dos 900m aos 600m: a mescla de técnicas para atingir objectivos vários

Ontem, após 150 km feitos e 100 € deixados na bomba de combustível, entrei no apiário a 900 m de altitude com três objectivos principais: (i) identificar colónias com boa população e rainha com bom padrão de postura para entregar a um cliente; (ii) identificar e preparar colónias para uma pequena transumância de 10 Km, descendo dos 900m para uma altitude de 600m onde um significativo fluxo de néctar se iniciou nos últimos dias; (iii) palmerizar alguns núcleos.

Uma das tarefas de ontem: palmerizar núcleos muito/excessivamente povoados, antes de os transferir para colmeia nos próximos dias.

Hoje, num dos apiários de 600m e depois de colocadas nos assentos as colónias transumadas, apliquei uma mescla de técnicas para atingir diversos objectivos: (i) prevenir a enxameação; (ii) controlar a enxameação; (iii) preparar núcleos para introduzir rainhas virgens em gaiola. Para optimizar da melhor forma o material que tinha disponível, caixas-núcleo e excluidoras de rainhas, e o tempo de que dispunha, tive de utilizar alguma capacidade inventiva e sair da minha zona de conforto.

Uma das colónias muito povoada onde decidi confinar a rainha ao ninho com recurso a excluidora de rainhas e submetê-la parcialmente à “cura radical da enxameação”. Uma mescla de técnicas com resultados a avaliar em inspecções futuras.

No segundo apiário a 600m de altitude, os objectivos eram sobretudo dois: (i) espreitar algumas colónias orfanadas faz hoje 17 dias; (ii) preparar 5 colónias para serem desdobradas pela técnica Doolittle.

Neste pedaço de quadro andam pelo menos duas rainhas virgens.
A cronologia dos principais eventos desta colónia. Não manipulei esta colónia desde a sua orfanação para verificar a minha tese: ainda que não tendo ocorrido a enxameação primária esta colónia irá formar enxames secundários/garfos — espero enganar-me!
Colónia muito povoada, com ninho e sobreninho desde 17 de março.
Quadro onde andava a rainha. Colocado no ninho, separei o ninho do sobreninho com grade excluidora.
A cronologia dos principais eventos desta colónia. Sempre que possível, só depois de um período de uma a duas semanas após a verificação de postura no sobreninho (05-04) tenho por hábito confinar a rainha no ninho por meio de exluidora (19-04). Os quadros que coloco/deixo no ninho devem ter pelo menos cerca de 80% da sua área desbloqueada de pólen e/ou néctar.
Este quadro em cima, como não cumpre os critérios foi retirado do ninho e colocado no sobreninho, sobre a grelha excluidora.
Primeiros sinais de armazenamento do excesso de néctar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.