fortalecendo a luta contra o varroa: como controlar a infestação durante a temporada de fluxo?

Não tenho observado este fenómeno de níveis de infestação elevada (acima dos 3%) durante a temporada de fluxo de néctar, entre finais de abril e finais de julho nos meus apiários (dois a 600 m de altitude e outros dois a 900m de altitude), nos últimos anos, mas não deixo de me preocupar com esta questão.

No sítio do ITSAP (Institut d’Abeille), encontrei referência a um estudo relativamente recente orientado para esta questão. Os resultados não são muito encorajadores nem muito surpreendentes para mim: a baixa eficácia do ácido oxalico sublimado no controlo do varroa em colónias com muita criação operculada nesta época e a boa eficácia do ácido fórmico (MAQS), mas de curta duração, no controlo do ácaro nesta época do ano. Já a alteração do mel pelo aumento do teor de ácido fórmico após o tratamento com MAQS deixou-me surpreendido, sabendo que é o único tratamento que conheço que está homologado para uma utilização durante a temporada de fluxo. Deixo a tradução em baixo.

Aplicação do MAQS para controlar a infestação pelo ácaro varroa.

“Diante da dificuldade enfrentada pelos apicultores em controlar a infestação dos apiários pelo Varroa, a ênfase é colocada na monitorazação regular dos níveis de infestação em momentos chave. Assim, apesar dos tratamentos anti-varroa usados ​​entre duas estações de produção, algumas colónias ainda surgem muito infestadas na primavera.

Quais são, então, os tratamentos corretivos disponíveis? Que intervenção melhora o desempenho das colónias, reduzindo o nível de infestação? Dependendo do tratamento utilizado, quais são os riscos para as colónias de abelhas e para a qualidade do mel? Para responder a essas perguntas, o ITSAP-Institut de l’Abeille e a rede ADA experimentaram o uso de ácido fórmico e o uso de ácido oxálico contra o Varroa durante a temporada de apicultura.

Durante o experimento realizado no ano de 2016 em mais de 300 colónias, o nível médio de infestação foi de mais de 1 varroa / 100 abelhas em abril. O uso do MAQS® (ácido fórmico) possibilitou reduzir a infestação das colónias por um período de aproximadamente dois meses, até o final de junho / início de julho, e permitiu iniciar o fluxo de mel de verão com menos de 3 varroas / 100 abelhas. Em contraste, as colónias tratadas por sublimação repetida de ácido oxálico na presença de criação começaram a melada de verão com uma infestação superior a 3 varroas / 100 abelhas, como as colónias não tratadas.

O efeito do tratamento de primavera com ácido fórmico sobre a infestação diminuiu e não era observável no final do verão. Portanto, não foi possível ignorar as intervenções de fim de verão, apesar da redução da infestação obtida na primavera. A redução da infestação abaixo de 3 varroas / 100 abelhas foi acompanhada por melhor produção de colónias durante a melada de verão. Porém, o tratamento MAQS® na primavera aumentou o teor de ácido fórmico do mel, mesmo aquele produzido no final do verão, consolidando os achados de outros experimentos: tratar (com ácido fórmico) ou produzir, você tem que escolher!”

fonte: http://blog-itsap.fr/renforcer-la-lutte-contre-varroa-comment-reguler-linfestation-en-cours-de-saison/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.