importação de linhas exóticas de abelhas: o ponto de vista de Randy Oliver

Fica em baixo bem claro o ponto de vista de Randy Oliver, provavelmente o mais prestigiado apicultor norte-americano da actualidade, no que respeita à introdução de linhas exóticas de abelhas em locais onde milenares forças e pressões selectivas foram moldando uma abelha nativa… como na Península Ibérica e/ou na Península Itálica (ver aqui os que os italianos estão a fazer para preservar a sua abelha nativa).


Fig. 1: Randy Oliver (scientificbeekeeping.com)

“[…] há muito que refiro que os genes de cada população local de abelhas continua na geração seguinte.

Isto significa que a qualquer ser humano, como os apicultores, não devia ser permitido estragar o que milhares de anos de seleção natural definiram. Os apicultores são tolos por pensar que a erva do vizinho é mais verde, e que tem o direito de sobrecarregar populações de abelhas extremamente valiosas e localmente adaptadas com versões McDonalds de abelhas que não conseguem sobreviver sozinhas. Eu apoio totalmente as restrições às importações de linhas exóticas se as raças nativas forem ameaçadas por hibridações descontroladas. Ao contrário de outros animais domesticados, não podemos cercar as abelhas importadas e impedi-las de se cruzarem com as populações nativas. As ações de um importador de abelhas exóticas não podem ser controladas e têm o potencial de estragar aspectos adaptativo que levaram milhares de anos a desenvolver-se.

Nos continentes em que as abelhas melíferas não são nativas, é uma história diferente, já que não existem raças nativas ameaçadas. Assim, nós cruzámos uma enorme variedade de subespécies neste país [EUA] e, em seguida, selecionámos certas estirpes para uma produção profissional/comercial. Mas foi claramente mostrado que estas estirpes são incapazes de persistir sem o apoio humano (dados de Magnus). No nosso continente pode-se argumentar que não é um problema, uma vez que não é uma espécie nativa.

Mas os apicultores que desejem criar abelhas nativas, que podem ser imunes/mais resistentes à toxicidade da flora local, ou a um parasita em particular, ou exibir melhor capacidade de invernal, não podem estar dependentes de um qualquer Tom, Dick ou Harry com vontade de despejar um monte de bonitas abelhas amarelas, incapazes de sobreviver por conta própria e colocá-las logo ali ao lado dos locais de acasalamento das abelhas nativas.

A arrogância humana tende a esquecer a pressão evolutiva e adaptação de longo prazo. Eu penso que falamos de “propriedade ilusória de direitos”, devemos lembrar-nos que a natureza ultrapassa em muito o curto tempo de nossa vida, e que os nossos descendentes podem depois criticar-nos pelos danos que fizemos devido à nossa miopia.”

fonte: Randy Oliver, Grass Valley, CA, [BEE-L em 16-02-2019]

italianos protegem a sua abelha nativa

Um breve apontamento acerca do que os italianos legislaram para salvaguardar a sua abelha nativa a A. m. ligustica.

“Uma resolução de 2017 adotada pela Câmara dos Deputados incluiu não apenas proibições, mas também ações de proteção e “compromete o governo a tomar iniciativas para salvaguardar as subespécies A. m. ligustica limitando ou banindo diferentes subespécies, inclusive híbridos (se não naturais), no território italiano, por meio de novos acordos dentro da União Européia, implementando também uma estratégia para a proteção da biodiversidade dessa subespécie, proporcionando áreas de acasalamento suficientemente extensas ( pelo menos 200 quilómetros quadrados) em áreas onde todas as colmeias naturais ou maneadas por apicultores são habitadas por A. m. ligustica.

Em 1992, a região de Emilia Romagna previa uma proibição total para todo o território regional: “é proibido introduzir e reproduzir abelhas de outras estirpes diferentes de A. m. ligustica, bem como híbridos inter-raciais, dentro do território regional. ”

Uma lei italiana emitida em 1992 protege A. m. ligustica como uma forma de vida selvagem: “a vida selvagem é um bem público do Estado e é protegida no interesse da comunidade nacional e internacional”.

Os regulamentos da região da Úmbria sobre a apicultura estabelecem no artigo 93 que: “a Região pode estabelecer zonas-tampão em torno dos produtores de abelhas rainha incluídos no registro nacional de criadores de A. mellifera e em torno da estação de acasalamento situada na região. A apicultura transumante também é proibida nessas áreas ”.”

Fig. 1: A. m. ligustica

Pergunto se os apicultores italianos são ou não mundialmente reconhecidos e prestigiados pela sua cultura apícola? Pergunto se os italianos estão errados ao defenderem o seu património natural e sua diversidade específica que produziu a abelha nativa que a natureza foi lentamente moldando ao longo de milhões de anos de pressão selectiva?

alterações climáticas: que relação com a má-nutrição em colónias de abelhas

No seguimento deste conjunto de posts (aqui e aqui) acerca dos impactos que a alteração do clima está a ter a vários níveis da vida das abelhas, apresento este mais onde se presume/estabelece uma relação entre estas alterações e a menor qualidade nutricional do pólen fornecido por algumas plantas.

“Eric Mussen, apicultor extensionista emérito, que se aposentou em 2014 após uma carreira de 38 anos, há muito vem a apontar a questão da desnutrição como um fator importante no declínio da população de abelhas.

“Você, sem dúvida, perdeu a noção de quantas vezes afirmei que a desnutrição é um fator preponderante nos inaceitáveis ​​números de perdas anuais de nossas colónias de abelhas”, escreveu Mussen num boletim bimestral de 2013, da UC Apiaries, localizado no Departamento de Website de Entomologia e Nematologia. “Também afirmei inúmeras vezes ​​que as dietas sintetizadas por nós para as abelhas simplesmente não conseguem igualar o valor dos nutrientes obtidos pelas abelhas a partir de uma mistura de pólens de qualidade. Minha preocupação é que, embora tenhamos uma ideia muito boa das necessidades de proteína das abelhas, dos ratios de aminoácidos essenciais que as abelhas necessitam, e suas vitaminas e minerais, etc., ainda não conseguimos alimentar as abelhas com as nossas melhores dietas e mantê-las vivas por mais de dois/três meses confinadas no interior das colmeias.”

A desnutrição está ligada a vários fatores, incluindo a perda e fragmentação do habitat, mas também a mudanças climáticas.

Os cientistas acreditam que o aumento dos níveis de dióxido de carbono pode contribuir para a morte das abelhas. Em maio de 2016, uma publicação de Yale alertou para que “o aumento dos níveis de CO2 pode contribuir para o colapso de colónias de abelhas”.

“Enquanto investigam os fatores por trás da elevada mortalidade das colónias de abelhas, os cientistas agora estão de olho num novo culpado – níveis crescentes de dióxido de carbono, que alteram a fisiologia vegetal e reduzem significativamente as proteínas de importantes fontes de pólen”, escreveu Lisa Palmer.

Este é o fundamento: os cientistas dirigiram-se ao Museu Nacional Smithsoniano de História Natural para examinar o conteúdo de pólen dos espécimes Solidago virgaura (conhecida popularmente por Vara de ouro, muito semelhante à tágueda), que remonta a 1842. Por quê a Vara de ouro? Porque é uma fonte de alimento fundamental para as abelhas na passagem do final do verão para a entrada do outono quando não há muito mais floração.

Compararam amostras de 1842 e 2014, período em que as concentrações atmosféricas de dióxido de carbono subiram de cerca de 280 partes por milhão para 398 pmm, e encontraram resultados bastante preocupantes – muito menos proteína no pólen dos espécimes mais recentes. De fato, as amostras de pólen mais recentes continham 30% menos proteína. “A maior queda na proteína ocorreu entre 1960 e 2014, quando a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera aumentou dramaticamente”, escreveu Palmer.

Os cientistas especulam que o aumento das concentrações de dióxido de carbono – pense nas mudanças climáticas – pode estar tendo um papel no desaparecimento global das populações de abelhas” ao minar a nutrição das abelhas e o seu sucesso reprodutivo”, escreveu Palmer.

May Berenbaum, professor de entomologia e chefe do Departamento de Entomologia da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign foi citada no artigo: “Um declínio da qualidade da proteína em toda a zona quase certamente está afetando as abelhas. Como para nós humanos, uma boa nutrição é essencial para a saúde das abelhas, permitindo que elas resistiam melhor aos variados tipos de ameaças à sua saúde. Tudo o que indica que a qualidade de seus alimentos está diminuindo é preocupante ”.

Então as abelhas – que polinizam cerca de um terço da comida que comemos – ainda estão em apuros?

Assim nos parece!”

fonte: https://ucanr.edu/blogs/blogcore/postdetail.cfm?postnum=24276

os mais visitados em 2018

Passado mais um ano a escrever sobre o mundo das abelhas e mais uma ou outra coisa que me interessa, apresento a habitual lista dos posts mais lidos este ano. Tenho escrito sobre a articulação e integração da minha experiência pessoal com a experiência de alguns outros (sobretudo bloggers estrangeiros e investigadores académicos). Este espaço tem uma dupla função: a de armazenar o que mais me importa e motivar-me para momentos de auto-aprendizagem. Estou certo que assim o será também para os estimados leitores deste blogue. Durante este ano foram feitas um pouco mais de 100 000 visitas e foram estes os 10 posts mais visitados:

 

primeiras jornadas apícolas da AAPP: alguns apontamentos

Decorreram nos passados dias 19 e 20, na Escola Superior Agrária de Castelo Branco, as primeiras jornadas apícolas organizadas pela Associação dos Apicultores Profissionais de Portugal.

Estas jornadas tiveram como palestrante o apicultor e consultor apícola argentino Anselmo Martz. Dono de uma rara capacidade oratória, associada aos mais de 40 anos de experiência como apicultor, Anselmo Martz prendeu a assistência do primeiro ao último minuto e levou-nos a (re)conhecer uma variedade de temáticas que fizeram e fazem parte da sua actividade diária enquanto apicultor profissional. Os assuntos foram surgindo de forma natural, interligando-se uns nos outros, apresentados de forma clara, sintética e segura, pontuados aqui e ali com algumas notas de humor.

Foram abordados temas vários, desde a necessidade de ter dados fidedignos acerca da repartição dos custos da operação, passando pela obrigatoriedade de tratar o varroa nos timings adequados, às colmeias com dupla rainha para maximizar a produção, a optimização da transumância tendo em conta o calendário das florações, com breves notas acerca da selecção e melhoramento de rainhas, a formação de núcleos de abelhas, as questões da importância da rastreabilidade do mel e das condições que as melarias devem apresentar, tendo passado por um relato acerca da sua experiência com tratamentos da varroa com cristais de timol.

Não me surpreendeu de todo, mas devo sublinhá-lo, a importância que Anselmo Martz em todos os temas, sem excepção, foi dando à necessidade de ter um bom sistema de recolha e tratamento dos dados. Esta é uma ferramenta básica para gerirmos profissionalmente a nossa empresa apícola, que nos permite ver o que estava invisível e ultrapassar as ilusões e enganos das primeiras impressões.

A terminar uma palavra para os amigos, novos e antigos, que por lá encontrei, Eduardo Mara, José Vicente, André Silva, Bruno Anselmo, entre outros, com um abraço especial para o Pedro Fernandes, um beijinho para a Filipa Almeida, e um obrigado para o Bruno Moreira, Manuel Araújo e restantes amigos da Turma da Abelha, que muito me ensinaram sobre a Velutina, mas sobretudo sobre a alegria que é estar num grupo unido. Por último, um grande obrigado ao João Tomé por ter sido o obreiro principal destas Jornadas.

resíduos químicos em alimentos e risco de cancro: uma análise crítica

“Introdução

Possíveis riscos de cancro decorrentes de resíduos de pesticidas nos alimentos têm sido muito discutidos e debatidos com afinco na literatura científica, na imprensa popular, na arena política e nos tribunais. Pesquisas de opinião do consumidor indicam que grande parte do público dos EUA acredita que os resíduos de pesticidas nos alimentos são um sério risco de cancro (Opinion Research Corporation, 1990). Em contraste, estudos epidemiológicos indicam que os principais fatores de risco de cancro são o fumo do tabaco, desequilíbrios alimentares, hormonas endógenas e inflamação (por exemplo, infecções crónicas). Outros fatores importantes incluem exposição intensa ao sol, falta de atividade física e consumo excessivo de álcool (Ames et al., 1995). […]

Químicos naturais e sintéticos na comida e sua relação com o cancro

A atual política regulatória para reduzir os riscos de cancro humano baseia-se na ideia de que substâncias químicas que induzem tumores em bioensaios de cancro em roedores (ratinhos brancos de laboratório, sobretudo) são potenciais carcinógenos em humanos. Os produtos químicos selecionados para testes em roedores, no entanto, são principalmente sintéticos (Gold et al., 1997a, b, c, 1998, 1999). O enorme cenário de exposição humana a substâncias químicas naturais não foi sistematicamente examinado. Isso levou a um desequilíbrio nos dados e na percepção sobre possíveis riscos carcinogénicos para os seres humanos devido a exposições químicas. O processo regulatório não leva em conta (1) que as substâncias químicas naturais são maior fatia do bolo de substâncias químicas às quais os seres humanos estão expostos; (2) que a toxicologia de toxinas sintéticas e naturais não é fundamentalmente diferente; (3) que cerca de metade dos produtos químicos testados, sejam naturais ou sintéticos, são cancerígenos quando testados usando protocolos experimentais atuais; (4) que o teste de carcinogenicidade em doses quase tóxicas em roedores não fornece informações suficientemente fidedignas para prever o número de cancro humanos que podem ocorrer com a exposição a doses baixas; e (5) que a elevada frequência do teste na dose máxima tolerada (DMT) pode causar morte celular crónica e consequente substituição celular (um fator de risco para cancro que pode ser limitado a altas doses) e que ignorar esse efeito na avaliação de risco pode exagerar a percepção dos riscos.

Estimamos que cerca de 99,9% das substâncias químicas que os seres humanos ingerem ocorrem naturalmente. As quantidades de resíduos de pesticidas sintéticos nos alimentos vegetais são baixas em comparação com a quantidade de pesticidas naturais produzidos pelas próprias plantas (Ames et al., 1990a, b; Gold et al., 1997a). De todos os pesticidas dietéticos que os americanos comem, 99,99% são naturais: eles são os produtos químicos produzidos pelas plantas para se defenderem contra fungos, insetos e outros predadores de animais. Cada planta produz uma matriz diferente de tais produtos químicos (Ames et al., 1990a, b).
[…] Apesar dessa exposição enormemente maior a substâncias químicas naturais, entre os produtos químicos testados em bioensaios a longo prazo, 77% são sintéticos (1050/1372) (Gold e Zeiger, 1997; Gold et al., 1999).

Concentrações de pesticidas naturais em plantas são geralmente encontradas em partes por mil ou milhões, em vez de partes por bilião, que é a concentração usual de resíduos de pesticidas sintéticos. […] É provável que quase todas as frutas e verduras do supermercado contenham químicos naturais que são cancerígenos em roedores (os ratinhos brancos de laboratório) . Embora apenas uma pequena proporção de químicos naturais tenha sido testada quanto à carcinogenicidade, 37 dos 71 que foram testados são carcinógenos em roedores e estão presentes nos alimentos comuns.”

Fonte: https://toxnet.nlm.nih.gov/cpdb/pdfs/handbook.pesticide.toxicology.pdf

Nota : Como em quase tudo, senão em tudo mesmo, também esta dimensão da realidade não é a preto e branco. Restringir a questão e percepção dos riscos carcinogénicos aos pesticidas químicos, naturais ou sintéticos, presentes nos alimentos que consumimos é simplista e deslocado. Em simultâneo ignorar que os produtos alimentares de origem vegetal que nos chegam à mesa estão repletos de pesticidas/químicos naturais com potencial carcinogénico é psicologicamente reconfortante. Lamentavelmente aquele simplismo e este conforto não coincidem com a realidade.

toxicidade crónica: alguns aspectos

Que alternativa para alimentar 7,6 biliões de indivíduos?

