einstein, as abelhas e os pássaros ou como replicamos tecnologicamente a natureza

Várias das descobertas e inventos que nos são muito úteis no nosso dia-a-dia procedem de investigações realizadas noutras espécies animais e vegetais ou, no mínimo, foram congeminadas a partir da sua observação. Estou a pensar no radar, no sonar, nas novas soluções construtivas de edifícios com alturas antes julgadas impossíveis. Vem esta publicação a propósito de uma carta recentemente re-descoberta, escrita por Einstein em 1949 a Ghyn Davys.

Nela, o matemático e físico nascido na Alemanha discute abelhas, pássaros e se novos princípios da física poderiam vir do estudo dos sentidos dos animais.

Carta de Einstein a Ghyn Davys.

Em 1933, Einstein deixou a Alemanha para trabalhar na Universidade de Princeton, nos Estados Unidos. Foi aqui, em abril de 1949, que conheceu o cientista Karl von Frisch numa palestra.

Karl von Frisch ganhou o Prémio Nobel de Medicina em 1973.

Von Frisch estava de visita a Princeton para apresentar a sua nova pesquisa sobre como as abelhas navegam com mais eficácia usando os padrões de polarização da luz espalhada do céu. Ele usou esta informação para ajudar a traduzir a agora famosa linguagem de dança das abelhas, pela qual recebeu o seu próprio Prémio Nobel.

Um dia depois de Einstein assistir à palestra de von Frisch, os dois pesquisadores compartilharam uma reunião privada. Embora esta reunião não tenha sido formalmente documentada, a carta recentemente descoberta de Einstein fornece algumas dicas sobre o que pode ter sido discutido.

Suspeitamos que a carta de Einstein é uma resposta a uma consulta que ele recebeu de Glyn Davys. Em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, Davys ingressou na Marinha Real Britânica. Ele formou-se como engenheiro e pesquisou tópicos, incluindo o uso de radar para detectar navios e aeronaves. Essa tecnologia nascente foi mantida em segredo na época.

Por completa coincidência, o sensor de bio-sonar foi descoberto em morcegos ao mesmo tempo, alertando as pessoas para a ideia de que os animais podem ter sentidos diferentes dos humanos. Embora qualquer correspondência anterior de Davys para Einstein pareça perdida, ficámos interessados ​​no que pode tê-lo levado a escrever ao famoso físico.

Então, começamos a vasculhar arquivos online de notícias publicadas na Inglaterra em 1949. Na nossa pesquisa, constatámos que as descobertas de von Frisch sobre a navegação das abelhas já eram grandes notícias em julho daquele ano, e a sua pesquisa tinha até sido divulgada pelo jornal The Guardian em Londres.

A notícia discutiu especificamente como as abelhas usam luz polarizada para navegar. Como tal, pensamos que foi isso que levou Davys a escrever para Einstein. Também é provável que a carta inicial de Davys a Einstein mencionasse especificamente abelhas e von Frisch, pois Einstein respondeu: “Estou bem familiarizado com as admiráveis ​​investigações do Sr. v. Frisch”.

Parece que as ideias de von Frisch sobre a percepção sensorial das abelhas permaneceram nos pensamentos de Einstein desde que os dois cientistas se cruzaram em Princeton seis meses antes.

Na sua carta a Davys, Einstein também sugere que, para as abelhas ampliarem nosso conhecimento da física, novos tipos de comportamento precisariam ser observados. Notavelmente, está claro por meio de seus escritos que Einstein imaginou que novas descobertas poderiam vir do estudo do comportamento dos animais.

Einstein escreveu:

É pensável que a investigação do comportamento das aves migratórias e dos pombos-correio pode, algum dia, levar à compreensão de algum processo físico que ainda não é conhecido.

Agora, mais de 70 anos desde que Einstein enviou sua carta, a pesquisa está realmente revelando os segredos de como as aves migratórias navegam enquanto voam milhares de quilómetros para chegar a um destino preciso.

fonte: https://www.inverse.com/science/long-lost-einstein-letter

2 comentários em “einstein, as abelhas e os pássaros ou como replicamos tecnologicamente a natureza”

  1. Muito interessante!
    Pelo menos atribui-se a Einstein o que dele é.
    Vejo muitas vezes citada a frase “Se as abelhas desaparecessem, o homem viveria apenas quatro anos” como sendo de Einstein. Mas quando Rony Grosz (diretor do arquivo de Albert Einstein que conta com mais de 82000 documentos) foi questionado, este negou a atribuição desta afirmação ao Nobel.
    Grata pelo artigo referenciado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.