estudo de sensibilidade/resistência de Varroa destructor ao amitraz

Li, não me recordo onde, que alguém assumiu que tinha varroas resistentes porque uma vez viu uma varroa a passear sobre as tiras de Apivar. Esta afirmação ou era uma piadola ou, se era a sério, mostra muito desconhecimento — o desconhecimento em si mesmo não é questionável, mas é questionável fazer uma parangona/soundbite a partir de uma afirmação ignorante como se fosse uma evidência sólida. Esta publicação tem sobretudo como objectivo elucidar-nos sobre a complexidade e rigor do método de testagem da sensibilidade/resistência preconizado pelo The COLOSS BEEBOOK, Volume I e II: standard methods for Apis mellifera research, e elucidar-nos que se nem tudo tem a complexidade da investigação espacial, da mesma forma muito na apicultura não tem o simplismo de colocar o nariz fora da porta para ver se faz frio. Os resultados e as conclusões, que também aproveito para apresentar, devem ser lidas com alguma prudência sabendo que este teste foi realizado em 2016 em França (ver aqui um estudo mais recente).

“Desde 2007, a FNOSAD realiza testes anuais de eficácia em duzentas a trezentas colónias com o objetivo de verificar o percentual de eficácia da maioria desses medicamentos, sua velocidade de ação e o número de varroa residual após o tratamento. No entanto, o que acontece à eficácia de uma droga se a população de parasitas desenvolve resistência à substância acaricida que entra na sua composição? Recordamos os fenómenos de resistência observados ao Apistan (Tau-fluvalinato). Em relação ao Apivar, o feedback de observações de campo por apicultores experientes pode sugerir, para certos lotes de medicamentos, falta de eficácia ou fenómenos de resistência sem que nenhum estudo possa invalidar ou confirmar estas impressões.

O Apivar é hoje o fármaco homologado mais utilizado na França, porém poucos estudos com o objetivo de testar a sensibilidade/resistência de populações de varroa ao amitraz foram realizados. Para suprir essa carência, a FNOSAD coordenou um estudo realizado pelo Laboratório Departamental de Análises do Jura, cujos resultados estão aqui resumidos.

Apresentação do método
O estudo de resistência consiste em determinar a concentração letal para 50% (CL50) de uma população de ácaros varroa suspeitos de serem resistentes e compará-la com uma CL50 de referência determinada para uma população de ácaros não resistentes ou sensíveis. O método utilizado neste estudo é o recomendado pelo Coloss Beebook para moléculas lipossolúveis agindo por contato. O amitraz é incorporado em diferentes concentrações em cápsulas de parafina. O intervalo de concentrações utilizado é de 0,1 ppm (partes por milhão) a 5.000 ppm. Os ácaros são então postos em contato com a parafina tratada e, após um determinado período de tempo, a mortalidade de ácaros é quantificada.

Os ácaros Varroa foram retirados de quadros de criação (o equivalente a dois quadros de ninhada por apicultor, dando preferência à criação de zângão) fornecidos por apicultores voluntários de 18 apiários espalhados pelo território.

Localização dos diferentes apiários que forneceram amostras de criação.

As amostras, foram colhidas entre 21 de maio de 2016 e 2 de agosto de 2016. Os ácaros varroa foram colhidos com uma escova e com uma pinça fina após desoperculaçao dos alvéolos. Dos 18 apiários amostrados, 17 receberam tratamento de final de verão (2015) com amitraz e um com tau-fluvalinato. Apenas três apiários receberam um tratamento adicional de inverno (2015/2016) à base de ácido oxálico. Apenas indivíduos/ácaros do sexo feminino maduros foram recolhidos para o estudo. Dez ácaros foram colocados em cada cápsula (correspondente a cada concentração de amitraz a ser testada) durante quatro horas: esta é a fase de contaminação durante a qual os ácaros varroa são colocados em contato com parafina impregnada de amitraz. Eles são depois observados com uma lupa binocular antes de serem transferidos para placas de Petri. Quando observados com uma lupa binocular, os Varroa foram classificados em três categorias: móveis, paralisados ​​ou mortos. As observações foram repetidas após 24 h e 48 h. Os ácaros Varroa foram alimentados com larvas/pupas de abelhas durante toda a experiência. Para cada concentração testada, o efeito percentual do acaricida é calculado da seguinte forma: (número de ácaros paralisados ​​+ número de ácaros mortos – número de ácaros perdidos ou mortos acidentalmente) / (número de ácaros iniciais – número de ácaros perdidos ou mortos acidentalmente) .

