o trabalho num apiário e a sua dimensão investigatória

Há cerca de um ano atrás fiz esta publicação que intitulei “o trabalho num apiário e a sua dimensão lúdica”. Ontem, no mesmo apiário, o meu trabalho teve uma orientação predominantemente investigatória — não deixando de ter a dimensão lúdica.

Dado que o trabalho previsto para um dos meus apiários a 900m foi adiado para o dia seguinte considerando as baixas temperaturas, voltei ao apiário onde no passado sábado utilizei uma solução de antecipação para prevenir e para controlar a enxameação em seis colónias como relatei aqui. Nesse sábado, das seis colónias orfanadas, uma apresentava mestreiros de enxameação. As outras cinco tinham 8 ou mais quadros com criação e não lhes vi mestreiros de enxameação.

Tendo este pequeno grupo de seis colónias orfanadas aproveitei para iniciar um teste muito informal sem cariz científico — sei o suficiente das exigências método científico para o reconhecer —, e me permitirá confirmar a título meramente indicativo e pessoal se algumas das minhas crenças e cepticismos têm ou não algum chão para se sustentarem. Entre outras:

  • uma colónia orfanada, desde que com muitas abelhas jovens e bem nutrida, tem todas as condições para criar rainhas de emergência com grande qualidade;
  • com boas condições iniciais, muitas abelhas e nutrição suficiente, os mestreiros de emergência são seleccionados pelas abelhas, isto é, aqueles iniciados com larvas mais velhas acabam por ser eliminados pelas abelhas (ver aqui);
  • uma colónia, ainda que artificialmente orfanada, se tiver muitas abelhas pode ainda assim enxamear com uma ou mais das rainhas virgens que emergirem;
  • uma colónia orfanada, com uma grande população e que crie várias rainhas virgens pode tardar em ficar resolvida, até ter uma só rainha fecundada e em postura;
  • uma colónia orfanada, com uma grande população, numa época de fluxo de néctar pode ficar parcialmente bloqueada no ninho no período que medeia a orfandade e o momento em que consegue que uma rainha inicie a postura.

Para testar informalmente estes aspectos decidi fazer o quer relato e ilustro em baixo. A questão do bloqueio não me interessa testar porque tem uma solução expedita e simples.

Caso de uma das colónias orfanadas, excepcionalmente povoada.
Decidi dividi-la por dois núcleos que ficaram a partilhar o local original…
… com as abelhas a encherem as duas caixas. Cada um deles tem as condições que considero necessárias, muitas abelhas, para criar excelentes rainhas de emergência.
Neste outro caso dividi esta colónia verticalmente com recurso ao velhinho tabuleiro divisor. Deixei mestreiros nas duas caixas, a de cima como ficou com a entrado orientada para o lado oposto ao da entrada original irá ficar muito menos povoada que a caixa inferior. Os mestreiros que ficaram nas duas caixas já estavam fechados. Viso verificar em qual deles se iniciárá primeiro a postura, se será no de cima que tem menos população como é minha hipótese.
Nesta colónia fiz a minha selecção de mestreiros. Esta selecção terá algum impacto na qualidade das rainhas? A minha hipótese é que pouco ou nada adianta esta selecção pelo apicultor. As abelhas quando em bom número criam as condições para construírem mestreiros de qualidade assim como seleccionarão os melhores. Ver um aspecto particular desta hipótese na foto em baixo.
Na minha opinião, uma condição inicial para que os mestreiros de emergência sejam de qualidade é serem construídos o mais possível na vertical. Esta condição permite que a larva se alimente facilmente da geleia real logo por cima no topo do mestreiro. O que tenho visto recorrentemente é que uma colónia órfã bem povoada rebaixa a cera no local de construção de alguns dos mestreiros por forma a permitir essa verticalidade.
Nesta colónia assim como numa outra não fiz qualquer manipulação. Assim seguirão sem qualquer manipulação até terem passado cerca e 30-35 dias. Irão criar rainhas de qualidade? Irão enxamear com as rainhas virgens que nascerão? Lançarão garfos sucessivos e a sua população ficará muito reduzida? Esta é a minha maior dúvida, tenho algum receio que sim, que lancem garfos. Assim acontece nos processos naturais de enxameação, a seguir ao enxame primário seguem-se os enxames secundários. Neste caso, o enxame primário foi artificialmente provocado com a orfanação e os mestreiros são de emergência, não de de enxameação. Estou muito curioso para verificar se estes enxames orfanados artificialmente irão mimetizar o processo de enxameação natural e lançar garfos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.