treinar o olhar para localizar rainhas

No meu histórico dos últimos 7 anos a maior parte das minhas perdas invernais deve-se a problemas com rainhas. Dos habituais 4 a 5% do total de perdas invernais, 2 a 3% devem-se a problemas com rainhas. Ou a colmeia fica absolutamente órfã, ou fica funcionalmente órfã, isto é, tem uma rainha não fecundada. Hoje tirei um conjunto de fotos de uma colónia nestas condições.

Na inspecção de 19 de outubro verifiquei que tinha uma rainha virgem.

Nas fotos em baixo anda uma rainha virgem. Faço esta publicação a pensar nos companheiros que se convenceram que não conseguem encontrar as rainhas. Nada mais errado e derrotista. Só é preciso um pouco de paciência e, sobretudo, acreditar que a vão localizar. As minhas dicas: tem o abdómen ligeiramente mais comprido; as asas estão fechadas e assentes sobre o abdómen; os círculos beije que dividem os segmentos do abdómen são mais finos; o tórax, muito importante, não tem pelos e é mais saliente; as patas são maiores. Conseguindo identificar e localizar uma rainha virgem, identificar e localizar uma rainha fecundada é para meninos ; -). Aproveitam para treinar o olhar nestas imagens paradas. A dificuldade vai sendo maior à medida que vão avançando nas fotografias.

Na foto em baixo, vemos a criação desta rainha não fecundada. Intrigou-me o facto de alguma desta criação parecer criação de obreira à vista desarmada. Os opérculos estão muito pouco salientes em relação ao plano da cera. Julgo saber a razão, mas vou deixar em aberto este aspecto para os meus leitores. Se desejarem dar a vossa opinião façam-no através dos comentários. Serão muito bem vindos. Que orgulho e honra me dão em me acompanharem!

9 comentários em “treinar o olhar para localizar rainhas”

  1. Muito boa noite
    Os alvéolos estao pouco salientes na minha opinião é devido a fraca alimentação das larvas por falta de obreiras jovens, os zângãos ficam mais raquíticos.

  2. Caro Eduardo,
    Agradeço a partilha da sua experiência apícola. Li o blog de fio a pavio.
    Iniciei na apicultura em 2020, com a compra de 2 enxames.
    Em janeiro de 2021 faleceram…
    Em fevereiro de 2021 comprei 4 enxames com mais um que capturei e outro que dividi, hoje o efetivo são 6.
    Este ano já colhi mel!
    A Rainha?! Só a vi uma vez. A falta de treino do olho é notória. As fotos publicadas ajudam neste exercício.
    Tenho aplicado alguns dos seus maneios e não me tenho dado mal.
    Obrigado.

  3. Olá Eduardo.
    Desde já grato pela partilha de conhecimento. Os alveolos estam mais altos/salientes, provavelmente pq há 2 ovos em cada um deles, fruto do trabalho das poedeiras.
    Votos de boa campanha.
    Cumprimentos

  4. Tive este problema com uma colmeia. Tive a sorte de observar as obreiras a tentarem forçar uma mestra nova a ir para vôo nupcial mas ela chegou cá fora, rodeada de obreiras a espicaça-la mas ela recusou-se e voltou para dentro, não sei se por medo da asiática…
    A verdade é que o enxame ficou zanganeiro, mas pareceu-me criação de mestra não fecundada. No entanto, não a consegui encontrar.

  5. Bom dia caro Eduardo:
    A minha pouca experiência nesta arte de convivência com estes prodigiosos insetos, faz com que nas suas (excelentes) fotos eu não vislumbre qualquer rainha. Ou noutro momento vejo várias. Pode assinalar onde está?
    Muito obrigado
    Um abraço
    Carlos Alberto

  6. Viva.
    Eduardo, tenho uma colonia nestas condições.
    Em outubro encontrei a rainha quase morta no alimentador, entretanto fizeram outra com um quadro que adicionei com larvas do dia. Esssa rainha que nasceu nunca fecundou, anda pelos quadros apenas a passear.
    O que fazer a esta colonia nesta altura? Está condenada?
    Penso que a posso ir mantendo, adicionando um quadro por mês com cria fechada pelo menos até fevereiro, e aí tentar fecundar uma rainha de novo.
    Nota: acho que encontrei a rainha na tua 7ª foto
    Obrigado
    Cumps
    José Neto

    1. Viva, José Neto.
      Se não há zângãos, pode introduzir uma rainha fecundada. Antes de fazer a introdução deve eliminar a rainha não fecundada. Também pode fazer como diz, ir colocando um quadro com criação predominantemente fechada, até haver zângãos. Contudo está a enfraquecer a colónia doadora. Se nada fizer a colónia está condenada a médio prazo.

  7. Boas! O que eu tenho reparado ano apos ano é que rainhas jovens passam melhor o inverno… com mais reservas com mais postura até o enxame é melhor en termos de hegiene….

  8. Boa noite Eduardo nas fotos até que se encontram as rainhas mas nas colmeias ainda as encontro mais fácil pois as rainhas que tenho já todas cá nasceram e estão todas marcadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.