apicultura no início da primavera: o maneio de John Gaut, mestre apicultor

Na newsletter de março/abril de 2021 da New Jersey Beekeepers Association, John A. Gaut, Mestre Apicultor, deixa um conjunto de linhas orientadoras para o maneio de primavera que traduzo em baixo. Muitas, se não todas, das suas propostas coincidem com as minhas práticas, na grande maioria já descritas e explicadas em publicações anteriores. Decidi publicar este tema na entrada do outono para variar do tema “velutina” e a pensar em todos nós que lutamos contra a asiática com os poucos meios de que dispomos mas com a perseverança de guerreiros. Que o nosso combate nesta estação permita que muitas das nossas colónias entrem na próxima primavera.

John Gaut, Mestre Apicultor norte-americano.

Foi um longo inverno! Estou realmente ansioso para trabalhar novamente nas colmeias nos dias ensolarados da primavera!
Utilizei o tempo neste inverno para continuar a aprender sobre a apicultura, especialmente como manter as colónias saudáveis. Houve muitas apresentações online; muitas foram muito boas e algumas foram fantásticas!

Todos nós sabemos que precisamos manter os níveis de ácaros varroa baixos. A informação mais importante que aprendi no ano passado é que os níveis de ácaros devem ser mantidos muito baixos na primavera ou eles serão muito difíceis de controlar no final do ano. Vi isso nas minhas colónias, e esta crença é reforçada por outros apicultores com dados fidedignos (efectuam testes em abelhas adultas com lavagens de ácaros/abelhas antes e depois dos tratamentos). Idealmente, não deverá haver mais do que um ácaro numa lavagem de 300 abelhas com álcool (infestação inferior a 0,3%) em abril. Mesmo se não houver ácaros na lavagem, ainda há ácaros na criação, pois a maioria deles está a reproduzir-se na criação operculada! As populações de ácaros duplicam a cada mês durante abril, maio e junho, meses em que as colónias apresentam muita criação. Se a população de ácaros for alta em abril, a população de ácaros explodirá durante o verão e a colónia pode entrar em colapso no outono. [ver dinâmica populacional das colónias de abelhas e da população dos ácaros e timing dos tratamentos em várias publicações mais antigas]

[Uma pequena nota à parte do texto sobre um dos sinais precoces de uma taxa de infestação que já está alta e a exigir uma intervenção imediata por parte do apicultor: a criação calva.

[Criação calva (bald brood), um dos primeiros sinais que nos indica estarmos na presença de uma colónia com uma taxa já elevada de infestação por varroa. Ainda que alguns apicultores possam estar iludidos, acreditando que têm uma linha de abelhas com um comportamento resistente do tipo VSH, em 99,9% das vezes o que têm é uma alta, preocupante e prosaica taxa de infestação por varroa. Texto meu!]

Voltando novamente ao texto de John Gaut.]

Os vírus são transmitidos pelos ácaros varroa, que podem iniciar uma epidemia de vírus. Os vírus também são transmitidos de abelha para abelha, de operária para a rainha e da rainha para os ovos. Quando os ácaros infectam algumas das abelhas da colónia, os vírus espalham-se entre as abelhas, mesmo sem a ajuda dos ácaros. Portanto, o tratamento de ácaros depois dos vírus já estarem em grande circulação numa colónia costuma ser tarde demais. Os vírus podem conduzir ao colapso da colónia, mesmo que a maioria dos ácaros já tenha sido eliminada. [ver PMS e vírus das asas deformadas em várias publicações mais antigas]

Também passei algum tempo neste inverno a preparar o equipamento para a nova temporada.


A próxima tarefa no apiário é remover as tiras de Apivar. Em meados de janeiro, geralmente coloco duas tiras de Apivar no ninho, que normalmente é de 6 a 10 quadros de abelhas. Em meados de fevereiro, raspo as tiras recoloco-as, pois o aglomerado de abelhas deve estar em contato com as tiras para que o Apivar seja eficaz. Em meados de março, retiro as tiras. No início de abril, inspeciono as colónias, verifico os níveis de ácaros e coloco meias-alças com cera puxada para reduzir o impulso de enxameação, dando mais espaço à colónia em crescimento.

