paulonia vs. eucalipto

Num ano terrível para apicultura, com milhares de colmeias ardidas, algumas delas minhas, procuro informação sobre árvores-bombeiro e se possível nectaríferas. A paulonia está a merecer neste momento a minha atenção porque me parece reunir estes dois requisitos.

Fig. 1: Árvore paulonia

Fazendo esta pesquisa acerca da paulonia (paulownia em inglês) encontrei a opinião, citada em baixo, que pode deixar algumas pistas para a reforma florestal que tanto se anseia, tendo como quase certo que algumas sub-espécies desta espécie não são consideradas invasoras pelas autoridades portuguesas competentes (ver lista linkada aqui).

 

O governo e os produtores privados parecem adorar a monocultura. Quase qualquer monocultura seria melhor do que o que existe atualmente. Aposto que eles gostariam de uma árvore que tenha retorno ao fim de 10 anos. O Paulownia precisa de mais umidade do que está disponível naqueles montes, mas aposto que seria bom em áreas mais quentes.

A maioria dos assentamentos precisa lidar com as águas cinzentas. Um sistema de tratamento de águas arrasadas, com base nessas árvores, poderia dar uma grande quantidade de proteção contra incêndio em um curto período de tempo. Um grande anel em torno de cada pequena cidade poderia ser irrigado. Isso satisfaria o desejo de cultivar árvores, com a exclusão de outras coisas, e evitaria a propagação do fogo. A cultura acabada é mais valiosa do que o eucalipto.

A indústria de plantio de eucalipto emprega apenas cerca de 3.000 pessoas. Seu país permitiu que uma vasta área fosse cultivada em mono, em nome da economia de 3.000 trabalhos. Quase qualquer outro sistema florestal, produziria mais empregos. Com celulose e papel, é principalmente plantar, aguardar o número de anos necessário, depois cortá-lo e processá-lo em pasta de papel.

As árvores que são moídas em madeira, criam um grande número de indústrias derivadas. Haveria serrarias, fabricantes de móveis e fabricantes de qualquer coisa que pudesse usar uma forte madeira parecida com Balsa. Se a mesma quantidade de terra fosse coberta com qualquer árvore que precisasse ser moída, ela deveria empregar mais de 3.000 pessoas. Isso é algo que precisa ser abraçado pelo povo e pelo governo. Deixe a indústria do papel morrer. A Escandinávia pode facilmente fornecer papel de celulose e papel higiénico para a Europa.

Com uma árvore de crescimento rápido, com salários mais baixos do que a Escandinávia, Portugal poderia facilmente dar uma certa concorrência ao Ikea. A árvore Paulownia passa por uma variedade de nomes … Paulownia (Paulownia tomentosa).

fonte: https://permies.com/t/59285/Reforesting-Portugal-firefighting-trees

Nota: agradeço ao Nuno Oliveira ter chamado a minha atenção para esta espécie.

13 thoughts on “paulonia vs. eucalipto”

  1. Pelo que li também, não está bem adaptada a geadas fortes, solos esqueléticos e necessita de agua em abundância nos primeiros anos…

  2. Boa noite Sr. Eduardo.

    Sei que não é a sua área, mas do que pesquisou acerca da Paulonia, acha viável avançar para a sua produção com destino à indústria da madeira e/ou da biomassa?

    Se alguém estiver dentro do assunto, agradeço resposta.

    Cumprimentos

    1. Bom dia, Bruno!
      A minha opinião é uma grande especulação porque como diz não é a minha área, mas sem mais informação do que a que detenho actualmente digo que sim. Neste link https://www.investitin.com/fast-growing-trees-paulownia-elongata/ referem que há variantes que são utilizadas para a produção de biomassa.

      Na minha opinião esta é uma árvore que deve merecer a nossa atenção, em particular a dos pequenos produtores florestais que viram as suas árvores queimadas. Estes produtores necessitam de plantar árvores com ciclos rápidos de crescimento para poderem viver. A não ser assim, a solução alternativa passaria pelo estado subsidiar devidamente o plantio de árvores com ciclos de crescimento lento. Contudo os ciclos eleitorais são de 4 anos, demasiado rápidos para medidas de fundo nesta e noutras áreas…

      A terminar fica o meu agradecimento ao Nuno Gomes por nos mostrar que aqui ao lado, em Espanha, existem variantes da paulónia estéreis/não invasivas o que nos dá mais garantias acerca da sua introdução no nosso país.

