a foto possível de uma colmeia na serra

Na verdade o meu telemóvel é do tempo da fundação da república e não tenho fotos para mostrar. Mas quem não tem cão caça com gato, e assim sendo fica aqui a “foto” possível de uma das minhas colmeias, no período que vai de 14-03 de 2016 até 28-04-2017. Esta colmeia é representativa das maioria das colmeias de um apiário com 68 colmeias do modelo Langstroth, onde estão colocadas, à data de 28 de abril, 109 meias-alças e 23 alças em cima das colmeias.

Neste apiário e nesta altura do ano a colheita de néctares ainda só deve ir a meio. Neste momento estão a entrar os néctares das urgueiras brancas e mais adiante virão os néctares e meladas dos castanheiros e azinheiras. Conto colocar pelo menos mais 1 vez a uma vez e meia o número de meias-alças colocadas até esta data.

Uma nota: não acredito que a rainha seja de 2014. É provável que as abelhas tenham substituído a rainha numa altura em que não me apercebi. Contudo este é um dado que me importa e que valorizo: adoro as colónias que substituem as suas rainhas sem que eu me aperceba, sem que veja um decréscimo na produção e população.

287 Lang Rainha de Março de 2014 (filha da 145)

Linha muito produtiva (2014; 2015;). Genética a seleccionar. Abelhas dóceis.

14-03: 5 Q de criação excelente. 7 Q de abelhas. Coloquei 2 tiras de Apivar.

24-03: 6 Q de criação. Coloquei Apipasta.

07-04: 8 Q de criação. Coloquei sobreninho com ceras laminadas.

18-04: Tirei sobreninho. Coloquei 1ª ½ alça com ceras puxadas.

21-04: Deu 1 Q de criação. Fica com 7 Q de criação. Coloquei cera laminada.

30-04: Deu 1 Q com criação. Fica com 7 Q com criação. Coloquei cera laminada. Coloquei 2ª ½ alça de ceras laminadas.

24-05: Coloquei 1 cera laminada no ninho. Tem espaço na 2ª ½ alça. (T)

07-06: Coloquei 2 ceras laminadas no ninho. Coloquei 3ª ½ alça de ceras laminadas. (T)

28-06: Tem espaço na 3ª ½ alça.

16-11: 8 Q de abelhas. Fraca de reservas. Coloquei 1º de saco de Apifonda.

14-03: 6 Q de criação. 8 Q de abelhas. Fraca de reservas. Coloquei Q com reservas e meio saco de Apifonda. Coloquei 1ª ½ alça. (T)

10-04: 8 Q de criação. Tirei 2 Q com criação. Coloquei cera laminada e Q de ½ alça. Coloquei 2ª ½ alça.

28-04: Coloquei 3ª ½ alça.

 

 

 

a regra “não mais de 6”

Este ano estou a utilizar um procedimento sistemático na grande maioria das minhas colmeias. Em quase todas as colmeias com 8 quadros de criação estou a retirar 2 quadros com criação e a colocar um quadro com cera laminada na posição 2 e um outro de meia-alça na posição 9.

A análise do histórico das minhas colmeias tem-me mostrado que trabalhando com uma só caixa a ninho, existe uma correlação assinalável entre os 8 a 9 quadros de criação no ninho e o facto de as abelhas entrarem em modo de enxameação. Raramente me enxameou uma colmeia que não tivesse 7 a 9 quadros cheios de criação no ninho. Esta verificação não é uma lei (há muitas excepções nos históricos das minhas colmeias), mas ajo como se o fosse. O princípio é estar à frente das abelhas. Dar-lhes espaço e cera no ninho é uma forma de o alcançar.