Porque 7,6 biliões de seres humanos têm e/ou devem comer todos os dias, e porque muitos (senão todos!) dos alimentos que compõem as nossas dietas apresentam resíduos de químicos, importa saber que o risco de toxicidade crónica está a ser avaliado e regulamentado de acordo com os melhores conhecimentos experimentais e teóricos actualmente disponibilizados por vários ramos da ciência. Isto deve-nos tranquilizar completamente? Não, digo eu, mas simultaneamente, também não alimentarei a fantasia que o risco zero e a exposição zero a resíduos químicos na dieta alimentar é possível. Pergunto-me até quais os custos colaterais, nomeadamente ao nível do ecossistema, se a demanda por risco zero e exposição zero a resíduos químicos obrigasse o sector agrícola a abandonar a utilização de pesticidas de forma intempestiva e sem alternativas suficientemente confiáveis? Por ex. aqui deixei uma análise mais detalhada acerca dos impactos negativos no ecossistema associados à opção orgânica de agricultura com menos químicos de síntese.

As métricas para a definição de limites máximos de resíduos

Vejamos então com algum detalhe como a ciência actual contribui de forma decisiva para que os reguladores tomem as melhores e mais fundadas decisões possíveis acerca destas matérias. Que métricas utiliza a ciência moderna para definir os limites máximos de resíduos químicos nos alimentos e garantir, o melhor possível, que os alimentos que ingerimos todos os dias não nos provocam danos a longo prazo?

“[…] as métricas de toxicidade crónica são baseadas no “Nível Menor de Efeitos Adversos Observável” (LOAEL em inglês) e no “Nível Sem Efeitos Adversos Observáveis” (NOAEL em inglês). Estas métricas são determinadas experimentalmente definidas como a menor dose na qual os efeitos adversos são vistos (LOAEL) ou a dose na qual nenhum efeito adverso é visto (NOAEL). Essas medidas são muito úteis para orientar os regulamentos e as escolhas pessoais para garantir que evitemos efeitos adversos à saúde – seja um aumento do risco de cancro, doenças cardíacas, problemas de desenvolvimento neurológico ou outros efeitos adversos.

Os limites diários definidos por meio de avaliações de agências reguladoras baseiam-se nesses NOAELs ou LOAELs. Essas métricas são estimativas da exposição diária dos seres humanos e que provavelmente não apresentam risco apreciável de efeitos deletérios durante toda a vida. Estes são tipicamente derivados dividindo os NOAELs ou LOAELs por um conjunto de fatores de incerteza.

Exemplos dessas métricas de toxicidade crónica incluem:

  • Dose de referência (RfD, nos EUA) especialmente para pesticidas;
  • Ingestão Diária Aceitável (ADI, na UE) para aditivos alimentares, pesticidas e drogas;
  • Ingestões diárias ou semanais toleráveis (TDI ou TWI) para contaminantes não utilizados intencionalmente;
  • Níveis de ingestão superiores (UL) toleráveis em conexão com informações de ingestão de referência dietética (DRI) para alimentos, minerais e vitaminas;
  • Ingestões de referência (RI) para recomendações diárias de nutrientes na UE.

Fig. 1: Tabela dos ADI de algumas substâncias presentes em alguns alimentos e outros produtos.

Os limites de segurança são definidos com muito cuidado

As ingestões diárias acima desses limites (ADI) não são necessariamente muito perigosas se acontecerem pontualmente . As métricas de toxicidade crónica assumem que o consumo diário ao longo da vida, pelo que a exposição a curto prazo a um nível superior à dose de referência pode ainda ser segura. Por exemplo, a dose de referência para o paracetamol (acetaminofeno) é de 0,093 mg / kg por dia, o que é 100 vezes abaixo da dose terapêutica real de 9,3 mg / kg. Para uso a curto prazo, esta dose mais elevada representa um risco mínimo, porque não será tomada diariamente durante toda a vida.