    2. Cada planta produz 1,30 m3 madeira nobre ao fim de 8 anos e regenera 8 vezes
      A madeira tem densidade de 290kgs/m3 e vende-se a preços elevados
      Em termos de produção de biomassa é óptima porque resiste a temperaturas superiores a 400 graus
      Plantio: MADEIRA 600 a 800 plantas/ ha e BIOMASSA 1.600 plantas/ha

  3. Boa tarde Sr. Eduardo.

    Obrigado pela prontidão na resposta. Pelo que tenho lido, é uma cultura extremamente interessante. Vou continuar com as pesquisas. Se tiver nova informação relacionada com as abelhas, farei comentário novamente a partilhar a informação.

    Agradeço mais uma vez.

    Cumprimentos

  4. Existe em Portugal quem comercialize esta planta deixo o contacto a quem interessar.
    Paulownia – Neres & Neres – Proença-a-Nova | Facebook
    https://www.facebook.com/paulownianeres/
    Paulownia – Neres & Neres, Proença-a-Nova. 652 likes. A Paulownia clone in vitro é uma árvore polivalente e de crescimento ultra rápido. Venha conhece-la…

  5. Bom dia. Eu também fui um dos que viram pinhais semeados/plantados pelos meus bisavós e avós a desaparecerem em poucas horas nos incêndios de 14 outubro. Ando à procura de ideias para refazer aquilo que se perdeu. Achei muito interessante esta espécie, já andei na net a recolher informação e deu para reparar numa coisa. Existe bastante informação sobre compra das plantas para plantio, as características da espécie, as suas necessidades, tempos de crescimento e outros. Mas o que me intrigou foi não encontrar grande informação sobre o pós crescimento, ex: escoamento da madeira, não encontrei quem comprasse a madeira, vi para carvalhos, castanho, cerejeira, etc. Para essa espécie não vi comprador.
    No entanto, como refere o Sr. José Neres a densidade da madeira é em média 290 kg/m3, comparativamente com a de carvalho este varia entre 600 a 900 kg/m3. Aqui na minha zona os madeireiros compram a madeira a peso (tonelada) o que no caso da Paulonia retira valor monetário.
    Conseguem dar-me algumas dicas, visto que no mínimo vão um ano à minha frente?

    Desde já o meu obrigado.
    O meu mail de contacto para alguém que queira é rikicds@gmail.com

    1. Bom dia, Ricardo!
      Não tenho resposta para as questões pertinentes que coloca. Sugiro que contacte as pessoas dedicadas ao sector.

  6. No ano passado os fogos limparam o meu terreno este ano avancei com as paulownias e em 3 meses já tenho árvores com 2 m sendo a média 1,5 m recomendo que comprem as sementes no https://www.ebay.co.uk/sch/i.html?_from=R40&_trksid=p2380057.m570.l1313.TR1.TRC0.A0.H0.Xpaulownia+seeds.TRS0&_nkw=paulownia+seeds&_sacat=0 e que as germinem em água numa dessas estufas pequenas, requerem água morna e muita luz depois de nascerem e atingirem os 2 cm coloca-se em tabuleiros pequenos depois maiores ou vasos e finalmente na terra, exigem rega no verão nos primeiros 2 anos mas depois vão produzir durante 80 anos, pelo que regar 3-4 meses durante 2 anos 1-2 x semana é um pequeno preço a pagar por tudo de bom que elas dão e por tantos anos.

    1. Sr. José Fontoura, as semente em Portugal ainda não são autorizadas devido à sua possível invasão. Por isto, só é autorizado o comércio de plantas clones in vitro! As sementes que importa podem ser de uma variedade com crescimento menos rápido e menos ereto, é o caso da paulownia tomentosa…

  7. Bom dia, tenho pesquisado bastante sobre esta planta, o que me tenho apercebido é que as empresas andaram com o carro a frente dos bois, já há em Portugal algumas empresas que vendem as plantas in vitro, para não haver propagação e algumas que até compram a matéria prima quando a mesma atingir a sua maturação (8 anos), isto se estas empresas nessa altura ainda estiverem com actividade nessa altura, de referir que esta empresa BARROS FILHOS LDA, foi a primeira em 2003 a pedir a introdução desta planta em portugal, através de importação da EUA, e neste momento já se encontra encerrada.
    Resumindo acho a planta muito interessante e claro que é um investimento a longo prazo, mas neste momento o risco encontra se em as industria apontar ou não as intenções para esta planta. O risco está em plantar hoje e a industria daqui a 8 anos não ter sua produção virada para esta planta. Neste momento parece existir apenas possíveis utilizações da madeira, e um grupo restrito que a poderá compare, ou seja quase monopólio e não havendo concorrência será comprada ao preço apresentado por eles.
    Isto é a minha opinião com base na pesquisa que fiz, estou tentado a comprar algumas unidades, já que o preço por unidade relativamente ao eucalipto não é convidativo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.