maneio a 900m de altitude

No meu apiário a 900 m de altitude, em pleno Parque Natural da Serra da Estrela, aproveitei o passado dia 22.04 com boas temperaturas máximas, a rondar os 17ºC, para transferir algumas colónias das caixas-núcleo, onde foram criadas, para colmeias onde continuarão o seu desenvolvimento.

Núcleo com 5 quadros já bem cobertos de abelhas e com 4 quadros com criação.
Nova casa para que a família se expanda.

Hoje, 26.04, e depois consultada e analisada a previsão meteorológica do IPMA para a semana que se inicia, e face à promessa de temperaturas máximas baixas (entre 10ºC e 12ºC), vários dias com chuva e aguaceiros, entendi ir ver como estavam de reservas. E a grande maioria estava no “osso”. Não as alimentasse hoje e no fim desta semana uma boa parte das colónias estaria morta (alimentei cerca de 80% das colónias).

Colónia com as abelhas a cobrir os 10 quadros e com 7 quadros com criação… e muito seca.
Saco anteriormente colocado e igualmente seco. Interessante constatar a água condensada no plástico. Boa parte desta humidade resulta da respiração de cada uma das cerca de 20 mil abelhas desta colónia. Esta, entre outras, é uma das razões que me leva preferir a pasta… absorve boa parte desta humidade.
Cerca 1,25 kgs de pasta que deverá chegar até à próxima sexta-feira, dia em que se prevê uma máxima a rondar os 14ºC e algum sol.
A marcavala, à espera de dias mais quentes, e que muito em breve estará a alimentar as minhas abelhitas.

criando as condições para que as colónias produzam naturalmente mestreiros de boa qualidade

Sempre que não tenho a pressão de clientes para lhes fornecer um número gordo de colónias até determinada data ou não desejo introduzir “sangue novo”, razões para adquirir rainhas virgens ou fecundadas aos bons criadores que tenho no nosso país, prefiro utilizar os mestreiros que as colónias vão produzindo nesta época do ano para aumentar o meu efectivo. E actualmente é este o contexto da minha operação, sem a pressão que tive até recentemente, profissão que hoje é vivida mais como um hobby e me permite certos luxos de tempo, algumas delicadezas e um pouco de experimentalismo no maneio.

Colónia armazém que apresentava indícios de ter iniciado um processo de enxameação.
Indício inequívoco do processo de enxameação: vários mestreiros na sua fase inicial de desenvolvimento.
Rainha encontrada é colocada num núcleo com mais um ou dois quadros com alguma criação e reservas.

Depois de orfanizada a colónia mãe (neste caso a colmeia armazém) é deixada intocada por 5 ou 6 dias. Nestas colónias super-povoadas os mestreiros embrionários, isto é, mestreiros com as larvas muito jovens das futuras rainhas vão continuar a ser alimentadas, aquecidas e atendidas por um grande número de abelhas ama, pré-requisito essencial para a qualidade das rainhas. Passada esta meia-dúzia de dias, volto ao apiário para dividir estas colónias em três colónias (2 no mínimo, 4 no máximo), fazendo o melhor aproveitamento/divisão possível dos mestreiros e abelhas presentes.

Aspecto interessante: aparentemente as abelhas roeram/rebaixaram um pouco os alvéolos nesta zona do quadro para poder construir mais verticalmente os mestreiros. A cera nova, mais maleável, ajuda as abelhas a fazê-lo.
Dois belos mestreiros, que ultrapassam o travessão inferior do quadro, parcialmente ocultos pelas abelhas.
A colónia mãe, orfanizada e com 2 a 3 mestreiros com 6 a 9 dias.
E mais duas colónias filhas, também orfanizadas e com os respectivos mestreiros a concluir a sua maturação durante a próxima semana.

Estas três colónias são colocadas muito próximas umas das outras para potenciar uma melhor distribuição das abelhas campeiras entre elas.

E alimentadas… caso não o estejam a ser.

Nestes últimos dias terei produzido entre 40 e 50 novas colónias e até à data tenho uma elevada convicção que nenhuma colónia enxameou. Dados os condicionalismos das condições edafo-climáticas nos últimos 15 a 20 dias, frio e chuva muito frequente e fluxo frouxo, as colónias não entram em modo de armazenamento e estão a “optar” pelo modo de enxameação. O trabalho de inspecção das colmeias tem sido feito com intervalos de tempo muito curtos em dois apiários a 600 m de altitude, ainda que limitado pelas condições climatéricas. O terceiro apiário, a 900 m de altitude, tem recebido menos atenção. É um apiário onde o período de enxameação começa 2 a 3 semanas mais tarde, e estou a contar com este desfasamento para me concentrar nas demoradas tarefas de inspecção e divisão das colónias dos apiários situados em cotas mais baixas.

mudam-se os tempos…

Nos últimos dois anos passei de 13 apiários para três. Esta evolução/involução do meu contexto está a modificar as minhas opções quanto aos desdobramentos/divisões. Se antes, e para evitar a drenagem de abelhas campeiras, optava por levar a(s) caixa(s) com a rainha e/ou órfãs para outro apiário, actualmente estou a deixar a caixa com a rainha e a segunda ou até a terceira caixa, resultantes das divisões, no mesmo apiário.

Colónias armazém com ninho e sobreninho são divididas em 4. Num núcleo coloco a rainha sempre que a encontro (cerca de 95% das vezes).
Podes esconder-te mas não podes fugir!
O quadro onde encontro a rainha é colocado num núcleo juntamente com mais um quadro ou dois, com mais alguma criação operculada e reservas.
Núcleo com quadro com rainha e um ou dois quadros com criação operculada/reservas e mais dois ou três quadros com cera laminada.
Núcleo com alimento suplementar não vá o diabo tecê-las, até porque vai perder campeiras nos próximos dois ou três dias!
Neste momento estou a colocar o núcleo com a rainha em cima da colmeia mãe com a entrada orientada no sentido inverso ao da entrada da colmeia (num post futuro conto explicar a razão para aqueles que ainda a não descortinaram).
Ninho de uma colmeia armazém depois de desdobrada.
Para além do núcleo onde coloquei a rainha e para além do ninho ilustrado em cima, dividi ainda esta colónia para estas duas caixas.
Porque razão haveria de trocar uma rainha com esta prova da sua qualidade, eliminando-a, por uma nova rainha sem provas nenhumas da sua qualidade?

Novos tempos… novas opções!

detalhes…

Ilustro, com as fotos em baixo, alguns detalhes observados nestes últimos dias de trabalho nos apiários.

Rosmaninho praticamente só com a espiga e sem flores. Com fluxo lento de néctar as colónias não entram em modo de armazenamento e o modo de enxameação contagia um número mais elevado .
Pela dimensão do buraco este mestreiro foi provavelmente roído pelas abelhas.
Abelha a emergir do alvéolo.

Cálice real à esquerda a evoluir para mestreiro, com larva e geleia real depositados no fundo.
Quando soldo a cera a tocar no travessão inferior do quadro, as abelhas aproveitam com frequência as três ou quatro filas de alvéolos junto a esse travessão para fazerem criação de zângão. Acredito que tal se deve ao facto das temperaturas oscilarem mais nessa zona do quadro. Está estabelecido que a criação de zângão tolera melhor essas oscilações que a criação de obreira.
Cada vez acontece menos, mas ainda vai aparecendo um ou outro.
Ferramentas que utilizo para, logo ali, solucionar este contratempo.
Resolvido, porque um quadro destes não se desperdiça, é colocado na colmeia.
Para o evitar, os quadros comprados nos últimos anos vêm com aquele agrafo lateral.

Randy Oliver animado com o evoluir das suas linhas resistentes

“… nós criadores de abelhas e rainhas, aqui na Califórnia, continuamos nosso trabalho diário no campo [em tempos da Covid 19].

Estamos a fazer várias centenas de núcleos por semana, e estamos em plena produção de rainhas.
Estou a dividir a um ritmo louco as nossas colmeias criadoras de rainhas para as impedir de enxamear.

A boa notícia é que a nossa criação de linhas selectivas resistentes ao ácaro varroa parece estar a ganhar força.
Começámos em 2017 com uma rainha resistente a servir de matriarca (juntamente com algumas colmeias com contagens baixas de ácaros).
Em 2018, cerca de 20 colónias atingiram uma boa classificação (mantendo menos de 1% de taxa de infestação em 5 amostragens com lavagem com álcool e ao longo do ano; permitimos um aumento até 3% na lavagem de novembro quando elas param a criação, mas devem baixar de novo para 1% ou menos até março).

Em 2019, 30 tiveram uma boa classificação. Nesta primavera e até agora, 56 atingiram uma boa classificação (depois de excluir colónias que apresentavam resistência mas que não estavam à altura por outras razões), com mais 25 colónias ainda para serem submetidas à lavagem com álcool quando retornarem da polinização das amendoeiras.

Sete colónias estão a desenvolver-se bem sem nenhum tratamento contra a varroa durante dois anos completos.