Desde que sou apicultor “abro” os ninhos frequentemente com ceras laminadas, em especial na época de enxameação. Noto contudo que este ano há uma coisa diferente no meu maneio: esta decisão foi tomada com grande convicção, elevada a regra e aplicada de forma sistemática.  Actuar de forma sistemática, isto é eleger e/ou construir um sistema de maneio, aplicá-lo de forma quase automática é uma necessidade que apenas alguns de nós compreenderão na plenitude. Por ex. os apicultores de maior dimensão sabem bem que agir de forma padronizada poupa tempo e diminui o desgaste mental.

Escolher este ou aquele tipo/sistema de maneio das colmeias depende das mais diversas  causas, começando pelas idiossincrasias de cada apicultor e terminando na dimensão do seu efectivo apícola.

Mais adiante voltarei a este tema com dados acerca dos resultados. Um dado interessante e muito animador é que até esta altura em que escrevo tenho do meu conhecimento 2 colmeias enxameadas, em cerca de 550 trabalhadas pelo meu empregado e por mim durante esta semana. Cerca de 30 estavam já em modo de enxameação ou a preparar-se para tal; dividi-as, as abelhas continuam na minha posse a criar mais abelhas.

o material vinculativo

Nestas duas últimas semanas fiz várias intervenções nos meus apiários que espero venham a ter um impacto assinalável nos resultados deste ano.

Mais adiante conto referir algumas delas. No entanto, por vezes, são as pequenas coisas que mais nos ficam na memória e que mais nos levam a reflectir nos caminhos que a natureza foi encontrando para a perpetuação das espécies. Vem esta conversa a propósito de um pequeno episódio que ocorreu no meu apiário da beira litoral.

No passado domingo insatisfeito com o padrão de postura de uma rainha decidi eliminá-la. Depois de lhe ter passado com o raspador/formão por cima, deitei-a ao chão logo ali. Passado cerca uma hora o meu empregado chamou-me a atenção para um aglomerado/cacho de abelhas no chão, no mesmo local onde tinha deitado a rainha morta.

No dia seguinte, logo pela manhã cedo, voltei ao apiário e lembrando-me deste episódio fiz questão de olhar para o local onde no dia anterior tinha deitado a rainha, e voltei a ver um aglomerado de abelhas por lá. Ainda hoje me pergunto se as abelhas por lá pernoitaram, no exterior da colmeia, ainda atraídas por uma força invisível à sua mãe? Estou em crer que sim.

Na terça feira, já num apiário da beira alta, pedi ao meu empregado que encontrasse e eliminasse duas rainhas que, de acordo com os registos das visitas anteriores, apresentavam um padrão de postura duvidoso. Junto com estas orientações ia uma outra: “depois de eliminar a rainha abra um pequeno buraco no chão e tape a rainha morta com terra”.

Seja nas pessoas, seja nas abelhas, seja noutra qualquer espécie os vínculos são feitos de uma matéria intangível tão ou mais forte que o aço. Nas abelhas o material vinculativo, os entendidos chamam-lhe feromonas.

colmeias langstroth e/ou lusitana: sobreninho sim ou não… depende

A propósito da questão colocada pelo Alessandro: “eu queria saber se usar duas câmaras de postura é vantagem,se o enxame fica maior?” volto a um post anterior (este) onde escrevi:

“Ao contrário das populações que se expandem exponencialmente devido a um número cada vez maior de reprodutores, a colónia de abelhas tem apenas uma fêmea que produz ovos férteis. Este facto per si estabelece um limite na taxa máxima de nascimentos (o limite é o número de ovos que o rainha põe a cada dia). […]

Analisemos com algum detalhe as limitações ao número de nascimentos de abelhas. O desenvolvimento das colónias e a manutenção de grandes populações depende de: (1) a capacidade da rainha de pôr ovos, (2) capacidade da população nutrir e manter a temperatura favorável da criação, (3) reservas de pólen e mel, e (4) espaço suficiente e no local adequado para a postura da rainha.

