a bolha da apicultura está prestes a explodir?

Com a autorização da autora, Rusty Burlew, apicultora e blogger norte-americana, traduzo um post recentemente colocado no seu blogue HoneyBeeSuite. Ainda que não me reveja em tudo o que a autora escreve e, sobretudo, consciente que entre a realidade apícola nacional e a norte-americana existe um oceano de diferenças, este texto aborda aspectos nos quais tenho parado para pensar nos últimos meses, e já reflectidos em posts anteriores, nomeadamente acerca da sustentabilidade das operações apícolas no nosso país.

  • “A bolha da apicultura está prestes a explodir?
    Não se preocupe. Tenho previsto o iminente colapso da apicultura há cerca de oito anos. Até agora, tenho pateticamente errado. Então não perca o sono por isso.

Ainda assim, o fecho repentino das três lojas de apicultura de Brushy Mountain e o desaparecimento de seu site provocaram-me uma sensação desagradável. Sim, eles provavelmente tomaram uma série de decisões de negócios erradas, incluindo a expansão rápida e uma alta relação dívida / lucro. Mas novamente, estou supondo.

Eu também ouvi rumores de que alguns clubes de apicultura estão perdendo membros e a participação nas reuniões está caindo. Não em todos os lugares, lembre-se. Alguns clubes estão melhores do que nunca. Pondere o que digo: estou apenas ouvindo rumores.

  • Ciclos de apicultura
    Isso me surpreende? Absolutamente não. Como muitos interesses e hobbies, a apicultura tem uma história de popularidade que sobe e desce como um termómetro. A crista antes desta foi na década de 70, quando os hippies  –  paz, amor e Volkswagens – decidiram manter as abelhas. De fato, muitos dos actuais “veteranos” começaram na época. É uma peça encantadora da história da apicultura.

A atual bolha da apicultura começou após relatos da imprensa sobre o distúrbio do colapso súbito das colmeias (CCD). Pessoas sem interesse prévio em insetos de repente decidiram salvar o mundo mantendo as abelhas. O atual esforço para ajudar a Mãe Natureza tem muitas semelhanças com os anos 70, e acredito que muitos dos apicultores atuais ficarão com as abelhas como aconteceu com os seus predecessores.

  • Os tempos mudaram
    Para equipar todos estes novos apicultores, centenas de empresários e retalhistas instalaram-se, prontos para ajudar. Actualmente, temos todos os tipos de aparelhos digitais, peças de plástico, ferramentas inteligentes e inúmeros sites. Temos fatos de apicultor feitos de materiais modernos, colmeias de todos os designs concebíveis e alimentadores que não acabam. Você diga o quê e alguém já está fazendo isso.

Mas também temos coisas que eles não tinham na década de 1970 ou em ondas anteriores de apicultura. Temos ácaros varroa, pequenos escaravelhos da colmeia e abundância de vírus, juntamente com piores condições ambientais. A apicultura é mais difícil do que costumava ser e mais cara. Manter-se na apicultura exige um compromisso maior do que apenas comprar uma colmeia e tirar os quadros de mel uma vez por ano.

  • O que é hot e o que não é
    Tulipas, cachorros digitais, rochas… . Tenho que ter isso! Não, brinquedos baratos não são o mesmo que colmeias de abelhas. Os brinquedos, as rochas vêm com dezenas de variações. Então todos nós estamos fazendo as colecções. Então perdemos o interesse. Coisas que deixamos de desejar se  um dia deixam de brilhar, e passamos para o próximo objeto brilhante que capta nosso interesse.

Em contraste, muitas complexidades e ironias associadas à apicultura são consistentes com as rochas de colecção. Por um lado, na base da fileira apícola temos apicultores profissionais. Eles já cá estavam antes da ascensão e estarão aqui depois da queda. Eles são a espinha dorsal da indústria da apicultura e não vão a lugar nenhum. Eu não posso imaginar o que eles acham de todo o alarido e gadgets, mas eles sabem dos ciclos. Eu presumo que muitos apenas encolhem os ombros e dizem: “Isso também passará”.

  • Uma triste ironia
    Mas a grande ironia, o resultado realmente triste da atual bolha da apicultura é que ela não salvou as abelhas. De fato, tudo piorou. O aumento dos apicultores originou-se nos relatos do colapso súbito das colmeias, e você ainda pode encontrar referências atuais ao CCD, embora nenhum caso oficial tenha sido registado nos últimos anos.

Estranhamente, as abelhas nunca estiveram ameaçadas no passado. Na verdade, elas têm uma história de diferentes tipos de colapsos que nunca foram compreendidos ou diagnosticados. Talvez o CCD tenha relação com ácaros, ou talvez não, mas uma coisa é certa: o CCD causou a bolha mas não salvou as abelhas.

Se alguma coisa provocou, foi a propagação de ácaros varroa e os vírus que carregam e que foi intensificada pela bolha da apicultura. Como o número de colmeias cresceu, e cada colmeia foi colocada perto de outra, os caminhos para a transmissão de doenças e parasitas multiplicaram-se geometricamente. Assim como as doenças humanas se movem mais rapidamente em áreas densamente povoadas, as doenças das abelhas podem espalhar-se rapidamente quando muitas colónias habitam um espaço limitado.

  • Em cima de tudo isto
    A coisa que mais me chocou ultimamente foi saber o número de tratamentos usados por alguns ​​para controle de ácaros. Dez anos atrás, muitos apicultores tratavam os ácaros uma vez por ano. Mas como a transmissão de ácaros aumentou devido ao elevado numero de colmeias, o número de tratamentos para os ácaros necessários para manter uma colónia viva aumentou também. Na semana passada, quando algumas pessoas no BEE-L mencionaram tratar 12 ou 14 vezes por ano, fiquei espantada.

Colónias gaseadas com vapor ácido repetidamente ao longo do ano* não é algo que eu esteja interessada em fazer. Se eu tivesse que fazer isso, eu deixaria a apicultura num piscar de olhos. Chame-me  romântica irrealista, mas esse tratamento destrói a imagem que tenho da apicultura. A fresca brisa do campo. Abelhas e flores dançando ao vento. O rico cheiro de néctar e da criação. O doce brilho de mel na torrada.

No entanto, aqueles que têm ácaros e não tratam acabam espalhando doenças e tornam o prognóstico de colónias saudáveis ​​muito sombrio. As abelhas livres de tratamento precisam de se afastar do constante ataque de doenças e parasitas, mas é difícil conseguir suficiente afastamento com tantos apicultores.

Além disso, as abelhas que realmente estão em apuros, as abelhas que realmente precisam da nossa ajuda não são as abelhas importadas, mas as abelhas nativas**. O excessivo número de colónias de abelhas prejudicou a saúde das abelhas nativas devido ao aumento da competição por alimento e transferência de patógenos para o meio ambiente. Até mesmo as abelhas selvagens são encontradas com o vírus da asa deformada.

  • Talvez seja só eu
    Talvez esteja errada sobre a bolha estourar como estive errada tantas vezes antes. Mas se a queda estiver chegando, acho que será melhor para as abelhas, tanto as manejadas quanto  as selvagens. Ninguém tem que deixar a apicultura, também. Um número menor de novas colónias, juntamente com a mortalidade natural, depressa levaria os números das colmeias para um nível mais sustentável.

Estou curiosa para saber se alguém detectou uma alteração ou se estou imaginando uma tendência que não existe. Além disso, eu disse que desistiria se tivesse que tratar 12 vezes por ano. E se você? Você tem um limiar em que a apicultura não faz mais sentido? Ou você continuaria independentemente? Diz-me o que pensas. Obrigado pela tua visão.

Rusty
Suíte Honey Bee”

fonte: https://honeybeesuite.com/is-the-beekeeping-bubble-about-to-burst/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+HoneyBeeSuite+%28Honey+Bee+Suite%29

  • Notas:
  • * Não tenho dúvidas que a autora está a referir-se aos sucessivos e repetidos tratamentos com ácido oxálico sublimado tão em voga entre os apicultores norte-americanos, entre outras razões pelo baixo custo dos mesmos.
  • ** As abelhas melíferas da espécie que temos nas nossas colmeias foram importadas para os EUA durante o processo de colonização daquele território. O território tinha e tem muitas outras espécies de polinizadores, abelhas nativas entre outras.

monitorização da taxa de infestação por varroa: o tabuleiro/cartolina pegajosa

Uma vez mais socorro-me de Randy Oliver para analisar as virtudes e insuficiências do tabuleiro/cartolina pegajosa (stickyboards) e da lavagem de abelhas com álcool/detergente  para monitorizar a taxa de infestação de colónias de abelhas pelo ácaro varroa.

  • “Os tabuleiros/cartolinas pegajosas
    Muitos apicultores usam o tabuleiro/cartolina pegajosa (stickyboards) porque não precisam de abrir a colmeia, o que é uma vantagem. Mas se tem mais de 40 anos, então você tem que lidar com o fato de que é difícil e entediante discriminar os ácaros no meio do lixo da colmeia, e mais ainda manter o total de ácaros contados sem perder alguns ou contar duas vezes os mesmos (Fig. 1). Além disso, a contagem dos ácaros no tabuleiro/cartolina pegajosa deve ser ajustada não só à força da colónia, mas também à época do ano e à quantidade de criação presente para avaliar a maior ou menor proximidade com o limiar para o tratamento .

Fig. 1: Contar ácaros entre o lixo da colmeia no tabuleiro/cartolinas pegajosa é um processo entediante que requer boa visão ou ampliação suplementar. A queda natural do ácaro é um indicador indireto da taxa de infestação do ácaro, uma vez que a contagem é amplamente dependente da quantidade de criação emergente no primeiro dia. Esta parte do tabuleiro/cartolina pegajosa mostra claramente cinco ácaros adultos, um adulto parcialmente escondido por um pedaço de lixo de colmeia e uma concha parcial de ácaro.

