a bolha da apicultura está prestes a explodir?

Com a autorização da autora, Rusty Burlew, apicultora e blogger norte-americana, traduzo um post recentemente colocado no seu blogue HoneyBeeSuite. Ainda que não me reveja em tudo o que a autora escreve e, sobretudo, consciente que entre a realidade apícola nacional e a norte-americana existe um oceano de diferenças, este texto aborda aspectos nos quais tenho parado para pensar nos últimos meses, e já reflectidos em posts anteriores, nomeadamente acerca da sustentabilidade das operações apícolas no nosso país.

  • “A bolha da apicultura está prestes a explodir?
    Não se preocupe. Tenho previsto o iminente colapso da apicultura há cerca de oito anos. Até agora, tenho pateticamente errado. Então não perca o sono por isso.

Ainda assim, o fecho repentino das três lojas de apicultura de Brushy Mountain e o desaparecimento de seu site provocaram-me uma sensação desagradável. Sim, eles provavelmente tomaram uma série de decisões de negócios erradas, incluindo a expansão rápida e uma alta relação dívida / lucro. Mas novamente, estou supondo.

Eu também ouvi rumores de que alguns clubes de apicultura estão perdendo membros e a participação nas reuniões está caindo. Não em todos os lugares, lembre-se. Alguns clubes estão melhores do que nunca. Pondere o que digo: estou apenas ouvindo rumores.

  • Ciclos de apicultura
    Isso me surpreende? Absolutamente não. Como muitos interesses e hobbies, a apicultura tem uma história de popularidade que sobe e desce como um termómetro. A crista antes desta foi na década de 70, quando os hippies  –  paz, amor e Volkswagens – decidiram manter as abelhas. De fato, muitos dos actuais “veteranos” começaram na época. É uma peça encantadora da história da apicultura.

A atual bolha da apicultura começou após relatos da imprensa sobre o distúrbio do colapso súbito das colmeias (CCD). Pessoas sem interesse prévio em insetos de repente decidiram salvar o mundo mantendo as abelhas. O atual esforço para ajudar a Mãe Natureza tem muitas semelhanças com os anos 70, e acredito que muitos dos apicultores atuais ficarão com as abelhas como aconteceu com os seus predecessores.

  • Os tempos mudaram
    Para equipar todos estes novos apicultores, centenas de empresários e retalhistas instalaram-se, prontos para ajudar. Actualmente, temos todos os tipos de aparelhos digitais, peças de plástico, ferramentas inteligentes e inúmeros sites. Temos fatos de apicultor feitos de materiais modernos, colmeias de todos os designs concebíveis e alimentadores que não acabam. Você diga o quê e alguém já está fazendo isso.

Mas também temos coisas que eles não tinham na década de 1970 ou em ondas anteriores de apicultura. Temos ácaros varroa, pequenos escaravelhos da colmeia e abundância de vírus, juntamente com piores condições ambientais. A apicultura é mais difícil do que costumava ser e mais cara. Manter-se na apicultura exige um compromisso maior do que apenas comprar uma colmeia e tirar os quadros de mel uma vez por ano.

  • O que é hot e o que não é
    Tulipas, cachorros digitais, rochas… . Tenho que ter isso! Não, brinquedos baratos não são o mesmo que colmeias de abelhas. Os brinquedos, as rochas vêm com dezenas de variações. Então todos nós estamos fazendo as colecções. Então perdemos o interesse. Coisas que deixamos de desejar se  um dia deixam de brilhar, e passamos para o próximo objeto brilhante que capta nosso interesse.

Em contraste, muitas complexidades e ironias associadas à apicultura são consistentes com as rochas de colecção. Por um lado, na base da fileira apícola temos apicultores profissionais. Eles já cá estavam antes da ascensão e estarão aqui depois da queda. Eles são a espinha dorsal da indústria da apicultura e não vão a lugar nenhum. Eu não posso imaginar o que eles acham de todo o alarido e gadgets, mas eles sabem dos ciclos. Eu presumo que muitos apenas encolhem os ombros e dizem: “Isso também passará”.

  • Uma triste ironia
    Mas a grande ironia, o resultado realmente triste da atual bolha da apicultura é que ela não salvou as abelhas. De fato, tudo piorou. O aumento dos apicultores originou-se nos relatos do colapso súbito das colmeias, e você ainda pode encontrar referências atuais ao CCD, embora nenhum caso oficial tenha sido registado nos últimos anos.

Estranhamente, as abelhas nunca estiveram ameaçadas no passado. Na verdade, elas têm uma história de diferentes tipos de colapsos que nunca foram compreendidos ou diagnosticados. Talvez o CCD tenha relação com ácaros, ou talvez não, mas uma coisa é certa: o CCD causou a bolha mas não salvou as abelhas.

Se alguma coisa provocou, foi a propagação de ácaros varroa e os vírus que carregam e que foi intensificada pela bolha da apicultura. Como o número de colmeias cresceu, e cada colmeia foi colocada perto de outra, os caminhos para a transmissão de doenças e parasitas multiplicaram-se geometricamente. Assim como as doenças humanas se movem mais rapidamente em áreas densamente povoadas, as doenças das abelhas podem espalhar-se rapidamente quando muitas colónias habitam um espaço limitado.

  • Em cima de tudo isto
    A coisa que mais me chocou ultimamente foi saber o número de tratamentos usados por alguns ​​para controle de ácaros. Dez anos atrás, muitos apicultores tratavam os ácaros uma vez por ano. Mas como a transmissão de ácaros aumentou devido ao elevado numero de colmeias, o número de tratamentos para os ácaros necessários para manter uma colónia viva aumentou também. Na semana passada, quando algumas pessoas no BEE-L mencionaram tratar 12 ou 14 vezes por ano, fiquei espantada.

Colónias gaseadas com vapor ácido repetidamente ao longo do ano* não é algo que eu esteja interessada em fazer. Se eu tivesse que fazer isso, eu deixaria a apicultura num piscar de olhos. Chame-me  romântica irrealista, mas esse tratamento destrói a imagem que tenho da apicultura. A fresca brisa do campo. Abelhas e flores dançando ao vento. O rico cheiro de néctar e da criação. O doce brilho de mel na torrada.

No entanto, aqueles que têm ácaros e não tratam acabam espalhando doenças e tornam o prognóstico de colónias saudáveis ​​muito sombrio. As abelhas livres de tratamento precisam de se afastar do constante ataque de doenças e parasitas, mas é difícil conseguir suficiente afastamento com tantos apicultores.

Além disso, as abelhas que realmente estão em apuros, as abelhas que realmente precisam da nossa ajuda não são as abelhas importadas, mas as abelhas nativas**. O excessivo número de colónias de abelhas prejudicou a saúde das abelhas nativas devido ao aumento da competição por alimento e transferência de patógenos para o meio ambiente. Até mesmo as abelhas selvagens são encontradas com o vírus da asa deformada.

  • Talvez seja só eu
    Talvez esteja errada sobre a bolha estourar como estive errada tantas vezes antes. Mas se a queda estiver chegando, acho que será melhor para as abelhas, tanto as manejadas quanto  as selvagens. Ninguém tem que deixar a apicultura, também. Um número menor de novas colónias, juntamente com a mortalidade natural, depressa levaria os números das colmeias para um nível mais sustentável.

Estou curiosa para saber se alguém detectou uma alteração ou se estou imaginando uma tendência que não existe. Além disso, eu disse que desistiria se tivesse que tratar 12 vezes por ano. E se você? Você tem um limiar em que a apicultura não faz mais sentido? Ou você continuaria independentemente? Diz-me o que pensas. Obrigado pela tua visão.

