as abelhas melíferas consideram o estado nutricional larval em vez da relação genética ao selecionar as larvas para a criação de rainhas de emergência

Muito interessante e provocador (no sentido de provocar questões e reflexões acerca de algumas ideias correntes) este estudo de 2018 e que aborda um tema por mim já tratado aqui, ainda que numa outra vertente, em fevereiro de 2016, já lá vão mais de três anos. Tempus fugit!

“Como o desenvolvimento de castas femininas [rainhas vs. obreiras] nas abelhas depende da dieta larval (ou seja, nutrição), levantamos a hipótese de que o estado nutricional das larvas é meticulosamente avaliado e usado pelas obreiras na seleção de larvas para a criação de rainhas. Para testar essa hipótese, realizamos uma série de experiências manipulando o estado nutricional de larvas de um dia, privando-as de alimento por um período de quatro horas e permitindo que as obreiras escolhessem entre as larvas com privação nutricional e larvas não privadas para criar as rainhas.[…] Nossos resultados demonstram que as abelhas percebem o estado nutricional das larvas e utilizam essas informações na seleção de larvas para criação de rainhas no processo natural de substituição da rainha.[…]

“Quando às colónias experimentais foi permitido selecionar larvas privadas ou não privadas para criação de rainhas sob o método natural de emergência, um número significativamente maior de rainhas foi criado a partir do grupo de tratamento não-privado do que do grupo de tratamento privado (χ2 = 8,8, df = 1, p <0,01, Fig. 3). Não houve diferença significativa entre o número de rainhas criadas para a pupação de larvas privadas e não privadas, quando as larvas foram enxertadas em cúpulas de plástico para criação de rainhas (método de enxertia/translarve/Doolittle ) (χ2 = 0,045, df = 1, p = 0,83).

A figura representa os efeitos do método de criação de rainhas na aceitação de larvas jovens privadas (cinza escuro) e não privadas (cinza claro) para a criação de rainhas. Um número significativamente maior de larvas foi selecionado para criação de rainhas (para pupação) do grupo não-privado em comparação com o grupo privado (p <0,01) quando as obreiras selecionaram larvas no método de seleção natural. Nenhuma diferença significativa entre os grupos foi observada no método de seleção artificial.

“Além dos efeitos transitórios da atenção das amas, períodos curtos de privação nutricional podem ter um impacto profundo na trajetória da vida de uma larva. Como previsto, os métodos naturais de emergência de rainhas e enxertos larvais produziram resultados significativamente diferentes. O método natural de criação de rainhas (emergência na criação de rainhas) mostrou um forte viés favorável a larvas não privadas para seleção de cria em rainha, enquanto não houve diferença significativa no número de rainhas criadas a partir de larvas privadas e não privadas no método de enxertia artificial. Como vários estudos anteriores, nossos resultados apoiam a noção de que larvas enxertadas artificialmente em cúpulas de rainhas não parecem ser alvo de um teste para seleção, mas sim um teste para a manutenção de rainhas de larvas pré-selecionadas. Os fatores que as abelhas usam para selecionar larvas para criação de rainhas e aquelas usadas para manter as larvas de rainha podem ser muito diferentes. […] No nosso estudo, o estado nutricional larval foi um fator significativo na seleção de larvas para a criação de rainhas de emergência em condições naturais, mas não para larvas enxertadas artificialmente, que foram colocadas dentro de cúpulas artificiais que lembram as células de rainhas naturais.”

fonte: https://www.nature.com/articles/s41598-018-25976-7

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.