cresta de 2020: o início

Re-adquiri, este ano, o controlo total do meu tempo e dos meus horários. Sei, daquele saber do viver, que debaixo de um fato de apicultor, por muito ventilado que ele seja, o calor ambiente é multiplicado, tornando o trabalho no apiário insano em certos dias e a certas horas. Sabendo isso, procuro o conforto possível que as duas primeiras horas do dia me proporcionam. Porque assim tem que ser, tenho visto com alguma frequência este circulo amarelo-avermelhado surgir lá no lado nascente do horizonte nestas últimas semanas.

E, nos últimos dias, são estas duas horas do início da jorna que tenho escolhido para a cresta do mel claro nos meus dois apiários a 600 m de altitude. Vou fazendo a cresta com vagar, procurando chegar aonde é necessário e sem o “motor” gripado. Dez anos a crestar mel ajudam-me a conhecer os meus limites, a estabelecer metas realistas, satisfazendo o plano traçado e preservando o corpo. Porque depois do dia de hoje tudo aponta para que amanhã outro dia lhe siga.

Resultado da cresta de ontem: 6 meias-alças e 2 alças langstroth (estas divididas por 4 alças).
Meia-alça de 8 quadros.
5 quadros por alça, para preservar o mais possível o corpo. Faço da cresta (e da minha apicultura em geral) cada vez mais uma maratona que uma corrida de 100m.
Vista de detalhe de um quadro de meia-alça antes de desoperculado.
Vista de detalhe de um quadro de alça antes de desoperculado.
Extractor tangencial manual que utilizo para os quadros de alça. O extractor radial eléctrico, com mais de 25 anos, utilizo-o para os quadros de meia-alça.
O primeiro fio de mel de 2020!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.