feromona mandibular da rainha e comportamento defensivo

O comportamento defensivo é uma das características mais conhecidas de uma colónia de abelhas e consiste no reconhecimento de predadores, no alertar as companheiras e adotar comportamentos anti-predador (desde posturas de ameaças, até zumbidos e, finalmente, picadas). O comportamento defensivo está intimamente ligado à feromona de alarme, mas também à feromona mandibular da rainha (FMR).

A presença da rainha parece ser importante na regulação do comportamento defensivo de uma colónia, uma vez que foi observado que as colónias sem rainha exibem um comportamento defensivo maior em comparação com o que é exibido pelas colónias com rainha. Estes dados são reforçados por estudos que demonstraram que a FMR sintética diminuiu a resposta de picadas de abelhas colocadas em gaiolas (Kolmes e Njehu, 1990). O efeito da FMR sobre o comportamento defensivo da colónia foi recentemente confirmado por Gervan et al. (2005), que mostraram que a administração de FMR sintético reduz significativamente o comportamento defensivo em colónias com rainha e que no caso de colónias sem rainha se verifica uma diminuição no número de abelhas guardiãs e uma ligeira redução da reação de picada. Vergoz et al. (2007), descobriram que a FMR bloqueia a aprendizagem de comportamentos aversivos em jovens obreiras.

Destes dados tirei duas aplicações práticas:

  1. durante o período de enxameação explico a alguns proprietários de terrenos vizinhos aos meus apiários que alguma agressividade das abelhas é temporária e recomendo que se protejam e/ou procurem trabalhar esses terrenos em horários mais matinais;
  2. no meu maneio permite-me verificar de uma forma rápida e não intrusiva se colónias anteriormente orfanizadas já têm rainha em postura: se ao levantar a prancheta do ninho ou ao passar a mão calçada com a luva de apicultor numa passagem rasante ao topo dos quadros um bom número abelhas ficarem irritadas muito provavelmente ainda não têm rainha em postura; se pelo contrário manifestarem uma relativa indiferença a estes gestos muito provavelmente já têm rainha em postura.

Nota: A FMR sintética já é comercializada por algumas casas especializadas. Em baixo estão dois links que apresentam este produto:

  • http://pheromonehelper.ca/en/honey-bee-pheromones/tempqueen.html
  • https://www.etnamiele.it/attrezzature-apistiche/1508-pseudoqueen-feromoni-artificiali-regine.asp

Fontes:

  • Kolmes S.A, Njehu N. Effect of queen mandibular pheromones on Apis mellifera worker stinging behavior (Hymenoptera: Apidae) J New York Entomol S. 1990;98(4):495–98;
  • Gervan N, Winston M, Higo H, Hoover S. The effects of honey bee (Apis mellifera) queen mandibular pheromone on colony defensive behaviour. J Apicult Res. 2005;44:175–79.
  • Beggs K.T, Glendining K.A, Marechal N.M, Vergoz V, Nakamura I, Slessor K.N, Mercer A.R. Queen pheromone modulates brain dopamine function in worker honey bees. Proc Natl Acad Sci U S A. 2007;104:2460–64.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *