vespa velutina: a dinâmica de pressão predatória

Continuando a ler, a pesquisar, a reflectir (pensar duas vezes) sobre este magnífico e terrível inimigo da biodiversidade dos insectos em geral e das abelhas melíferas em particular, proponho a leitura deste trabalho de Karine Monceau e colegas, publicado em 2013, que apresenta alguns aspectos que devemos considerar para mais e melhor compreendermos esta praga.

“Aqui, propomos analisar com mais detalhes a dinâmica da pressão de predação do VPA (vespão de patas amarelas) na área invadida em França. Este estudo foi realizado em colmeias durante o período de predação nos estágios iniciais da invasão (2008) e foi projetado para identificar períodos-chave específicos durante os quais a predação em abelhas pode ser limitada. Um procedimento de captura foi usado para monitorar a dinâmica da pressão de predação. A predação em dois apiários foi comparada, um numa área urbana e a outra numa área suburbana à beira de uma floresta e de terrenos agrícolas. Nosso primeiro objetivo foi avaliar a eficiência da técnica de captura com recurso a armadilhas iscadas [ver modelo de armadilha utilizado, no artigo linkado em baixo]. Para validar esse método, o número de VPAs perseguidores em cada apiário foi anotado e comparado com o número dos capturados. Vários estudos em Vespidae documentaram a relação entre condições climáticas (temperatura, humidade, precipitação, insolação solar etc.) e atividades de forrageamento (Ishay 2004; da Rocha e Giannotti 2007; Kasper et al. 2008; de Castro et al. 2011); o impacto dos parâmetros abióticos na predação efectuada pelos VPAs foi considerado. Finalmente, a variação na massa corporal dos VPAs capturados também foi analisada para entender a relação entre pressão de predação e dinâmica populacional. […]

“Nos dois ambientes diferentes, a predação durou mais de 5 meses. No geral, a dinâmica da pressão de predação do VPA pode ser aproximadamente dividida em três fases. Na primeira fase, muito poucos VPAs foram capturados desde o início da temporada até meados de junho / início de julho. Posteriormente surge um grande aumento na predação nas colónias de abelhas do início de agosto ao início de novembro, quando a predação diminuiu drasticamente até dezembro [ver dados muito elucidativos em quadros apresentados no artigo linkado em baixo]. […] A primeira fase da dinâmica da pressão de predação do VPA corresponde ao surgimento da primeira geração/coorte de obreiras. Uma vez que eles surjam no campo, a rainha pode dedicar-se exclusivamente à postura. Portanto, o atraso entre o primeiro VPA capturado e o aumento da pressão de predação corresponderá ao estágio larval, avaliado em 48,1 dias para o VPA (Archer 2010), variando com a qualidade dos alimentos e o clima. Apesar dessa variação, os “primeiros 40 dias” (Spradbery 1973) parecem ser consistentes com nossos dados. Assim, pode ser usado para prever o momento do maior risco de predação. Durante o período de predação nas colmeias, a maioria dos VPAs capturados era composto principalmente por obreiras com poucos machos e rainhas em junho. Foi possível confirmar a dinâmica populacional através da variação da massa corporal. Os VPAs capturados em junho foram por um lado os mais pesadas (exceto os capturados no mês de novembro) e as mais variáveis, devido a uma mistura de rainhas com maior massa corporal e uma primeira coorte/geração de obreiras mais leves. Esse ponto é importante, pois indica que as rainhas apareceram nas armadilhas durante esse período e depois desapareceram progressivamente. Isso pode corresponder ao final da fase da colónia primária da rainha (Spradbery, 1973). Outra interpretação envolve uma estratégia de “jogo de apostas” (Gourbière e Menu 2009): a saída tardia da dormência no inverno é uma estratégia ideal para prolongar o período de predação e adaptar-se eficientemente a novos ambientes. Noutros Vespidae (Spradbery 1973), vôos da rainha foram observados até meados de junho/início de julho e pode assumir-se um padrão semelhante para V. velutina. Tal ponto pode ser de importância, portanto acreditamos que deve receber atenção em pesquisas futuras.

A massa corporal das obreiras aumentou ao longo da temporada; isso pode ser o resultado de um aumento na qualidade dos alimentos e na quantidade de alimentos fornecidos às larvas. Esse grupo de obreiras maiores, encontrado mais tardiamente nas armadilhas, provavelmente foi alimentado com abelhas caçadas […]. O tamanho larval, relacionado com a reserva de gordura, é influenciado pelo fornecimento de alimento e está relacionado ao número de abelhas caçadas (Strohm, 2000). Em várias espécies de Vespidae, a proporção larva / obreira ainda é alta após o surgimento das primeiras obreiras e diminui progressivamente até ao final do ciclo de vida do ninho (Matsuura e Yamane 1990). Assim, nas etapas mais precoces, as larvas recebem menos alimentos e/ou alimentos de menor qualidade, resultando em indivíduos menores. Quando essa coorte de obreiras surge em número suficiente, a proporção larva/obreiras diminui, resultando num aumento na qualidade e/ou quantidade dos alimentos fornecidos e um aumento correspondente na produção de obreiras com maior massa corporal. No final da temporada, em novembro, adultos mais pesados ​​foram capturados novamente, correspondendo à nova geração de fundadoras e machos.


O número total de VPAs presos durante o curso da temporada diferiu nos dois locais. Cerca de metade da quantidade de VPAs foi capturado na ART [um dos apiários] quando comparado com o número de capturas no VIL [o outro apiário] (916 e 1.894, respectivamente). A dinâmica de captura começou três semanas mais cedo no ART do que no VIL e terminou nove dias depois. Metade das capturas foram realizadas 30 dias antes no ART do que no VIL. A pressão de predação no VIL aumentou mais lentamente do que no ART durante a primeira metade do período de captura e mais rapidamente durante o segundo semestre. Essas diferenças podem ser atribuídas às colmeias mais numerosas no apiário da ART do que na VIL (14 vs. 9), bem como a um ecossistema potencialmente mais rico de presas de artrópodes no ART (paisagens de floresta), que tem o efeito de diluir pressão de predação. […]

Sabe-se que temperatura, humidade e velocidade do vento afetam as atividades de vários Vespidae (da Rocha e Giannotti 2007; Kasper et al. 2008; de Castro et al. 2011) e Apidae (Lundberg 1980; Burrill e Dietz 1981; Omoloye e Akinsola 2006; Neves et al. 2011). Nesta pesquisa, o único fator que parece modular a pressão de predação é a velocidade do vento, provavelmente porque é um fator limitante para voar e, principalmente, porque o vôo estacionário necessário para a captura de abelhas pode ser mais difícil em dias de vento. O vento também é um fator-chave para indivíduos que precisam retornar ao seu ninho de alta altitude. Descobrimos que a temperatura e a humidade não tiveram efeito per se, mas tiveram alguma influência quando ligadas à variação sazonal. Embora a atividade predadora possa ser dirigida pelo seu próprio relógio biológico (Giller e Sangpradub 1993), ela também pode estar relacionada com a atividade da presa (Kotler et al. 2002). Assim, o efeito sazonal observado no comportamento de caça do VPA pode resultar de outro efeito: o VPA associa sua atividade à atividade de forrageamento das abelhas, que depende do clima. Assim, acreditamos que essas relações devem ser estudadas diariamente, a fim de identificar as “janelas climáticas ótimas” correspondentes ao aumento ou redução do risco de predação.”

fonte: https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-01201288/document

Notas: Deste trabalho quero destacar três aspectos:

  • o surgimento de ninhos secundários desfasados no tempo (uns mais cedo que outros) aumenta a eficiência de sobrevivência da espécie; diria, usando uma imagem, que não vão todos no mesmo dia ao supermercado à imagem do que acontece connosco no “black friday”;
  • nos últimos meses do ciclo de vida do ninho (novembro, dezembro,…) pretender distinguir as futuras fundadoras das obreiras só com base em fotos, para além de errado é sinal de pouco conhecimento da dinâmica alimentar e predatória dos VPAs;
  • o comportamento de predação dos VPAs nos apiários é influenciado por factores abióticos, como a temperatura e humidade, mas não podemos nem devemos descartar da equação a importante influência do vento, que em dias menos frios e chuvosos de outono/inverno poderá ser o único factor limitante.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.