o que mata mais colónias de abelhas: varroa, nosema, imidacloprida, ou tudo isto junto?

O estudo “Single and interactive effects of Varroa destructor,Nosema spp., and imidacloprid on honey bee colonies (Apis mellifera)” [Efeitos únicos e interativos de Varroa destructor, Nosema spp. e imidacloprid em colónias de abelhas (Apis mellifera)] descreve uma experiência, levada a cabo durante dois anos, para avaliar os efeitos isolados e em sinergia na mortalidade de colónias de abelhas por Varroa destructor, Nosema spp. e e imidacloprida (um insecticida da família dos neonicotinóides). Deixo a tradução do sumário:

“As grandes perdas de colónias de abelhas nas últimas décadas são uma grande preocupação social e económica e são vistas como um sinal da vulnerabilidade do meio ambiente, incluindo o serviço de polinização nas lavouras, e do setor apícola. Não há uma causa única para as perdas da colónia, mas muitos setressores contribuintes podem agir em conjunto. A infestação por Varroa destructor é reconhecida como uma importante causa dessas perdas. Os papéis da infestação por Nosema ceranae ou exposição a inseticidas são controversos. Interações entre a exposição a pesticidas e V. destructor ou Nosema spp. já foram implicados. Em dois anos de experimentação de campo, estudámos os efeitos e as possíveis interações entre os setressores infestação por V. destructor, infestação por Nosema spp. e exposição subletal crónica a uma dose realista do inseticida imidacloprida no desempenho e sobrevivência de colónias de abelhas. As colónias altamente infestadas por V. destructor eram 13% menores em tamanho e apresentaram 59,1 vezes mais probabilidade de morrer do que as colónias infestadas com baixos níveis de V. destructor. Infestação com altos níveis de Nosema spp. levou a uma diminuição de 2% no tamanho e a probabilidade 1,4 vezes maior de morrer em comparação com colónias com baixos níveis de Nosema spp. . Nenhum efeito da exposição subletal crónica ao imidacloprida no tamanho da colónia ou na sobrevivência foi encontrado neste estudo. A exposição a V. destructor e imidacloprida levou a uma fração ligeiramente maior de abelhas infestadas com Nosema spp., mas em contraste com as expectativas, nenhuma interação resultante foi encontrada para o tamanho da colónia ou sobrevivência. As colónias, como superorganismos, podem muito bem compensar ao nível da colónia os efeitos negativos subletais dos setressores nos seus indivíduos. No nosso estudo experimental sob exposição realista de campo a setressores, V. destructor foi de longe o mais letal para colónias de abelhas.

fonte: https://esajournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ecs2.2378

A Arte da Guerra, é um tratado militar escrito durante o sec. IV A.C..

Já Sun Tzu, no lendário livro A Arte da Guerra, escrevia que temos de conhecer bem o inimigo para sairmos vitoriosos na guerra. Na minha opinião, este artigo dá-nos uma luz sobre quem é o GRANDE inimigo e em que sector do campo de batalha devemos colocar a cavalaria para sairmos vitoriosos ano após ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.