As investigações levadas a cabo para definir o número de ovos que uma rainha põe por dia (ovodeposição) fazem-se contando o número de alvéolos com criação operculada/fechada. Os dados não são completamente convergentes:  Nolan refere que o número máximo de alvéolos com criação operculada é de cerca de 15.000, Harris cerca de 17.000, Winston cerca de 21.000. Estes números sugerem que uma rainha de boa qualidade e em condições ideais põe 800-1100 ovos por dia (supondo 90% de sobrevivência das larvas), valores que são convergentes com as contagens efectuadas por Farrar, que refere cerca de 900 ovos por dia. Há, naturalmente, rainhas excepcionais que ultrapassam estes números.

Segundo os dados do investigador canadiano Harris […] Quando as rainhas atingem o máximo de ovodeposição as colónias apresentam cerca de 16 000 alvéolos operculados (de acordo com as medições de Nolan e Harris). Se bem junta nos quadros esta criação operculada, mais os ovos e a criação larvar aberta, não ocuparia mais que 5-6 quadros do ninho Langstroth. Verdadeiramente surpreendente. Outro dado muito interessante é que neste momento a colónia atingiu cerca de metade da sua população máxima, isto é cerca de 30 000 abelhas. Estas abelhas ocupam 15-17 quadros da alça/corpo do modelo Langstroth.

Aplicação prática: o apicultor durante este período de aumento linear da ovodeposição deve certificar-se de que a rainha tem espaço e que este espaço está concentrado no ninho.  O rearranjo dos quadros no ninho e o fornecimento de quadros puxados ao ninho na posição correta, maximiza a postura da rainha. Inverter o ninho e sobreninho e/ou adicionar quadros puxados (na ausência destes, adicionar quadros laminados com cera de qualidade), é o maneio mais adequado nesta época do ano. Aceitemos que se uma rainha precisa colocar um ovo a cada minuto, ela não pode gastar muito tempo à procura de um lugar onde fazê-lo. O ninho deve estar aberto e o espaço para a postura concentrado.

Uma pergunta perene da apicultura é exatamente quanto espaço uma rainha realmente exige? A partir dos números acima podemos calcular quantos quadros Langstroth são necessários para satisfazer a necessidade de espaço da rainha. Nestes quadros há quase 7000 alvéolos (segundo Randy Oliver mais precisamente 6960 numa base padrão) nos dois lados de um quadro de alça/ninho. Se esse quadro está 70% cheio com criação (nos restantes 30% é o espaço para o pólen e néctar), ficam de 4.875 alvéolos para a criação, ou 43.875 em nove quadros (por exemplo, 10 quadros na caixa, mas sem ninhada nos dois lados mais externos) . Uma rainha colocando 1500 ovos por dia pode encher 30.000 alvéolos em 20 dias; A 2300 ovos / dia, temos 46.000 em 20 dias. Sendo assim, a matemática diz-nos que um único corpo/alça Langstroth fornece espaço suficiente para qualquer rainha, desde que não esteja bloqueado com mel ou pólen.

Randy Oliver refere que esta é a configuração preferida por muitos apicultores australianos, que hoje em dia preferem as colmeias de uma só câmara de criação, com uma excluidora por cima desta, e fazem enormes colheitas de mel. Diz também que ele próprio raramente encontra mais de 10 quadros com criação.”

 

Voltando à questão do Alessandro fica claro, julgo eu, que uma só câmara de criação nas colmeias do modelo Langstroth ou do modelo Lusitana oferece o espaço suficiente para a postura de uma boa rainha, desde que não bloqueada com mel e/ou pólen.

Contudo nem sempre os ninhos oferecem estas condições desejáveis, portanto alguns apicultores que utilizam estes modelos de colmeia preferem trabalhar sempre com duas câmaras de criação (ninho e sobreninho).

Sei o seguinte de várias fontes confiáveis, assim como das minhas observações:

  • colónias com rainhas com 2 anos tendem a enxamear mais;
  • colónias que habitam ninhos de pequenas dimensões tendem a ficar congestionadas de abelhas mais rapidamente e a enxamear mais cedo e/ou mais frequentemente.

