o armazenamento das alças e meias-alças durante o inverno: a minha opção

Agradeço a um apicultor da velha guarda um dos melhores e mais úteis ensinamentos que ouvi ao longo destes poucos anos que levo de apicultura. Foi num encontro de apicultores em Seia, em 2010 ou 2011 e, para grande pena minha, nunca cheguei a saber o seu nome. Ouvi-o defender a ideia que para armazenar os quadros das alças ou meias-alças não podíamos armazenar quadros com pólen e devíamos deixá-los pendurados, numa estrutura dedicada, para entrar o ar e a luz. Assim, nestas condições, estes quadros não seriam atacados pela traça da cera.

Para a quantidade de quadros que já tinha para armazenar a preparação dessa estrutura dedicada para os pendurar pareceu-me inexequível. No entanto em 2012, não me tendo esquecido desta lição, e num daqueles poucos momentos “eureka” que vou tendo, decidi “inventar” um pouco e armazenar os quadros nas próprias meias-alças e alças, mas procurando ir ao encontro dos princípios básicos enunciados pelo generoso apicultor que ouvi em Seia: armazenar quadros sem pólen (ou muito pouco pólen) e dispor as caixas de forma a que entrasse a luz e o ar. Nesse ano de 2012 iniciei com sucesso até aos dias de hoje o armazenamento de meias-alças e algumas poucas alças, seguindo estas orientações. Armazeno-as nesta casa rústica a 900 m de altitude, bastante fria, ventosa e com ar pouco húmido, durante o inverno.

Os quadros que armazeno seguem o mais possível este padrão: quadros com cera clara e com muito pouco pólen ou pólen nenhum.

Quadro de ninho da Lusitana com os requisitos necessários para ser armazenado.
Quadro húmido, saído da sala de extracção, pronto a ser armazenado.

As meias-alças (alças meleiras) da Lusitana são sobrepostas em x, em pilhas de 8 a 10.

As meias-alças da Langstroth são sobrepostas em +.

O armazém está sempre iluminado e arejado, de acordo com as condições meteorológicas de cada dia.

Neste caso as janelas com vidros partidos são mais e não menos!

Esta opção para o controlo e prevenção da traça da cera durante o armazenamento, que já dei conta nesta publicação de 2016 (uns anos antes, 2013 ou 2014, já tinha tornado esta opção pública no fórum As Abelhas), fica agora reforçada com as fotografias.

Nota: as meias-alças húmidas saídas da extracção vêm directamente para esta casa-armazém; não as coloco em cima das colónias para serem limpas, dado que nesta casa as abelhas não as largam sem antes as limparem de todo o mel.

Poucos minutos após a chegada com a carga de alças húmidas, e ainda na carrinha, começam a ver-se as primeiras abelhas (as abelhas têm o sentido do olfacto mais apurado que os cães).

Reflexão: aos apicultores que optam por colocar as meias-alças húmidas em cima das colónias para serem limpas, e em zonas já colonizadas pela Vespa velutina, tenham em atenção se não estarão a, inadvertidamente, colocar a marca de alvo-a-atacar, nesse momento e nessa colónia. Sabemos que a Vespa velutina é atraída sobretudo pelos odores de mel e pólen emanados por uma colónia. Que aroma mais penetrante a mel existirá que o de uma meia-alça húmida, logo após a extracção, e colocada no topo de uma colónia de abelhas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.