Rusty
Suíte Honey Bee”

fonte: https://honeybeesuite.com/is-the-beekeeping-bubble-about-to-burst/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+HoneyBeeSuite+%28Honey+Bee+Suite%29

  • Notas:
  • * Não tenho dúvidas que a autora está a referir-se aos sucessivos e repetidos tratamentos com ácido oxálico sublimado tão em voga entre os apicultores norte-americanos, entre outras razões pelo baixo custo dos mesmos.
  • ** As abelhas melíferas da espécie que temos nas nossas colmeias foram importadas para os EUA durante o processo de colonização daquele território. O território tinha e tem muitas outras espécies de polinizadores, abelhas nativas entre outras.

epigenética ou a vingança de Lamark

“Em 2012, fiz uma viagem que avaliou as populações de nautilus ao longo da Grande Barreira de Corais da Austrália explicitamente para ver se os nautilus que vivem nas áreas marinhas protegidas do recife são tão raros quanto em lugares onde são pescados pelas suas lindas conchas (como nas Filipinas e Indonésia). O trabalho ao longo da Grande Barreira de Corais na década de 1990 mostrou que duas espécies diferentes estão presentes. Um deles, o Nautilus pompilius, é o mais difundido de todos os nautilus em toda a sua vasta extensão de oceano Pacífico e Índico. O segundo, Nautilus stenomphalus, é encontrado apenas na Grande Barreira de Corais. Difere do mais comum N. pompilius por ter um buraco bem no centro de sua concha.  Há também diferenças marcantes na coloração da casca e no padrão de listras na casca. Mas quando a espécie australiana foi trazida à tona do seu habitat de 1.000 pés, no final do século 20, os cientistas ficaram surpreendidos ao descobrir que o N. stenomphalus tem uma anatomia marcadamente diferente também no seu grosso “capuz” […]; a coloração do capuz também é radicalmente diferente.

A viagem de 2012 teve como objectivo testar o DNA das duas “espécies”, bem como para entender melhor quantos nautilus vivem numa determinada área do fundo do mar. Nós apanhámos 30 nautilus durante nove dias, cortamos uma ponta de um milímetro de cada um dos 90 tentáculos do nautilus, e devolvemos todos aos seus habitats vivos (ainda que irritados). Todas as amostras foram posteriormente analisadas nas grandes máquinas que leem a sequências de DNA, e para nossa completa surpresa descobrimos que o DNA do N. pompilius e do N. stenomphalus, morfologicamente diferentes, eram idênticos. Nenhuma diferença genética, mas uma morfologia radicalmente diferente. A melhor maneira de interpretar isso é voltar a uma das analogias mais úteis na evolução: a de uma bola rolando por um declive composto por muitas barrancas. Qual roldana a bola rola (correspondendo à anatomia final ou “fenótipo” do animal adulto) é controlada pela direção do empurrão da bola. Na evolução, o derradeiro destino morfológico de um organismo é causado por algum aspecto do meio ambiente ao qual o organismo é exposto no início da vida […] É por isso que N. pompilius e N. stenomphalus não são duas espécies. Eles são uma única espécie com forças epigenéticas que levam a conchas e partes moles radicalmente diferentes. Cada vez mais parece que talvez haja menos, não mais, espécies na Terra do que a ciência definiu.

[…] Mais e mais, os biólogos estão a descobrir que os organismos considerados espécies diferentes são, na verdade, apenas um. Um exemplo recente é que as anteriormente aceites duas espécies de gigantescos mamutes norte-americanos (o mamute colombiano e o mamute-lanoso) eram geneticamente iguais, mas os dois tinham fenótipos determinados pelo ambiente.

[…] Epigenética é o estudo de funções genéticas hereditárias que são passadas de uma célula reprodutora para outra, seja uma célula somática (corpo) ou uma célula germinal (espermatozóide ou óvulo), que não envolve uma mudança na sequência original de DNA. […] que pode levar a grandes mudanças evolutivas.

[…] na maioria dos casos, as mudanças epigenéticas que nos afetam não afetam os nossos filhos. Mas às vezes essas mudanças epigenéticas são transmitidas através de óvulos e espermatozóides.

[…] O estudo da epigenética realmente se resume a observar dois tipos de mudanças epigenéticas.

[…] Cada um deles pode mudar a forma como os genes agem ativando ou desativando genes. Isso pode incluir alguns dos genes mais importantes para nossas vidas, aqueles que afetam nosso comportamento através da taxa na qual as hormas que ditam as emoções são regulados e fornecidos.

[…] Às vezes, uma mudança epigenética faz com que uma proteína não seja feita. Às vezes, isso faz com que uma nova proteína não ocorra de outra forma. Às vezes, e mais importante, faz com que um gene regulador (essencialmente o “empreiteiro geral” coordenando todas as células dos projetos de construção ocupados do corpo) saia do trabalho por completo. Isso causa grandes mudanças muito além do que qualquer mutação única poderia fazer. Tais mudanças afetando um indivíduo podem ser passadas para a próxima geração. As moléculas de metil não são passadas fisicamente para a geração seguinte, mas a propensão para elas se ligarem nos mesmos lugares numa forma de vida inteiramente nova (a forma de vida da próxima geração) é. Essa metilação é causada por traumas súbitos no corpo, como envenenamento, medo, fome e quase-morte. […] Esses atos podem ter um efeito não apenas no DNA de uma pessoa, mas também no DNA de seus descendentes. A visão inicial é que podemos transmitir os efeitos físicos e biológicos de nossos bons ou maus hábitos e até mesmo os estados mentais adquiridos durante nossas vidas.”

fonte: http://nautil.us/issue/63/horizons/why-the-earth-has-fewer-species-than-we-think

Nota: Neste momento estou firmemente convicto que a epigenética será cada vez mais fundamental para explicar vários fenómenos no mundo das abelhas, e que frequentemente suscitam apaixonados debates e controvérsia entre apicultores. Por ex. o processo de desenvolvimento de abelhas rainha a partir de um ovo geneticamente idêntico ao ovo de abelhas obreiras explica-se por um mecanismo epigenético de metilação. Também a epigenética é utilizada por alguns criadores de linhagens de abelhas resistentes à varroa para justificar a discrepância entre os níveis de resistência que publicitam e os níveis de resistência que os seus clientes verificam nos seus próprios apiários. Como em muitas outras coisas a epigenética será utilizada de forma mais correcta em determinados momentos e de forma menos correcta noutros.

filipa almeida produz o melhor mel ibérico de rosmaninho

A minha querida amiga Filipa Almeida viu o mel monofloral de rosmaninho da sua produção ser reconhecido como o melhor mel na categoria  num concurso de méis monoflorais da Península Ibérica, realizado no âmbito do Congresso Nacional de Apicultura, que decorreu nos dias 25, 26 e 27 de outubro, em Tenerife, Espanha.

Este prémio é merecidamente dela. Dito isto, esta distinção pode e deve ser utilizada pelas nossas Federações e Associações representativas como um “cartão de visita” por essa Europa fora, como mais um elemento de apoio à consolidação da boa imagem do nosso mel no exterior. Não vou delinear nenhuma estratégia de marketing porque outros o farão melhor que eu. Importa-me, sim,  sublinhar que temos aqui um activo que não podemos desperdiçar.

Fg. 1: Listagem dos premiados. A Filipa Almeida (ApiJardins) concorreu na categoria de rosmaninho (cantueso).

No próximo Fórum Nacional de Apicultura, que se realizará brevemente em Castelo Branco, e que me desculpem os organizadores, seria justo a organização do mesmo ter em conta a importância deste prémio e homenagear a Filipa pelo contributo inestimável que deu à nossa apicultura. Se não formos capazes, cá dentro, de manifestarmos a nossa alegria, reconhecimento e orgulho quando um de nós é premiado lá fora que alma é esta que nos anima?

Pode ler aqui a notícia como ela foi divulgada pelo Jornal do Fundão.

JFUNDÂO (1)

glifosato: um perigo para as abelhas?

Para alguns (apicultores e outros),  o glifosato é um produto que está associado de forma inquestionável com a morte/desaparecimento das abelhas. Do que me vou apercebendo esta ideia é basicamente sustentada na leitura dos títulos e artigos sensacionalistas e simplistas publicados  em jornais e revistas, a que se soma o efeito de megafone destas notícias nas redes sociais.

Para alguns outros, tão só basta saber que ele (glifosato) faz parte dos químicos de síntese, para estar irremediavelmente condenado. O viés perceptivo dos indivíduos deste grupo mete tudo o que termine em “cida” no mesmo saco: insecticidas e herbicidas é tudo igual. A este respeito fica o esclarecimento:

Enquanto muitos inseticidas podem de fato prejudicar uma variedade de insetos, a grande diferença é que o glifosato não é um inseticida, mas um herbicida.  A enzima alvo particular do glifosato não existe nos animais, o que significa que não interfere com a nossa síntese de aminoácidos e tem uma toxicidade geralmente muito baixa fora das plantas .