Qual a minha opção? Uma ou duas câmaras de criação? No passado e neste ano a minha opção tem sido mista: nem todas as colmeias com ninho duplo nem nenhuma colmeia com ninho duplo.

Nas colmeias que neste momento estão a entrar na primavera com 7 a 8 quadros com criação e/ou com rainhas com 2 anos estou a colocar um sobreninho. Espero com a segunda câmara de criação atrasar ou mesmo eliminar a pulsão para enxamearem. A minha experiência com esta medida no ano passado foi positiva. Em parte por isso, este ano e até à data, já tenho 86 colmeias com sobreninho (conto colocar ainda mais 40 a 50) quando no ano passado não coloquei mais do que 61 sobreninhos.

vendo enxames e pacotes de abelhas

Vendo enxames dos modelos Langstroth e Lusitana nas seguintes dimensões:

  • enxames com 10 quadros de abelhas: 7/8 quadros com criação e 3/2 quadros com reservas;
  • enxames com 7 quadros de abelhas: 5 quadros com criação e 2 quadros com reservas;
  • enxames com 5 quadros de abelhas: 3 quadros com criação e 2 quadros com reservas;
  • enxames com 3 quadros de abelhas: 1 quadro com criação e 2 quadros com reservas.

Vendo estes enxames com rainhas:

  • com 8 a 10 meses,
  • com menos de 2 meses.

Posso vender enxames orfãos, em condições especiais a combinar.

Vendo também pacotes com 1Kg de abelhas.

Utilizem os comentários para colocarem as vossas questões e darem-me os vossos contactos para poder responder (e-mail e telemóvel). Estes comentários não serão publicados por mim, mantendo-se toda a confidencialidade necessária e desejável nestas situações. Se estiverem interessados em adquirirem abelhas não deixem de fazer este contacto. Julgo que ficarão agradavelmente surpreendidos.

acaricidas no interior da colmeia e seu efeito sobre a substituição da rainha e o crescimento de colónias de abelhas (Apis mellifera)

Sumário: As abelhas (Apis mellifera) contribuem anualmente com cerca de US$ 200 mil milhões para a economia global, principalmente através da polinização de culturas. Apesar de sua importância, o número de colónias de abelhas continua a diminuir. Pesquisas recentes mostraram que a perda de colónias é atribuída em grande parte aos problemas associados ao ácaro ectoparasitário Varroa destructor e às questões relacionadas com a má qualidade das rainhas (particularmente a substituição prematura das rainhas), que muitas vezes resultam na diminuição da produtividade das colónias e o aumento do risco de mortalidade. Pretendemos investigar de que forma a exposição subletal a acaricidas aplicados por apicultores afeta as abelhas a um nível individual (rainha) e as colónias como um todo. Comparámos o crescimento (construção de favo, produção de criação, alimento armazenado e população de obreiras), as taxas de substituição de rainha e as probabilidades de sobrevivência ao inverno de colónias que eram lideradas por rainhas que foram criadas em realeiras com cera de abelha carregada de acaricidas e rainhas criadas em realeiras com cera de abelha sem acaricidas e colocadas em colmeias que foram tratadas com acaricidas ou deixadas sem tratamento. Contrariamente à nossa previsão, descobrimos que as colónias tratadas, lideradas por rainhas criadas em cera de abelha carregada de acaricidas, construíram significativamente mais favo de obreira e zangão e armazenaram mais comida do que qualquer outro grupo de colónias. No entanto, não observámos qualquer outro efeito significativo do tratamento de colónias sobre a quantidade de produção de criação, tamanho da população de obreiras, taxa de substituição da rainha ou a sobrevivência da colónia no inverno. Assim, não conseguimos observar um efeito negativo direto da exposição ao acaricida ao nível da colónia. Mais estudos são necessários para testar ainda mais os efeitos sinérgicos potencialmente prejudiciais dos acaricidas no interior das colmeias sobre a saúde das abelhas ao nível das colónias.

