o maneio dos núcleos à saída do inverno: a palmerização

Trabalhei o apiário das urgueiras ontem. Alimentei, coloquei dois sobreninhos sobre duas colónias fortes e procedi à palmerização de um núcleo com vista a dar apoio a uma colónia zanganeira.

Apesar da floração vistosa as abelhas ainda pouco ou nada tiram destas urgueiras que cobrem o território nas redondezas. Ainda não aqueceu o suficiente para estes arbustos iniciarem a exsudação de néctar.
Uma das duas colónias fortes onde coloquei sobreninho (modelo Langstroth).
Quadro que retirei deste sobreninho colocado uns momentos antes. Este quadro irá ser utilizado na palmerização de um núcleo.

Voltando a exemplificar esta técnica que denominei de palmerização, em homenagem e tributo ao apicultor que primeiro ouvi falar da sua utilização, Michael Palmer.

Núcleo muito bem povoado que palmerizei.
Quadro com criação nos três estádios que retirei do núcleo no âmbito da sua palmerização.
Quadro que retirei do sobreninho e que foi colocado na posição 4 deste núcleo alvo da palmerização.

Porque retirei o quadro com criação do núcleo? Por duas razões: (i) como medida de prevenção da enxameação; (ii) porque este quadro me foi necessário para iniciar a reversão do estado zanganeiro de uma colónia ali ao lado.

Colónia zanganeira bem povoada. Estas colónias por regra são alvo de um processo de reversão do seu estado. Resulta frequentemente.
Quadro com criação nos três estados que retirei do núcleo em cima é colocado no coração desta colónia. Em especial as larvas e suas feromonas vão inibir o surgimento de mais abelhas poedeiras.
No dia de ontem (19-03) coloquei o primeiro de três a quatro quadros que inserirei nesta colónia para reverter o seu estádio. Na próxima visita, dentro de 8-10 dias, colocarei o segundo quadro com criação e que muito provavelmente retirarei de um outro núcleo que será palmerizado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.