Conclusões:

Essas métricas de toxicidade são um ponto de partida crítico para nos ajudar a começar a comparar os riscos de diferentes produtos químicos. Estamos continuamente expostos a muitas substâncias, algumas das quais podem representar uma ameaça se encontradas em concentrações muito altas, com muita frequência, ou por meio de uma rota inadequada de exposição (por ex. se aprovadas para uso dérmico, mas não para ingestão oral). Entretanto, muitas destas substâncias são necessárias para nós nas suas quantidades apropriadas e, embora existam muitas outras que não necessitamos, podemos tolerá-las facilmente em doses baixas. É importante lembrar que existem níveis seguros e inseguros de qualquer substância, e que mesmo as classificações reguladoras ‘seguras’ sempre vêm com advertências de probabilidade e contexto (como o tipo de uso).

Embora nenhuma substância possa ser considerada segura sem mais, a mera detecção de uma substância não nos diz que a sua presença pode representar um problema. Para isso, devemos comparar detecções e níveis de exposição com as métricas disponíveis para nos informar se algo realmente representa um risco. Geralmente este trabalho de avaliação e controlo é feito, e bem, pelas agências acima identificadas. Por outro lado, a grande maioria dos produtores segue os protocolos de boas práticas na utilização de pesticidas, o que contribui de forma decisiva para níveis de segurança alimentar elevada, nomeadamente nos países europeus. Apesar disto haverá sempre alguns a colocar em causa esta meta, referindo que as garantias de segurança não são suficientes. Ainda que muitos destes argumentos resultem, na maior parte dos casos, de falta de informação e/ou viés perceptivos e/ou pré-conceitos ideológicos, introduzem uma dialéctica na área, por vezes positiva, e que propicia avanços mais rápidos e profundos.

fonte principal: https://thoughtscapism.com/2018/05/07/measures-of-toxicity/

os efeitos sinérgicos e os efeitos cumulativos dos resíduos de pesticidas nos alimentos são de nos preocupar?

“Não há dúvida de que os pesticidas podem ser tóxicos para as pessoas, e a exposição dos trabalhadores rurais que os aplicam é um problema sério. Mas os seus níveis nos alimentos são muito baixos, e o USDA e a Agência de Proteção Ambiental (juntamente com muitos toxicologistas com quem conversei ao longo dos anos) dizem que não deveríamos preocupar-nos com eles.

Nem todos acreditam nestas avaliações, e os céticos frequentemente apontam para o fato de que as agências governamentais não fazem o tipo de teste que pode prever o perigo potencial do risco de longo prazo dos resíduos de baixo nível ou da mistura de vários produtos químicos.

Existem duas maneiras pelas quais uma mistura de pesticidas pode ser perigosa. A primeira é se eles têm efeitos sinérgicos – isto é, o resultado dos dois ou mais produtos químicos juntos é diferente (e pior) do que os resultados de cada um individualmente. O segundo é cumulativo, os efeitos a longo prazo da exposição a doses baixas ao longo do tempo.

Falei com David Eastmond, toxicologista da Universidade da Califórnia em Riverside. “Temos visto efeitos sinérgicos”, disse-me ele, “mas eles são incomuns a raros, e acontecem em altas doses.” Um relatório de 2008 fez a mesma avaliação, assim como a professora da Universidade de Copenhague, Nina Cedergreen, que publicou um artigo recente sobre o assunto. 

A EPA exige testes para exposição crónica, e leva em conta a exposição que obtemos a produtos químicos com modos de ação semelhantes, mas é, obviamente, impossível testar todas as combinações. Cedergreen escreveu-me um e-mail afirmando que o desenredamento dos efeitos de pesticidas em humanos é “muito difícil”, mas que eles o fizeram. Ela co-escreveu um artigo, publicado em janeiro, que concluía que o risco cumulativo para o adulto dinamarquês médio pela exposição a resíduos de pesticidas era igual ao de beber um copo de vinho a cada três meses. Eu gostaria que alguém fizesse a mesma avaliação para os americanos, mas isso nos dá uma ideia da baixa magnitude do risco.