Todos os anos, renovamos as rainhas de todas as nossas colónias apenas com filhas de mães resistentes. O progresso é lento, mas é muito emocionante ver
colónias bonitas e fortes com contagem de ácaros a zeros após um ano inteiro sem tratamento.

Nesta temporada, irei utilizar um número maior de rainhas matriarcas para evitar um excessivo afunilamento da diversidade genética.
Estou ansioso para ver se a nossa porcentagem de colónias resistentes continua a aumentar.”

Randy Oliver
Grass Valley, CA
www.ScientificBeekeeping.com (Bee-L, 02.04.2020)

trabalho de oficina

Com o dia enevoado, frio e chuvoso aproveitei para soldar umas ceras laminadas, que planeio utilizar em desdobramentos a efectuar nos dias mais próximos.

O incrustador, que tem durado mais que as pilhas duracell, e o carretel de arame inox.
A cera, rígida, e por essa razão é necessário muito cuidado para não a quebrar logo ali no momento de a tirar para a colocar no quadro.
Lâmina de cera pronta a soldar.
Um dos detalhes que mais me importa ver nos quadros.
Qual é a pressa?… com tranquilidade preparei 12 caixas com quadros para os próximos dias.
Aproveitei para arrumar algumas coisas e, sem as procurar, vieram parar-me às mãos estas gaiolas de rainhas encomendadas a 4 criadores diferentes.
Algum do material armazenado na oficina, pré-preparado para ir para o campo nas duas próximas semanas.

4 dias depois, as saudades que eu já tinha das minhas abelhas

Neste post referi que a 14.04 encontrei 4 colmeias com sinais de enxameação. Em três delas encontrei alguns cálices reais com ovos e numa mestreiros abertos com larvas. Logo nesse dia realizei um conjunto de procedimentos tendo em conta os materiais que tinha à disposição e os meus objectivos para este ano, mais focados na duplicação de enxames e na verificação/confirmação da efectividade de algumas técnicas para adiar ou mesmo impedir a enxameação reprodutiva. Passo a descrever os procedimentos e no final os resultados alcançados.

Uma das colmeias em que encontrei cálices reais com ovos. O que fiz foi retirar 3 quadros com criação e nos espaços vazios intercalei 3 quadros com ceras laminadas (a pensar no checkerboarding de Walt Wright).
A aplicação do mesmo procedimento numa outra colónia.
Quadro com cera laminada que foi introduzido num dos espaços livre criado.
Anotação no tecto do estado da colmeia (a data errada revela bem que o calendário nem sempre está de acordo comigo).

Hoje, 18.04, passados 4 dias voltei ao apiário, para durante 5 horas realizar diversos procedimentos, entre os quais verificar se estas 4 colónias, identificadas 4 dias antes com ânimo para enxamearem, viram os seus ímpetos cerceados pelos procedimentos acima descritos. Nas três colmeias que tinham cálices reais com ovos o procedimento foi eficaz, por enquanto. Atentamente inspeccionadas nenhuma delas apresentava cálices reais com ovos ou mesmo mestreiros. As três rainhas destas colónias iniciaram postura nesses quadros.

Localizada a “walli”! Rainha muito calma, que pousou para a foto (com as luvas de apicultor levo em regra 30 a 50 segundos a tirar uma foto). Pelo seu comportamento esta rainha tem pelo menos 2 anos. Se, contudo, tivesse que apostar dinheiro, e porque andou calmamente por “ali”, dava-lhe três anos.
Este é um dos seus quadros de postura. Há rainhas que me lembram o que se diz acerca do vinho do Porto.

Na colmeia que 4 dias antes apresentava mestreiros abertos com larvas (não mestreiros rotos) a técnica não resultou. Hoje fui encontrar mais mestreiros abertos com larva. Encontrada a rainha dividi/desdobrei esta colónia. Num post próximo conto descrever o procedimento mais detalhadamente.

Conclusão temporária: O número de casos aqui descritos é demasiado pequeno para me atrever a tirar conclusões mais sólidas, contudo os sinais motivam-me a continuar a utilizar esta técnica, desde que os sinais de pré-enxameação não tenham evoluído já para o estádio mestreiros abertos com larva. No estádio cálices com ovos pretendo continuar a utilizar este procedimento para o avaliar melhor, sempre que o equipamento necessário esteja às mãos e o objectivo seja atrasar ou evitar a enxameação.

