a timeline das colmeias armazém ao longo da época

Num processo continuo e circular para decidirmos onde se situa o seu início temos de o pontuar. Com o desiderato de apresentar, com a limpidez que me é possível, a timeline das operações efectuadas nas minhas colmeias armazém ao longo da época, decido pontuar o início deste processo continuo e circular nestes dias que agora correm. E é nestes dias, os dias do castanheiro, em que desbloqueio alguns ninhos de jovens colónias, retirando-lhes aqueles quadros mais velhos bloqueados com mel e pólen, que tendo sido úteis aquando da introdução de rainhas virgens ou mestreiros com rainhas prestes a emergir, se tornam agora um peso, um travão, ao seu mais rápido desenvolvimento, que dou origem às colmeias armazém.

Vista de uma pequena parte do apiário ao fundo, ornada pela folhagem e candeias da árvore mais linda do meu mundo.
Origem de uma colmeia armazém: estes quadros escuros, bloqueados com mel e pólen, sairam do ninho de uma jovem colónia. São armazenados neste sobreninho até que venham a ser colocados durante o outono-inverno em colónias com as reservas em baixo.
Quadro com poucas reservas que foi substituído por outro com reservas mais abundantes (foto 27.02.2020).

No final do inverno/entrada da primavera estas colónias armazém vão evoluindo gradualmente, respondendo às necessidades decorrentes do crescimento linear das colónias dedicadas à produção. Passam a armazenar os quadros semi-bloqueados e com criação predominantemente operculada, retirados daquelas.

Colmeia armazém (foto de 15-04-2020).
Exemplo de um quadro semi-bloqueado, típico do ninho de uma colónia dedicada à produção, à saída da primeira quinzena de fevereiro (foto de 17-02-2020).

Uma a duas semanas após a colocação destes quadros nas colmeias armazém, inicio os desdobramentos com recurso à técnica Doolittle.

Colocação da grelha excluidora com a rainha no ninho.
Um caso de aplicação da técnica Doolittle para desdobrar. Em primeiro plano o núcleo para onde transferi as abelhas e 3 quadros com criação e 2 com reservas retirados do sobreninho

Com o avançar da época, para o meio da primavera estas colónias vão sendo gradualmente adaptadas ao fluir da época. Deixam de estar direccionadas para os desdobramentos e evoluem para a produção de mel.

Estas colónias Lusitana vão receber gradualmente quadros com cera laminada no sobreninho, que continuará separado do ninho por uma grelha excluidora de rainhas. O néctar será armazenado nestas ceras novas. Tal permitirá obter mel com as características organolépticas tão apreciadas pelos meus clientes e amigos, muitos dos quais o têm eleito como primeira opção nos últimos dez anos.
Foto de ontem (27-06) de um quadro de um sobreninho de uma colónia armazém.
Quando tudo é feminino… o melhor mesmo é terminar a publicação. Melhor fim não conseguirei, nem que escreva 100 anos acerca de uma linha de tempo, que parecendo linear sempre foi circular. Naquele recanto do apiário, com vista de uma pequena parte do apiário ao fundo, ornada pela folhagem e candeias da árvore mais linda do meu mundo, continuo, agora, a tirar a mesma fotografia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.