Para outros, é tão só necessário saber que o produto é fabricado pela Monsanto/Bayer para estar sumariamente condenado, como um produto que faz parte de um grande plano destas empresas para erradicar os polinizadores naturais da face da terra.

Finalmente para outros, os dados veiculados por alguns (poucos) estudos experimentais, ainda que com diversas fragilidades metodológicas, são mais que suficientes para elevar ao altar de “verdade” universal as conclusões  ali apresentadas. Entre outros destaco os estudos conduzidos na Argentina por W. Farina e, mais recentemente, por Erick V. S. Motta. Estes dois estudos em particular criaram um meme acerca da correlação* entre o glifosato e o desaparecimento das abelhas.

Para os interessados em questionarem de forma mais aprofundada e esclarecida o efeito manipulador deste meme, para os interessados em conhecer com maior detalhe as fragilidades e contradições destes dois estudos e que sustentam a crença “o glifosato está a matar as nossas abelhas” deixo este link: https://thoughtscapism.com/2018/06/11/no-glyphosate-is-not-a-threat-to-bees/

O que está verdadeiramente a matar as abelhas? No meu caso a legislação absurda quanto à comercialização dos produtos da colmeia, as não-ajudas directas ao sector, o assobiar para o lado no que respeita ao controlo inteligente de pragas (em especial a velutina). Pergunto: quantos deixaram a apicultura por causa do glifosato? Pergunto: quantos deixaram a apicultura por causa da inexistência de ajudas directas ao sector?

Enquanto andamos distraídos com o glifosato em encontros de apicultores, formações, simpósios, fóruns,… assistimos de forma mais ou menos gradual e silenciosa à crescente falta de sustentabilidade da actividade apícola, este sim o aspecto mais crítico e que maior perigo apresenta para a sobrevivência das abelhas.

*um dos aspectos mais básicos da metodologia de investigação científica, mas também dos mais esquecidos, é o facto de as correlações entre variáveis/fenómenos não serem suficientes para estabelecer relações de causalidade.

 

conceito de serviços dos ecossistemas e orçamento do estado

“Os serviços dos ecossistemas são bens e serviços ambientais que as pessoas obtêm dos ecossistemas naturais e semi-naturais. Os serviços dos ecossistemas consistem nos processos através dos quais os ecossistemas naturais sustentam e satisfazem a população humana, sendo que mantêm a biodiversidade e produzem bens, como o alimento e produtos farmacêuticos (Daily, 1997). Exemplos de serviços de ecossistemas abrangem a formação do solo e manutenção, controlo de pragas e doenças, purificação do ar e da água, estabilização do clima, entre outros.

Considera-se que os ecossistemas fornecem as seguintes funções:

  • Função de regulação – benefícios obtidos a partir da regulação dos processos dos ecossistemas como regulação do clima, regulação de cheias, polinização e controlo biológico;
  • Função de produção – produção de bens como alimentos, água doce e lenha;
  • Função cultural – benefícios não materiais obtidos dos ecossistemas como função recreativa, espiritual, estética e bem-estar;
  • Função de suporte – serviços necessários para a produção de todos os outros serviços como formação do solo e os ciclos dos nutrientes.”

 

References:

  • Daily GC, Alexander S, Ehrlich PR, Goulder L, Lubchenco J, Matson PA, Mooney HA, Postel S, Schneider SH, Tilman D, Woodwell GM (1997). Ecosystem services: benefits supplied to human societies by natural ecosystems. Issues in Ecology 2: 1-16.

fonte: http://knoow.net/ciencterravida/biologia/servicos-dos-ecossistemas/

Opções orçamentais: paguemos  os serviços dos ecossistemas como veiculo privilegiado de combate ao despovoamento do interior e do mundo rural  ou paguemos as dívidas do Novo Banco e outros bancos?

Prognóstico: o dinheiro do orçamento vai novamente para os bancos e pouco sobrará, se algum, para financiar os produtores de produtos e serviços ecossistémicos que o mercado, per si, não está disposto a pagar.