Fonte: https://www.omicsonline.org/open-access/inhive-miticides-and-their-effect-on-queen-supersedure-and-colonygrowth-in-the-honey-bee-apis-mellifera-2161-0525-1000377.php?aid=73853

Alguns apicultores, pelo mundo fora, deixaram de utilizar acaricidas sintéticos para evitar os alegados impactos negativos destes sobre a saúde das colónias de abelhas. Em alternativa utilizam acaricidas orgânicos para evitar os resíduos que os sintéticos poderão deixar na cera das abelhas. Na minha opinião este estudo, recentemente publicado (maio de 2016), reabre uma linha de investigação acerca do efeito sub-letal que os acaricidas sintéticos alegadamente têm sobre a saúde das abelhas, em especial sobre a saúde das rainhas. Os autores deste estudo (entre eles o conceituado R. Tarpy) não conseguiram observar um efeito negativo direto da exposição ao acaricida ao nível da colónia e também no que respeita à saúde/vitalidade das rainhas.  

Não pretendo convencer ninguém a abandonar os tratamentos orgânicos se tem sido bem sucedido com eles. Para muitos de nós esta e outras questões continuam em aberto, a necessitar de mais investigação. Para alguns outros são questões já resolvidas, há muito, sobretudo suportadas nas suas crenças e ideologias, ainda que com pouca ou nenhuma adesão à realidade. Na verdade, as abelhas mais cedo ou mais tarde teimam em mostrar-nos o que é realidade e o que é fantasia.

tão perto e tão longe… mas tudo se aproximará

Este post tem como propósito comparar, genericamente, o nível de desenvolvimento de dois apiários que distam entre si cerca de meia-dúzia de quilómetros em vôo de pássaro.

Apiário 1) com 44 colmeias. 

Notas gerais da inspecção às colmeias realizada no dia 24-02:

  • todas as colmeias estavam vivas;
  • colmeias no geral com 4 a 5 Q de abelhas;
  • com 8 ou mais  quadros de abelhas: nenhuma colmeia;
  • com 6 e 7 Q de abelhas: 8 colmeias;
  • alimentei algumas colmeias;
  • estão a meter pólen amarelo.

Apiário 2) com 26 colmeias. 

Notas gerais da inspecção às colmeias realizada no dia 24-02:

  • todas as colmeias estavam vivas;
  • com 8 ou mais  quadros de abelhas: 8 colmeias;
  • com 6 e 7 Q de abelhas: 6 colmeias;
  • alimentei algumas colmeias;
  • estão a meter pólen amarelo e outro vermelho.

Facilmente se constata que no apiário 2, e à data, há um número significativamente maior de colmeias mais desenvolvidas. A razão que encontro para o sucedido passa pela melhor exposição ao sol nascente das colmeias no apiário 2. Resta dizer que no início de maio o histórico me diz que a força das colmeias nestes dois apiários estão equiparadas. Mais que uma vez vi colmeias “fracas” apanharem colmeias “fortes”. Nesta linha de raciocínio acrescento: mais que contar os quadros cheios de criação de uma ponta à outra a meio do inverno, importa-me contar os bidões que enchi com mel até ao final do verão. São estes que me vão pagar as contas.

Ver aqui como, em condições normais, uma colmeia com 4 a 5 Q de abelhas a 8 semanas do início do fluxo principal de néctar estará em condições de fazer uma boa colheita.

controlo da enxameação em colónias de abelhas

Este artigo é já antigo (1969) mas muito do que apresenta continua actual, até porque a abelha e os instintos que a caracterizam continuam a ser os mesmos de há muito muito tempo para cá.

