longevidade de abelhas rainha: um caso

São vários os determinantes da longevidade das abelhas rainha. Desde os anatómicos e fisiológicos mais comumente referidos, como o número de ovaríolos ou o volume da espermateca, aos menos conhecidos como o número de espermatozoides utilizados para fecundar cada óvulo, indo da utilização de dois ou três espermatozoides por óvulo aos dez a quinze por óvulo. Numa outra perspectiva, a longevidade de uma rainha nas nossas colmeias depende se enxameia ainda durante o primeiro ano ou se o não faz ano após ano — porque não manifesta essa tendência ou porque o maneio do apicultor na prevenção ou no controlo da enxameação foi efectivo. Sob um outro ângulo ainda a longevidade de uma rainha depende da manipulação cuidadosa dos quadros para não lhe causar um dano que provoque a sua substituição pelas abelhas, ou ainda da gestão do apicultor que opta pela eliminação de todas/ maioria das rainhas de acordo com um calendário rígido — elimina as rainhas com mais de um ano, por exemplo. Outros aspectos e pontos de vista poderão ser adicionados a esta lista de determinantes da longevidade da rainha mãe, mas para o propósito desta publicação os que mencionei são suficientes.

Muitas vezes se lê e ouve que as abelhas rainha entram em declínio acentuado após o seu segundo ano de vida. Nas minhas colónias não tenho dados confiáveis que confirmem ou infirmem esta ideia. Para o poder fazer com rigor teria de começar, desde logo, por marcar as rainhas, um projecto que é sempre adiado para o ano seguinte. Este ano estou convencido que vou mesmo levá-lo por diante!

Contudo tenho algumas rainhas marcadas, muito poucas. Foram rainhas virgens que adquiri já marcadas. Não tenho muitas porque a grande maioria seguiram nos enxames que tenho fornecido aos meus clientes. Fui, no entanto, ficando com umas poucas. E nestas poucas marcadas a maioria, três em concreto, são todas do mesmo ano e dos mesmos criadores. O ano é de 2018!!! — sim verdade… rainhas com 4 anos —e os criadores são o João Gomes e sua esposa, a Anabela, que as comercializam com a marca Apicant Queen Bees.

Por si só, a longevidade destas rainhas já é digno de menção. Contudo, tão ou mais surpreendente que sua a longevidade é o seu desempenho actual. Sobre este aspecto deixo o foto-filme em baixo que ilustra o desempenho de uma destas ilustres seniores à data de ontem, 31 de março.

Colónia do modelo lusitana da velha dama! Em 9 de março foi deslocada de um apiário a 900m de altitude para outro a 600 m de altitude e, dada a sua força, coloquei um sobreninho. Ontem, 31-03, tinha três quadros com criação no sobreninho.
O ninho apresentava 7 quadros com criação.
Um dos quadros com criação.
A dama vermelha andava calmamente em postura no sobreninho,…
… transferi-a e confinei-a ao ninho.
Telhado com notas.

O ano passado esta rainha e as outras duas “irmãs”, já debaixo de olho, serviram-me de semente para uma parte dos desdobramentos que realizei. Ainda que não seja um grande crente na heritabilidade fácil e garantida de um conjunto de traços de interesse apícola, à cautela vou fazendo assim sempre que é possível e oportuno… não vá estar enganado!

Nota: acerca da variação do número de espermatozoides utilizados para a fecundação dos óvulos ver mais aqui: https://digitalcollections.sit.edu/cgi/viewcontent.cgi?referer=https://www.google.com/&httpsredir=1&article=1916&context=isp_collection

4 comentários em “longevidade de abelhas rainha: um caso”

  1. Bom dia Sr. Eduardo.
    Queria tirar uma dúvida.
    Segundo alguns apicultores, a marcação das rainhas virgens é um erro, porque aumenta a possibilidade de ser detetadas e apanhadas pelos pássaros durante os voos de fecundação.
    Será que é verdade.
    Qual e a sua opinião.

    Com os melhores Cumprimentos.

    1. Boa noite, André!
      Creio que não há uma resposta única e universal para todos os territórios. Em territórios com uma elevada densidade de predadores, como os abelharucos ou a velutina, é provável que uma rainha marcada seja mais visível e, portanto, as virgens não marcadas teoricamente podem ser mais bem sucedidas durante os voos de fecundação. No meus caso, até agora, não tenho notado um impacto notável. A taxa de fecundação bem sucedida com rainhas marcadas tem rondado os 80-85%. Não consigo avaliar com rigor se os 15-20% de insucesso se deve ao facto de estarem marcadas, logo teoricamente mais expostas aos predadores. Cumprimentos!

      1. Obrigado pela sua resposta.
        É um grande alívio para mim. Claro que é muito mais fácil marcar uma rainha recém-nascida.
        Cumprimentos e Feliz Páscoa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.