Resultados
Das 18 amostras recebidas, os resultados dos testes realizados só puderam ser considerados em 13 delas. Para todas as populações de varroa, o efeito (paralisia ou mortalidade) é total em t0 + 4h para todas as concentrações maiores ou iguais a 100 ppm [partes por milhão]. E após 24 horas, o efeito é completo para todas as concentrações maiores ou iguais a 10 ppm. Para as 13 populações estudadas, as CL50s obtidas variam entre 0,08 e 1,66 ppm, sendo a média de 0,49 ppm. Os 13 Intervalos de Confiança sobrepõem-se e, portanto, não há diferença significativa na sensibilidade ao amitraz nestas 13 populações de ácaros testadas.

Discussão – Conclusão
Embora originárias de colónias de abelhas com diferentes níveis de infestação, as 13 populações de varroa testadas não apresentaram diferença marcante na suscetibilidade ao amitraz.
O resultado obtido para todas as 13 amostras pode constituir uma referência LC50 para uma população de ácaros sensíveis em torno de 0,5 ppm, ou 15,5 ng/cm2 de parafina. Como indicação, as tiras comerciais de Apivar têm um teor de amitraz entre 4,2 e 6,4 x106 ng/cm2, (ou seja, cerca de 30.000 vezes mais do que o valor de CL50 para uma população de ácaros varroa suscetíveis determinada por este estudo).
Para tornar este valor de LC50 ainda mais robusto, seria necessário multiplicar estes testes na zona de 0,5 ppm. Mas para isso precisamos de mais ácaros varroa. Se o método de coleta favos com criação e sua entrega por correio ao laboratório se mostraram satisfatórios, a coleta de ácaros varroa dentro dos alvéolos é entediosa e muito demorada …
Este é o primeiro estudo para pesquisar a possível resistência dos ácaros varroa ao amitraz realizado usando um dos métodos recomendados pelo Coloss Beebook. Assim, é possível obter pela primeira vez um valor de referência LC50 para uma população de ácaros varroa suscetíveis.

Esses resultados interessantes, apesar do número relativamente pequeno de amostras estudadas, levantam questões sobre as falhas de eficácia por vezes observadas com as tiras do medicamento Apivar. É certo que o método de teste de sensibilidade/resistência foi realizado aqui por contacto com a substância amitraz e não após contato direto com as tiras de Apivar. Estes vários elementos tenderiam a nos levar a pensar que as falhas de eficiência observadas estariam antes ligadas a questões de formulação do medicamento (galénica*), um medicamento que, como vimos, teoricamente contém substância ativa suficiente.”

fonte: https://www.apiservices.biz/documents/articles-fr/etude_sensibilite_resistance_amitraz_varroa.pdf

* Galénica é o processo que transforma uma substância activa num medicamento pronto a administrar, que pode ser doseado conforme necessário. O medicamento compreenderá um contentor da substância ativa (comprimido, creme, suspensão, solução), excipientes (ingredientes inativos como a lactose), e embalagem/dispositivo de administração (blister, frasco, inalador, frasco para injetáveis seringa pré-cheia).

Reflexão: Como sempre disse uma coisa é o amitraz, o princípio activo, outra coisa é o Apivar, o medicamento. Uma possibilidade forte que coloco actualmente é que a galénica do Apivar não é a mais eficaz para responder a alguns ganhos eventuais de resistência das varroas nas minhas colónias, para as relações que se estabelecem entre as dinâmicas populacionais das minha colónias de abelhas e populações de ácaros que hospedam e para o influxo de ácaros de colónias vizinhas. Por essa razão este ano vai para o banco de suplentes como afirmei aqui e vou substituí-lo, no tratamento de verão, por um outro medicamento baseado no amitraz mas com uma galénica diferente: o Amicel.

Um comentário em “estudo de sensibilidade/resistência de Varroa destructor ao amitraz”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.