Uma nota final para referir que outra da tarefas de hoje foi passar colónias de núcleos para colmeias. Estas colónias resultam de desdobramentos mais tardios do ano passado (realizados em meados de junho) e que passaram o outono/inverno em caixas de 5 quadros. Em baixo fica espelhado o padrão de postura destas rainhas de emergência.

Pobres rainhas de emergência!

os mais visitados em 2019

Ultrapassada, com o contributo inestimável do meu filho, uma dificuldade técnica que me impedia de aceder às estatísticas anuais dos posts mais visitados, ao número de visitas anuais e à caixa de comentários, venho finalmente repor a tradição de elencar os posts mais visitados no último ano (ainda que neste caso os valores incluam também os meses decorridos neste ano de 2020). Nos últimos 12 meses (abril de 2019 a abril de 2020) estão registadas quase 200 mil visitas (198462 visitas em rigor). Este valor, que me surpreendeu, deixa-me com uma certa tremedeira nos joelhos. Com o crescer do número de visitas cresce também a responsabilidade de partilhar coisas tão apaixonantes mas tão incertas e locais como é próprio da natureza das abelhas e da actividade apícola. Agradeço aos leitores e comentadores (a estes últimos peço desculpa e compreensão, pois só hoje, depois de ultrapassada a dificuldade referida em cima, fui capaz de publicar os comentários dos últimos meses, sempre muito bem-vindos e muito estimulantes) que são parte desta realidade. Aqui ficam os posts que mais visitas receberam.

10º mais visitado;

9º mais visitado;

8º mais visitado;

7º mais visitado;

6º mais visitado;

5º mais visitado;

4º mais visitado;

3º mais visitado;

2º mais visitado;

1º mais visitado.

enxameação: sensores bio-orgânicos da predisposição para enxamear

Quem deseja indicadores, estratégias e procedimentos que resultam 99% das vezes não deve vir para a apicultura. Aceitando desde já que esta é a única verdade com um grau de confiança de 99% que conheço em apicultura, vou procurando aprender,… ouvindo outros companheiros, lendo, através da minha experiência, as três combinadas… o abelhês que as minhas abelhas falam.

Desejando que num futuro próximo surjam dispositivos/sensores artificiais/electrónicos que nos permitam compreender e antecipar o comportamento das abelhas, neste caso em particular o da enxameação, vou que ter que viver com o que sei e com o que posso fazer, como todos nós.

Neste caso da enxameação vou arriscar a apresentar uma hipótese, com base em algumas observações que tenho vindo a fazer nos últimos anos, e que ontem re-confirmei e aproveitei para documentar em fotografias.

Como já referi, para cumprir a regra que me auto-impus “não mais de seis” tiro um ou dois quadros com criação no período de pré-enxameação e de enxameação reprodutiva sempre que a colónia atinge 7 a 8 quadros com criação compacta e extensa. Este período vai sensivelmente de meados de março a meados de maio na minha zona, e obriga-me a fazer esta intervenção 3 a 4 vezes. No lugar destes quadros coloco um ou dois quadros com cera laminada ou semi-puxada na posição 2 e/ou 9.

Ninho que ficou na última revisão (há 10 dias atrás) com 6 quadros com criação de obreira mais um com criação de zângão (o que tem a mancha verde) e um quadro com cera laminada na posição 2 (o mais claro a contar da esquerda).
Foto de ontem (14.o4) de outro ninho onde fiz exactamente a mesma intervenção na visita anterior e em cima descrita.
Foto de ontem desta colónia e do quadro colocado na posição 2, há 10 dias.
Foto aproximada do mesmo quadro. Pode observar-se que a rainha iniciou há poucos dias a utilização deste quadro para fazer postura.

Nas 34 colónias deste apiário que tinham sido todas elas trabalhadas da mesma forma na visita de há 10 ou 18 dias atrás (conformação à regra e colocação de cera laminada ou semi-puxada na posição 2 e/ou 9) 28 tinham criação neste quadro. Nas restantes 6 não vi nem um ovo colocado neste quadro.

Quadro de uma das 6 colónias na qual a rainha não colocou um só ovo. Aproveitei para o colocar dentro da câmara de criação/no seio de quadros com postura.

E que tem isto a ver com os sensores bio-orgânicos para avaliar a predisposição da colónia para enxamear ou não num futuro próximo, de 10 a 15 dias?

Das 34 colmeias que vi neste apiário, todas elas com boa profundidada e atenção para despistar indícios de enxameação, nas 28 colmeias em que as rainhas tinham feito postura no quadro 2 e/ou 9 não vi sinais de pré-enxameação, isto é, não vi cúpulas reais com ovos e/ou backfilling, e mestreiros com larvas. Nas restantes 6 colmeias, em duas delas também não vi sinais de pré-enxameação e/ou enxameação, mas nas restantes 4 vi esses sinais. Em três delas vi cúpulas com ovos e numa vi mestreiros com larvas no interior.

