodos e técnicas de monitorização são falíveis e podem não amostrar fidedignamente e com fiabilidade os níveis de infestação das colónias pela varroa.  Finalmente, a monitorização de colónias pode não ser capaz de prever aumentos rápidos do ácaro durante a época aguda de final de verão, início do outono.

 

No meu caso pessoal trato de acordo com o calendário dado o número de colmeias que possuo. Os dados que obtive da minha experiência dos dois últimos anos de tratamentos, em especial na época aguda de crescimento rápido dos ácaros, levam-me a tirar duas conclusões muito gerais:

  • os timings adequados para os tratamentos são de amplitude muito curta, isto é, 2 a 3 semanas mais cedo ou 2 a 3 semanas mais tarde fazem uma enorme diferença no resultado final obtido com o tratamento;
  • se pretendo ter uma mortalidade de colónias abaixo dos 5%/ano a sua monitorização pré e pós-tratamento deve ir muito além dos 20%-25% recomendados por muitos (ver aqui e aqui).

acaricidas / varroacidas: uma classificação

Podemos classificar os varroacidas das mais diversas maneiras. Já os classificámos de lentos e rápidos. Neste post vamos classificá-los de acordo com as vias utilizadas para atingirem os ácaros da varroa. Este esforço de classificação ajuda-nos a arrumar a informação disponível acerca dos mesmos e, sobretudo, a compreender as semelhanças e diferenças básicas entre eles, a planear a sua utilização, a selecioná-los  de acordo com as suas características.

Os varroacidas podem ser classificados em 3 grandes famílias de acordo com as vias principais que utilizam para atingir os ácaros:

  • por contato — estes acaricidas actuam por contato direto com o ácaro ou indiretamente através de seu hospedeiro (a abelha) que transfere para o ácaro o princípio activo que se impregnou no seu corpo ao tocar nas tiras acaricidas;
  • por evaporação — os acaricidas desta família libertam-se do seu veículo por evaporação e o ácaro é atingido pela exposição a uma dose letal presente na atmosfera interna da colmeia;
  • sistémicos — são acaricidas inicialmente ingeridos pelas abelhas que vão afectar os ácaros da varroa quando estes posteriormente ingerem a hemolinfa e/ou tecidos gordos das abelhas.

Das 3 vias, a de contato é a que apresenta, na maioria dos casos, mais fiabilidade. As abelhas, em geral, contactam frequentemente com as tiras varroacidas impregando-se com o princípio activo, o que permite disseminá-lo pela colónia. A eficácia desta classe de varroacidas está muito pouco dependente das temperaturas externas. Por outro lado, os acaricidas de contacto têm um período de actuação prolongado o que aumenta significativamente a sua eficácia mesmo em colónias com cria presente. Finalmente os limiares entre as doses letais para os ácaros e as doses letais para as abelhas estão muito distantes (na ordem das 1000 vezes, isto é, a dose letal para os ácaros é cerca de um milésimo da dose que mata as abelhas), diminuindo bastante o risco de sobredosagem.

No nosso país os acaricidas de contacto homologados são o Apivar, o Apitraz, o Apistan e o Bayvarol.

Fig. 1: Apivar: embalagem e tiras

Os varroacidas à base de timol (Apiguard, Apivarlife e Thymovar) são mistos no que respeita à via pela qual atingem os ácaros: atingem-nos por evaporação mas também por contacto. Por ex. quando se utiliza o Apiguard é um bom sinal se a maior parte ou todo o gel que contém o timol tiver sido removido da bandeja no final de cada período de tratamento de 2 semanas. Neste caso as abelhas carregam os pequenos pedaços de gel através da colmeia e a fricção/contacto com outras abelhas contribui para espalhar o composto o que aumenta a sua eficácia. Contrariamente à percepção de alguns, a margem de segurança de dosagem para o timol é baixa (abaixo de 10: 1), por isso é necessário seguir estritamente as instruções do fabricante de forma a evitar uma possível sobredosagem.

