o futuro da apicultura (por Gilles Ratia)

Numa entrevista publicada na Abeilles et Fleures (ed. nº 779 de Fevereiro de 2016), a Gilles Ratia, presidente da Apimondia até muito recentemente, foi-lhe colocada a seguinte questão: Como vê a apicultura no mundo e o seu futuro, à luz das muitas viagens que realizou pelo mundo?

Porque achei a resposta deste experimentado e viajado apicultor muito interessante, deixo aqui a tradução da sua resposta.

“Na verdade, existem várias apiculturas. Há países onde ainda existem os api-coletores — você sabe, aqueles que sobem a árvores para colher o mel das Apis dorsata, ou o ainda mais temerário como suspender escadas feitas de cordas improváveis para re-colectar o mel da Apis laboriosa que vivem agarradas às altas falésias nepalesas.

Há também a apicultura tradicional onde as colmeias sem quadros, feitos de todos os tipos de material, utilizando raças locais (cerana, andansonii, etc.), sem qualquer selecção ou insumo (não utiliza cera laminada, alimentação artificial, tratamento veterinário, etc.).

Em terceiro lugar há a chamada apicultura “intermédia”, com as colónias instaladas em colmeias minimalistas como a famosa KTBH (colmeia queniana de barras superiores) ou as Warré, às vezes alimentadas artificialmente.

Finalmente, há a apicultura como a conhecemos em França, com colmeias Dadant e Langstroth. Este última categoria é altamente afetada no seu lado intensivo e muitas vezes é levantada a questão do seu futuro. Embora eu não seja um adivinho, nem um futurólogo, existem cenários mais ou menos complexos/difíceis de definir, esta é a minha visão quadripartida face ao declínio das colónias de abelhas:

  • Ou os apicultores nada fazem além de se adaptar continuamente, mal ou bem, às novas pressões da profissão: pesticidas cada vez mais perniciosos, globalização das doenças e das parasitoses, produtos veterinários de eficácia questionável, climatologia aleatória, legislação cada vez mais rigorosa a respeito da qualidade dos produtos apícolas, deixando passar simultaneamente as adulterações industriais vindas do Extremo Oriente, custos de produção crescentes, etc. Poucos sobreviverão …
  • Ou os apicultores se voltam para a “apicultura slow”: abandono da criação de rainhas, das ceras laminadas, da alimentação artificial que não seja a estritamente necessária à sobrevivência dos enxames, da redução da transumância e dos tratamento alopáticos, etc., com os outros agricultores a fazerem o mesmo ao seu nível e na sua prática, como parte de uma abordagem holística e cautelosa sobre o futuro da biodiversidade,  e assim de toda a humanidade. Todos sobreviverão…
  • Ou os apicultores se tornam grandes consumidores de alta tecnologia para arrancar com a apicultura 2.0: abelhas geneticamente modificadas, produtos para todos os estádios da colónia e personalizados para cada uma de acordo com o seu estado fisiológico — à imagem das vacas equipadas com coleiras de identificação —, todas as colmeias equipadas com vários sensores para monitorar 24/24 e 7 dias/7 por satélite, previsões metereológicas finas, diversificação de produtos para venda, como sabem fazer os chineses: o pólen + geleia real + ginseng + placenta humana, etc.. Não se sabe se se tratará da sobrevivência a longo prazo ou de um suicídio a curto prazo …
  • Ou ninguém precisa dos apicultores e os políticos vão deixá-los morrer no altar do progresso: plantas GM auto-férteis que não requerem polinização, e nos casos raros em que tal não será possível, micro-drones tocarão o pistilo das flores em vez desses insetos traquinas que picam! Como para o mel, ele é tão facilmente substituído pelo “xarope de frutose de milho” com sabor, não é cavalheiros das fraudes?
  • É óbvio que haverá (na verdade, já existe) uma re-partição dos apicultores na arte das três primeiras apiculturas referidas acima, de acordo com a sua cultura, crença, idade, experiência passada e conta bancária. A verdadeira pergunta que todos devem fazer será: “Em que tipo de mundo viverão os nossos filhos se a quarta opção se impuser?”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *