o território

Como uma cadeira, que tem de ter 4 pernas para não se desequilibrar e cumprir a sua função, também a apicultura, como a entendo, assenta em 4 pernas: a meteorologia, a abelha, o apicultor e o território. A meteorologia quer-se pouco alterada, a abelha quer-se adaptada, o apicultor quer-se cuidador, o território quer-se abundante.

É para este território abundante que vou, a pouco e pouco e à medida das minhas energias, transumando algumas das minhas colónias.

Um território ainda verdejante, cheio de frescor e riachos a rumorejar.
Onde alguma marcavala ainda persiste nos locais mais húmidos e na sombra do folhedo das árvores.
Com arvoredo de vária espécie, enraizado em terra amiga.
Onde coexistem soutos centenários e soutos recentes.

E são estas muito simples razões que me levam a ver o sol a nascer, já no apiário, para iniciar mais uma pequena transumância. Pequena na distância (cerca de 30 km desta feita) e pequena no número de colmeias (12 de cada vez que é o número que a minha carrinha carrega de forma confortável quer para as abelhas, quer para mim, que já fui mais novo, e as langstroth para um homem só não são brinquedo a carregar e a descarregar!).

4+4+4
Colónias, que neste momento e para esta transumância, procuram obedecer à regra “não menos de 8 quadros de criação”. Várias com 9 e uma ou outra com 10. São rainhas novas e o período da enxameação reprodutiva está a terminar.
Postura de rainha nova. Um detalhe: nesta altura já se começa a ver a abóbada de mel e pólen, que irá crescendo à medida que o verão for entrando. De imprevidente, a estas abelhas adaptadas, não lhes conheço nada.
Já assentes… no território dos castanheiros, à espera das candeias que florirão dentro de dias.
Tempo de ir ao armazém carregar meias-alças com cera puxada…
… para acabar de fazer o que tem de ser feito.
Não esquecendo alguns detalhes… como deixá-las decidir se desejam ou não ventilação superior (que eu disso nada percebo!).

4 comentários em “o território”

  1. “Compartilhar conhecimento é o caminho mais próximo da sabedoria”
    Edergilian Alves de Sousa

    “Conhecimento é saber que o tomate é um fruto. Sabedoria é não misturá-lo à salada de fruta”
    Charliton Albert”

    Você sabe o que faz…
    Obrigado pela incansável partilha…

    Abraço

  2. Bonitas imagens, sítios de pedigree, com uma flora única. Castanheiros centenários misturados com uma diversidade ímpar de árvores e
    arbustos. Sem ter a certeza e se a zona for onde penso que é, é provável que exista nessa área uma das manchas de azinhal mais antiga da península ibérica, isto segundo informações recolhidas junto de especialistas na botânica da Serra da Estrela, de cuja matéria aliás trata o “Guia geobotânico da Serra da Estrela” de Jan Jansen, editado pelo Instituto de Conservação da Natureza.
    É visível nas fotos o cuidado e a maestria do Eduardo ao executar os trabalhos apícolas, desde a previdente segurança no transporte das colmeias, passando pela limpeza e nivelamento dos assentamentos ou no caso do detalhe da respiração na prancheta de agasalho, tudo indicia o ” bem fazer e o bom maneio”, que caracteriza um apicultor completo e exemplar. Parabéns Eduardo.

    1. Sim, acredito que seja a zona em que estás a pensar Fernando. Desconhecia a informação, muito interessante, que é das mais antigas manchas de azinhal da península. É o meu único apiário num território com castanheiro e azinho lado a lado. O mel, muito apreciado pelos meus clientes, tem uma grande complexidade de sabores que evoluem ao longo da degustação, dando expressão sensorial à diversidade destas duas meladas que ali se combinam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.