É certamente possível que os níveis de resíduos de pesticidas sejam altos o suficiente para representar uma ameaça à saúde. Mas em países desenvolvidos, onde estas coisas são reguladas e monitoradas, é improvável. Não só os pais americanos não se devem preocupar se alimentam os filhos com frutas e legumes de agricultura convencional ou orgânica, mas também devemos tentar levá-los a comer o maior número possível.

“A questão dos resíduos é muito emocional”, diz Nate Lewis, agricultor orgânico e diretor de política agrícola da Organic Trade Association. “É um esforço fútil tentar convencer um consumidor de que eles estão errados sobre suas escolhas.” Embora os agricultores, orgânicos e convencionais, estejam usando pesticidas em conformidade com o rótulo e cultivando alimentos seguros, ele diz: “Se o consumidor quiser para escolher algo para evitar [resíduos], eles devem ser capazes de fazer essa escolha, certa ou errada ”.

Ele continua: “Não gosto da narrativa de que o orgânico é livre de pesticidas. Não é. Também usam coisas que são tóxicas ao meio ambiente.” Lewis passou mais de uma década como inspetor e agricultor orgânico e acrescenta:“ Eu vi que os agricultores orgânicos são muito criteriosos no uso de pesticidas. Seu objetivo é escolher a abordagem menos tóxica possível para reduzir o impacto ambiental e os pesticidas são o último recurso. ”Vinte e cinco pesticidas sintéticos são aprovados para uso orgânico (em comparação com mais de 900 em agricultura convencional) e a toxicidade de todos os pesticidas utilizados são revistos pelo National Organic Standards Board.

Quanto ao risco para a saúde, “é fundamental que você pare de dizer que o orgânico vai ser mais saudável para você”, diz ele. “Nós não sabemos isso.”

fonte: https://www.washingtonpost.com/lifestyle/food/the-truth-about-organic-produce-and-pesticides/2018/05/18/8294296e-5940-11e8-858f-12becb4d6067_story.html?noredirect=on&utm_term=.b05e97013197

o limite máximo de resíduos (LMR): alguns aspectos

Os Limites Máximos de Resíduos (LMRs) fornecem um padrão comercial mensurável que ajuda a garantir que os alimentos produzidos com pesticidas sejam adequados para o nosso consumo.

Os pesticidas só são autorizados para utilização quando as autoridade independentes de avaliação de risco (European Food Safety Authority no caso Europeu) confirmarem que a utilização correcta do pesticida não irá causar problemas de saúde. A definição de LMRs da competência destas autoridades cria uma margem de segurança de pelo menos 100 vezes superior à do nível mínimo de segurança para um resíduo de pesticida. 

As empresas de pesticidas submetem uma ampla variedade de estudos científicos para revisão antes que a EFSA (European Food Safety Authority) defina o LMR. Os dados são utilizados para identificar: 

  • Possíveis efeitos nocivos que o produto químico poderia ter sobre os seres humanos (sua toxicidade crónica e aguda); 
  • A quantidade do produto químico (ou seus metabolitos) que provavelmente permanecerá nos alimentos; 
  • Outras fontes possíveis de exposição ao pesticida (por exemplo, através da utilização em ambiente doméstico ou outros locais).

Todas essas informações são usadas no processo de avaliação de risco. A avaliação de risco inclui considerações sobre:

  • As quantidades e tipos de comida que as pessoas comem (ADI);
  • O consumo de alimentos por bebés e crianças é considerado especificamente;
  • Quão amplamente o pesticida é usado (isto é, quanto da colheita é realmente tratada com o pesticida);
  • Informações sobre química, toxicidade e exposição aguda e crónica.


Finalmente a ciência e a tecnologia permitem ter métodos cada vez mais práticos e fiáveis para detectar e medir os níveis dos resíduos de pesticidas, para que os funcionários reguladores possam garantir que os resíduos estão abaixo do limiar considerado seguro.