Fig. 2: Bandeja com um varroacida à base de timol colocado numa colmeia

O ácido oxálico é simultaneamente um varroacida sistémico e de contato. Não se sabe exactamente o seu tempo de vida, segundo uns permanece ativo por apenas algumas horas, outros referem um máximo de um a dois dias. Por esta razão só mata as varroas foréticas e muitos recomendam a utilização do ácido oxálico só nas épocas do ano em que as colónia não têm cria ou apresentam muito pouca cria. O perigo de sobredosagem é elevado, daí as concentrações terem de ser cuidadosamente medidas, especialmente se não é aplicado por sublimação.

Fig. 3: Aplicação de ácido oxálico através do gotejamento

O ácido fórmico é um tratamento que funciona completamente por evaporação. Esta característica confere-lhe uma vantagem sobre todos os outros tratamentos atrás referidos: sendo uma molécula pequena penetra os poros dos opérculos da cria fechada e mata os ácaros dentro dos opérculos. A sua maior desvantagem é que pequenos desvios na concentração torna-o mortal para as abelhas. Se a concentração é muito baixa não mata os ácaros nos alvéolos, neste caso só as varroas foréticas serão eliminadas baixando muito a sua eficácia. No outro extremo, se a concentração de vapores for muito alta pode matar uma parte importante da cria, abelhas adultas e a própria rainha. Se a perda de cria não é demasiado grave, a perda da rainha em certas alturas do ano é desastroso para a sobrevivência da colónia. Por outro lado o ácido fórmico é muito dependente da temperatura externa e da ventilação para atingir a concentração óptima na atmosfera na colmeia, o que aumenta ainda mais a variabilidade nos resultados do tratamento.

Fig. 4: Aplicação de de duas tiras de MAQS, tratamento formulado com ácido fórmico

resíduos de metabolitos de amitraz no mel e uma pergunta

O LMR (Limite Máximo de Resíduos)

A legislação em vigor na Europa define  200µg/kg  como o LMR  para o amitraz e seus metabolitos no mel. Notamos que os especialistas estabelecem os LMR dos resíduos nos alimentos com limites abaixo daqueles que poderão representar um risco para a saúde. Esta é uma medida de precaução que muito estimamos e compreendemos.

O estudo

Neste estudo independente (http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0067007) recentemente publicado, os investigadores decidiram baixar os limite de detecção (LOD) e limite de quantificação (LOQ) para testarem os resíduos de amitraz e seus metabolitos no mel de colmeias tratadas com Apivar. De uma forma simples “apertaram a malha” no seu estudo.

Para os metabolitos do amitraz (compostos que resultam da degradação natural do amitraz) os investigadores encontraram as seguintes quantidades  (ver Tabela 3; Amitraz II):

  • valor máximo: 116,1 ng* / gr;
  • valor médio: 10,21 ng / gr;
  • mediana: 2,30 ng / gr.

*Nota: ng significa nanograma

Convertendo os valores

  • 1 gr= 1 000 000 000 ng;
  • 1 micrograma [µg] = 1 000 ng

Voltando aos valores encontrados pelo estudo e convertendo para as unidades µg/Kg temos:

  1. valor máximo: 0,1161 µg / gr = 116,1 µg/Kg
  2. valor médio: 0,01021 µg / gr = 10,21 µg/Kg
  3. mediana: 0,0023µg / gr = 2,3 µg/Kg

A interpretação dos valores

Os consumidores que consumissem a amostra de mel com a quantidade máxima de resíduos (1) teriam que consumir mais de 1,5 kg de mel por dia para se aproximar do LMR definido.

No entanto, se fizermos os cálculos para os valores médios (2), esses mesmos consumidores teriam que consumir mais de 18 kg de mel por dia para se aproximar do LMR definido.

Em metade das amostras recolhidas (3), o consumo teria que ser um pouco maior do que 80 kg de mel por dia para se aproximar do LMR definido. A mediana deste estudo diz-nos que metade das amostras recolhidas estavam abaixo de 2,30ng/gr.

A pergunta

Que análises fizeram, que cálculos efectuaram, que estudos consultaram todos aqueles que de boca cheia, peito inchado e do alto do púlpito da sua sapiência, clamam que não tratam as abelhas com Apivar para não contaminarem o mel com tóxicos/químicos prejudiciais à saúde humana?