Resumo: Quatro métodos de manipulação de colmeia comumente utilizados para prevenção de enxames não conseguiram reduzir sua incidência. Colónias com rainhas de primeiro ano criadas na primavera não apresentaram nenhuma tentativa de enxameação. A incidência de preparação de enxameação foi menor em colónias com rainhas com um ano que naqueles com rainhas do segundo ano. As colónias que enxamearam não produziram excedente de mel, e aquelas que se prepararam para enxamear, mas foram impedidos de fazê-lo, produziram menos mel do que as colónias que não fizeram nenhuma preparação. A perda de mel provocada pela enxameação foi evitada com a introdução de rainhas de primeiro ano criadas na primavera, ou cortando a asa das rainhas e/ou destruindo quinzenalmente as realeiras surgidas. A perda de mel associada à preparação do enxameação foi evitada com a introdução de rainhas de primeiro ano criadas na primavera.

fonte: http://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1080/00288233.1969.10421245

As colónias que enxamearam não produziram excedente de mel” é uma frase do resumo acerca da qual desejo fazer um comentário. A minha experiência diz-me que esta não é uma inevitabilidade, desde que evitemos os enxames secundários (garfos). O ano passado foi uma preocupação que tive: quando não consegui evitar a enxameação primária, fiz o melhor que soube e pude para evitar a enxameação secundária. Nos casos bem sucedidos consegui que vários destes enxames me dessem algum excedente de mel.

Este ano espero melhorar significativamente na redução da enxameação primária e baixá-la para menos de 10%. Uma das medidas a adoptar passa pela introdução de rainhas novas nas primeiras semanas da primavera em cerca de 40% a 50% do meu efectivo.

efeito da idade na sobrevivência e fertilidade de rainhas Apis mellifera iberiensis introduzidas em núcleos de fecundação

Considero este estudo muito interessante a vários títulos:

  • foi realizado com abelhas do nosso ecotipo, a.m. iberiensis;
  • os resultados não confirmam as ideias que muitos têm/tinham (grupo onde me incluía);
  • é interessante ir à fonte e ler com atenção a forma simples como introduziram as rainhas virgens (secção acerca dos materiais e métodos);
  • tão ou mais interessante é verificar a elevada taxa de aceitação das rainhas virgens (entre 80% e 100%) o que me faz pensar que são uma alternativa à introdução de mestreiros ou de rainhas fecundadas e que deverei testar.

Resumo: A produção de rainhas com recurso ao método Doolittle [método que recorre ao translarve] é uma prática amplamente aceite na apicultura. Embora o procedimento seja completamente padronizado, a introdução de uma rainha virgem numa colónia estabelecida levanta o problema da aceitação. As rainhas obtidas pelo método de Doolittle podem ser introduzidas diretamente em colmeias com uma grande população, mas é comum recorrer ao uso de um núcleo de fecundação, porque as taxas de sobrevivência e aceitação da rainha são maiores do que aquelas obtidas usando colmeias padrão, com populações maiores. Rotineiramente as rainhas novas são introduzidas no núcleo dois dias após o nascimento. Com entre 2 e 14 dias as rainhas realizam os vôos nupciais em que  acasala com entre 8 e 29 zângãos. Entre 4 e 5 dias depois de fazer tais voos a rainha começa a efectuar a postura. É amplamente aceite a ideia de que rainhas fecundadas com uma idade já superior a 10 dias perdem parcialmente ou totalmente a sua fertilidade. Neste trabalho estudamos a sobrevivência e fertilidade de rainhas irmãs, procedentes de um banco de rainhas e introduzidas em núcleos de fecundação com 1, 8, 15, 22, 29 e 43 dias de idade. Os resultados mostram alta aceitação e manutenção da fertilidade até aos 29 dias de idade.

fonte: http://www.uco.es/dptos/zoologia/Apicultura/trabajos_libros/2012_Actas_Iberoamericanas.pdf