ficar ou partir: as pistas que as varroas seguem para fugirem de uma colónia que está a colapsar

Nas colónias colapsadas por altas taxas de infestação por varroa encontramos mais frequentemente os excrementos das mesmas nas paredes dos alvéolos do que as próprias varroas — sobre a autópsia e sinais de uma colónia que morreu devido à varroose já escrevi diversas vezes (ver, por exemplo aqui), sendo que a guanina/excrementos das varroas é uma pista inequívoca da sua presença num passado recente.

E o que terá sucedido às varroas que infestavam a colónia? Nas minha opinião, as duas hipóteses mais sólidas são: (i) no período que decorreu entre as visitas do apicultor uma parte da população de varroas terá morrido por velhice ou por desnutrição, caído nos estrados das colmeias e acabaram como alimento de formigas e outros necrófagos; (ii) a outra parte da população terá saído às costas de abelhas forrageiras que derivaram para colónias mais saudáveis.

Sendo este comportamento das varroas, transferirem-se das abelhas mais novas para as abelhas mais velhas, as que lhes oferecem “boleia” para outras colónias vizinhas, uma estratégia vencedora do ponto de vista da sua sobrevivência enquanto espécie, quais são os mecanismos subjacentes e as pistas que as varroas seguem para decidirem partir, fugirem de uma colónia prestes a colapsar que nada mais tem para lhes dar?

Deixo em baixo a tradução de um artigo de divulgação científica que traz luz sobre as pistas que as varroas poderão seguir, ficando uma vez mais claro como este parasita está perfeitamente moldado ao ambiente interno das colónias de abelhas, como se ajusta como uma luva aos diversos aspectos biológicos inerentes às colónias e assim consegue prosperar.

Os ácaros varroa geralmente preferem alimentar-se de abelhas ama, as que cuidam da criação, porque lhes dá mais oportunidades de transitarem e parasitarem as larvas das abelhas. No entanto, estas abelhas amas ficam geralmente dentro da colmeia, então os ácaros precisam apanhar boleia noutras abelhas para infestar outras colmeias.

Então, como sabem os ácaros quando ficar e quando ir? Depois de levar uma colmeia próximo do colapso, os ácaros são confrontados com um dilema: ficar parado e perecer com a colónia ou preparar-se para infestar outra colmeia vizinha mais saudável.

Investigadores em Itália acham que têm uma resposta para esta pergunta, e os resultados de seu estudo foram publicados no Journal of Experimental Biology.

Rita Cervo e seus colegas da Università degli Studi Firenze testaram as preferências dos ácaros para se alimentarem nas abelhas ama que não saem da colmeias ou forrageadoras itinerantes, incluindo abelhas ladras de outras colónias. Estes investigadores observaram que os ácaros das colmeias com baixas taxas de infestação preferiam transitar sobre abelhas ama. No entanto, à medida que as taxas de infestação de ácaros nas colmeias aumentaram, os ácaros se tornaram menos exigentes e pareciam igualmente satisfeitos em transitar em forrageadoras e amas.

A equipe analisou a mistura de substâncias cerosas que revestiam a superfície quitinosa das abelhas e descobriu que em colmeias com baixas taxas de infestação por ácaros, a cera das amas era muito diferente da cera das forrageadoras – aspecto que os ácaros provavelmente são capazes de detectar.

No entanto, as misturas de cera em amas e forrageadoras em colmeias com altos níveis de infestação pelo ácaro Varroa foram mais semelhantes, tornando mais difícil para os ácaros distinguir entre amas e forrageadoras. A presença dos ácaros alterou os revestimentos cerosos das forrageiras.

Quando a abundância de ácaros aumenta na colónia, a falta de diferenças nas pistas químicas entre amas e forrageadoras provavelmente não permite que os ácaros discriminem abelhas com tarefas diferentes e faz com que os ácaros montem em ambas”, escreveram.

Ao perder a capacidade de distinguir entre amas e forrageadoras quando as taxas de infestação são altas, os ácaros aumentam as possibilidade de obter uma boleia de uma forrageira que deriva para outra colmeia, aumentando as suas hipóteses de sobrevivência quando sua colmeia atual enfrenta a extinção.

fonte: https://entomologytoday.org/2014/08/29/how-do-varroa-mites-know-when-to-leave-honey-bee-hives-its-all-in-the-bees-wax/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.