avaliando a resistência a acaricidas para Varroa destructor em vários locais de Espanha

Estudo muito recente, publicado há um mês atrás (16 de setembro de 2020), e realizado no país vizinho.

A varroose é a doença causada pelo ácaro ectoparasitário Varroa destructor, uma das doenças mais destrutivas das abelhas. Em Espanha, existe uma grande preocupação porque existem muitas falhas terapêuticas após tratamentos acaricidas destinados a controlar surtos de varroose. Em alguns desses casos, não está claro se tais falhas são devidas à evolução da resistência. Portanto, é de grande interesse o desenvolvimento de metodologias para testar o nível de resistência em populações de ácaros. Neste trabalho, uma metodologia de bioensaio simples foi usada para testar se alguns relatos de baixa eficácia em diferentes regiões da Espanha estavam de fato relacionados com uma redução da sensibilidade do Varroa aos acaricidas mais usados. Este bioensaio mostrou-se muito eficaz na avaliação da presença de ácaros que sobrevivem após exposição a acaricidas. Nas amostras testadas, a mortalidade por cumafos variou de 2 a 89%; para o tau-fluvalinato, variou de 5 a 96%. Por outro lado, o amitraz causou 100% de mortalidade em todos os casos. Estes resultados sugerem a presença de Varroa resistente a cumafos e fluvalinato na maioria dos apiários amostrados, mesmo naqueles em que esses princípios ativos não foram utilizados nos últimos anos. A técnica de bioensaio apresentada aqui, sozinha ou em combinação com outras ferramentas moleculares, pode ser útil na detecção de populações de ácaros com diferentes sensibilidades a acaricidas, o que é de vital interesse na seleção do melhor manejo e / ou estratégia acaricida para controlar o parasita em apiários.

fonte: https://link.springer.com/article/10.1007/s00436-020-06879-x

Um comentário em “avaliando a resistência a acaricidas para Varroa destructor em vários locais de Espanha”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.