Mas o que eu realmente queria saber era o quão consistentemente a queda natural dos ácaro refletia a taxa real de infestação das abelhas adultas na colmeia?

[…] Observei que os níveis de ácaros caídos aumentaram e diminuíram consideravelmente de um dia para o outro, o que foi surpreendente, pois acho que é seguro assumir que a taxa de infestação de ácaros do apiário não varia muito de um dia para o outro. Isso levantou uma questão na minha mente quanto à consistência das contagens para cada colmeia individual, o que me diria o quanto eu poderia confiar numa única contagem. Eu normalizei os dados e obtive o gráfico abaixo (Fig. 2).

Fig. 2: Tabuleiro/cartolina pegajosa com os dados de seis colmeias ao longo do tempo. Note que em qualquer dia em particular, a contagem pode subir ou descer facilmente multiplicado um fator de dois!

Claramente, a queda natural de ácaros é altamente variável de um dia para o outro. Então eu me perguntei se o mesmo se aplicaria a uma lavagem de abelhas com álcool.

  • Queda natural ácaros vs. lavagem com álcool
    Por sorte, eu também havia coletado dados com lavagens com álcool de ½ xícara de abelhas das mesmas colónias, às vezes nos mesmos dias em que obtinha contagens nos tabuleiros/cartolinas pegajosas(fig. 3).

Fig.3: Lavagens com álcool para as mesmas colmeias e nas mesmas datas do gráfico anterior. Observe algumas coisas: a variabilidade reduzida de lavagens com álcool e que as contagens através dos dois métodos para determinar a taxa de infestação de ácaros não correspondem para cada colónia (a cor de cada colmeia é igual nos dois gráficos).

Do ponto de vista prático, a questão mais importante é qual o método que reflete mais de perto a taxa real de infestação na colmeia. Como a lavagem com álcool é uma medida direta do número real de ácaros por 100 abelhas, provavelmente terá maior relevância biológica (e prática). Então vamos comparar os dois para ter um conjunto de dados completo (Fig. 4).

Fig. 4: Comparações da queda natural de ácaros através dos tabuleiros/cartolinas pegajosas e lavagem de álcool de ½ xícara de abelhas no final de julho e início de agosto. O que é alarmante é a contagem da queda natural de ácaros na área sombreada rosa no fundo, na qual a queda de ácaros naturais subestima substancialmente uma taxa de infestação grave na colmeia (mais de 5 ácaros / 100 abelhas). Menos preocupantes eram as contagens nos tabuleiros/cartolinas pegajosas na área azul, o que superestimava o problema.

Como você pode ver acima, os dois métodos de monitorização seguiram a mesma tendência geral – a queda de ácaros naturais tendeu a subir à medida que a taxa real de infestação de ácaros aumentou. O problema é que, numa percentagem razoável dos casos, a queda natural não refletiu o surgimento de uma séria infestação de ácaros (acima dos 5%)!

  • Aplicação prática: perdi a fé na queda natural de ácaros como meio de monitorar a infestação pelos ácaros varroa. É útil quando usado para determinar se um varroacida promove uma queda rápida no seu número, mas não tanto para indicar o nível biologicamente relevante de infestação pelos ácaros. Se alguém usa tabuleiros/cartolinas pegajosas como único método de monitorização, sugiro que faça a contagem ao longo de um largo período de tempo.”

fonte: http://scientificbeekeeping.com/mite-management-update-2013/

perspectivas actuais sobre o sistema imunológico nos insectos e sua vacinação

  • Os componentes do Sistema Imunitário

Nos mamíferos, o sistema imunitário (SI) é composto de dois componentes, um inato e outro adquirido. Ambos reconhecem microrganismos invasores como não-próprios, e ativam respostas para eliminá-los. E nos insectos qual é a arquitectura do seu sistema imunitário? Nos aspectos fundamentais  os mecanismos de resposta do SI nos insectos  é semelhante ao dos mamíferos.

Agentes infecciosos ameaçam qualquer organismo. Portanto, mamíferos e insetos desenvolveram uma complexa rede de células e fatores humorais denominados sistema imunológico capazes de controlar e eliminar patógenos. A imunidade varia entre diferentes grupos de animais, mas sempre contém um sistema imunológico inato que pode agir rápido e freqüentemente eficaz contra uma ampla gama de patógenos distintos (ou seja, vírus, bactérias, fungos e parasitas eucarióticos). Em mamíferos e insetos, a comunicação entre a regulação das células do sistema imunológico é realizada por citocinas que orquestram a defesa contra os invasores. O maior desafio para reconhecer e combater patógenos é o mesmo para qualquer hospedeiro  Em insetos e mamíferos, os patógenos são reconhecidos como não-próprios pelo reconhecimento de padrões moleculares associados aos patógenos. Além disso, receptores similares de reconhecimento de patógenos e vias de sinalização ativam a resposta imune em insetos e mamíferos. ” (in https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18511854)

 

  • A mudança de paradigma e as possibilidades de vacinação dos insectos

Contudo, até há pouco tempo, a comunidade científica não dispunha de evidências robustas que os insectos pudessem construir a componente adquirida/não inata do seu SI. Julgava-se que os insectos apenas dispunham  de um sistema imunitário inato, e por essa razão algumas terapias, como por ex. a vacinação de insectos contra determinadas doenças, não era objecto de estudo. Contudo como disse Bob Dylan “os tempos estão a mudar” e cada vez surgem mais evidências que também os insectos constroem a componente adquirida dos seu sistema imunitário. Esta mudança de paradigma científico abre o campo a mais investigação fundamental, ao mesmo tempo que abre avenidas à investigação aplicada, como o caso da investigação na criação de vacinas para determinados insectos que nos são benéficos, e naturalmente estou a pensar aqui nas abelhas.

Descobertas recentes forneceram evidências para a existência
de imunidade adquirida não vertebrada. […] Isto é
oposto ao paradigma de que apenas os vertebrados manifestam
as duas formas de mecanismo imunológico; […] Nós pensamos que ambas as formas de imunidade são
similarmente antigos, e co-evoluíram em resposta a
estilo de vida, compensações custo-benefício e simbiose versus
parasitismo. No entanto, diferentes espécies construíram
diferentes soluções imunológicas que não são necessariamente
geneticamente relacionados, mas têm uma função geral semelhante
permitindo que os indivíduos aprendam com a experiência dos seus próprios sistemas imunológicos; a sobrevivência da espécie depende da
experiência imune adquirida dos seus indivíduos.” (in http://www.weizmann.ac.il/immunology/NirFriedman/sites/immunology.NirFriedman/files/uploads/rimer_cohen_friedman_-_2014_-_do_all_creatures_possess_an_acquired_immune_system_of_some_sort.pdf)

  • A investigação aplicada ao caso das abelhas

Como já publiquei anteriormente, alguma investigação específica, está a analisar os mecanismos de transmissão de informação adquirida pelo SI da abelha rainha à sua descendência. Os resultados para já são promissores e o caminho está a fazer-se.

O sistema imunológico dos insetos pode reconhecer patógenos específicos e estimular a imunidade da prole. A alta especificidade da imunização transgeracional pode ser alcançada quando as fêmeas dos insetos transferem elicitores imunes para o desenvolvimento de oócitos. O mecanismo molecular por trás dessa transferência tem sido um mistério. Aqui, nós estabelecemos que a proteína vitelogenina presente na gema do ovo dos insectos é o portador de elicitores imunológicos. Utilizando a abelha, Apis mellifera, demonstramos com microscopia e [?] que a vitelogenina se liga a bactérias, tanto a larva de Paenibacillus – a bactéria gram-positiva causadora da doença Loque americana – quanto a Escherichia coli que representa bactérias gram-negativas. […] Estas experiências identificam a vitelogenina,  amplamente presente nas espécies ovíparas, como o portador de sinais imunológicos. Este trabalho revela uma explicação molecular para a imunidade transgeracional em insetos e um papel anteriormente desconhecido para a vitelogenina.” (in  https://journals.plos.org/plospathogens/article?id=10.1371/journal.ppat.1005015)

Os autores deste último artigo estão a trabalhar na vacina contra a loque americana. Espero que cheguem a bons resultados e que estes bons resultados animem e iluminem o caminho a outros. A vacinação é uma ferramenta tremendamente eficaz na luta contra patógenos em espécies que se organizam em sociedades colectivas com um largo número de indivíduos a partilharem o mesmo espaço, como é o caso das abelhas melíferas com que trabalhamos.

 

 

pms: parasitic mite syndrome (síndrome de parasitação pelo ácaro varroa)

 

Fig. 1: Ácaros Varroa alimentando-se da criação não selada.

PMS ou Parasitic Mite Syndrome é uma condição que faz com que uma colónia de abelhas enfraqueça e eventualmente morra. Ainda não foi detectado um patógeno que cause os sintomas que surgem com este síndrome. No entanto, existem sempre ácaros varroa presentes com este síndrome. Os sintomas na criação são semelhantes a outras doenças, mas as larvas não formam um filamento com o teste do palito. Colónias com PMS apresentam larvas brancas semi-devoradas pelas abelhas obreiras. As larvas podem aparecer afundadas e distorcidas nas paredes laterais do alvéolo. As pupas surgem  semi-devoradas e um bom número  são removidas do alvéolo. A maioria dos sintomas apresentados provém do trabalho efectuado pelas abelhas com funções higiénicas que tentam remover as larvas e pupas infestadas pelo ácaro varroa. Às vezes as larvas apresentam uma cor mais escura e isso é atribuído à decomposição ou acção de bactérias secundárias.

Fig. 2: Quando se começa a ver pupas com a cabeça devorada (em vários alvéolos), isso é um sinal de que os níveis do ácaro estão altos.

Sintomas:
• Padrão de criação irregular, ácaros varroa presentes nas abelhas adultas.
• Os ácaros muitas vezes podem ser vistos deslocando-se sobre os opérculos da criação selada.
• Os ácaros também podem ser encontrados sobre as larvas (geralmente as larvas apresentam-se distorcidas ou semi-devoradas).
• Número relativamente baixo de abelhas adultas (dependente do tempo decorrido com PMS).
• Grandes colónias apresentam estes sinais agravadas por altos níveis de varroa e frequentemente mostram um aumento da agressividade, falta de ovos e de larvas (devido a condições inadequadas para o seu desenvolvimento), mestreiros de substituição podem estar presentes, abelhas rastejando na entrada da colmeia e/ou abelhas com asas deformadas).

• Nenhum odor presente até as larvas semi-devoradas começarem a mudar de cor e decompor-se.

 

Fig. 3: Criação exibindo sinais de PMS. Este é um indicador de que a colónia não tem muito mais tempo de vida, a menos que a varroa seja controlada imediatamente. 

Fig. 4: Pupa semi-devorada, larva distorcida e um ácaro varroa escondido no fundo de um alvéolo.

Fig. 5: Tarde demais – esta colónia já entrou em colapso –  abelhas dispersas, ácaros e qualquer estirpe de vírus que matou a colónia podem ser transportadas para outras colmeias dentro do alcance do vôo. É esta dispersão que recompensa o monstro (PMS) por causar a morte de uma colónia no final da temporada.

Fig. 6:  É assim que se apresenta o PMS quando a população da colónia diminui. Não vereremos muitos ácaros presentes nesta fase do PMS; também haverá muito pouca criação presente na colónia. A população será pequena e poderemos ver várias mestreiros de substituição.
Nesta fase, o PMS é muito similar à Loque Européia, exceto que as larvas têm diferentes idades e não há uniformidade nos sintomas apresentados pela criação aberta.

Fontes

https://beeinformed.org/2013/10/15/parasitic-mite-syndrome-pms/

http://scientificbeekeeping.com/the-varroa-problem-part-17c/

Nota: Síndrome (do grego “syndromé”, cujo significado é “reunião”) é um termo bastante utilizado em Medicina e Psicologia para caracterizar o conjunto de sinais e sintomas que definem uma determinada patologia ou condição. (fonte: https://www.significados.com.br/sindrome/)

epigenética ou a vingança de Lamark

“Em 2012, fiz uma viagem que avaliou as populações de nautilus ao longo da Grande Barreira de Corais da Austrália explicitamente para ver se os nautilus que vivem nas áreas marinhas protegidas do recife são tão raros quanto em lugares onde são pescados pelas suas lindas conchas (como nas Filipinas e Indonésia). O trabalho ao longo da Grande Barreira de Corais na década de 1990 mostrou que duas espécies diferentes estão presentes. Um deles, o Nautilus pompilius, é o mais difundido de todos os nautilus em toda a sua vasta extensão de oceano Pacífico e Índico. O segundo, Nautilus stenomphalus, é encontrado apenas na Grande Barreira de Corais. Difere do mais comum N. pompilius por ter um buraco bem no centro de sua concha.  Há também diferenças marcantes na coloração da casca e no padrão de listras na casca. Mas quando a espécie australiana foi trazida à tona do seu habitat de 1.000 pés, no final do século 20, os cientistas ficaram surpreendidos ao descobrir que o N. stenomphalus tem uma anatomia marcadamente diferente também no seu grosso “capuz” […]; a coloração do capuz também é radicalmente diferente.

A viagem de 2012 teve como objectivo testar o DNA das duas “espécies”, bem como para entender melhor quantos nautilus vivem numa determinada área do fundo do mar. Nós apanhámos 30 nautilus durante nove dias, cortamos uma ponta de um milímetro de cada um dos 90 tentáculos do nautilus, e devolvemos todos aos seus habitats vivos (ainda que irritados). Todas as amostras foram posteriormente analisadas nas grandes máquinas que leem a sequências de DNA, e para nossa completa surpresa descobrimos que o DNA do N. pompilius e do N. stenomphalus, morfologicamente diferentes, eram idênticos. Nenhuma diferença genética, mas uma morfologia radicalmente diferente. A melhor maneira de interpretar isso é voltar a uma das analogias mais úteis na evolução: a de uma bola rolando por um declive composto por muitas barrancas. Qual roldana a bola rola (correspondendo à anatomia final ou “fenótipo” do animal adulto) é controlada pela direção do empurrão da bola. Na evolução, o derradeiro destino morfológico de um organismo é causado por algum aspecto do meio ambiente ao qual o organismo é exposto no início da vida […] É por isso que N. pompilius e N. stenomphalus não são duas espécies. Eles são uma única espécie com forças epigenéticas que levam a conchas e partes moles radicalmente diferentes. Cada vez mais parece que talvez haja menos, não mais, espécies na Terra do que a ciência definiu.

[…] Mais e mais, os biólogos estão a descobrir que os organismos considerados espécies diferentes são, na verdade, apenas um. Um exemplo recente é que as anteriormente aceites duas espécies de gigantescos mamutes norte-americanos (o mamute colombiano e o mamute-lanoso) eram geneticamente iguais, mas os dois tinham fenótipos determinados pelo ambiente.

[…] Epigenética é o estudo de funções genéticas hereditárias que são passadas de uma célula reprodutora para outra, seja uma célula somática (corpo) ou uma célula germinal (espermatozóide ou óvulo), que não envolve uma mudança na sequência original de DNA. […] que pode levar a grandes mudanças evolutivas.

[…] na maioria dos casos, as mudanças epigenéticas que nos afetam não afetam os nossos filhos. Mas às vezes essas mudanças epigenéticas são transmitidas através de óvulos e espermatozóides.

[…] O estudo da epigenética realmente se resume a observar dois tipos de mudanças epigenéticas.

[…] Cada um deles pode mudar a forma como os genes agem ativando ou desativando genes. Isso pode incluir alguns dos genes mais importantes para nossas vidas, aqueles que afetam nosso comportamento através da taxa na qual as hormas que ditam as emoções são regulados e fornecidos.

[…] Às vezes, uma mudança epigenética faz com que uma proteína não seja feita. Às vezes, isso faz com que uma nova proteína não ocorra de outra forma. Às vezes, e mais importante, faz com que um gene regulador (essencialmente o “empreiteiro geral” coordenando todas as células dos projetos de construção ocupados do corpo) saia do trabalho por completo. Isso causa grandes mudanças muito além do que qualquer mutação única poderia fazer. Tais mudanças afetando um indivíduo podem ser passadas para a próxima geração. As moléculas de metil não são passadas fisicamente para a geração seguinte, mas a propensão para elas se ligarem nos mesmos lugares numa forma de vida inteiramente nova (a forma de vida da próxima geração) é. Essa metilação é causada por traumas súbitos no corpo, como envenenamento, medo, fome e quase-morte. […] Esses atos podem ter um efeito não apenas no DNA de uma pessoa, mas também no DNA de seus descendentes. A visão inicial é que podemos transmitir os efeitos físicos e biológicos de nossos bons ou maus hábitos e até mesmo os estados mentais adquiridos durante nossas vidas.”

fonte: http://nautil.us/issue/63/horizons/why-the-earth-has-fewer-species-than-we-think

Nota: Neste momento estou firmemente convicto que a epigenética será cada vez mais fundamental para explicar vários fenómenos no mundo das abelhas, e que frequentemente suscitam apaixonados debates e controvérsia entre apicultores. Por ex. o processo de desenvolvimento de abelhas rainha a partir de um ovo geneticamente idêntico ao ovo de abelhas obreiras explica-se por um mecanismo epigenético de metilação. Também a epigenética é utilizada por alguns criadores de linhagens de abelhas resistentes à varroa para justificar a discrepância entre os níveis de resistência que publicitam e os níveis de resistência que os seus clientes verificam nos seus próprios apiários. Como em muitas outras coisas a epigenética será utilizada de forma mais correcta em determinados momentos e de forma menos correcta noutros.

filipa almeida produz o melhor mel ibérico de rosmaninho

A minha querida amiga Filipa Almeida viu o mel monofloral de rosmaninho da sua produção ser reconhecido como o melhor mel na categoria  num concurso de méis monoflorais da Península Ibérica, realizado no âmbito do Congresso Nacional de Apicultura, que decorreu nos dias 25, 26 e 27 de outubro, em Tenerife, Espanha.

Este prémio é merecidamente dela. Dito isto, esta distinção pode e deve ser utilizada pelas nossas Federações e Associações representativas como um “cartão de visita” por essa Europa fora, como mais um elemento de apoio à consolidação da boa imagem do nosso mel no exterior. Não vou delinear nenhuma estratégia de marketing porque outros o farão melhor que eu. Importa-me, sim,  sublinhar que temos aqui um activo que não podemos desperdiçar.

Fg. 1: Listagem dos premiados. A Filipa Almeida (ApiJardins) concorreu na categoria de rosmaninho (cantueso).

No próximo Fórum Nacional de Apicultura, que se realizará brevemente em Castelo Branco, e que me desculpem os organizadores, seria justo a organização do mesmo ter em conta a importância deste prémio e homenagear a Filipa pelo contributo inestimável que deu à nossa apicultura. Se não formos capazes, cá dentro, de manifestarmos a nossa alegria, reconhecimento e orgulho quando um de nós é premiado lá fora que alma é esta que nos anima?

Pode ler aqui a notícia como ela foi divulgada pelo Jornal do Fundão.

JFUNDÂO (1)

vespa asiática: nova técnica para produzir cavalos de tróia

Procurando soluções eficazes, baratas e de rápida execução no terreno encontrei aqui [https://www.ledauphine.com/france-monde/2018/08/02/un-apiculteur-affirme-savoir-comment-vaincre-le-frelon-asiatique] uma proposta que mereceu a minha atenção. Se se confirmar a sua eficácia, é a forma mais simples e rápida de preparar cavalos de tróia que eu conheço.

Isso é o que afirma um apicultor francês (Augustin Sottile), persuadido de ter encontrado o segredo para se livrar das vespas asiáticas.

Sua receita vencedora: leite de maquilhagem a que se mistura produto de pulgas para cães e gatos. O produto sozinho mataria a vespa imediatamente. A mistura com água não funciona porque se evapora. O leite de maquilhagem permite que o produto permaneça agarrado ao inseto até que ele retorne ao ninho. A técnica: apanhe com uma rede mosquiteira a vespa e pulverize-a com a mistura. O vespão retorna ao seu ninho e o envenena.

O que me anima nesta técnica é que o suporte do biocida, o leite de maquilhagem, pode ser pulverizado o que me parece que aumenta significativamente a rapidez da operação.

Fig.1 : Augustin Sottile está convencido de que seu método, por mais rudimentar que seja, é eficaz na erradicação do vespão asiático.

colónias perdidas encontradas numa mina de dados: comércio global de mel, mas não pragas ou pesticidas, como uma das principais causas de declínios regionais de colónias de abelhas

“Destaques
A base de dados da FAO mostra que o declínio das abelhas é:

• Regional, mas não global.

• Afetado pelo comércio global de mel.

• Impulsionado por mudanças políticas e socioeconómicas.

Perdas recentes de colónias de abelhas (Apis mellifera) têm sido associadas a vários fatores não-exclusivos; tais como pragas, parasitas, pesticidas (por exemplo, neonicotinóides) e outras toxinas. Enquanto essas perdas representam uma ameaça à apicultura, o número de colónias geridas globalmente parece ser menos afetado porque os apicultores substituem as colónias perdidas. De uma perspectiva socioeconómica e ecológica, o número de colónias manejadas é discutivelmente mais relevante quando se trata da questão dos serviços de apicultura e polinização fornecidos pelas abelhas. Aqui, usamos o banco de dados da FAO para dissecar as interações entre o mercado global de mel e o número de colónias. Análises à escala global não mostram um declínio geral de colónias. Enquanto a Europa Ocidental e os EUA mostram declínios nas colónias, outras regiões mostram um aumento considerável. Não foi possível encontrar qualquer ligação entre a dinâmica das colónias e a ocorrência de patogenos específicos ou o uso de pesticidas. Em contraste, mudanças no sistema político e socioeconómico mostram fortes efeitos sobre a apicultura. Além disso, muitos países mostram uma estreita correlação negativa entre a importação de mel e o número de colónias geridas. Para alguns países, a quantidade de mel produzida por colónia está altamente correlacionado positivamente com a quantidade de importações de mel, e não podemos excluir a re-rotulagem em larga escala de mel importado para mel nacional. É muito claro que o comércio de mel é um fator preponderante para o número de colónias manejadas, já que os países com uma forte relação de importação e exportação são aqueles que mais sofrem com o declínio de colónias.

fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0167880915300931

Nota: importa destrinçar entre declínio do número de colónias de abelhas e mortalidade de colónias de abelhas. O declínio não ocorre se os apicultores substituírem as colónias mortas por novas colónias, por exemplo através dos desdobramentos das sobreviventes. No caso vertente, o artigo correlaciona o declínio do número de colónias de abelhas em certas regiões do mundo com o comércio internacional do mel. Este, como sabemos, está mal regulado, o que provoca distorções aleatórias e de difícil acomodação com os custos reais da actividade em certas regiões do mundo, como é o caso europeu. Como já referido por mim anteriormente, a sustentabilidade económica da actividade apícola tem um papel decisivo na decisão do apicultor de aumentar, manter ou diminuir o seu efectivo de colmeias. Temo que em Portugal venhamos a assistir, num futuro muito próximo, ao declínio do efectivo apícola português, resultado de uma percepção da difícil sustentabilidade económica da actividade. Mudanças na política de apoios ao sector são vitais e urgentes para o evitar. Aqui ao lado, Espanha é um exemplo de como os apoios estatais contribuem para uma maior vitalidade da sua fileira apícola.

linha do tempo para a introdução de setressores bióticos de abelhas nos EUA

“Alguns destes setressores bióticos estão estabelecidos há muito tempo, enquanto outros só chegaram recentemente.

Os ursos, é claro, sempre estiveram presentes nos Estados Unidos. Para a traça da cera, Shimanuki et al. (1980) indicam que as patentes norte-americanas estavam sendo concedidas para armadilhas das traças já em 1840.

Antes da Primeira Guerra Mundial, as operações de apicultura dos EUA foram expostas à loqe americana e europeia, e os pesquisadores começaram a identificar a Nosema apis, um patogeno fúngico. Na década de 1960, a criação de giz/ascosferiose – outra doença fúngica – foi descoberta pela primeira vez no Utah e em 1975 foram detectados casos em 34 estados.

No início dos anos 80, o complexo de três vírus relacionados – Vírus da Paralisia Aguda da Abelha (ABPV), Vírus de Kashmir da Abelha (KBV) e
o Vírus Israelita da Paralisia Aguda (IAPV) — foi identificado nos Estados Unidos (De Miranda et al., 2010).

Em 1987, os ácaros Varroa foram detectados nos Estados Unidos e depois  espalharam-se pelo país em apenas alguns anos (Rosenkranz et al., 2010). Ellis (2016) descreve o ácaro Varroa como sendo na actualidade o maior setressor biótico das abelhas, tanto na sua capacidade de parasitar como agindo como vetor para diversos vírus, incluindo os vírus ABPV, KBV e IAPV e o vírus das asas deformadas. De fato, Ellis (2016) argumenta que o controle do ácaro Varroa deve ser a primeira abordagem para prevenir profilaticamente a propagação da maioria dos vírus.

O pequeno escaravelho da colmeia chegou em 1996  (Hood, 2000), e o patogeno fúngico Nosema ceranae (originalmente endémico da Apis cerana,
abelha asiática) foi detectado nas populações de Apis mellifera em 1996 (Chen et al., 2008).”

Seria mais interessante apresentar esta linha de tempo para o caso português, mas se existe desconheço-a.

fonte: https://www.ers.usda.gov/webdocs/publications/88117/err-246.pdf?v=0

glifosato: um perigo para as abelhas?

Para alguns (apicultores e outros),  o glifosato é um produto que está associado de forma inquestionável com a morte/desaparecimento das abelhas. Do que me vou apercebendo esta ideia é basicamente sustentada na leitura dos títulos e artigos sensacionalistas e simplistas publicados  em jornais e revistas, a que se soma o efeito de megafone destas notícias nas redes sociais.

Para alguns outros, tão só basta saber que ele (glifosato) faz parte dos químicos de síntese, para estar irremediavelmente condenado. O viés perceptivo dos indivíduos deste grupo mete tudo o que termine em “cida” no mesmo saco: insecticidas e herbicidas é tudo igual. A este respeito fica o esclarecimento:

Enquanto muitos inseticidas podem de fato prejudicar uma variedade de insetos, a grande diferença é que o glifosato não é um inseticida, mas um herbicida.  A enzima alvo particular do glifosato não existe nos animais, o que significa que não interfere com a nossa síntese de aminoácidos e tem uma toxicidade geralmente muito baixa fora das plantas .

Para outros, é tão só necessário saber que o produto é fabricado pela Monsanto/Bayer para estar sumariamente condenado, como um produto que faz parte de um grande plano destas empresas para erradicar os polinizadores naturais da face da terra.

Finalmente para outros, os dados veiculados por alguns (poucos) estudos experimentais, ainda que com diversas fragilidades metodológicas, são mais que suficientes para elevar ao altar de “verdade” universal as conclusões  ali apresentadas. Entre outros destaco os estudos conduzidos na Argentina por W. Farina e, mais recentemente, por Erick V. S. Motta. Estes dois estudos em particular criaram um meme acerca da correlação* entre o glifosato e o desaparecimento das abelhas.

Para os interessados em questionarem de forma mais aprofundada e esclarecida o efeito manipulador deste meme, para os interessados em conhecer com maior detalhe as fragilidades e contradições destes dois estudos e que sustentam a crença “o glifosato está a matar as nossas abelhas” deixo este link: https://thoughtscapism.com/2018/06/11/no-glyphosate-is-not-a-threat-to-bees/

O que está verdadeiramente a matar as abelhas? No meu caso a legislação absurda quanto à comercialização dos produtos da colmeia, as não-ajudas directas ao sector, o assobiar para o lado no que respeita ao controlo inteligente de pragas (em especial a velutina). Pergunto: quantos deixaram a apicultura por causa do glifosato? Pergunto: quantos deixaram a apicultura por causa da inexistência de ajudas directas ao sector?

Enquanto andamos distraídos com o glifosato em encontros de apicultores, formações, simpósios, fóruns,… assistimos de forma mais ou menos gradual e silenciosa à crescente falta de sustentabilidade da actividade apícola, este sim o aspecto mais crítico e que maior perigo apresenta para a sobrevivência das abelhas.

*um dos aspectos mais básicos da metodologia de investigação científica, mas também dos mais esquecidos, é o facto de as correlações entre variáveis/fenómenos não serem suficientes para estabelecer relações de causalidade.