Apêndice:  https://www.dn.pt/…/estado-empresta-58-mil-milhoes-para…

flora apícola, instalação de apiários, transumância e desdobramentos: o slide show

Em baixo fica o link para o slide-show que preparei e utilizei para responder ao amável convite que a AALC me fez para palestrar, ontem, no VIII Seminário de Apicultura organizado e promovido por esta Associação de Apicultores.

Flora apicola, transumancia (v final) 2018

 

paragem de postura durante o inverno?

Durante o inverno, e na zona onde os meus apiários estão localizados, as temperaturas diurnas entre os 3ºC – 7ºC  tendem a ser um acontecimento normal e frequente. Com estas temperaturas externas alguns de nós pensarão que as rainhas páram a postura. Ainda que possam estar correctos algumas vezes, o mais provável é estarem afastados da realidade na maioria dos casos.

Tom Seeley e Kirk Visscher descobriram que a postura de ovos começa no momento em que a temperatura média máxima diária atinge cerca de 4 ºC, e se intensifica grandemente se as temperaturas médias diárias se situam entre 5° – 15°C.

Estes investigadores verificaram que este aumento de criação ocorre meses antes do pólen natural estar disponível, e provoca um aumento considerável do consumo de mel/reservas. Isto, claro, aumenta o risco de uma colónia morrer por fome durante o período invernal, mas é um risco que a colónia aceita naturalmente, porque indispensável para que atinja a população de abelhas necessárias ao bom aproveitamento dos fluxos de néctar que virão. Também para  apicultor a criação de abelhas novas nestas condições extremas é crítica para delas tirar os proveitos que o seu trabalho e investimento justificam.

A minha estratégia de suplementação alimentar nos últimos três anos tem sido muito simples e bem sucedida: mais do que estimular a postura da rainha nos meses de Janeiro a Março com suplementos líquidos, procuro dar às minhas colónias o apoio necessário nesta altura do ano, com alimento na forma de pasta de açúcar (fondant), para que elas façam o que entendem e sabem fazer tão bem sem passarem fome e cresçam de forma equilibrada e em sincronia com o seu meio envolvente.

Nota: se e fosse criador de rainhas ou se tivesse contratos de polinização para cumprir a minha estratégia de suplementação de alimentos seria diferente. Tenho que ter, no entanto, o bom senso de não seguir as estratégias de alimentação levadas a cabo por apicultores que têm objectivos tão diferentes dos meus.

Fig. 1: Um exemplo de uma mal-gerida alimentação de estimulação. Esta colónia vai morrer. Vejamos como ela teve recentemente uma grande área de criação, como evidenciado pelo anel de pólen recém-coletado. Mas a sua população de abelhas adultas diminuiu mais rápidamente do que as novas abelhas que foram sendo criadas. O cacho de abelhas foi incapaz de cobrir a criação selada e uma geada e temperaturas mínimas muito baixas, conduziram a que boa parte da criação ficasse congelada e fosse removido no dia seguinte. As elevada mortalidade abelhas adultas nesta época do ano pode ser provocada pela Nosema ceranae.

fonte: Seeley, TD and PK Visscher (1985). Survival of honeybees in cold climates: the critical timing of colony growth and reproduction. Ecological Entomologyhttp://scientificbeekeeping.com/understanding-colony-buildup-and-decline-part-3/

quando o insecticida natural é mais perigoso para o homem que o insecticida sintético da mesma família

“As piretrinas (insecticidas naturais) estão entre os insecticidas mais seguros do mercado devido à sua rápida degradação no meio ambiente. As semelhanças entre a química das piretrinas e piretróides sintéticos é que têm um modo de ação semelhante e toxicidade quase idêntica nos insectos (ou seja, piretrinas e piretróides induzem um efeito tóxico dentro do insecto ao atuar nos canais de sódio). Algumas diferenças na química entre piretrinas e piretróides sintéticos resultam que os piretróides sintéticos tenham uma persistência ambiental relativamente maior que as piretrinas. As piretrinas têm uma menor persistência ambiental do que os piretróides sintéticos porque sua estrutura química é mais suscetível à presença de luz UV e alterações no pH.

