velocidade e duração da acção dos medicamentos: uma categorização possível


Entre os medicamentos atualmente disponíveis, podem ser definidas três categorias em termos de velocidade e duração de ação. Dependendo das necessidades e do contexto, o apicultor pode favorecer o uso de um medicamento de uma categoria ou de outra, ou usá-los sucessivamente (mas nunca simultaneamente).

Medicamentos com efeito rápido e curto, chamado de efeito “flash”
Apibioxal®, Oxybee®, varromed® (administrado em 1 aplicação na primavera e inverno)

Estes medicamentos têm a propriedade de eliminar um grande número de ácaros Varroa muito rapidamente (em poucos dias) e, portanto, diminuir a pressão parasitária muito rapidamente, mas sua duração de ação é inferior a uma semana e apenas os ácaros Varroa foréticos [na fase de dispersão] desse período são afetados. Estes medicamentos não fornecem proteção contra o risco de reinfestação. Com efeito, passado um período de apenas alguns dias após a sua aplicação, não protegem contra a re-infestação de origem externa (principalmente por deriva e pilhagem), nem limitam a reprodução de ácaros varroa residuais. Com excepção do período de inverno em que este risco é muito baixo, esta pode ser considerado uma desvantagem e deve ser tido em conta se não houver um controlo colectivo concertado, ou se a vizinhança apícola constituir um perigo, com apiários tratados tardiamente, incorrectamente ou não tratados.
Para ApiBioxal® e Oxybee®, sendo o ácido oxálico a única substância ativa, recomenda-se usá-los apenas na ausência de criação, pois a eficácia do ácido oxálico é bastante reduzida quando a criação está presente e sob os opérculos e, portanto, preservada da ação acaricida do ácido oxálico. Para o VarroMed®, o uso numa aplicação única só é recomendado no inverno e na ausência de cria ou na primavera se as quedas induzidas não forem significativas. (Ver RCM – Resumo das Características do Medicamento).

Medicamentos de ação rápida com duração média (menos de 4 semanas)
Formic Pro®, maqS®, varromed® (administrado em 3 aplicações na primavera ou no verão)

Estes medicamentos permitirão que a pressão do parasita diminua rapidamente e terão uma ação mais prolongada que os da categoria anterior devido a uma libertação gradual do princípio ativo por vários dias (caso do Formic Pro® e MAQS®), ou porque o tratamento é feito em 3 aplicações (caso de VarroMed® na primavera ou no verão dependendo do nível de infestação).

NB: o apicultor deve ter cuidado ao utilizar VarroMed® (que contém, além do ácido fórmico, ácido oxálico em concentrações bastante elevadas) quando o tratamento envolve várias aplicações. Após experiências com vários tratamentos realizados com ácido oxálico, pesquisadores (Charrière e Imdorf, 2000) indicaram que as aplicações repetidas por gotejamento devem ser evitadas, pois não são bem toleradas pelas abelhas. Publicações (Hatjina, 2005; Bethany et al., 2019) também relatam os efeitos nocivos na criação aberta do ácido oxálico aplicado por gotejamento. Além disso, na primavera, a colmeia é povoada por abelhas de vida curta, e de acordo com um estudo (Martin et al., 2000) o ácido oxálico é mais tóxico para elas do que para as abelhas de vida longa (inverno) provavelmente por terem menor capacidade de desintoxicação.

Medicamentos de ação prolongada
Apiguard®, Apilife var®, Apistan®, Apitraz®, Apivar®, bayvarol®, Polyvar Yellow®, thymovar®, varromed® (administrado em 5 aplicações no verão)

Estes medicamentos agem mais ou menos rapidamente, mas todas têm uma duração de ação superior a 4 semanas. Esta ação prolongada resulta quer de um tratamento em várias aplicações (VarroMed® no verão com 5 aplicações),
quer do efeito de uma forma galénica que permite a libertação gradual da substância ativa após uma única aplicação (medicamentos em forma de tiras: Apivar®, Apitraz®, Apistan®, Polyvar Yellow®), ou mesmo um tratamento com várias aplicações e uma libertação gradual da substância activa (medicamentos à base de timol: Apiguard®, Apilife Var®, Thymovar®).

Agem apenas sobre os ácaros varroa foréticos [na fase de dispersão], e o fato desta ação durar várias semanas deve permitir eliminar os ácaros varroa à medida que emergem durante a emergência das abelhas e/ou são introduzidos com as deriva/pilhagem de abelhas de outras colónias. São, portanto, a priori, os mais adequados para garantir a proteção contra a reinfestação. Devido a esta característica e à duração do tratamento, estes medicamentos são utilizados principalmente no tratamento de verão, após a última colheita.
Quando há muita criação nas colónias e uma grande população de ácaros varroa, a ação lenta de algumas destes medicamentos pode resultar na persistência da pressão parasitária nociva, além de não permitir a produção de abelhas de inverno bem constituídas, se elas sofreram os efeitos do parasitação e viroses associadas.

Importância da cinética/velocidade de ação de um tratamento anti-varroa.
Curvas teóricas da evolução do número de ácaros varroa numa colónia consoante o tratamento aplicado, com uma eficácia de 95%, tenha um efeito rápido e breve (A) ou um efeito lento e prolongado (B).

fonte: GUIDE FNOSAD : vARROA ET vARROOSE

2 comentários em “velocidade e duração da acção dos medicamentos: uma categorização possível”

  1. Bom dia J. Eduardo: Gostei muito de ler este artigo sobre a ” Velocidade e duração dos
    tratamentos…” Como os fármacos da opção A são utilizados na fase de produção,
    que resíduos ficam no mel? São mesmo compativeis e podem ser usados?
    Muito obrigado
    Bom domingo
    Carlos Figueiredo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.