avaliação da vaporização repetida de ácido oxálico em colónias de abelhas (Hymenoptera: Apidae) para controle do ácaro ectoparasitário Varroa destructor

Há 6 anos atrás, no pico da moda da utilização de vaporizadores de ácido oxálico nos EUA, fiz esta publicação com um relato de um apicultor norte-americano sobre uma experiência menos bem sucedida no controlo da varroose com recurso à vaporização de ácido oxálico. Hoje, esta publicação traduz o sumário dos resultados da avaliação conduzida por Jennifer Berry e colegas relativa à eficácia de um programa de vaporização de ácido oxálico aplicado 7 vezes com intervalos de 5 dias entre aplicações e em colónias com criação operculada presente.

Nos últimos 18 anos, Jennifer Berry tem desenvolvido trabalho de pesquisa apícola e é responsável pela gestão do Laboratório Apícola da Universidade da Geórgia. Seus objetivos de pesquisa estão focados na melhoria da saúde das abelhas, os efeitos sub-letais de pesticidas em insetos benéficos e técnicas de Gestão Integrada de Pragas para controlo de varroa e pequenos besouros das colmeias.

Sumário: A indústria apícola americana experimenta continuamente a mortalidade das colónias com perdas anuais de até 43%. Uma das principais causas disso é o ácaro exótico e ectoparasita Varroa destructor Anderson & Trueman (Mesostigmata: Varroidae). As opções de Gestão Integrada de Pragas (IPM) são usadas para evitar que as populações de ácaros atinjam níveis letais, no entanto, devido à resistência e/ou à falta de opções de tratamento adequadas, novos controlos para reduzir os ácaros são utilizados. O ácido oxálico para controlar o V. destructor tornou-se uma opção de tratamento popular entre os apicultores comerciais/profissionais e de quintal/amadores. A aplicação de ácido oxálico vaporizado no interior de uma colmeia de abelhas é um método de aplicação legal nos EUA e resulta na morte dos ácaros expostos. No entanto, se os ácaros estão em fase reprodutiva e, portanto, sob a proteção da cera dos opérculos, o ácido oxálico é ineficaz. Um programa popular de aplicação de oxálico é vaporizar várias vezes ao longo de várias semanas para tentar contornar o problema dos ácaros escondidos nos alvéolos operculados com criação. Ao comparar com colónias de controle, testamos a vaporização de ácido oxálico em colónias submetidas a sete aplicações separadas por 5 d (35 dias no total). Testamos em apiários na Geórgia e no Alabama durante 2019 e 2020, totalizando 99 colónias. Descobrimos que as abelhas adultas Linnaeus (Hymenoptera: Apidae) e a criação em desenvolvimento não sofreram impactos adversos do regime de vaporização com o ácido oxálico. No entanto, não encontramos evidências de que a aplicação periódica frequente de oxálico durante os períodos com criação presente no ninho da colónia seja capaz de fazer descer as populações de V. destructor abaixo dos limiares de tratamento.

fonte: https://academic.oup.com/jinsectscience/article/22/1/15/6523139

Um comentário em “avaliação da vaporização repetida de ácido oxálico em colónias de abelhas (Hymenoptera: Apidae) para controle do ácaro ectoparasitário Varroa destructor”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.