esterilização das varroas pelo ácido fórmico: que evidências?

De quando em quando ouço e leio que ocorre um processo de esterilização das varroas com a utilização do ácido fórmico. Um fabricante de medicamentos acaricidas baseados no ácido fórmico faz mesmo esta afirmação “In our research and testing, we found out that mites surviving the treatment are in 80% infertile and will not reproduce.” (Na nossa pesquisa e testes, descobrimos que os ácaros que sobrevivem ao tratamento 80% são inférteis e não se reproduzem. fonte: http://www.mitegone.com/media.asp#reproduction) Por razões que desconheço, esta pesquisa e os testes estão omissos da bibliografia de suporte da página de marketing do produto, e a bibliografia de suporte que é apresentada, salvo melhor leitura, não confirma esta afirmação.

Da pouca bibliografia que alguns companheiros me sugeriram ler para esclarecer se de facto existem evidências sobre este efeito do ácido fórmico na fertilidade das varroas destaco estes dois artigos:

  • The Effect of Formic Acid in the Sealed Brood Cells (http://www.moraybeedinosaurs.co.uk/varroa/Effect_Formic_Acid.htm?fbclid=IwAR2zHBO_nEHWziZqF0npBmoBOnO2hN3SWzOqJPqSpI9W6pyLwGZRM9T-Yqc)
  • Results of 50% formic acid fumigation of honey bee hives [Apis mellifera ligustica (Hymenoptera : Apidae)] to control varroa mites (Acari : Varroidae) in brood combs in Florida, USA (Autores: Jim Amrine e outros. Amrine é/foi um dos grandes divulgadores dos benefícios dos tratamentos “flash” com ácido fórmico).

Depois de passar umas horas a analisar esta e outra bibliografia, acerca da hipótese da esterilização das varroas sobreviventes não encontrei evidência nenhuma. Encontrei sim dados sobre a mortalidade que o ácido fórmico provoca nas varroas que estão “protegidas” pelos opérculos. Esta informação já a possuo há mais de seis anos, contudo é sempre agradável reavivar os nossos conhecimentos, e não dei o meu tempo por completamente perdido! Evidências nestes estudos, e outros que consultei, acerca da possibilidade de esterilização das varroas, decorrente da utilização do ácido fórmico, não as encontrei.

O ciclo de vida da abelha operária começa quando a rainha coloca o ovo no alvéolo. O ovo (Figura 1) eclode após 72 horas, e cada um dos primeiros quatro ínstares larvais ocorre com 24 horas de intervalo (por exemplo, imagem # 2). O quinto ínstar larval (Figura 3) é operculado enquanto ainda está se alimentando, e a operculação é feita pelas abelhas adultas 8-8,5 dias após a postura do ovo. A pupação não ocorre até cerca de 3 dias após a operculação. O último instar larval alimenta-se durante o primeiro dia pós-operculação, mas torna-se imóvel (um estágio que chamamos de pré-pupa, Figura 4) à medida que se prepara para a pupagem. Os ácaros Varroa
invadem os alvéolos com larvas de último ínstar (Figura 3) poucas horas antes da operculação.

A propósito deste assunto, e para terminar, recentemente (2020), Häußermann et al. revelou a possibilidade de um ácaro virgem iniciar a fase forética/fase de dispersão. Posteriormente esta varroa virgem entra num opérculos com uma larva no 5º ínstar larval, põe um ovo não fertilizado e acasala com seu filho macho. Isto confirma que as fêmeas Varroa não precisam acasalar para fazer postura e que podem ser fecundadas por seus filhos, dias depois. (fonte: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs13592-019-00713-9).

Nota: aceito que sou um bocado obcecado pelos detalhes. Mas nos detalhes é que está o diabo. Como irão perceber quando publicar o meu plano de tratamentos para a varroose do próximo ano, a alegada esterilização das varroas pela utilização do ácido fórmico teria a sua importância se ela se confirmasse. Este plano, muito simples como poderão depois ver, será primeiramente apresentado no próximo Encontro de Apicultores da Guarda (ver aqui).

2 comentários em “esterilização das varroas pelo ácido fórmico: que evidências?”

  1. Obrigado pela sua pesquisa e partilha de informação na procura da melhoria do tratamento mais eficaz na erradicação ou diminuição desta “peste da varroa”. Cps Viegas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.