Deve notar-se, contudo, que as piretrinas apresentam um risco tóxico para mamíferos e humanos que normalmente não se encontra nos piretróides sintéticos. Enquanto o extrato de piretrina é composto por 6 ésteres que são insecticidas, o piretróide semi-sintético é composto por apenas um composto quimicamente ativo. Como resultado, o fígado dos mamíferos tem que quebrar estas cadeias adicionais (mais 5 nas piretrinas), o que conduz a que os níveis de toxicidade aumentem dentro da corrente sanguínea, o que pode levar a hospitalização e até à morte.

Portanto, o uso de piretrina em produtos como inseticidas naturais e champôs aumenta a probabilidade de toxicidade nos mamíferos expostos. Ocorreram casos médicos que resultaram em fatalidades pelo uso de piretrina, levando muitos agricultores orgânicos a terminar com a sua utilização. Existe um caso médico de uma menina de 11 anos que usava champô contendo apenas uma pequena quantidade (0,2% de piretrina) para lavar seu cachorro. A exposição prolongada ao composto no champô, fez com que a menina sofresse de um ataque agudo de asma, do qual morreu duas horas e meia após a primeira exposição ao champô. Relatórios recentes mostram que as taxas de intoxicação acidental têm aumentado constantemente desde o início do uso de piretrinas naturais, levando alguns países a proibir seu uso completamente. Nos EUA, o uso de piretrinas em pulverizadores de insetos domésticos foi banido em 2012, logo após o surgimento de casos de fatalidades em crianças, levando a uma investigação pela FDA.”

fonte: https://en.wikipedia.org/wiki/Pyrethrin

Nota: o tau-fluvalianto presente nas tiras de apistan é um piretroide semi-sintético.

produtos da agricultura orgânica: o mito 100% livre de químicos

“Tal como acontece com a maioria esmagadora das amostras, os resíduos detectados nos itens orgânicos estão em níveis abaixo das “tolerâncias” conservadoras que são definidas pela EPA. Sim, resíduos estão presentes. Não, eles não são um problema de segurança. No entanto, a presença de resíduos entra em conflito com o que muitos consumidores são levados a acreditar na diferença entre o orgânico e o convencional. Muitas pessoas pensam que o orgânico significa “sem pesticidas”. Isso simplesmente não é verdade. Os agricultores orgânicos podem e usam uma série de pesticidas permitidos porque eles também precisam lidar com pragas. A lista de pesticidas orgânicos aprovados não se baseia em critérios de segurança, mas sim se eles podem ou não ser considerados “naturais”. Novamente, apesar de um marketing muito enganador, “natural” não significa automaticamente segurança. De fato, o USDA, que é responsável pela certificação orgânica, afirma especificamente em seu site que “nossos regulamentos não abordam a segurança alimentar ou a nutrição”. […]

“Os dados também nos dizem que existem algumas semelhanças impressionantes entre o orgânico e o convencional quando se trata de resíduos. O que os dados também nos dizem é que, como consumidores, devemos rejeitar alguns dos enganosos esforços de marketing  de certos elementos irresponsáveis ​​da indústria orgânica. Em vez de ceder a essas campanhas baseadas no medo, devemos sentir a liberdade de escolher produtos saudáveis ​​e deliciosos usando critérios importantes como frescura, sabor, qualidade e acessibilidade/custo.”

Fig. 1: Químicos detectados em amostras de produtos da agricultura orgânica

Fonte: http://appliedmythology.blogspot.pt/2017/03/organic-might-not-mean-what-you-think.html

Apêndice: Acerca da produção de mel em Portugal, também já vai sendo tempo que uns poucos deixem de valorizar o mel produzido em modo biológico, defendendo falsamente que está 100% livre de químicos, à custa e aos ombros de comparações enganadoras e que visam atemorizar e desviar os consumidores do mel de produção convencional. É um gesto que os engrandeceria e defenderia toda a apicultura Nacional.  Felizmente as análises publicadas têm mostrado que ambos os modos de produção respeitam os apertados critérios definidos pela Autoridade Europeia para a Segurança dos  Alimentos no que ao mel concerne.