tratamentos para a varroose: a experiência de Bob Binnie

Nesta recente conversa de Bob Binnie, que me foi sinalizada pelo Marcelo Murta, uma parte importante da mesma é dedicada a considerações interessantes sobre diversos tratamentos/medicamentos, a saber: toalhetes de ácido oxálico misturado em glicerina (propostos e desenvolvidos por Randy Oliver); Apivar; Apiguard; ácido oxálico sublimado.

Os toalhetes de ácido oxálico misturado em glicerina foram submetidos a um estudo de eficácia pela Universidade da Geórgia em colónias fornecidas pelo Bob Binnie. Os resultados foram muito pouco satisfatórios como revela o próprio. A elevada humidade da região é a razão provável para estes maus resultados. Randy Oliver já havia referido, há algum tempo atrás no seu blog e/ou Bee-L, resultados decepcionantes deste veículo de ácido oxálico em territórios com elevada humidade ambiental, contudo sugere outra explicação, como veremos noutra publicação a surgir num futuro próximo. O Randy está novamente a ensaiar a opção de um veículo em cartão, opção mais próxima da originalmente proposta pela cooperativa argentina que tornou conhecida esta modalidade de tratamento com o nome Aluen Cap.

Sobre o Apivar, Binnie refere que na aplicação que fez no passado mês de agosto a sua eficácia não foi tão boa como tem sido no passado. Apesar disso diz que vai voltar a utilizá-lo este próximo mês de agosto. Nas entrelinhas da conversa parece-me que está céptico em relação à tese de estar na presença de varroas resistentes ao amitraz.

Relativamente ao Apiguard, faz a habitual recomendação acerca do cuidado que deve haver quando se aplica com temperaturas elevadas, isto é temperaturas acima dos 30ºC-35ºC, e recomenda um regime de aplicação de metade da dose (25 gr.), repetida três vezes, com uma renovação da dose 7 a 10 dias após o início da aplicação anterior. Esmiuçando para ficar muito claro, significa por ex. colocar a primeira dose de 25 grs. dia 1, renovar com segunda aplicação dia 8 e, finalmente, aplicar terceira dose dia 15.

Fogger ou nebulizador/vaporizador

Quanto ao tratamento por sublimação do ácido oxalico com o “fogger”, Joe May refere a simplicidade na sua utilização, mas com resultados inconsistentes devido a um débito inconstante destes nebulizadores. Por seu lado Bob Binnie aponta a baixa eficácia de vários programas de tratamento com ácido oxálico sublimado na presença de criação (não me surpreende! Já desde 2016 que leio relatos de resultados insatisfatórios no Beesource). Os programas de tratamento com sete dias de intervalo, repetidos por três vezes, são um fracasso de acordo com a sua opinião. Mais, refere um estudo conduzido por Jennifer Berry, ainda por publicar, onde se avaliou um regime 5 a 6 de aplicações a cada cinco dias e no qual não se conseguiu baixar a taxa de infestação. Refere que o número de ácaros no final das rondas era igual ao número de ácaros presentes no início do tratamento. Refere que alguma investigação tem identificado uma fase de dispersão dos varroas (fase forética) de apenas 4 dias. Posso acrescentar a este propósito que testes em laboratório identificaram varroas com a fase de dispersão a durar menos de 24 horas — ver Rosenkranz et al., 2010, num artigo que permanece um dos melhores feitos até à data sobre o ciclo de vida e biologia deste irredutível inimigo das abelhas. Bob Binnie diz que Jennifer Berry vai prosseguir a sua investigação e reduzir os intervalos entre aplicações a 3 dias. Isto significa que para apanhar um ciclo completo de criação (21 dias para obreiras e 24 dias para os zângãos) serão necessário fazer entre 7 a 8 aplicações de um ácido muito potente sobre as abelhas e sua rainha. Para além dos custos em tempo, trabalho, deslocações e gasto de material, fico apreensivo sobre os efeitos que poderá ter sobre o elemento mais longevo da colónia, a rainha, 7 a 8 aplicações de um químico tão potente como é o ácido oxálico em tão curto espaço de tempo. Caso fosse eu a dirigir este programa quereria avaliar também eventuais efeitos sub-letais deste regime intensivo de aplicações de ácido oxálico sobre as rainhas.

Felizmente há um maneio alternativo, entre outros, muito mais amigável para as abelhas e creio também para o apicultor, para quem deseje utilizar o ácido oxálico sublimado numa fase da vida da colónia em que há muita criação operculada presente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.