o maneio dos núcleos à saída do inverno: a transferência

Cerca de 10 dias depois retorno aos apiários para mais uma ronda de alimentação — é nesta época que mais se justifica este cuidado em diversas zonas do nosso país —, para colocar sobreninhos sobre as colónias mais fortes, para fazer a última inspecção a um conjunto de núcleos a entregar a um dos meus clientes e para transferir algumas colónias em núcleos de 5 quadros para colmeias de 10 quadros.

Acerca da inspecção de ontem a um conjunto de núcleos do modelo Lusitana que entreguei hoje a um cliente, as fotos em baixo ilustram o padrão que sigo: colónias saudáveis, com uma população a ocupar densamente os 5 quadros e com uma rainha com um padrão de postura compacto e extenso.

Quadro 1 de um núcleo Lusitana coberto de abelhas. Quando o quadro 1 está assim densamente ocupado fico tranquilo acerca da qualidade do que vendo.
Padrão de criação compacto e extenso. Uma vez mais tive a oportunidade de ver a satisfação do comprador com o material vivo que levou. Correndo tudo normalmente o cliente vai duplicar este ano ainda o valor do investimento feito.

Relativamente à transferência de colónias em 5 quadros para caixas de 10 quadros este maneio permitir-lhes-á continuar a crescer e, de forma concomitante, mitigar e atrasar o surgimentos do impulso enxameador.

Um dos núcleos Langstroth que transferi para colmeia.
Caixa de 10 quadros pronta para albergar este enxame.
Devido às temperaturas relativamente baixas previstas para os próximos dias não me atrevi a desfazer este bloco denso intercalando quadros vazios.
Colmeia estacionada no apiário com quadros puxados vazios. Esta e outras colmeias foram trazidas para o apiário há cerca de 10 dias atrás para servirem objectivos diversos. No caso este banco de quadros apoiou a transferência de enxames para caixas de 10 quadros.
Tratei de alimentar generosamente, porque em nenhuma outra época do ano se combina um tão grande consumo de hidratos de carbono com a sua relativa escassez no campo. Quando assim acontece a alternativa a alimentar é a morte do enxame por fome.
A anotação no telhado permite-me avaliar com mais rigor o ritmo de desenvolvimento do enxame e prognosticar a data em que terei de iniciar as medidas de prevenção da enxameação conformando-a à regra não mais de seis — correndo tudo normalmente iniciarei estas medidas lá para 20-25 de abril.

Nota: estou vendedor de enxames com 5 e 10 quadros nos modelos Langstroth e Lusitana. Os interessados podem contactar-me através da caixa de comentários com todo o sigilo, pois não serão tornados públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.