Em março e abril, avalio o mel presente na colmeia. A maioria das colónias normalmente tem muito mel e não precisa de ser alimentada com açúcar/fondant. À medida que a criação aumenta, a rainha precisa de mais espaço para fazer a oviposição. Descobri que as colónias que são superalimentadas com açúcar tendem a enxamear mais rapidamente porque a colónia não consumiu uma parte do mel presente nos alvéolos e, assim, não há espaço para a postura da rainha! Alguns apicultores colocam açúcar nas colónias como “segurança”, mas isso pode ter consequências indesejadas – especificamente a enxameação – se a colónia consumir a ração suplementar e não libertar o espaço suficiente no ninho para a postura da rainha. O impulso para enxamear da colónia aumenta porque o ninho está cheio de criação operculada e há muito mel na colmeia. Parte do maneio do enxame requer a monitorização das reservas de alimentos e favos vazios no ninho. Um bom apicultor antecipa a progressão natural da colónia. Apenas as colónias que precisam ser alimentadas devem ser alimentadas com açúcar ou fondant. Devemos equilibrar as necessidades de alimentos da colónia enquanto minimizamos o impulso de enxameação. [ver alimentação e nutrição de colónias e prevenção da enxameação em várias publicações mais antigas]

Este é um quadro típico de criação à entrada/saída do outono [foto minha tirada no início de Dezembro do ano passado]. Este quadro apresenta criação operculada neste lado e uma mistura de ovos, larvas e criação operculada no outro lado. Um bom quadro de criação nesta altura do ano terá ambos os lados cerca de 2/3 preenchidos com criação e o 1/3 restante com mel e pólen.

Minha meta até o final de abril é que todas as colónias tenham pelo menos quatro quadros com criação, mas não mais do que seis quadros com criação. Em maio, o alvo aumenta para 6-8 quadros de criação. Na maioria das vezes, preciso estimar os quadros equivalentes de criação. Por exemplo, dois quadros com apenas 1/3 coberto com criação será contabilizado como um quadro de criação. [ver regra não mais de 6 em várias publicações mais antigas]

Uma das minhas técnicas de gestão de enxames é equalizar as colónias em abril. Colónias fortes em abril terão 5-6 quadros de criação (conforme definido acima). As colónias que estão ficando para trás terão apenas 1-2 quadros de criação. Se a colónia mais atrasada for saudável, adicionarei um ou dois quadros de criação e abelhas de uma colónia forte e saudável. Certifico-me de que a rainha não está no quadro que estou transferindo! Adiciono um quadro com cera puxada para substituir o quadro de criação que tirei da colónia forte. Coloco o quadro com cera puxada adjacente ao último quadro com criação da colónia, não entre quadros com criação, porque a colónia precisa manter a câmara de criação compacta, contínua e aquecida. Colocar um quadro vazio entre os quadros de criação pode resultar em criação arrefecida, o que pode atrasar a colónia. Frequentemente, este impulso adicional de abelhas e criação é tudo que a colónia mais fraca precisa para alcançar as mais fortes; no entanto, ambas as colónias devem ser saudáveis. A transferência de criação, abelhas e favos vazios entre colónias que sofrem de doenças só criará mais colónias doentes. [ver equalização de colónias em várias publicações mais antigas]

Da mesma forma, combinar uma colónia fraca com uma colónia forte e saudável pode resultar na perda de ambas as colónias devido a doenças. Combinar colónias já foi uma prática comum, mas actualmente existem muitos mais vírus circulando, incluindo aqueles que não apresentam sintomas externos. Por exemplo, embora possa não haver sinais visíveis do vírus das asas deformadas numa colmeia, muitas das abelhas podem estar infectadas e enfraquecidas pelo vírus. Evito juntar colónias por esse motivo. Se eu não conseguir encontrar um motivo específico para a fraqueza da colónia, suspeito de vírus. Uma colónia às vezes pode superar um surto de vírus. Se a colónia for pequena, eu coloco-a em numa caixa de 5 quadros. Adicionar cria e abelhas de uma colónia forte pode ajudar. Eu não gosto de adicionar quaisquer abelhas ou quadros de colónias fracas a colónias fortes se houver suspeita de vírus.

Efeito fenotipico do Vírus das Asas Deformadas



Espero que as suas colónias sobrevivam ao inverno. Ainda melhor se estiverem prosperando! A primavera chegará em breve, então agora é a hora de se preparar.

Muito obrigado John, por esta aula magistral de apicultura! É muito reconfortante saber que tenho a sua companhia em inúmeras opções de maneio.

fonte: https://www.njbeekeepers.org/Site_Docs/Newsletters/Volume35Issue2.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.