do campo para o “laboratório”: análise da presença/ausência de varroa em pupas de zângãos

Ontem, com a ajuda do Pedro Miguel, continuei a cresta das colmeias situadas no território das marcavalas e dos castanheiros. Verifiquei que coexistiam quadros em três estágios de progressão: quadros maduros, com mel operculado de travessão a travessão (os que trouxe para a extracção), quadros com mel verde por opercular e que pingavam néctar quando sacudidos e quadros com parcelas de criação operculada (os que ficaram nas colmeias para cresta futura, dentro de duas a três semanas).

Assim como os quadros nas colmeias, também os castanheiros estão em estádios diferentes de maturação da sua floração: o mais distante apresenta as candeias abertas e bem floridas, o mais próximo apresenta as candeias semi-secas.

Hoje, com a ajuda de minha mulher, terminei a primeira fase da cresta deste apiário. Como habitualmente, surgem favos adventícios entre as meias-alças, utilizados frequentemente para criação de zângãos. Nestes casos aproveito para trazer alguns para casa para fazer uma análise mais atenta da presença/ausência de varroa.

Exemplo de um favo adventício com criação de zângão.
Recolha de pupas de zângão.
Ajuda de minha mulher.
O mais indicado é efectuar a recolha de pupas de zângão no estádio olhos violeta.
Foram recolhidas 30 pupas de zângão.

Este tipo de análise é meramente indicativo, muito falível e porventura enganador acerca do nível de infestação por varroose. Contudo, o facto de em 30 pupas de zângãos não ter encontrado uma única varroa indica que alguma coisa estarei a fazer bem no que ao tratamento da varroose concerne. Convém-me, mesmo assim, manter os pés bem assentes no chão e não desrespeitar os timings de verão para o tratamento principal e o mais crítico da varroose. Na esperança que o relativo fracasso do ano passado no controlo da varroose me tenha ensinado o que de substantivo tinha que aprender para fazer melhor este ano. Até ao momento, os sinais são encorajadores, na luta contra o pior e mais previsível inimigo das abelhas — previsível porque a varroa não faz prisioneiros, ou a controlamos a tempo e horas ou ela massacra os seus hospedeiros.

2 comentários em “do campo para o “laboratório”: análise da presença/ausência de varroa em pupas de zângãos”

  1. Parabéns pelo Vosso trabalho. Acompanho de perto a suas publicações e fiquei muito contente por ter a indicação que o seu trabalho vai na direcção de “bom porto”.

    Aproveito também para mencionar que sou um fã do seu mel.

    Obrigado por tudo.

    Um abraço
    Viegas

  2. Boa tarde Eduardo estou a passar só para lhe dar um abraço e para mais uma vez lhe agradecer pela partilha dos conhecimentos adquiridos que para mim são muito valiosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.