gestão das novas colónias de 2020

Este ano direccionei um número significativo das minhas colónias para a produção de novos enxames (cerca de 70% das colónias). Como comercializei nos dois últimos um número importante de enxames, quer junto de amigos que conhecia pessoalmente, quer de amigos que fui conhecendo através deste blogue, e porque ainda tenho dois pedidos para entregar um número jeitoso de enxames nos próximos meses, tive que orientar a minha operação neste sentido.

Para dar seguimento ao compromisso de entregar estas colónias (modelo Langstroth), num dos apiários que tenho a uma cota de 600m, com capacidade para 100 colónias, e onde neste momento estão 87, iniciei relativamente cedo na época (tendo em conta as condições meteorológicas locais deste ano) os desdobramentos. As primeiras etapas consistiram na identificação das colónias que arrancaram melhor à saída do inverno, localizar as rainhas e colocá-las em núcleos com um ou dois quadros com criação e abelhas aderentes aos quais adicionei um quadro com reservas e fui alimentando com pasta açucarada enquanto necessário (neste local alimentar com proteína parece-me desnecessário desde há muitos anos, pela razão da entrada generosa de pólen a partir de meados de fevereiro). As colónias-mãe que foram orfanadas, ficaram no local com praticamente toda a população de abelhas e, sobretudo, com muitas abelhas novas, as condições necessárias e suficientes para criarem rainhas de emergência de grande qualidade. Em simultâneo, e em boa hora, decidi deixar esses núcleos no apiário, muitos deles em cima das próprias colmeias-mãe.

Imagem parcial do apiário onde se podem ver 4 núcleos, onde coloquei as rainhas-mãe, em cima das colmeias-mãe, colmeias que foram orfanadas há cerca de um mês e meio.
Núcleo com a rainha-mãe, formado a 18.04, em cima da colmeia-mãe, que a 14.o3 foi conformada à regra “não mais de 6”, em 18.04 foi orfanada, e hoje, 09.06 confirmei postura de qualidade da nova rainha.
Esta colónia com uma rainha nova e este padrão/compaticidade de postura, apresentava 9 quadros com criação. Não me vai deixar em pouco junto dos meus clientes!
Ah pobres rainhas de emergência!
Para uma rainha nova que se está a iniciar na tarefa, parece que nasceu ensinada. Não falha um alvéolo…
… de travessão a travessão!

Voltando à gestão… desde há cerca de 3 a 4 semanas tenho gerido este binómio, núcleo com a rainha-mãe e colónia-mãe orfanada, com base num princípio que é conhecido por “palmerização“, em homenagem ao grande apicultor e criador de rainhas norte-americano Michael Palmer, que popularizou a técnica. A tirar proveito das leituras que procuro fazer regularmente!

Um dos vários núcleos que “palmerizei” entre as 8.50h e 12.10h no dia de hoje.
São estes os quadros que prefiro “roubar” aos núcleos. Quadros com abelhas prestes a emergir nas próximas horas (ver jovem abelha a emergir do alvéolo).
Visão geral do quadro que introduzi na colmeia e que vai dar um bom empurrão à nova rainha.
Quadro com cera laminada que vai ocupar o espaço do quadro retirado. Dentro de 10 a 12 dias poderei voltar a palmerizar este núcleo, caso seja necessário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.