as abelhas sentem dor e sofrem? e sobre um resgate…

Os resultados experimentais que conheço acerca da resposta à questão se as abelhas melíferas sentem dor e sofrimento não são convergentes; uns indiciam que sim outros indiciam que não.

Por exemplo, os investigadores têm seguido várias linhas de investigação como: 1) reações motoras protetoras como indicadores de dor; 2) aprendizagem de evitamento.

As reações motoras de proteção incluem coisas como limpeza intensa e prolongada de regiões do corpo que foram feridas. Não há evidências de que as abelhas façam isso.

No entanto, há evidências de que as abelhas aprendem respostas de evitamento. Este traço comportamental advém da aprendizagem de uma resposta de evitamento a um estímulo prejudicial que lhes pode causar ferimentos.

Se uma forrageadora é atacada por um predador numa fonte de alimento (e sobrevive), ela impede outras abelhas de dançar a anunciar essa fonte de alimento quando retorna à colmeia.

Embora a aprendizagem de evitamento não indique que as abelhas sentem dor, ele implica um processamento central em vez de uma simples resposta nociceptiva*. Mostra que as abelhas são capazes de comparar o risco versus a recompensa de algo bom (uma rica fonte de néctar) com algo ruim (a chance de serem comidas ao coletar o néctar). Esse tipo de tomada de decisão demonstra uma capacidade cognitiva que pode tornar mais provável a experiência de dor.

fonte: https://www.theapiarist.org/do-bees-feel-pain/

Estando a questão em aberto, não deixa de me chocar o sofrimento que certas práticas apícolas de grande ingenuidade poderão estar a provocar nas abelhas, quando são abandonadas à sua sorte frente ao varroa e vírus por eles veiculados, numa tentativa vã de promover abelhas resistentes num curto período de tempo.

Neste assunto, como noutros, partilho a opinião de Rusty Burlew: “Na minha opinião, comprar animais que precisam de cuidados e, em seguida, negar-lhes esses cuidados é mau-trato de animais. Eu acredito que é ética e moralmente errado assistir algo morrer só porque você quer se chamar de “treatment free” (apicultor que deliberadamente não utiliza tratamentos contra a varroose), e acho que algumas pessoas estão mais interessadas em usar o rótulo do que em ter sucesso. “Treatment free” não é uma medalha de honra se tudo ao seu redor morre.

fonte: https://www.honeybeesuite.com/so-you-want-to-be-treatment-free/

Friedrich Nietzsche, poeta e filósofo (1844–1900).

Sobre o impacto do sofrimento dos animais em nós o caso mais notável que conheço, pela sua radicalidade, é o de Friedrich Nietzsche, de quem os seus biógrafos dizem ter enlouquecido a 3 de janeiro de 1889, quando presenciou o açoitamento de um cavalo na Praça Carlos Alberto. Nietzsche terá corrido em direção ao cavalo, abraçado o pescoço do animal para o proteger e, de seguida, caiu ao chão num pranto intenso. Talvez, naquele momento eterno, Nietzsche tenha vislumbrado os segredos mais preciosos e belos do universo no olhar de um cavalo sofrido, como Blake os intuiu num grão de areia, e Borges nas listras irregulares de um tigre.

No outro pólo da esfera, na minha realidade, muitas vezes a beleza de um enxame me resgatou da dor e sofrimento e me restituiu um sentimento de suave bem-estar. Este poder dos enxames, tenho-o observado desde que me tornei apicultor e, mais frequente e intensamente, desde que me re-equilibrei com a redução do efectivo, me tornei um amador—profissional, e apaixonei!

*Nocicepção ou algesia é o termo médico para a recepção de estímulos aversivos, transmissão, modulação e percepção de estímulos agressivos. Receptores de danos são chamados de nocireceptores e os estímulos são transmitido pelo sistema nervoso periférico até ao sistema nervoso central onde é interpretado como dor.

Um comentário em “as abelhas sentem dor e sofrem? e sobre um resgate…”

  1. Agradeço a chamada de atenção para o facto dos seres vivos para além de nós, independentemente do grau de inteligência, sofrerem. Este último facto conduz-nos ao respeito e obrigação, em muitos dos casos, quando na posse de conhecimento para tal no alívio ou anulação desta mesma dor ….

    Obrigado pela partilha deste assunto, pois é bom reflectirmos … !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.