Conclusão, a merecer mais confirmação e melhor quantificada:

no período de enxameação desconfiar que todas as colmeias podem enxamear, em especial aquelas em que as rainhas aparentemente abrandam o ritmo de postura, em particular aquelas que não aproveitam os quadros novos com cera laminada, que as abelhas puxam, para aí fazer postura de um travessão ao outro.

Os sensores electrónicos ou biológicos tem duas vantagens principais: (i) alertarem-nos para sinais que nos permitem prever e antecipar o “estado de ânimo” das abelhas e agir de acordo; (ii) poupar tempo e esforço no maneio, neste caso aceitar que se virmos postura recente neste quadros, não necessitamos de despender mais tempo a ver atentamente cada um dos 10 quadros do ninho para concluir que a colónia não se prepara para enxamear nos próximos 10 a 15 dias.

Quadro de uma outra colónia, que me levou a aceitar o princípio que não está com ânimo de enxamear nos próximos 10 a 15 dias, dispensando-me de mais esforço e tempo na sua inspecção. Com mais de 100 colónias em três apiários diferentes para alimentar e inspeccionar ontem, estes sensores biológicos valem bem o dinheiro que gastei neles.

prevenção da enxameação: a tarefa das últimas 3 semanas

A prevenção da enxameação descreve os passos dados para impedir uma colónia de “pensar” em enxamear, isto é, iniciar a construção de mestreiros de enxameação. (ver mais aqui o que podemos fazer ).

Ao contrário do que alguns possam pensar, a prevenção da enxameação é uma das principais tarefas a que muitos apicultores por esse mundo fora se dedicam no início da primavera (época com forte entrada de pólen nas colónias). Tenho para mim que a enxameação não é tanto uma questão genética, é mais uma questão de condições ambientais cruzadas com aspectos demográficos da colónia. Leio referências abundantes a estas medidas de prevenção de enxameação em apicultores que têm abelhas da Austrália a França, passando pelos EUA e Reino Unido. Estes apicultores que lidam com diversas linhagens de abelhas, referem frequentemente e detalhadamente os métodos e técnicas que utilizam para prevenir e, se necessário for, controlar a enxameação.

No meu caso, privilegio como regra de acção regular o grau de expansão da criação no ninho. Para o conseguir reduzo sempre que necessário o número de quadros com criação a 6 e em simultâneo inicio a criação de colmeias armazém de quadros com criação (modelos Langstroth e Lusitana), colmeias com ninho e sobreninho que recebem, desde que apresentem força para isso, os quadros retirados de colónias com mais de 6 ou 7 quadros com criação. Em baixo apresento um pequeno fotofilme que ilustra estes procedimentos e o seu gradualismo ao longo destas três últimas semanas.

Identificação de uma colónia forte o suficiente para “aguentar” o sobreninho. Colónia em regra com 7 a 8 quadros de criação e 9 a 10 quadros bem ocupados por abelhas.
Colónia armazém que recebeu os primeiros quadros com criação de uma outra colónia (1 ou 2 quadros no máximo) no dia 10 de março.
Colocação do 1º quadro com criação no sobreninho. Se colocar quadros demais com criação no sobreninho, e nesta época do ano (março), arrisco-me a que as abelhas não sejam suficientes para aquecer este número suplementar de criação, em especial nas noites com temperaturas abaixo do 5ºC.
Hoje (02.04.2020), os sobreninhos estão em geral com este aspecto. Entre a situação acima ilustrada (10.03.2020) e esta actual, estes sobrenininhos foram reforçados com mais dois ou mesmo três quadros com criação no passado dia 21 de março.
Colónia, inicialmente com 7 quadros com criação, que ficou conformada à regra não mais que 6.
Tiro um quadro com criação deste tipo de colónias, escolhendo um quadro com criação operculada e prestes a emergir…
… e coloco um quadro com cera laminada de qualidade na periferia da zona de criação.
O quadro com criação é colocado na colónia armazém (acção realizada hoje dia 02.04.2020).

Ao dia de hoje, e neste apiário com 48 colónias do modelo Langstroth, estão 14 colónias armazém, e 34 colónias só com ninho. Em nenhuma delas, após inspecção atenta aos ninhos, vi sinais de enxameação.

Bom trabalho, protejam-se e muita saúde!