as rainhas e os seus casos

Só pontualmente sou um “terminator” de rainhas. Eliminar rainhas não é um procedimento que utilize com frequência. Não é por incapacidade de avaliar o seu desempenho (já escrevi sobre esse assunto com algum detalhe aqui, aqui e aqui). Também não é por ter pena, e tenho alguma, de as eliminar. Na maior parte das vezes as abelhas antecipam- se e ajuízam melhor a necessidade e a oportunidade para eliminar a sua mãe. Raras vezes assumo esse papel e, quando o faço, escolho habitualmente esta altura do ano, à saída do inverno/entrada da primavera, para realizar algo que é necessário para o normal e completo desenvolvimento da colónia.

Este é um padrão de postura frequente nas rainhas por mim produzidas, com muito pouco de mim no processo! (foto de 23-03).

Contudo, ainda que raramente, nesta altura de crescimento pujante e rápido das colónias, surge um caso ou outro de uma rainha com um padrão de postura de má qualidade — este ano e até à data detectei-o em 2 das 135 colónias.

Padrão de postura de má qualidade (foto de 23-03).
Dado o bom número de abelhas nesta colónia, ainda que uma das mais fracas do apiário, a a avaliação do mau padrão de postura não é definido pela população de abelhas (foto de 23-03).
Encontrada a rainha e observada por um minuto em cima do quadro decidi eliminá-la. Apresentava uma dificuldade de locomoção provocada por uma deficiência na pata traseira esquerda (foto de 23-03).
Foto magnífica, com créditos ao meu amigo Lino João, ilustrativa de um momento relativamente frequente numa colónia de abelhas — a substituição da velha rainha mãe pelas abelhas — e que poucas vezes temos a oportunidade de observar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.