acaricidas rápidos e acaricidas lentos

Em França verificar a eficácia dos medicamentos utilizados na luta contra o ácaro da varroa é, desde 2007, uma atribuição coordenada pela FNOSAD (Fédération Nationale des Organisations Sanitaires Apicoles Départementales) que reúne a grande maioria dos OSAD (Organisations Sanitaires Apicoles Départementales), representando mais de 30.000 apicultores, profissionais e amadores.

Estes tratamentos/acaricidas que beneficiam de homologação são testadas anualmente por forma a mostrarem que garantias dão no controle da infestação pelo ácaro varroa abaixo dos limites considerados  prejudiciais às colónias de abelhas. Os principais parâmetros avaliados por estes testes são a eficácia global, avaliado através dos ácaros residuais encontrados após os tratamentos, assim como a velocidade de ação desses mesmos tratamentos sobre os ácaros.

Em 2014 a FNOSAD avaliou estes dois parâmetros em 4 tratamentos: o Apivar, o Apistan, o Apilife Var e o MAQS. Qualquer um destes 4 tramentos/acaricidas está homologado em Portugal.

Do conjunto de resultados obtidos em cerca de 300 colónias de abelhas testadas surgiu a evidência de que a eficiência média obtido em 2014 pelo Apivar® e Apistan® é elevada (97% e 96%, respectivamente), mas envolve tempos de tratamento longos (70 dias e 56 dias, respectivamente).

Os medicamentos MAQS® e Apilife Var®, que têm tempos de tratamento mais curto (7 e 28 dias, respectivamente) atingem percentagens de eficácia médias um pouco mais baixas (93% e 87% respectivamente).

Contudo um dado de extrema importância, e que nos ajuda a tomar decisões mais ajustadas no terreno, é-nos dado pela velocidade de acção destes acaricidas sobre os ácaros. A este respeito e para estes quatro fármacos testados em 2014, o número de dias necessários para ir abaixo do limiar de 1000 varroas revelou que o Apivar® requer uma média de 29 dias. Esta duração é, respectivamente, 23, 14 e 2 dias com Apilife Var®, Apistan® e MAQS®

Sublinho estes dados: para fazer regredir o número de varroas abaixo do limiar de 1000 o acaricida de acção mais lenta demora 29 dias (o Apivar) e o mais rápido atinge esse limiar em apenas 2 dias (o MAQS).

Estes dados são, na minha opinião, de grande utilidade quando a urgência de uma infestação nos exige a colocação de um acaricida de acção rápida, ou quando pelo contrário o contexto no qual efectuamos o tratamento não nos exige essa rapidez. Finalmente talvez nos ajude também a perceber que muitas das vezes se o tratamento não foi bem sucedido e a colónia acabou por colapsar, não foi por uma questão de resistência dos ácaros ao princípio activo do tratamento por nós escolhido, mas tão só porque chegámos demasiado tarde à corrida e com um cavalo lento, ainda que forte (será o caso do Apivar). Como costumamos dizer “cada coisa é para o que foi feita”.

fonte: http://ecbiz193.inmotionhosting.com/~nodglo5/wp-content/uploads/2016/04/FNOSAD-2014-study-high-quality.pdf

3 thoughts on “acaricidas rápidos e acaricidas lentos”

  1. Boa Noite

    Estudo interessante, que faz ver o tratamento numa perspetiva que ainda não me tinha apercebido.
    Obrigado pela partilha.
    Cumprimentos

  2. Eduardo, este post vem elucidar muitas coisas. Uma delas o facto da necessidade de provavelmente termos as tiras cerca de 8 a 10 semanas colocadas. Um outro facto tem k ver com tempos longos de exposicao a acariciar poderem resultar em mais rápido aumento de resistências.
    Ainda de salientar que esse estudo foi no meu entender bem dirigido.

    Por cá teremos de seguir esse caminho, se bem k a apicultura francesa passa por enormes dificuldades neste momento. Salvo erro a produção total de 2016 foi inferior a nossa, com 4x mais apicultores e 5x mais território.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *